Esquenta a disputa pela distribuição digital


Por Carlo Carrenho | Publicado originalmente em Tipos Digitais | 17/06/2015

DldO PublishNews noticia hoje que a Cosac Naify é a primeira editora a ser distribuída pela DLD sem fazer parte do consórcio que a controla, formado por sete editoras brasileiras. Serão 140 e-books da editora paulistana que passarão a integrar o catálogo da agregadora. Este anúncio é de extrema importância porque marca a entrada da DLD na disputa pelo controle da distribuição digital no Brasil. Se antes a empresa só aceitava distribuir sócios e se comportava mais como um clube, agora ela se torna um agregador comercial de fato. A empresa carioca, aliás, não foi atrás apenas da Cosac Naify, mas tem conversado com vários editores que parecem fazer parte de uma seleção criteriosa, sempre para oferecer seus serviços de distribuição.

Em minha opinião, o lento crescimento do mercado digital brasileiro em 2014 e início de 2015 se deve, em parte à ausência de bons serviços de agregadores no país. Até o ano passado, havia, na prática, apenas a Xeriph e a DLD operando em maior escala no Brasil. E se por um lado a Xeriph merece aplausos e reconhecimento por ter sido a pioneira e por ter feito um excelente trabalho de agregação de conteúdo no mercado brasileiro [arrisco-me a dizer que sem ela, a Amazon teria
Logo_xeriph_bigretardado muito mais sua entrada no Brasil], a verdade é que até o ano passado pelo menos, a empresa ainda não conseguia oferecer aos editores brasileiro o mesmo tipo de serviço e plataforma que empresas estrangeiras como Ingram, Overdrive e DeMarque colocam à disposição no exterior. Enquanto isso, a DLD não tinha interesse em distribuir não-sócios e empresas como Acaiaca Digital e Digitaliza ainda estavam começando. Assim, a distribuição digital no Brasil deixou muito a desejar em 2014.

Agora o cenário é outro, e não apenas pela entrada da DLD na briga. Afinal, já no início de 2015, a distribuidora digital Bookwire iniciou suas atividades no Brasil por meio de uma filial em São Paulo, capitaneada por Marcelo Gioia. Desde então, a empresa já fechou contrato com cerca de 80 editoras e já está distribuindo o conteúdo de 60 delas. A seu favor, Bookwireconta o fato de que a plataforma alemã já é mundialmente reconhecida como um dos melhores sistemas de distribuição de digital do mercado. Além disso, a empresa tem mostrado eficiência em otimização de metadados e serviços de marketing no exterior.

A carioca Xeriph, por sua vez, resolveu questões internas ligadas a saída do grupo Abril do controle da empresa em setembro do ano passado e, depois de avaliar possíveis compradores, decidiu seguir sozinha na operação podendo agora focar mais no negócio da distribuição e menos em assuntos corporativos. Uma das vantagens comparativas da empresa dirigida por Duda Ernanny é seu projeto de plataforma de biblioteca digital que ela vem desenvolvendo.

DigitalizaA Digitaliza, capitaneada por Igdal Parnes, ex-Elsevier, também começa a mostrar a que veio. Seu diferencial é oferecer financiamento dos custos de conversão para os editores que aderirem a sua plataforma. Na Digitaliza, portanto, os editores não precisam desembolsar capital para converter os títulos de seu catálogo. A empresa já distribui cerca de 30 editoras.

AcaiacadigitalFinalmente, a Acaiaca Digital, que chegou a negociar a compra da Xeriph em março e que distribui o catálogo digital da plataforma de self-publishing Clube de Autores, entre outros, parece mais ávida pelo quinhão digital, tanto que quase arrematou a Xeriph. A negociação só naufragou nos momentos finais. E a empresa conta com executivos do calibre de José Henrique Grossi.

Para um mercado que passou 2014 sem grandes opções de distribuição digital para os editores, o segundo semestre de 2015 promete. Agora são cinco agregadores digitais em atuação e, verdade seja dita, não há espaço para todos. Mas a concorrência é sempre saudável e que vença o melhor. Ou, ainda, que vença o livro digital. Ou, mais que isso, que vença o livro.

Por Carlo Carrenho | Publicado originalmente em Tipos Digitais | 17/06/2015

O gato subiu no telhado!


Por Ednei Procópio

Poderia escrever aqui diversas coisas que penso à respeito do case Gato Sabido. Que não era verdade que a Gato Sabido foi pioneira na venda de eBooks no Brasil. Que matérias hypes na imprensa, ou notinhas em uma newsletter duvidosa, não são suficientes para salvar uma empresa. Que a Gato Sabido importou o melhor e-reader da segunda geração, o Cool-er, abrindo o caminho para o que veio depois dela. Que a Gato Sabido, antes e depois de tentar avançar com a ideia da distribuidora digital, a Xeriph, enfrentou um mundo editorial retrógrado, marcado por uma histórica concentração de mercado. Mas que a verdadeira distribuidora sempre foi a Adobe. E, apesar de às vezes não compreender bem seu modelo de negócios, que, me parece, dançou conforme a música, sempre considerei o pessoal da Gato Sabido verdadeiros heróis por empreender em meio a tanta adversidade. Vou resumir o que penso parafraseando outro ditado: “Em terra de cego, quem tem um olho é Herz“.

Xeriph desiste de negociações e segue sozinha na distribuição de livros digitais


Reestruturação da empresa tira Gato Sabido do ar e o foco agora é na distribuição digital

A Xeriph enviou um comunicado ao mercado anunciando que desistiu da venda de suas operações. Conforme o PublishNews apurou no final de março, a empresa tinha negociado sua venda para a Acaiaca. “Recebemos sim propostas e avaliamos a possibilidade de venda. Mas, ao final, decidimos não abrir mão do negócio”, afirma Carlos Eduardo Ernanny, fundador e CEO da Xeriph, em nota enviada ao PublishNews. No mesmo comunicado enviado à redação, a Xeriph informa que a empresa passou por uma reestruturação que levou ao fim das atividades da Gato Sabido, braço varejista da companhia. “A Gato Sabido teve um papel fundamental na formação do mercado, mas o momento agora é da Xeriph. Vamos focar e investir na distribuição”, declara o CEO.

Ernanny permanece como principal sócio da Xeriph e está à frente do negócio, contando com apoio direto de dois executivos: Ana Maia, ex-diretora de Novos Canais do Grupo Ediouro, que responde atualmente pelo Comercial e pelo Marketing, e Julio Severo, que assume a gestão de TI, englobando o projeto Bibliotecas, plataforma digital de subscrição de livros.

Usuários da Gato Sabido têm até o dia 8 de maio para fazer downloads dos e-books ainda não baixados da plataforma. Após esta data, os usuários não terão mais acesso à Estante Virtual. As orientações estão na página da Gato Sabido.

Confira abaixo a íntegra do comunicado enviado ao mercado:

Informe

Prezado parceiro,

Comunicamos que a Xeriph, ao contrário do que foi noticiado no site PublishNews, não foi vendida e segue em frente atuando no mercado de distribuição de conteúdo digital.

Como todos sabem, a empresa, pioneira no setor, é hoje a maior agregadora de e-books da América Latina, distribuindo mais de 20 mil livros e contando com mais de 300 editoras em sua carteira.

A empresa passou recentemente por uma reestruturação, visando aprimorar seus processos internos e serviços, para, sobretudo, maximizar resultados.

Continuaremos nos esforçando para fornecer soluções cada vez mais transparentes e seguras aos nossos parceiros e reforçamos nosso compromisso de investir na construção do mercado de e-books.

Agradecemos mais uma vez a confiança e nos colocamos à disposição para esclarecer eventuais dúvidas através dos telefones:
[21] 3206-5332 – Comercial
[21] 3206-5330 – Financeiro

Atenciosamente,

Equipe Xeriph
Contatos: atendimento@xeriph.com.br

Por Leonardo Neto | PublishNews | 15/04/2015

Acaiaca compra Xeriph?


Contatadas pelo PublishNews, Acaiaca e Xeriph não confirmaram ainda a transação

O mercado de distribuição digital no Brasil tem ganhado força em 2015. Depois da chegada da alemã BookWire, a Digitaliza resolveu mexer no seu modelo de negócios e agora, a notícia é a compra da Xeriph pela Acaiaca. Criada em 2010, a partir do know how adquirido com a Gato Sabido, uma dos primeiros e-commerce de livros no Brasil, a Xeriph foi vendida ao Grupo Abril em 2013. O negócio com a Abril foi desfeito em setembro de 2014. A Acaiaca, que há quase 50 anos faz a distribuição de livros no Brasil, passou a apostar no digital no final de 2011, quando criou o agregador Acaiaca Digital. Contatadas pelo PublishNews, Acaiaca e Xeriph não confirmaram ainda a transação.

PublishNews | 31/03/2015

Empresa faz conversão de eBooks sem custos iniciais para editoras


Digitaliza Brasil aposta na parceria com editoras para fazer o mercado do livro digital crescer no Brasil

Em atividade desde 2013, a Digitaliza Brasil acaba de colocar na rua um novo modelo de negócio. A empresa, especializada em conversão e distribuição digital de livros, está abrindo às editoras a possibilidade de converter seus livros para o digital sem nenhum custo inicial. A proposta é fazer a conversão, organizar os metadados e começar a distribuição sem que as editoras coloquem a mão no bolso. A remuneração pela conversão é descontada quando o livro for vendido. Uma vez que os custos da conversão tenham sido cobertos, a empresa passa a fazer a ser remunerada apenas pela distribuição. Para Igdal Parnes, sócio-fundador da empresa, é uma forma de aumentar o número de editoras brasileiras no mundo digital. “Se a gente não for parceiro das editoras, o mercado de e-books não vai decolar no Brasil. Nesse modelo, as editoras entram no mundo digital sem colocar um tostão no negócio”, comentou Igdal que deixou a direção geral da Campus em 2012 e montou a Digitaliza. A empresa, que segundo Igdal tem pouco mais de 30 editoras na cartela de clientes, faz a distribuição digital para as maiores plataformas de vendas de e-books: Amazon, Apple, Google, Saraiva, Cultura e Barnes & Noble. “A nossa filosofia é passar a maior porcentagem de receitas para as editoras. É uma maneira de mostrar para o mercado que a gente está junto com as editoras”, disse. Nesse modelo recém lançado, a Digitaliza diz que já está convertendo cerca de 500 livros e a expectativa é que esse número chegue a seis mil até o fim do ano. “Temos capacidade para isso”, bate no peito. Sobre a chegada da BookWire ao mercado brasileiro [leia matéria sobre isso clicando aqui], Igdal diz estar confiante no potencial da Digitaliza. “Acredito que o mercado brasileiro é ainda muito pequeno, mas torço para que tenha espaço para todos”, disse ao PublishNews. Atualmente, no Brasil, há, além da Digitaliza e da BookWire, outros três players: Xeriph, DLD e Acaiaca. Contatos com a Digitaliza podem ser feitos pelo e-mail igdal@digitalizabrasil.com.br.

Por Leonardo Neto | PublishNews | 26/02/2015

Empresa alemã de distribuição digital chega ao Brasil


BookWire quer, a partir do Brasil, conquistar a América Latina

ens Klingelhöfer, CEO da BookWire

ens Klingelhöfer, CEO da BookWire

A BookWire, a agregadora digital que abocanhou boa parte do portentoso mercado alemão, chegou ao Brasil há pouco mais de um ano. O objetivo é fincar bandeira por aqui para conquistar a América Latina e alcançar a liderança do serviço de distribuição digital no Brasil, hoje ocupado pela Xeriph e pela DLD. De Frankfurt, Jens Klingelhöfer, CEO da BookWire, disse ao PublishNews que a “América Latina é um grande mercado a ser explorado, em especial para o negócio do livro digital. Esse mercado no Brasil apresenta grande dinamismo e nós vemos um grande potencial para as editoras”, comentou. A estrutura brasileira, por enquanto, é enxuta. A subsidiária brasileira é capitaneada por Marcelo Gioia e tem representações em São Paulo e no Rio de Janeiro. De acordo com Jens, a estrutura é ainda enxuta, mas a equipe conta com o apoio do escritório na Alemanha. “Nesse primeiro momento, faremos investimentos significantes na nossa equipe local e na infraestrutura. Além disso, as operações brasileiras se beneficiam em muito das nossas realizações em outros mercados. Somos uma equipe muito ágil e inovadora e, claro, nós tentamos criar sinergias entre as nossas equipes sempre que isso é possível”, disse ao PublishNews.

A BookWire hoje opera fortemente na Alemanha, Áustria, Espanha e Suíça; já marca presença no México e na Rússia e tem parceiros em alguns países da América Latina. Só na Europa, a empresa é responsável pela distribuição de mais de 800 editoras. A presença no Brasil ainda é tímida, mas, a expectativa é crescer muito nos próximos 18 meses, como explica Marcelo Gioia: “estamos bastante conscientes das dificuldades do mercado brasileiro, mas a nossa expectativa é alcançar, nos próximos 18 meses, se não a liderança do mercado, pelo menos, ficar entre as grandes”. Indo pelo mesmo caminho, Jens disse que o foco agora está na aquisição de conteúdos e na conquista de novas editoras para “relações duradouras e de confiança”. “A equipe local vai crescer ao longo dos anos para estabelecer a BookWire como um player relevante no mercado brasileiro”, disse esperançoso Jens.

Além da DLD e da Xeriph, a BookWire tem como concorrentes a Acaiaca e a Digitaliza. “Eu acredito que essas companhias que já atuam no Brasil têm feito um excelente trabalho para desenvolver o mercado. Ao mesmo tempo, estou certo de que nós podemos ser mais competitivos ao oferecer a nossa abordagem de serviços de 360 graus, que permitirá aos editores brasileiros desenvolver seu negócio rapidamente e com êxito”, disse Jens. “A tecnologia da BookWire já é consolidada, parruda, segura e, ao mesmo tempo, simples do ponto de vista da interface com as editoras. Esses pontos aliados à inteligência de marketing e de metadados já desenvolvida pela BookWire são diferenciais importantes da empresa”, comentou Gioia. “Nossa filosofia é baseada na combinação de alta tecnologia e serviços locais que vêm de mãos dadas com uma abordagem global de distribuição. Com isso esperamos atingir a nossa finalidade de alcançar mercados relevantes para os nossos clientes”, completou Jens.

Metadados, como se sabe, é um dos maiores percalços da distribuição digital no Brasil. A insuficiência de dados muitas vezes, se não impede, atrapalha, a “descobertabilidade” e a distribuição. Sabendo dessas questões, Jens não se desanima e se diz otimista com o desafio. “Nós temos larga experiência em desenvolver todos os processos que gravitam em torno da distribuição de e-books e de audiobooks. Os metadados é uma das expertises da BookWire. Nossa plataforma ‘BookWire MACS’ faz um excelente trabalho para facilitar a administração de metadados e de e-books, o que nós consideramos fundamental para o sucesso de distribuição. Além disso, nossa equipe tem um grande know-how para criar ‘produtos perfeitos’ do ponto de vista de metadados. Acreditamos que, em breve, os editores brasileiros caminharão para o entendimento do protagonismo dos metadados no crescimento do mercado digital”, disse.

Os editores que quiserem utilizar os serviços da BookWire não têm que desembolsar nada. Não há custos iniciais e nem riscos. A BookWire recebe uma comissão de distribuição sobre o preço do livro. “A nossa comissão é cobrada a partir do preço efetivo do livro, ou seja, aquele praticado na venda, além disso, não há upload fee ou outras taxas iniciais. A nossa participação depende do sucesso da editora”, enaltece Gioia.

Por Leonardo Neto | PublishNews | 10/02/2015

Bibliotecas virtuais | iniciativas, perspectivas e problemas


Por Felipe Lindoso | Publicado originalmente em PublishNews | 18/02/2014

No  última quinta-feira [13/02], fui assistir à apresentação do modelo de biblioteca pública virtual que está sendo lançado pela Xeriph. Há duas semanas, Galeno Amorim anunciou o próximo lançamento de um projeto de bibliotecas virtuais para bibliotecas escolares, e nos últimos dias a joint-venture da Saraiva, GEN, Atlas e Grupo A anunciou nova versão do modelo de seu programa Minha Biblioteca, que já está com três anos de vida.

Por outro lado, pipocam notícias sobre várias alternativas de aluguel e empréstimo de livros eletrônicos. A Amazon tem um serviço que funciona entre proprietários do Kindle e startups como a Oyster e outros almejam se tornar a “Netflix” dos livros. Como se sabe, a Netflix é um sistema de assinatura que permite o streaming de uma seleção já bastante extensa de filmes, séries de TV e congêneres.

Todas essas iniciativas possuem algo em comum, e imensas diferenças entre si.

A Kindle Lending Library está disponível para os que têm conta na Amazon americana e pagam pelo serviço Prime. Nesse caso, podem baixar temporariamente livros da biblioteca de empréstimo e também emprestar seus livros para outro usuário do Kindle. A assinatura anual do Prime custa US$ 79 e oferece algumas vantagens adicionais, como frete grátis [nos EUA]. Como tudo na Amazon, é um serviço destinado aos seus clientes e exclusivamente para estes. Ainda não está disponível no Brasil.

Minha Biblioteca foi imaginada inicialmente como uma grande “pasta do professor” legalizada e editada. As universidades contratam os serviços. Os alunos dessas universidades recebiam um login para acessar o acervo digital da instituição do ensino. Essa montava a biblioteca pagando o preço de capa dos livros escolhidos, que ficavam disponíveis “para sempre” [desde que isso exista na Internet…]. No modelo de aquisição, cada usuário da instituição pode acessar o título adquirido desde que este não esteja sendo lido por outra pessoa. Ou seja, a instituição de ensino deve calcular pelo menos uma média de exemplares adquiridos de modo a não congestionar o acesso ou fazer filas extensas.

O outro modelo é o de assinaturas, pelo qual a instituição de ensino paga pela quantidade de logins usados. Nesse caso, não há fila de espera.

Recentemente a Minha Biblioteca abriu outro modelo de negócio. Agora pessoas físicas, sem intermediação da instituição de ensino, podem adquirir ou alugar livros pelo sistema. O aluguel varia segundo o tempo e o preço de capa do livro. O aluguel de um livro por todo o semestre pode chegar a 60% do valor de sua compra.

Oyster por enquanto só funciona com cartões de crédito dos EUA.  A Nuvem de Livros funciona no Brasil e é exclusivo para assinantes da Vivo. Só funciona com acesso à Internet. Ou seja, além da assinatura [R$ 2,99], há também o custo da conexão e o programa só funciona online.

Nesses vários modelos de bibliotecas com sistema de aluguel, os leitores [pessoas físicas] compram assinaturas que permitem acessar uma certa quantidade de títulos no período, escolhendo entre acervos que crescem continuadamente. Essas iniciativas são todas muito importantes e ampliam o acesso ao livro de forma exponencial. Ainda são embrionárias e, em muitos casos, experimentais.

O modelo das Bibliotecas Digitais Xeriph tem algumas semelhanças com o da Minha Biblioteca, menos na possibilidade de aluguel direto por pessoas físicas.

Xeriph  foi a primeira distribuidora e agregadora de livros digitais no Brasil. Segundo Carlos Eduardo Ernanny, seu diretor [que continua no cargo depois que a empresa foi adquirida pelo Grupo Abril], a Xeriph surgiu como uma necessidade depois da fundação da livraria Gato Sabido, que se viu com pouquíssimo conteúdo disponível para vender depois de inaugurada. A criação da distribuidora foi o caminho encontrado para solucionar isso. Hoje, a Xeriph distribui mais de 200 editoras e dispõe de um acervo de cerca de 16.000 títulos para distribuição e comercialização.

O projeto de bibliotecas da Xeriph está destinado a bibliotecas públicas [de qualquer tipo] e bibliotecas empresariais. Em ambos casos, a autoridade responsável [órgão governamental ou o departamento encarregado da administração da biblioteca] adquire o acervo e o programa e recebe o pacote inteiro, que inclui as informações de cada usuário e de cada livro, ferramentas de administração [incorporação de acervo, de usuários, consultas de métricas, etc.] e o link para a app desenvolvida pela Xeriph que é de uso obrigatório para leitura. A Xeriph já desenvolveu apps para iOS e Android [o Windows Phone não foi mencionado] e para computadores pessoais.

Os livros disponíveis podem ser os agregados pela Xeriph ou, no caso de outros agregadores, os que as editoras autorizem participar no programa.

Os livros são vendidos pelo “preço de capa” do e-book [ePUB 2 ou PDF]. Nesse sentido, a Xeriph atua como uma loja e se remunera com o desconto que lhe foi concedido pela editora. Isso no modelo de compra dos livros.

Mas a biblioteca pode ser usada também pelo modelo de subscrição. Nesse caso, a empresa [ou o órgão governamental], adquire uma quantidade de logins, o sistema registra quantos livros foram retirados e cobra o preço pactuado por esses acessos [não foi revelado o preço, é claro, segredo de negócio e certamente sujeito a múltiplas negociações]. Sessenta por cento do recebido é transferido para as editoras, de modo proporcional aos acessos de seus livros.

No caso de venda dos livros, Carlos Eduardo Ernanny declarou ser favorável a uma venda definitiva, perpétua. Mas os editores podem estabelecer também um limite para downloads de empréstimo [modelo que vem sendo adotado por algumas editoras dos EUA]. Ou seja, depois de “x” empréstimos o livro não fica mais no acervo e a biblioteca terá que adquiri-lo novamente.
Quando o acervo é vendido, cada exemplar digital só pode ser emprestado a um usuário por vez. Se o livro estiver emprestado, forma-se uma fila. Se esta cresce muito, pode induzir o bibliotecário a adquirir mais exemplares do livro. No caso de subscrição, tal como na Minha Biblioteca, não existem filas.  Em todos os casos os usuários ficam com os livros nas suas estantes por duas semanas, e podem emprestar até cinco títulos por vez. No modelo de subscrição, para evitar que o usuário permaneça indefinidamente com o livro, a renovação do empréstimo só pode acontecer 45 dias após o final do empréstimo anterior. Em todos os casos, depois de terminado o período de empréstimo, o sistema automaticamente retira o livro da estante do usuário e o devolve para o acervo digital da biblioteca, abrindo espaço para outro usuário emprestar o volume.

Ernanny informou que, no caso de já existir um sistema de bibliotecas, a “biblioteca mãe” pode centralizar o empréstimo para todos os ramais, sempre dentro dos mesmos princípios: fila para os usuários, acesso imediato para subscrições, dentro da quantidade de logins adquiridos.

A Xeriph apresentou um modelo das páginas de uma biblioteca. O modelo é fixo, podendo mudar apenas no cabeçalho e na cor da barra superior, que podem incluir o logotipo da biblioteca, empresa, etc.

Logo abaixo dessa barra inicial aparece uma fila de livros [existentes no acervo] recomendados pelo sistema. Perguntado, Ernanny informou que essas recomendações são feitas exclusivamente através de algoritmos do sistema, não havendo possibilidade de cobrança para mudança de posição. Ora, sabemos que as livrarias cobram adicionais das editoras para colocação de livros na entrada, em vitrines, em pilhas, e que a Amazon levou esse processo a extremos, com as promoções ditas “cooperadas”.  Diante disso, sugiro às editoras, principalmente as pequenas, que vejam se essas condições estão ou não incluídas nos contratos.

A fila seguinte é a de “Recomendações do Bibliotecário”. Nesse caso, é o administrador da biblioteca que seleciona os títulos que recomenda. Pode haver também uma barra com os títulos “mais emprestados” e haverá também espaço para sugestões de aquisição. Alguns sistemas de administração de bibliotecas, como o Alexandria,  por exemplo, permitem que o programa localize de imediato o título sugerido, já que geralmente o leitor informa somente o título, às vezes o autor e quase nunca a editora.

Segundo Ernanny, as editoras terão condições de colocar metadados com informações adicionais sobre seus livros, Mas não foi informado como o sistema irá processar as buscas.

A leitura dos livros será feita exclusivamente através do app desenvolvido pela Xeriph, que já tem incorporado modo noturno e a possibilidade do fundo da página ser sépia, assim como mudar a fonte.

Ao entrar no sistema, o usuário pode verificar a lista de todas as bibliotecas que estão na Xeriph, mas deverá escolher aquela para a qual tem acesso. Poderá, se for o caso, ter acesso a duas ou mais bibliotecas, se estiver inscrito em várias.

Ernanny informou que deve entrar no ar a curto prazo um piloto do sistema, para o comprador que está na etapa final das negociações. O sucesso da empreitada, entretanto, depende certamente da quantidade e qualidade do acervo oferecido. Pela reação dos representantes das editoras presentes, percebi que isso não será problema. É mais um negócio que pode ser viável para os livros já digitalizados.

No caso da biblioteca da Xeriph, acredito que ela possa ter sucesso junto a empresas que ofereçam esse benefício a seus funcionários ou clientes. Pode bem ser um benefício de programas de milhagem ou similares.

Tenho minhas dúvidas quanto à sua implantação em bibliotecas públicas por uma razão bem simples: os impedimentos orçamentários e burocráticos que dificultam o crescimento de acervos nas bibliotecas públicas continuam sendo os mesmos na biblioteca digital. As prefeituras, em sua imensa maioria, não destinam recursos para as bibliotecas, que vivem de doações do público ou recebendo acervos proporcionados pelo governo. Nesses casos, o uso de mecanismos das leis de incentivo fiscal para patrocinar bibliotecas pode ser uma saída.

De qualquer maneira, o simples fato de tirar a necessidade de ir à biblioteca [ou a uma livraria] e facilitar o acesso, já é um grande ponto a favor. Programas de incentivo à leitura são fundamentais, mas sem o acesso a acervos atualizados, de pouco adiantam.

Por Felipe Lindoso | Publicado originalmente em PublishNews | 18/02/2014

Felipe Lindoso

Felipe Lindoso é jornalista, tradutor, editor e consultor de políticas públicas para o livro e leitura. Foi sócio da Editora Marco Zero, diretor da Câmara Brasileira do Livro e consultor do CERLALC – Centro Regional para o Livro na América Latina e Caribe, órgão da UNESCO. Publicou, em 2004, O Brasil pode ser um país de leitores? Política para a cultura, política para o livro, pela Summus Editorial. Mantêm o blogwww.oxisdoproblema.com.br

A coluna O X da questão traz reflexões sobre as peculiaridades e dificuldades da vida editorial nesse nosso país de dimensões continentais, sem bibliotecas e com uma rede de livrarias muito precária. Sob uma visão sociológica, este espaço analisa, entre outras coisas, as razões que impedem belos e substanciosos livros de chegarem às mãos dos leitores brasileiros na quantidade e preço que merecem.

Barnes & Noble no Brasil?


A dúvida é se o Nook chega ou não chega ao Brasil

Barnes & NobleNo último sábado, a jornalista petropolitana Raquel Cozer revelou em sua coluna Painel das Letras, na Folha de S. Paulo, o conteúdo de um e-mail da distribuidora de livros digitais Xeriph para os editores que distribui. Segundo a colunista, o e-mail trazia a informação que “a Barnes & Noble, além de vender os e-books nos países onde já atua, anuncia ‘para breve o início das vendas também no Brasil’”. A notícia chegou hoje aos EUA pelo site de notícias do mercado editorial internacional Publishing Perspectives, que pergunta “Is Barnes & Noble’s Nook Expanding to Brazil [O Nook da Barnes & Noble está vindo para o Brasil?”]. A ideia é que os leitores do site se manifestem na seção de comentários. Hoje também foi informado por Lauro Jardim, em seu Radar OnLine, que “executivos da livraria desembarcaram ontem por aqui. A negociação aponta para a inauguração da primeira livraria da Barnes & Noble no segundo semestre, ainda sem o Nook, o seu leitor digital”.

PublishNews | 12/02/2014

Bibliotecas digitais: um novo mercado a vista


Iniciativas no âmbito digital prometem dar fôlego extra à venda de e-books no Brasil

O Censo Nacional das Bibliotecas Públicas Municipais do Brasil, realizado em 2010 pela Fundação Getúlio Vargas [FGV] mostrou que 79% dos municípios brasileiros têm, pelo menos, uma biblioteca municipal. Em média, elas fazem modestos 296 empréstimos por mês. O reflexo disso na indústria editorial, até agora, era muito pequeno: a mesma pesquisa mostra que apenas 17% dos acervos das bibliotecas municipais são resultado de compras, contra 83% de doações. Mas algumas iniciativas no âmbito digital prometem mudar esse cenário. Na manhã de hoje, os editores cariocas conheceram a novíssima Biblioteca Xeriph, criada pela distribuidora de livros digitais de mesmo nome. O foco é exatamente as bibliotecas municipais e corporativas. A favor do projeto, está a cartela de clientes da Xeriph que hoje conta com 280 editoras, com catálogos bastante diversificados.

Carlos Eduardo Ernanny, diretor da Xeriph, aponta que o grande diferencial da nova biblioteca digital é que ela não é focada ou especializada em educação. “Somos a primeira biblioteca de e-books no Brasil não pensada exclusivamente nos estudantes”, explica. Outras iniciativas como Minha BibliotecaPasta do Professor e Árvore de Livros [que deve entrar em operação em março] têm como foco principal escolas ou universidades. Neste aspecto, o negócio daXeriph é mesmo diferente. O Censo da FGV mostrou que apenas 8% das pessoas que frequentam bibliotecas vão para lazer e é essa fatia que a Xeriph quer fazer crescer e, depois abocanhar. “Não é que o brasileiro não lê. Ele quer ler, mas não tem acesso ao livro”, defende Carlos Eduardo. O executivo lembra ainda que a quantidade de bibliotecas que abrem fora do horário comercial é irrisória. O censo da FGV fala de apenas 12% das bibliotecas funcionam aos sábados, por exemplo. “A população economicamente ativa não tem acesso à biblioteca e é isso que queremos mudar.O nosso modelo tem capacidade real de transformar o perfil das bibliotecas no Brasil”, promete o diretor. E já que as bibliotecas digitais nunca fecham, funcionam sete dias por semana, 24 horas por dia, o executivo defende que uma biblioteca que tinha 300 acessos por mês poderá ter 5 mil usuários ativos.

A plataforma da Xeriph foi viabilizada depois da compra da empresa pelo Abril Mídia, em maio passado. No projeto, foram empregados R$ 1,5 milhão e a plataforma já está pronta, de acordo com Carlos Eduardo. “Já estamos em negociação com uma grande empresa que tem operações dentro e fora do Brasil e ainda com o sistema de bibliotecas de uma grande cidade brasileira. Assim que fechar o contrato, colocamos a plataforma em operação”, conta. Por questões contratuais, a Xeriph não pode ainda revelar os nomes dos seus clientes em potencial.

Modelo de negócios

“A nossa grande missão era encontrar uma prática rentável para as editoras”, conta Carlos Eduardo. Para chegar a um modelo de negócio que atendesse esse demanda, foi criado um pool de dez editoras já clientes da Xeriph. Durante oito meses, diversos modelos de negócios foram submetidos a esses parceiros, que escolheram duas formas de vendas. Na primeira delas, a biblioteca compra a plataforma e o acervo, a partir do catálogo das editoras. Cada livro, comprado a preço de capa, poderá ser emprestado para apenas um usuário por vez, por 14 dias. Findado o prazo, o livro é compulsória e automaticamente devolvido. A segunda opção é comprar a plataforma e ter os livros por subscrição, ou seja, a biblioteca paga pelo acesso que seus usuários fazem ao livro. No modelo de subscrição, a editora será remunerada pela audiência. Cada vez que um livro for emprestado, a biblioteca paga uma taxa à Xeriph, 60% desse valor é repassado às editoras. Nos dois casos, o usuário não pode fazer mais de dez downloads ao mês e nem emprestar mais de 5 livros de uma só vez. De acordo com Carlos Eduardo, essa é uma maneira de não atrapalhar o negócio de livreiros.

A plataforma permite que quando o usuário clique no livro que tem interesse, ele não vê apenas a capa, a sinopse e outros metadados, mas também a fila de espera do livro. Se há mais de 25 pessoas na fila e apenas um exemplar adquirido, isso implica que o 26º usuário vai ter que esperar mais de um ano para ter acesso ao título desejado. Assim, o bibliotecário pode tomar a decisão de comprar outros exemplares, isso tudo de forma muito simples, a um clique. “A fila é um termômetro: uma fila cada vez maiorpossibilita que as bibliotecas se tornem grandes clientes para as editoras”, defende o diretor. Para utilização da plataforma, foram criados aplicativos para iOS, Android, PC e Mac.

Árvore de Livros

O PublishNews adiantou, no final de janeiro, a criação da Árvore de Livros, capitaneada por Galeno Amorim [ex Fundação Biblioteca Nacional]. Ao contrário da Biblioteca Xeriph, a Árvore é focada nas escolas das redes públicas e privadas, mais especificamente nos alunos de ensino fundamental 2 e médio. A plataforma, que deve entrar em operação em março, vai cobrar uma assinatura anual de governos, prefeituras, escolas e empresas para que seus usuários acessem de forma ilimitada por meio de computadores, smartphones e tablets.

De acordo com material enviado às editoras e ao qual o PublishNews teve acesso, a expectativa é adquirir acervo inicial de 200 mil e-books para atender mais de 170 mil alunos.O modelo de negócios da Árvore de Livros foi desenvolvido com base em estudos, pesquisas e comparações feitas com modelos existentes no mundo. Foram feitas adaptações à realidade e às peculiaridades do mercado nacional, e levou em conta o perfil e as práticas leitoras vigentes nas bibliotecas e escolas do País. Em resumo, a Árvore adquire pelo preço de mercado pelo menos um e-book escolhido para compor o acervo da biblioteca digital de seus clientes. O livro digital pode ser emprestado de forma simultânea e sua licença de uso expira após 100 empréstimos. Cada vez que um usuário tentar ler um e-book que está emprestado é gerada uma nova compra do produto. Por exemplo, um livro adotado por uma rede de ensino que exija a leitura simultânea de 5 mil alunos. Isso resultará na compra de 5 mil e-book desse título.

Relatórios mensais vão servir de guia para acerto com as editoras participantes do projeto. Além disso, a editora pode monitorar online e em tempo real a quantidade de acesso e a leitura de seus títulos, além de ter acesso a dados estatísticos sobre o desempenho e a preferência dos usuários, formando um perfil de seus consumidores. Na apresentação enviada aos editores, há um e-mail pelo qual editoras podem enviar propostas: editoras@arvoredelivros.com.br.

Contraponto

Para José Castilho Marques Neto, secretário executivo do Plano Nacional do Livro e Leitura [PNLL], essas iniciativas que começam a aparecer no ambiente digital são muito bem-vindas, mas precisam ser vistas com ressalvas. “Não podemos construir um fetiche em torno dessas questões, nem dizer que são absolutamente importantes e nem dizer que não são importantes”, comenta. Ele defende que, no que tangencia o PNLL, sejam construídos, além de plataformas de acesso a e-books, programas pedagógicos de incentivo à leitura. “Nenhuma biblioteca – seja digital ou física – vai resolver o problema da leitura no Brasil”, comentou.

Castilho comenta ainda que não dá para “fazer marketing em cima dessas iniciativas” e conclui: “No fim, pode ser um bom negócio para quem produz, mas não vai ter o efeito desejado se não estiver dentro de um planejamento mais amplo”.

Evento em SP

Hoje pela manhã, a Xeriph apresentou a plataforma e seu plano de negócios para editores cariocas. No dia 13/02 será a vez de São Paulo. São esperados mais de 100 representantes de editoras paulistas. O encontro será no São Paulo Center [Av. Lineu de Paula Machado, 1088/1100 – Cidade Jardim], a partir das 16h.

Por Leonardo Neto | Publicado originalmente em PublishNews | 11/02/2014

Clube do livro e bibliotecas são revisitados no formato digital


O streaming de livros não é a única novidade surgida no mercado editorial digital nos últimos tempos. Em parceria com a Claro e a Oi, a distribuidora de livros digitais Xeriph lançou seu próprio serviço de biblioteca digital, no qual é possível ter acesso simultâneo a três livros por semana, com o pagamento de R$ 3,99. Para ter acesso a um quarto livro, é preciso devolver um volume que já esteja emprestado.

Com essa operação, numa base de 120 milhões de clientes, podemos levar o livro a lugares que não têm uma livraria num raio de 30 quilômetros, como é o caso de algumas cidades no interior do Rio de Janeiro, por exemplo“, explica Duda Ernanny, fundador da empresa. “Queremos crescer ainda mais, com anuência das editoras, que estão sendo corajosas e tentando se reinventar.

Segundo Ernanny, “as editoras ainda são as donas da matéria-prima do nosso serviço, e ouvi-las é muito importante, bem como aos consumidores“. Procuradas pela reportagem, Oi e Claro não revelam os números de usuários nem de livros lidos pelos programas, por considerarem os dados estratégicos.

eReatahOutro modelo recém-chegado ao mercado, mas bastante conhecido dos brasileiros, é o dos clubes dos livros, retomado pelo eReatah. Disponível para iOS e Android, o serviço tem um leitor digital próprio, com formato específico, e deixa os usuários baixarem entre dois e quatro livros por mês em seus planos de assinatura. O acervo do eReatah tem 85 mil títulos, e funciona de modo similar ao do Círculo do Livro, editora brasileira bastante popular nas décadas de 1970 e 1980, que oferecia edições a preços acessíveis, mas obrigava seus afiliados a comprar no mínimo um livro por mês.

Talvez seja cedo para saber como estará o cenário da leitura nos próximos tempos. O mercado local é incipiente. Em 2012, foram vendidos 228 mil livros, gerando receita de R$ 3,6 milhões. Entretanto, os novos modelos de leitura, quando somados às bibliotecas livres de direito autoral e à venda de e-books de maneira tradicional, ajudam a incrementar o potencial dos livros eletrônicos no País.

O Estado de S. Paulo | 04/11/13, às 6h30

Serviços de leitura online querem ser ‘Netflix dos livros’


Scribd e Oyster assinam parcerias com grandes editoras e usam acervo compartilhado por usuários para criar opções de streaming que facilitam a experiência do livro digital ao permitir acesso em dispositivos diferentes sem perder a página

Depois de guardar documentos, ouvir música e assistir a filmes por streaming, sem precisar armazenar o conteúdo no computador, chegou a hora dos livros. É esse o conceito por trás dos serviços oferecidos por empresas como Scribd e Oyster.

Chamado de “Netflix dos livros” pela revista Wired, o Scribd lançou seu streaming de livros há cerca de um mês. Por US$ 9 mensais, o usuário ganha acesso ilimitado a um acervo de 40 milhões de títulos, que tem clássicos, publicações independentes, e, recentemente, recebeu o reforço do catálogo de uma editora bastante tradicional nos EUA, a Harper Collins. “Queremos ser parceiros de outras grandes em breve.“, explica Trip Adler, CEO do Scribd, em entrevista ao Link.

Disponível no mundo todo, o sistema se destaca por ser multiplataforma. O usuário pode começar a ler no computador e, ao sair de casa, continuar no celular. Dois poréns: a maior parte do acervo [e a mais saborosa] está em inglês. E, assim como acontece com os filmes no Netflix, não espere achar por lá novidades como O Chamado do Cuco, de J.K. Rowling. O catálogo, embora amplo, tem muitas lacunas uma vez que o Scribd ainda não tem acordos com a maior parte das grandes editoras.

Em um mês de serviço, o livro mais lido no mundo no Scribd é brasileiro: O Alquimista, de Paulo Coelho, em sua versão em inglês. No Brasil, porém, o posto pertence a The Vampire Diaries: The Awakening.

O Oyster conta com cerca de 100 mil livros em seu acervo, também é parceiro da Harper Collins e custa US$ 9,95 por mês, mas está disponível só nos EUA e para iOS. O serviço tem como diferencial o engajamento social, permitindo dar e receber dicas de leitura dos amigos.

Pagando a conta. O streaming de livros parece interessante porque custa aproximadamente o preço de dois e-books, mas oferece aos usuários um número maior de leituras. Mas como esse sistema pode dar lucro?

Pagamos às editoras quando os usuários leem uma parte considerável da publicação. Quando o livro é lido por inteiro, elas recebem o valor integral de um e-book“, diz Adler.

Dessa maneira, apenas poucos usuários custam ao sistema mais que US$ 8,99 por mês. “O serviço se paga de uma forma mais simples do que parece“, explica o CEO, uma vez que a maior parte dos acessos corresponde a folheadas e consultas rápidas dos usuários – em média, os usuários folheiam 4,5 livros para cada volume lido até o final.

Para o empresário, “o Scribd faz os leitores se sentirem numa biblioteca, como se ler um livro atraísse a leitura de um próximo“, sendo vantajoso para escritores e editoras. Paulo Coelho, por exemplo, já twittou sobre o serviço, dizendo leu vários livros pelo Scribd.

Nem todos pensam assim. Duda Ernanny, que criou a Xeriph, distribuidora brasileira de livros digitais, acha o modelo pouco viável. “Se todos puderem ler os títulos ao mesmo tempo, livrarias e editoras podem acabar, e são elas que sustentam o mercado. Além disso, um serviço desses teria de pagar um absurdo em direitos autorais para tornar disponível um acervo desse tamanho.

Para Sonia Jardim, presidente do Sindicato Nacional dos Editores de Livros, “é um modelo bom para livros técnico-científicos, combatendo a cultura da cópia que reina hoje nas universidades“. Mas, para ela, “deveria existir um limite de títulos que podem ser acessados ao mesmo tempo. Senão, os autores receberão muito pouco“, diz.

Próxima página. O Scribd existe desde 2006 como uma plataforma de livros e textos muito popular entre universitários. Para o novo projeto, o empresário busca parcerias com editoras, dentro e fora dos EUA.

O Brasil é importante para nós em termos de tráfego. Queremos logo chegar aí, com textos em português e mais autores brasileiros“, diz Adler.

Hoje, muitos dos livros em português no acervo do Scribd são colocados de maneira ilegal pelos usuários. “Levamos o direito autoral a sério. Nosso negócio só funciona se as editoras ganham, e livros ‘piratas’ não fazem parte disso“, responde o empresário. “Toda vez que retiramos um livro por estar ilegal, contatamos a editora para tê-lo no nosso acervo, porque há interesse do público.

Por Bruno Capelas | O Estado de S. Paulo | 03/11/13, às 18h55

CURSO | A Revolução dos Livros Digitais


Escola do Escritor

Muito se tem estudado sobre a atuação de empresas como Google, Kobo, Apple e Amazon no Brasil. As plataformas que esses players oferecem podem estar mais próximas do alcance das editoras, e do autor, do que possa imaginar. Mas ainda é preciso preparar-se para um novo cenário no mercado editorial.

Pensando em desmistificar um tema aparentemente complicado, a Escola do Escritor desenvolveu um curso especialmente para autores e profissionais que desejam compreender mais sobre esse novo meio de edição e publicação dos livros.

Venha aprender como a sua obra pode estar ao mesmo tempo em diversas mídias e porque o livro se tornou alvo das maiores empresas de tecnologia do mundo e, portanto, o artefato cultural mais influente da História.

O CONTEÚDO

• O que é um Livro Digital
• A História dos Livros Digitais no Brasil e no Mundo
• A Cadeia Produtiva do Livro Antes e Depois dos eBooks
• A Questão dos Hardwares [smartphones, tablets, e-readers, etc.]
• A Questão dos Softwares [Android, iOS, Windows Phone, etc.]
• A Questão dos Formatos [PDF, ePub, HTML5 e o livro-aplicativo ou enhanced books]
• A Questão da Conversão, Digitalização e Produção dos eBooks
• A Gestão de Catálogo e Conteúdo [Publicação, comercialização e distribuição dos livros digitais.]
• A Gestão dos Direitos Autorais

QUEM PODE SE BENEFICIAR DO CURSO

O curso se destina a todos os interessados em livros eletrônicos; profissionais da cadeira produtiva da indústria editorial brasileira, desde os que atuam na produção e na área editorial quanto os profissionais que atuam nas vendas, comercialização e marketing dos livros. Incluindo profissionais que atuam dentro das editoras, das livrarias, distribuidoras, bibliotecas etc.

SOBRE O PROFESSOR

Ednei Procópio, um dos maiores especialista em livros digitais do País, junta arte e tecnologia em um curso inspirador, voltado para quem gosta das histórias por trás da História; mas também para quem pretende entrar na Era Digital através dos livros.

ANOTE NA SUA AGENDA

Dia: 13 de Julho de 2013, sábado
Carga horária: 6 horas
Horário: Das 9h00 às 15h00
20 vagas | Valor único: R$ 170,00

INSCRIÇÕES

Escola do Escritor
Rua Deputado Lacerda Franco, 253 | Pinheiros
Metrô Faria Lima – Saída Teodoro Sampaio
escoladoescritor@escoladoescritor.com.br
Telefone: [11] 3032-8300

Curso | A Revolução dos Livros Digitais


Escola do Escritor

Muito se tem falado sobre a chegada de empresas como Google, Kobo, Copia e Amazon ao Brasil. As plataformas que esses players oferecem podem no entanto estar mais próximas do alcance do autor do que ele possa imaginar. Mas é preciso preparar-se.

Pensando em desmistificar um tema aparentemente complicado, a Escola do Escritor desenvolveu um curso especialmente para autores que desejam saber mais sobre esse novo meio de edição e publicação dos livros.

Ednei Procópio, um dos maiores especialista em livros digitais do País, junta arte e tecnologia em um curso inspirador, voltado para quem gosta das histórias por trás da História; mas também para quem pretende entrar na Era Digital através dos livros.

Venha aprender como a sua obra pode estar ao mesmo tempo em diversas mídias e porque o livro se tornou alvo das maiores empresas de tecnologia do mundo e, portanto, o artefato cultural mais influente da História.

O Conteúdo

• O que é um Livro Digital
• A História dos Livros Digitais no Brasil e no Mundo
• A Cadeia Produtiva do Livro Antes e Depois dos eBooks
• A Questão dos Hardwares [smartphones, tablets, e-readers, etc.]
• A Questão dos Softwares [Android, iOS, Windows Phone, etc.]
• A Questão dos Formatos [PDF, ePub, HTML5 e o livro-aplicativo ou enhanced books]
• A Questão da Conversão, Digitalização e Produção dos eBooks
• A Gestão de Catálogo e Conteúdo [Publicação, comercialização e distribuição dos livros digitais.]
• A Gestão dos Direitos Autorais

Quem Pode se Beneficiar do Curso

O curso se destina a todos os interessados em livros eletrônicos; profissionais da cadeira produtiva da indústria editorial brasileira, desde os que atuam na produção e na área editorial quanto os profissionais que atuam nas vendas, comercialização e marketing dos livros. Incluindo profissionais que atuam dentro das editoras, das livrarias, distribuidoras, bibliotecas etc.

Anote na agenda

A Revolução dos Livros Digitais
Quando: 23 de fevereiro de 2013, sábado
Carga horária: 6 horas
Horário: 9h00 às 15h00
Valor único: R$ 170,00
Lotação: 20 vagas

Sala de aula

Rua Deputado Lacerda Franco, nº 253
CEP 05418-000 – Pinheiros, São Paulo, SP
Metrô Faria Lima – Saída Teodoro Sampaio

Escola do Escritor
escoladoescritor@escoladoescritor.com.br
http://www.escoladoescritor.com.br
Telefone: [11] 3032-8300

Apfelstrudel de IOF


Por Carlo Carrenho | Publicado originalmente e clipado à partir do Blog Tipos Digitais 

A Apple está vendendo livros digitais para leitores brasileiros desde o último domingo, como o site Revolução eBook noticiou em primeira mão. Pode-se concluir que foi aberta então a iBookstore brasileira? Na verdade não, pois os livros estão sendo vendidos diretamente dos Estados Unidos e em dólar. Ou seja, a Apple aplicou um jeitinho brasileiro para contornar as dificuldades fiscais e legais para comercializar e-books no Brasil, entre elas a legalidade ou não do modelo agência e a manutenção da isenção de impostos sobre o livro dentro do modelo digital de negõcio. O resultado, no entanto, não é uma iBookstore brasileira, mas uma janela de acesso aos livros brasileiros na iBookstore americana. Ao entrar na loja com livros em português da Apple, a sensação é semelhante àquela que se tem ao se entrar uma loja física de venda de produtos Apple no Brasil, uma daquelas “Apple Resellers”. Pode até lembrar uma Apple Store, mas está longe de ser uma. E assim como continuamos sem uma Apple Store de verdade no Brasil, provavelmente seguiremos sem uma iBookstore de verdade por aqui por algum tempo.

A Apple disponibilizou 3158 títulos em português para seus clientes brasileiros que acessam a loja pelo iTunes ou pelos aplicativos para iPhone e iPad. Este era o número na manhã de 23/10. Entre estes títulos, estão livros distribuídos pela Distribuidora de Livros Digitais, a DLD, o poderoso consórcio que reúne Objetiva, Record, Rocco, Sextante, L&PM, Planeta e Novo Conceito, que possui um catálogo de best-sellers estimado em 1500 títulos. Há também livros fornecidos pela distribuidora Xeriph, mas, ao contrário do que ocorre com a DLD, apenas algumas das editoras distribuídas pela agregadora carioca estão à venda na Apple, entre elas a Todolivro e a Boitempo. Intrínseca e Companhia das Letras, que estão comercializando seus livros digitais diretamente com a Apple, também marcam presença na loja da maçã. Em termos de tamanho de catálogo, merecem destaque a própria Companhia das Letras, com 494 títulos, e a L&PM, que possui 435 títulos via DLD. O grupo Record aparece com cerca de 330 títulos, também por meio da DLD. As maiores ausências são a Saraiva, dona do maior catálogo digital do país, a Globo Livros e seu mega-seller  Ágape, e a Zahar, que sempre esteve na vanguarda dos experimentos digitais.

Como todo este catálogo está a partir de agora disponível na loja americana, isto deve deixar os brasileiros da diáspora bastante felizes. E, como mencionado, estes livros digitais podem ser comprados no Brasil, em dólar, graças a uma janela de integração da iTunes Store brasileira com a americana. Os preços em dólares, aliás, são os mesmos nos EUA e no Brasil, mesmo porque, na prática, a compra se realiza na loja de lá. E embora isto represente um avanço, pois até domingo era impossível para brasileiros adquirirem qualquer livro na Apple, esta solução traz uma série de problemas que podem se revelar empecilhos ou incômodos relevantes para o leitor brasileiro.

O principal incômodo é, sem dúvida, a cobrança de IOF. Como a compra será feita no exterior e em dólares, incide a cobrança deste imposto cuja alíquota atual é 6,38%. Obviamente, não está escrito em nenhum lugar na loja da Apple que haverá esta cobrança, mas os consumidores vão descobrir isto assim que as faturas mensais começarem a chegar. Em um país onde o livro é absolutamente isento de impostos, a Apple conseguiu a proeza de vender livros do Brasil para leitores brasileiros com imposto.

Outro problema é que a compra só pode ser feita com um cartão de crédito internacional. Segundo a Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços, a Abecs, apenas 15% da população brasileira possui cartão de crédito internacional [veja p. 40 desta pesquisa]. Outro dado interessante é a diferença de gastos de brasileiros no exterior e no Brasil com cartões de crédito. Segundo a própria Abecs, no segundo trimestre de 2012, os brasileiros gastaram R$ 111 bilhões no Brasil contra apenas R$ 6 bilhões no exterior. É claro que a probabilidade de um usuário de iPhone ou iPad possuir um cartão internacional é muito maior e, portanto, muito mais do que 15% destas pessoas terão condições de adquirir os livros. Mas, ainda assim, esta é uma limitação que poderia ser evitada, assim como a cobrança do IOF.

Uma terceira questão é que a conversão para reais de uma compra em dólares só ocorre no fechamento da fatura e, por mais que o câmbio tenha ficado estável recentemente, a verdade é que o consumidor só saberá o preço final do livro quando pagar a conta.

Obviamente, se os preços da Apple forem mais baixos que os da a concorrência, estes problemas poderiam ser compensados e até o IOF se tornaria irrelevante. Infelizmente, uma rápida comparação mostra que os preços da maçã são muitas vezes superiores aos da concorrência. Por exemplo, a própria biografia do Steve Jobs está à venda por US$ 16,99. Convertendo-se este valor com o câmbio de hoje e aplicando-se os 6,38% de IOF, chegamos a R$ 36,60, enquanto o mesmo e-book custa R$ 32,50 na Saraiva. O best-seller Cinquenta tons de cinza sai na loja da Apple por US$ 12,99, ou R$ 27,98 após conversão e imposto, e custa apenas R$ 24,90 na Saraiva.

Embora o início das vendas de livros brasileiros pela Apple seja de fato um avanço, especialmente para o público internacional, aqui no Brasil a novidade não muda muito a vida do leitor nacional, que provavelmente continuará preferindo a Saraiva para comprar seus livros digitais. Afinal, na Saraiva há um catálogo de cerca de 11 mil títulos, não se paga IOF, não é necessário cartão de crédito internacional e o preço final é inferior. E como a empresa brasileira possui aplicativos de leitura para iPhone e iPad, a experiência de leitura é praticamente a mesma. Outra opção é comprar da Livraria Cultura e transferir o arquivo para um aplicativo de leitura da Bluefire ou da Kobo. Ah! E por falar nisso, em breve a Kobo lança junto com a Cultura sua loja, leitores e aplicativos de leitura aqui no Brasil, com vendas em reais.

No último fim de semana, enquanto a Apple começava a comercializar seus livros digitais em português, acontecia o evento FIM no Rio de Janeiro, com vários painéis que discutiram os livros digitais e as rupturas tecnoloigcas na indústria do livro. Em certo momento das conversas, o curador Julio Silveira declarou: “A Kobo é uma livraria, a Amazon é um tico-tico no fubá, e a Apple vende livro com raiva porque quer vender coisas que piscam.” Por enquanto, parece mesmo que a Apple está mais interessadas nas coisas que piscam. Se ela quiser ser um player relevante no mercado editorial brasileiro, terá de abrir uma iBookstore brasileira de verdade e completa. Até lá continuamos esperando. Assim como temos esperado por anos a abertura de uma Apple Store em uma grande metrópole brasileira.

Por Carlo Carrenho | Publicado originalmente e clipado à partir do Blog Tipos Digitais 

Linha de chegada


A concorridíssima corrida pelo mercado de livros digitais no Brasil deve fazer com que Amazon, Google, Kobo e Apple estreiem aqui em novembro com poucos dias de diferença. Quem conhece a Amazon acha improvável que ela compre a Saraiva, conforme rumores recentes, mas acredita na estreia da amazon.com.br, com venda de e-books em português, no mês que vem. Embora a venda do Kindle no Brasil esteja indefinida, há 300 mil usuários do Kindle Books em português no mundo, o que torna a venda só de e-books um bom negócio por ora.

A empresa já fechou com quase 200 editoras nacionais, a maior parte representada pela distribuidora Xeriph, mas ainda não com as seis representadas pela DLD, que respondem por cerca de 35% dos best-sellers no país. A mesma DLD, no entanto, fechou com Kobo – que estreia já com um modelo de e-reader- Google e Apple.

Por Raquel Cozer | Folha de S. Paulo | 22/10/2012

A Amazon vai comprar a maior rede de livrarias do Brasil?


Livrarias raramente causam rebuliço na Bovespa, a Bolsa de Valores de São Paulo. Afinal, só uma rede de livrarias, a Saraiva SA Livreiros Editores [SLED4] – a maior do Brasil – é negociada por lá. Portanto o que aconteceu na última quarta-feira na Bolsa, poucos minutos antes do fechamento do pregão, foi realmente algo extraordinário e, talvez, simbólico das novas águas que a indústria editorial tem navegado ultimamente. O fato é que quando aBloomberg noticiou que a Amazon estava negociando a compra da Saraiva, as ações da livraria subiram até R$ 28, o valor mais alto alcançado nos últimos 12 meses, representando uma alta de 7,28% no dia – dos quais 7% aconteceram nos minutos finais do pregão.

Outro varejista ligado ao mercado de livros e listado na Bovespa, a B2W [BTOW3], conhecido também como Submarino, não teve tanta sorte. Antes visto como um potencial alvo de aquisição da Amazon, suas ações caíram 4,34%, chegando a R$ 11,47. No dia seguinte, as ações da B2W caíram mais 8,54% até R$ 10,49, enquanto as ações da Saraiva permaneceram estáveis, caindo meros 0,36% para R$ 27,90.

A Amazon poderia chegar ao Brasil em novembro

Rumores sobre a atividade da Amazon no Brasil já circulam há anos, com cada vez mais intensidade. O fato é que não se pode mais chamá-los de rumores. Ainda não se sabe se vai acontecer com ou sem a compra da Saraiva, mas a fonte anônima da Bloomberg parece estar correta. Na semana passada, o jornalista brasileiro Lauro Jardim publicou no Radar On-Line que a Amazon decidiu que a data de lançamento no Brasil será em novembro. Todo mundo sabe, no entanto, que a Amazon raramente usa o tempo futuro em seus comunicados, portanto isso só pode ser visto como especulação, apesar de ser uma especulação bastante plausível.

E por quê? Duas razões. Primeiro, as negociações com a DLD [Distribuidora de Livros Digitais] estão perto de serem finalizadas. A DLD é um consórcio de sete grandes editoras brasileiras que controla ao redor de 35% da lista de best-sellers no país. Elas sempre negociam em conjunto e estão fazendo assim com a Amazon. E são, de longe, o maior desafio para os executivos de Seattle, já que estas editoras estão agressivamente exigindo condições comerciais favoráveis e o controle final sobre os preços. Limitar os agressivos descontos da Amazon são uma condição sine qua non para este grupo de sete empresas. No entanto, fontes no mercado já deixaram claro que um acordo com a DLD está muito perto e deve  acontecer antes do fim do ano. Além disso, de acordo com o noticiário local, a Amazon já conseguiu um acordo com a Xeriph, a principal agregadora de e-books, para distribuir pelo menos uma parte de seu catálogo digital. Então, é fato que a Amazon ou já tem ou está a ponto de ter conteúdo suficiente para abrir sua loja de e-books brasileira. Portanto, um lançamento em novembro não parece algo muito absurdo.

E os leitores digitais?

Se a Amazon chegar realmente, será que conseguirá disponibilizar Kindles no Brasil em tão pouco tempo? Bem, depende do que significa “disponibilizar no Brasil”. Se significa ter Kindles estocados localmente ou vendido em lojas físicas, a resposta é provavelmente “não”. A menos que os aparelhos já tenham chegado ao Brasil ou pelo menos já tenham sido despachados, é difícil imaginar que todo o processo de importação possa levar apenas poucas semanas, incluindo a liberação alfândegária. No entanto, se “disponibilizar no Brasil” significa que os brasileiros podem comprar Kindles online diretamente dos EUA e recebe-los em suas casas, então isto isso já é uma realidade operacional.

Por uns US$ 216 [o preço do Kindle e-ink da geração anterior mais barata] entregue em um endereço brasileiro, com os impostos incluídos, a Amazon possui o e-reader dedicado mais barato do Brasil. Agora, imaginem se a Amazon der um desconto especial ou oferecer entrega expressa gratuita a clientes brasileiros. Nesse caso, não seria necessário um grande processo de importação. Esta é a segunda razão que torna plausível uma especulação de que a Amazon vai abrir no Brasil antes do final do ano. Quanto aos preços competitivos dos Kindles, não podemos esquecer que a Kobo e a Livraria Cultura prometeram disponibilizar seus e-readers antes de dezembro. Podemos então esperar algo como uma guerra de preço na disputa pelos clientes na época do Natal.

Mas a Amazon realmente vai comprar a Saraiva?

Não vamos esquecer o outro cenário: os rumores da aquisição da Saraiva. Se isto for verdade, as coisas poderiam acontecer de forma diferente, talvez com maior rapidez. Para entender melhor esta possibilidade, no entanto, devemos conhecer um pouco mais sobre a maior rede de livrarias brasileira.

A Saraiva foi fundada em 1914 por um imigrante português como uma livraria de livros usados especializada em Direito. Três anos depois, começou a publicar livros. Hoje, quase 100 anos e várias aquisições depois, o grupo Saraiva inclui a maior rede brasileira de livrarias e uma das editoras mais importantes do país, forte na área de didáticos – onde se beneficia das enormes compras governamentais – e na área de Direito. Outras áreas de atuação incluem mercado geral, infantis, negócios e outros setores Acadêmicos. No lado do varejo, a Saraiva possui 102 lojas, das quais 47 são megastores. Em 2008, o grupo adquiriu a Siciliano, a segunda maior rede de livrarias brasileira, e se consolidou como a maior livraria no país [para comparar, imagine a Barnes & Noble comprando a Borders, se esta ainda existisse].

De acordo com a Bloomberg, o capital da Saraiva é de US$ 355 milhões, e o grupo Saraiva foi uma das três editoras brasileiras a entrar na lista anual das maiores empresas editoriais do mundo compilada pelo consultor editorial austríaco, Rüdiger Wischenbart.

Todo o mercado editorial brasileiro está avaliado em US$ 6,7 bilhões, de acordo com o último Global Ranking of the Publishing Industries. Para dar uma idéia do poder da Saraiva, a empresa teve uma receita total de R$ 1,889 bilhões em 2011 – apesar de que mais de um terço de suas vendas venham de outros itens e não de livros. E este número continua crescendo: a empresa teve um crescimento de 20,7% em 2011 em relação a 2010, com ganhos [Ebitda] de R$ 172,6 milhões ou 9,1% de receita. Na primeira metade de 2012, a receita foi de R$ 889 milhões, um crescimento de 8,9% sobre o mesmo período de 2011. Os lucros também cresceram de R$ 65,6 milhões para R$ 79,29 milhões na primeira metade de 2012, com uma margem de 8,9%. As livrarias Saraiva, no entanto, não vendem apenas livros, mas também CDs, DVDs, computadores, aparelhos eletrônicos e suprimentos para escritório. O site deles, lançado em 1998, vende uma seleção ainda maior de itens, de bicicletas a geladeiras. Em 2011, R$ 810,3 milhões de vendas vieram de produtos que não eram livros, correspondendo a 56,2% da receita da rede.

Os números são ainda mais interessantes quando se compara o desempenho da rede de livrarias da Saraiva ao da editora Saraiva. Em 2011, só 23,7% da receita do grupo veio da editora, um valor de R$ 447,1 milhões. No mesmo ano, no entanto, os ganhos [Ebitda] do negócio editorial forma de R$ 96,7 milhões e corresponderam a 55% dos ganhos de todo o grupo. Isso foi possível porque a margem de lucro das livrarias Saraiva foi de apenas 5,4% no ano passado, enquanto que a margem da editora chegou a 19,3%. Também é importante lembrar que 35,9% ou R$ 517,3 milhões da receita de varejo eram provenientes do e-commerce.

A análise destes números é crucial para se entender os possíveis caminhos que uma aquisição da Saraiva pela Amazon poderia tomar. Há basicamente três opções:

1] A Amazon adquire todo o grupo Saraiva
Esta é certamente a opção menos favorável, pois a Saraiva provavelmente não venderia sua unidade editorial, que é a parte mais lucrativa do negócio. A Amazon, por outro lado, provavelmente pensaria duas vezes antes de se tornar concorrente de outras editoras no Brasil antes mesmo de abrir sua própria loja local. Não faria sentido estratégico entrar no negócio editorial antes de começar sua atividade livreira em um novo mercado.

2] A Amazon adquire a divisão de vendas de livros da Saraiva
Este poderia ser o cenário dos sonhos para a Saraiva, já que venderia sua divisão menos lucrativa e manteria seu negócio com melhores resultados. A editoria e a livraria Saraiva já estão separadas em duas entidades legais diferentes, facilitando o processo de uma possível venda parcial. Claro que neste caso alguma sinergia se perderia, mas nada que um bom contrato com obrigações futuras não possa superar. E as margens de lucro são tão diferentes entre os dois negócios que tais sinergias não seriam suficientes para evitar um acordo. Do lado da Amazon, no entanto, não parece fazer muito sentido comprar 102 livrarias. Seria a primeira vez que a gigante de Seattle teria lojas físicas. É difícil imaginar que a Amazon mudaria sua estratégia global só para entrar no mercado brasileiro. Sim, o Brasil é o país da vez, mas o mundo é um lugar muito grande e é possível imaginar a Amazon em mercados como Escandinávia, Europa Oriental, Rússia ou África do Sul antes de imaginá-la repensando sua raison d’être ou vendendo sua alma ao demônio das lojas físicas.

3] A Amazon adquire somente a loja online da Saraiva
O site da Saraiva é responsável por 27,4% das receitas da Saraiva. Se a Amazon pudesse adquirir somente o negócio online, isto rapidamente abriria caminho no mercado e permitiria que ela superasse vários obstáculos sem precisar se envolver com a administração de lojas físicas. No entanto, isso não faria sentido para a Saraiva. O que seria de uma rede de livrarias sem um site no mundo de hoje? É difícil imaginar a Saraiva cometendo o mesmo erro que a Borders cometeu, deixando sua presença na web brasileira desaparecer ao vender, se associar ou fazer uma joint venture com uma empresa de e-commerce como a Amazon.

Se uma negociação entre os dois grupos realmente existe, faz sentido acreditar que ela acontece em torno das opções 2 ou 3. Uma decisão entre uma dessas opções favorece ou Amazon ou a Saraiva, dependendo de qual for a direção tomada, mas a inclusão ou não das 102 lojas físicas deve ser o ponto nevrálgico da negociação.

Brasileiros, cuidado

Qualquer que seja o modelo adotado, no entanto, uma possível aquisição da Saraiva pela Amazon não é razão para que as editoras brasileiras comemorem. Se a Amazon comprar a Saraiva, a Submarino afunda, provavelmente deixando o mercado de livros – isto se não sair do mercado de vez no médio prazo – já que aquisição fortaleceria mais ainda a posição já forte da Saraiva no mercado. O resultado final seria, ironicamente, menos competição, mais consolidação e um mercado mais difícil para as editoras.

Mais cedo ou mais tarde, a Amazon fará um comunicado. E será escrito com os verbos no passado. Até lá, tudo que podemos fazer é esperar pelo próximo capítulo da novela “A chegada da Amazon no Brasil”, enquanto day traders ganham algum dinheiro com toda a confusão.

Por Carlo Carrenho | Publicado originalmente em Publishing Perspectives | Clipado à partir de Tipos Digitais | Tradução: Marcelo Barbão | 19/10/2012

O vai não vai dos eBooks no Brasil


A cada semana, rumores ou contratações sugerem que determinada empresa de tecnologia esteja mais avançada do que as concorrentes na corrida pela conquista do mercado brasileiro de livro digital. Nas últimas semanas, só se fala na canadense Kobo, que acaba de lançar novos e-readers e de contratar Camila Cabete, ex-Xeriph, para se aproximar das editoras – um longo e tortuoso caminho, já que os brasileiros ganharam fama de durões. O diretor da empresa, Pieter Swinkels, estará em São Paulo na próxima semana para o início dos trabalhos.

Enquanto isso, comenta-se no mercado que o Google estaria empenhado em colocar sua e-bookstore no ar a um mês do Natal, vendendo, inclusive, o novo tablet. Quem também pretende aproveitar o Natal aqui é a americana Copia, que opera a venda de e-books da Submarino e quer encorpar sua lista de clientes com livrarias independentes.

Ricardo Costa, ex-Publishnews e há um mês diretor de relação com editores, começa a se reunir com livreiros na semana que vem, quando a empresa lança um novo pacote de serviços para as pequenas e médias livrarias. Usando a plataforma da Copia, qualquer loja poderá vender e-books. Até aí, isso não difere muito das outras empresas que vendem soluções white label, ou seja, que têm um site padrão de e-commerce e colocam o logo do cliente. Quem fechar com a Copia vai poder vender também livro físico e o aparelho de leitura, que chegará aqui em tempo das festas de fim de ano. A empresa será responsável por toda a operação, e a livraria pagará uma taxa de manutenção e uma porcentagem das vendas. Na prática, coloca as lojas de bairro – incluindo as que nunca puderam pagar por um site de e-commerce- de novo no jogo.

Por Maria Fernanda Rodrigues | O Estado de S. Paulo | 07/09/2012

Kobo contrata primeira funcionária no Brasil


Camila Cabete, da Xeriph, será a “Kobowoman” no país

A Kobo fechou ontem contrato com Camila Cabete, da Xeriph, para ser sua gerente sênior de relações com editores no Brasil. É a primeira funcionária a ser contratada pela empresa no país, marcando de vez a chegada no Brasil e na América latina. Pieter Swinkels, diretor da Kobo, disse ao PublishNews que a empresa deve aterrissar em solo brasileiro ainda este ano, e que todos estão muito animados com a expansão da empresa. “O mercado brasileiro é enorme, o negócio de e-books está crescendo rapidamente, tem muita coisa acontecendo, então naturalmente tínhamos interesse no Brasil.” Sobre a contratação de Camila Cabete, ele se mostra muito entusiasmado: “Nós estamos muito felizes que ela se juntará a nossa equipe, eu e ela montaremos a relação da Kobo com o Brasil.

Camila também está feliz com o novo emprego, que começa já na próxima segunda-feira. “Sempre me identifiquei muito com a marca, acho a cara do Brasil. A Kobo tem coisas que vão se adequar perfeitamente ao nosso país.” Entre os destaques da nova empregadora, Camila enfatiza o meio social da Kobo, a plataforma de self-publishing, que vem atender uma demanda muito grande do mercado brasileiro, e os aparelhos e-readers. Apesar de não saberem ainda onde montarão escritório, a Kobo chega na América latina com todo seu aparato, inclusive os novos e-readers que planejam lançar em breve.

Por Iona Teixeira Stevens | PublishNews | 30/08/2012

Livro digital conquista confiança do mercado


Grandes livrarias e editoras acreditam que os e-books ganharão espaço no mercado nacional em 2012 e 2013

As apostas nos livros digitais estão em alta. Grandes livrarias e editoras acreditam que os e-books ganharão espaço no mercado nacional em 2012 e 2013. As projeções mais otimistas os colocam como responsáveis por 10% do faturamento das vendas do setor em 2014. O índice em 2011 foi 0,025%. A esperança está depositada na chegada de gigantes internacionais e na produção doméstica de tablets, que poderá baratear os aparelhos.

Segundo a Câmara Brasileira do Livro [CBL], há cerca de 10 mil títulos em formato digital no País. Desses, 5.235 foram lançados em 2011, conforme pesquisa da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas da Universidade de São Paulo [Fipe/USP]. “A maior produção ocorreu no último período. Então, também deve haver um número significativo em 2012”, diz a presidente da CBL, Karine Pansa, que não arrisca projeções. A receita com vendas de e-books foi de R$ 868 mil.

O diretor-presidente da Saraiva, Marcílio Pousada, considera o e-book um negócio importante para a empresa, cujo acervo digital é de 10 mil títulos em português e 240 mil em inglês. “Estamos nos preparando com força, inclusive vendendo tablets. Também desenvolvemos um software de leitura”, diz Pousada, que espera fechar o ano com a oferta de 16 mil títulos nacionais.

A ideia de oferecer aparelhos de leitura para impulsionar a venda de conteúdo deu certo com a Amazon, nos Estados Unidos. Desde que o Kindle, e-reader da empresa, foi lançado, em 2007, os e-books vêm ganhando mercado. Em 2011, tinham 15%, ante 6% em 2010, conforme a Association of American Publishers.

Agora, a Amazon pretende entrar no Brasil. O início das operações está previsto para o último trimestre deste ano, mas já existem negociações com empresas locais, como as distribuidoras de e-books Xeriph, que reúne cerca de 200 editoras, e DLD, formada por sete. Comenta-se, porém, que há dificuldades para fechar acordos com a multinacional, que se recusaria a aceitar peculiaridades do mercado nacional, como a divisão de receitas. A companhia foi procurada pela reportagem, mas não se pronunciou.

Outras livrarias

Outras grandes livrarias virtuais também devem aportar no País. A Google eBookstore, a iBookstore [da Apple], a Barnes & Noble e a Kobo, por exemplo, negociam com a Xeriph, de acordo com o CEO da empresa, Francisco Paladino. “Ainda neste semestre, deveremos ter dois contratos em operação e três assinados.” Segundo ele, o catálogo da Xeriph tem 10 mil livros e deve alcançar 12 mil até o fim de 2012.

As esperanças também recaem sobre a fabricação de tablets no País, estimulada com incentivos fiscais e iniciada em 2011, por Samsung, Motorola, Semp Toshiba, Positivo e Aix. A estrela do setor é a Foxccon, que produz iPads em Jundiaí [SP] . O governo espera que os preços caiam 40%. Para o especialista em livros digitais Ednei Procópio, da CBL, porém, a popularização dos tablets não dependerá das grandes companhias. “Elas sempre vão lançar equipamentos de grife. Mas haverá quem faça modelos mais acessíveis.”

POR TIAGO CISNEIROS e VANESSA BELTRÃO | Especial para o Estadão | 12/08/2012

Enquanto isso, no mercado editorial…


Por Camila Cabete | Texto publicado originalmente em PublishNews | 02/08/2012

Engraçado que muita gente ainda fala do mercado digital no futuro, confabulando como vai ser, o que vai acontecer. O mercado digital já está aqui. E algumas coisas mudaram. Escrevo hoje sobre essas mudanças com a “humilde” intenção de servir de guia. Será que sua empresa, do setor editorial, está seguindo a tendência? Será que esta tendência é a que deve ser seguida? Vamos por partes!

Setor comercial: o setor comercial está se aproximando cada vez mais dos setores de marketing e editorial. Diria até que muitos comerciais estão fazendo às vezes o papel do setor editorial, quando se trata de livro digital. Parece que sobrou pra eles – Comercial, aproveita que já tem os contatos, se vira aí e coloca os ebooks no ar!…mais ou menos isso. Coitados…mas daí estão saindo vários profissionais muito bons, capacitados e apaixonados pelo assunto digital.

Setor editorial: parece que ainda pensam demais em papel, mas numa boa, estou me surpreendendo com as iniciativas. Como comercial de uma agregadora, estamos fazendo cada vez mais um atendimento passivo. As editoras estão vindo atrás de soluções tecnológicas, segurança, diversidade de formatos. Claro, poderia ser melhor, mas vejo movimento e isso pra mim, que no início falava muitas vezes sozinha, é demais!

Setor de design: os diagramadores realmente estão se superando e buscando melhorias. A tendência é serem quase programadores. Os ePubs no Brasil ainda são muito defeituosos. De todos os ePubs comercializados na base que conheço, a Xeriph, mais da metade apresentaram defeitos que acabam não passando no padrão de qualidade de alguns players. Atenção: não é porque você abre o ePub no Adobe Digital Editions, que ele está dentro dos padrões de qualidade mundial… O resultado é uma correria atrás dos consertos dos epubs. O designers que trabalham mais na parte estética ainda pensam demais em papel. Muito raro ver uma capa de e-book funcional e bonita para Web e devices

Setor de desenvolvimento tecnológico: ainda inexistente nas editoras, mas recomendo fortemente!

Setor de marketing: ahhhh esse tem que melhorar! Ainda estão muito presos às ações de marketing físicas, ou melhor, com os livros físicos. Sim, poderiam fazer mais ações de marketing físicos para promover o digital. Não é porque o livro é digital que as ações devam se limitar às mídias sociais… Acho que o que falta é esse pessoal começar a consumir o produto. Muitos deles nem sabem que produto é este… #ficaadica …Não esquecendo que muitos setores de marketing das empresas se limitam às ordens do comercial e editorial. Comercial e editorial: deem mais liberdade pra eles, vai! Por favor, se souberem de ações legais de marketing para divulgação de e-book no Brasil, não deixem de me enviar.

O setor de livros digitais já é uma realidade e estou muito feliz com isso. Espero na próxima coluna falar somente de novidades…Mas como passei por férias colunísticas, resolvi começar do começo e remexer as bases.

Dúvidas e sugestões: camila.cabete@gmail.com

Por Camila Cabete | Texto publicado originalmente em PublishNews | 02/08/2012

Camila Cabete [@camilacabete] tem formação clássica em História, mas foi responsável pelo setor editorial de uma tradicional editora técnica por alguns anos [Ciência Moderna]. Hoje, é responsável pelo setor editorial da primeira livraria digital do Brasil, a Gato Sabido [@gatosabido]. É ainda consultora comercial da Xeriph, a primeira distribuidora de conteúdo digital do Brasil e sócia fundadora da Caki Books [@cakibooks], uma editora cross-mídia que publica livros em todos os formatos possíveis e imagináveis. Vive em Copacabana e tem uma gata preta chamada Lilica.

A coluna Ensaios digitais é um diário de bordo de quem vive 100% do digital no mercado editorial brasileiro. Quinzenalmente, às quintas-feiras, serão publicadas novidades, explicações e informações sobre tecnologias ligadas a área literária.

Novo CEO da Xeriph terá olhar de negócios e não de sonhos


Carlos Eduardo “Duda” Ernanny, controlador da distribuidora digital, passa o bastão da direção executiva a Francisco Paladino.

Francisco Paladino

Francisco Paladino

Desde o final de junho, a distribuidora de livros digitais Xeriph possui um novo CEO. Trata-se do carioca Francisco Paladino, um executivo experiente e com passagens em empresas como a Winsizing Informática e a Castrol Brasil. Carlos Eduardo Ernanny, atual controlador da empresa que acumulava a função de CEO às atividades de principal acionista, deixou o cargo executivo para se dedicar apenas à aquisição de conteúdo e ao relacionamento com editoras e livrarias.

A gente diversificou e abriu muitas frentes na Xeriph, começamos a atuar em projetos de educação, de bibliotecas, a realizar parcerias com operadoras como a Claro e a negociar com empresas estrangeiras como Amazon, Kobo, Google e Apple”, explicou Ernanny, que é conhecido como Duda no mercado. “Eu não conseguia mais acompanhar tudo sozinho, pois não sou um business manager. Então decidimos profissionalizar a empresa trazendo alguém mais velho, experiente, que pudesse olhar todas as nossas frentes não como sonhos mas como negócios”, complementou.

A Xeriph possui atualmente um catálogo de 10 mil livros distribuídos de 185 editoras. Há outras 40 editoras com contratos assinados e em processo de integração. E é este catálogo que será o foco das atenções de Duda Ernanny a partir de agora. “Vou me concentrar agora na área comercial da distribuidora Xeriph, com enfoque na aquisição de conteúdo e no relacionamento com o mercado. É uma volta às origens e estou fora de outros projetos não relacionados a isso. Também não preciso mais dedicar horas preciosas a planejamento fiscal, tributário e análise jurídica de contratos”, comentou Duda. Segundo ele, o catálogo ao qual ele vai se dedicar já vem crescendo no ritmo de 500 novos títulos por mês.

Para o novo CEO, Francisco Paladino, foram dois os principais pontos que o atraíram para a Xeriph. “Por toda minha vida sempre fui ligado a TI, mas também sempre fui muito interessado em produtos ligados à informação e este foi um dos apelos importantes para minha ida para a Xeriph”, explicou. “Outro fator foi a Xeriph ser uma empresa inserida em um mercado muito interessante, com produtos em linha com o que há de mais atual no mundo, que é o mercado do livro digital. Trata-se de um produto irreversível, o mundo todo vai passar a usar”, complementou.

Paladino faz um uníssono com Duda Ernanny sobre os motivos de sua contratação. “A Xeriph precisava de um choque de gestão, ela foi super bem desenvolvidade pelo Duda Ernanny, e sentiram, em certo momento, que precisavam de um profissional mais em gestão”, explicou.

Eu entrei na Xeriph com o objetivo inicial de fazer uma reestruturação funcional em toda a empresa, com revisão de contratos, enquadramento tributário, focando principalmente a parte organizacional”, acrescentou.

Paladino é otimista quando ao futuro do livro digital no Brasil. “Como perspectiva para o futuro, eu vejo um crescimento muito grande. As livrarias vão dar um pulo já no segundo semestre deste ano, tanto em volume de receita como de vendas”, profetizou o executivo. “É um negócio que ainda não tem volume suficiente no Brasil, mas vai explodir, não tenho dúvidas disso.

Por Carlo Carrenho e Iona T. Stevens | PublishNews | 02/08/2012

Claro lança biblioteca virtual


A Claro lançou oficialmente o serviço de biblioteca virtual que permite aos clientes ler até três livros por semana ao custo de R$ 3,99. Há, por enquanto, 1.500 títulos subdivididos em 11 categorias: artes, autoajuda, biografia, direito, literatura brasileira, medicina e saúde, infantojuvenil, religião, filosofia, obras gerais e ciências sociais. “Em uma pesquisa realizada com usuários de smartphone, foi identificado que 57% dos usuários utilizam o aparelho para leitura e o lançamento desse serviço vem atender esse público”, disse Fiamma Zarife, diretora de serviço de valor agregado da operadora, segundo um comunicado divulgado hoje.

A Xeriph é a agregadora digital que fornece os títulos. Por enquanto são dez editoras envolvidas, mas o objetivo é “aumentar bastante esse número”, segundo Duda Ernanny, diretor executivo da Xeriph. “É algo muito, muito novo para as editoras, então resolvemos iniciar com dez. Mas nosso objetivo é disponibilizar o máximo de conteúdo possível e incluir duas ou três editoras novas por mês”, diz o executivo. A Xeriph congrega hoje, no total, 200 editoras e dez mil títulos.

A assinatura do Claro Leitura custa R$ 3,99 por semana. Já a assinatura dos conteúdos literários via SMS e MMS sai por R$0,29 e R$0,50 por mensagem, informou a empresa. A Claro tem 61 milhões de clientes no país.

O aplicativo do serviço é compatível com aparelhos e tablets com sistema operacional Android. Em breve, outros sistemas operacionais também estarão disponíveis, segundo a Claro. Depois que os usuários baixam os arquivos dos livros, é possível ler mesmo sem acesso à internet.

Batizado de Claro Leitura, o serviço rivaliza com a Nuvem de Livros, do grupo Gol, que oferece acesso à sua biblioteca aos clientes da Vivo pelo preço de R$ 0,99 por semana. A diferença entre os dois é que o primeiro permite baixar arquivos e ler mesmo sem conexão com a internet, enquanto o segundo exige a conexão.

Editoras que participam do Claro Leitura:

– Zahar
– Caki
– Dracaena
– Dublinense
– Não Editora
– Outras Letras
– Grupo Oxigênio
– KBR
– Todo Livro
– Revan

Por Roberta Campassi | PublishNews | 14/06/2012

Cadeia produtiva do livro digital: do editorial a venda


Camila Cabete

Camila Cabete

Em parceria com o Publishnews, a CBL oferece o curso no dia 14 de junho, 5ª feira, das 9h30 às 18h. O curso apresentará a produção de livro de forma diferenciada do formato tradicional e abordará a distribuição e comercialização de conteúdo.

Será ministrado por Camila Cabete. Com formação clássica em história, ela foi responsável pelo setor editorial da Editora Ciência Moderna. Entrou para o mundo digital ao se tornar responsável pelo setor editorial e comercial da primeira livraria digital, a Gato Sabido. Hoje é a responsável pelo pós-venda e suporte às editoras e livrarias da Xeriph, a primeira distribuidora de conteúdo digital do Brasil. Foi uma das fundadoras da Caki Books [@CakiBooks], editora cross-mídia que publica livros em todos os formatos possíveis e imagináveis.

Possui uma start-up: a Zo Editorial [@ZoEditorial], especializada em consultoria para autores, editoras e livrarias, sempre com foco no digital. Colunista da Publishnews [www.publishnews.com.br] e Revolução eBook [revoluçãoebook.com.br].

Mais informações podem ser obtidas pelo e-mail escoladolivro@cbl.org.br ou pelo telefone [11] 3069-1300.

Empurrão para os eBooks


Grupo de estudos da Associação Nacional de Livrarias, que se reúne desde março para analisar formas de facilitar a acesso de livreiros independentes ao livro digital, começa a dar resultado. No último encontro, quarta-feira, a Via Logos, empresa de software para o mercado editorial, contou que vai apresentar o case de sua primeira parceria com uma livraria de bairro durante a Convenção Nacional de Livrarias, em agosto. Ela acaba de assinar com a Casa Cultural Saber e Ler, de Campinas, que até lá estará vendendo e-books aos seus clientes pelo seu site, que se comunicará com o catálogo da Xeriph, distribuidora de livro digital.

Por Maria Fernanda Rodrigues | O Estado de S. Paulo | 19/05/2012

Livros via celular


Ainda em fase de testes, a biblioteca virtual Claro Leitura entrou no ar na quinta, sem nenhuma divulgação, no portal da operadora de celular.

O serviço de empréstimo de livros por download tem custo de R$ 3,99 por semana. O portal não permite ver os títulos disponíveis antes da assinatura, gratuita na primeira semana – a pequena KBR é uma das dez editoras participantes, via distribuidora Xeriph.

A Vivo investe em serviço similar, a R$ 0,99 por semana. Mas, como diz o nome – Nuvem de Livros -, só se pode ler on-line. Se cai a internet, é preciso parar a leitura.

Por Raquel Cozer | Folha de S. Paulo | 12/05/2012

Apple muda de planos


Estão cancelados, por ora, os planos da Apple de lançar a versão brasileira da iBookstore, com preços em reais. Em conversas com editores, a empresa havia previsto a estreia da livraria digital para abril, mas empacou em questões tributárias. Agora, corre para estrear ainda neste semestre uma loja latino-americana, com preços em dólares. A vantagem será que o consumidor brasileiro não precisará ter um cartão de crédito com endereço americano para comprar iBooks, mas ainda precisará de um cartão internacional. A distribuidora Xeriph continua sendo a parceira no Brasil, mas nem ela nem a Apple se manifestam sobre o assunto.

Por Raquel Cozer | Folha de S. Paulo | 05/05/2012

As últimas do mercado


Por Camila Cabete | Texto publicado originalmente em PublishNews | 26/04/2012

Escrevi este texto no avião, na ida para Bogotá, onde participei, representando a Xeriph, de um debate na feira internacional do livro. Na próxima coluna, poderei falar sobre o mercado editorial digital na América Latina. Por ora, comento os últimos acontecimentos e notícias em nosso mercado. Como já escrevi antes, parece que três meses equivalem a um ano de desenvolvimento. Continuo com a sensação de já estar nisso tudo há décadas. Lá vão então as pílulas:

• Notícia de que as editoras dobraram a Amazon: não vejo isso ainda como uma grande verdade. Não acreditarei até que veja o contrato assinado. E vamos ser realistas, acredito que mesmo conseguindo bons descontos agora, na entrada deles em nosso mercado, em pouco tempo os livros vendidos na Kindle Store representarão mais de 50% das vendas de e-books das editoras. A partir desse momento, a Amazon começará a barganhar por cada vez melhores descontos… Não acham que é um pensamento lógico? Agora, que eles pensaram que seria muito mais fácil, ah, isso eles pensaram.

• Notícia sobre a queda dos servidores da Livraria Cultura: verdade verdadeira. Aconteceu e num momento de lucidez resolveram deixar tecnologia nas mãos de quem entende. Fecharam com provedores e acredito muito na melhora dos sistemas da Cultura. Afinal, alguém consegue buscar um e-book e comprar sem ter que cavar bem fundo? Agora, eles poderão se concentrar na melhoria do marketing digital que vêm fazendo, melhoria do aplicativo de leitura e de seu site. E vão se concentrar em fazer o que conseguem com louvor, que é vender livros.

• Notícia sobre a Apple: numa entrevista ao Brasil Econômico, comentei que seria bem mais fácil ela entrar no Brasil com a iBooks do que os outros players internacionais. Falei isso não com provas concretas, mas também com raciocínio lógico. Ora bolas… Eles já estão vendendo músicas aqui no Brasil. Já possuem a faca e o queijo nas mãos… Se não chegarem antes, estarão sendo cavalheiros em deixar Amazon e Google passar na frente. No melhor estilo “ladies first”.

As livrarias brasileiras vão ter mesmo que se mexer. Acredito demais na coexistência de todos esses atores em palco, ao mesmo tempo. O mercado brasileiro é vastíssimo e vejo a oportunidade real da democratização da leitura. Quero mais é ter a leitura banalizada. As amarras geográficas não existem mais. Quem diria que eu estaria escrevendo num tablet do tamanho de um caderno leve este artigo, que em poucos minutos enviarei via internet? Meu celular está sendo carregado numa entrada usb na poltrona na minha frente e tenho, dentro deste tablet, mais de 50 livros para ler e minhas músicas para ouvir. Santa tecnologia!

Por Camila Cabete | Texto publicado originalmente em PublishNews | 26/04/2012

Camila Cabete [@camilacabete] tem formação clássica em História, mas foi responsável pelo setor editorial de uma tradicional editora técnica por alguns anos [Ciência Moderna]. Hoje, é responsável pelo setor editorial da primeira livraria digital do Brasil, a Gato Sabido [@gatosabido]. É ainda consultora comercial da Xeriph, a primeira distribuidora de conteúdo digital do Brasil e sócia fundadora da Caki Books [@cakibooks], uma editora cross-mídia que publica livros em todos os formatos possíveis e imagináveis. Vive em Copacabana e tem uma gata preta chamada Lilica.

A coluna Ensaios digitais é um diário de bordo de quem vive 100% do digital no mercado editorial brasileiro. Quinzenalmente, às quintas-feiras, serão publicadas novidades, explicações e informações sobre tecnologias ligadas a área literária.

Mais duas na Amazon


Dublinense e Manole fazem acordo com a varejista americana

A Dublinense e a Manole esperam ver em breve seus e-books à venda no site da Amazon. Elas acabam de fechar contrato com a gigante americana e se juntam a outras empresas brasileiras que já fizeram o mesmo – como a KBR, a Callis e a distribuidora Acaiaca, conforme informou a coluna Painel das Letras no fim de semana. A negociação já é válida para quando a loja virtual brasileira da Amazon for inaugurada no Brasil, ação projetada pela própria empresa para o segundo semestre.

Segundo Gustavo Faraon, publisher da Dublinense, que engloba também a Não Editora, as condições da Amazon – especialmente a questão de quanto da venda fica com a varejista e quanto com a editora – “são razoáveis, não são as piores do mercado brasileiro”. “Eles foram mais flexíveis do que eu esperava”, observa. A editora já vende e-books na Saraiva e por meio da distribuidora Xeriph – que desde a semana passada fornece livros digitais para a Cultura, entre outras lojas. A dúvida, segundo ele, é se a loja brasileira da Amazon abre mesmo no segundo semestre, já que a companhia americana se deparou com a resistência de grandes editoras brasileiras nas negociações.

Por Roberta Campassi | PublishNews | 26/04/2012

Problema com eBooks será resolvido até amanhã, diz Cultura


Empresa informa que vai trabalhar com a distribuidora digital Xeriph

A Livraria Cultura, cujas vendas de parte dos e-books estão indisponíveis desde a semana passada, informou hoje que o problema deverá estar resolvido até amanhã, dia 21. A empresa comunica que, a partir deste fim de semana, incluirá em seu catálogo títulos da distribuidora digital Xeriph, com quem a Cultura não trabalhava até agora.

A livraria teria enfrentado problemas com um de seus servidores e, pela falta de back up dos títulos, estes teriam sido perdidos. A empresa não confirma os detalhes, mas informou pela manhã que teve “um problema tecnológico que indisponibilizou 1,3% do acervo de e-books”, sendo que o acervo atual da rede inclui 283.926 mil títulos digitais, entre nacionais e importados. A falha, portanto, atingiu quase três mil livros.

Em março, a Cultura tinha cinco mil e-books nacionais no catálogo. A partir deste sábado, por meio do acordo com a Xeriph, a empresa restituirá os e-books perdidos e também aumentará a base em mais mil livros novos, segundo informou.

Por Roberta Campassi | PublishNews | 20/04/2012

Ciência Moderna cria distribuição digital própria


Há dois anos, a Ciência Moderna decidiu criar uma ferramenta própria para distribuir seus e-books, ao invés de usar o serviço dos chamados agregadores que já operam no Brasil – como a Xeriph ou, recentemente inaugurada, a Acaiaca Digital. Na semana passada, a editora carioca especializada em livros técnicos e científicos colocou no ar esse sistema, que permitirá disponibilizar os cerca de 110 livros eletrônicos que possui em catálogo para qualquer livraria que tenha uma operação de comércio eletrônico.

Já fechamos acordo com quatro pequenas redes para a venda de nossos e-books, e a ideia é negociar com vários outros nos próximos meses, grandes e pequenos”, afirma George Meireles, gerente da Ciência Moderna. Segundo ele, há por parte da editora uma preocupação em mostrar para os livreiros menores, especialmente, que a venda de livros digitais não é nenhum bicho de sete cabeças. “Muitos nos ligavam insistentemente querendo saber se o negócio de e-books estava restrito às empresas que dispõem de tecnologia. Queremos desmistificar a operação digital e mostrar que ela é muito simples.” Para isso, a casa elaborou um manual com as instruções para que os e-commerces consigam oferecer seus títulos.

A Ciência Moderna começou a vender e-books em março do ano passado em seu próprio site. Meireles explica que é uma característica da empresa ter o controle direto sobre as várias etapas do negócio do livro, por isso o investimento em gráficas próprias e, agora, num agregador.

No Brasil, há outros exemplos de editoras que controlam diretamente a distribuição de seus livros digitais. A multinacional Leya é uma delas. A multinacional Leya é uma delas. Já Objetiva, Record, Sextante, Rocco, Planeta e L&PM fazem o mesmo por meio da distribuidora DLD, da qual são sócias.

Por Roberta Campassi | PublishNews | 14/02/2012

Pesquisa mostra situação dos eBooks no Brasil


As 30 editoras que mais oferecem títulos respondem por metade da oferta no país

Desde que a venda comercial de e-books começou no Brasil, em fins de 2009, o número de livros digitais em português sempre foi escasso – nunca passando de alguns milhares. Ao que parece, a situação está mudando.

Simplíssimo realizou uma pesquisa no mês de janeiro para apurar dados atuais sobre a oferta de e-books em português, a composição dos catálogos, os formatos disponibilizados, principais gêneros disponíveis, entre outras informações. Foram consultados os sites das principais livrarias que oferecem e-books em português [Gato Sabido, Saraiva, Cultura e Amazon], no dia 20 de janeiro, e relacionados os títulos efetivamente disponíveis aos consumidores. As informações são públicas e podem ser verificadas de forma independente por qualquer pessoa interessada.

Como contexto para esta pesquisa, convém recordar rapidamente a trajetória da venda de e-books no Brasil. Em dezembro de 2009, havia cerca de 300 e-books em português à venda na livraria Gato Sabido, à época da sua estreia. A Gato abriu as portas logo após o Kindle passar a ser vendido internacionalmente pela Amazon, em outubro de 2009. Logo depois, entre março e abril de 2010, Saraiva e Cultura aderiram à venda de e-books, mas as editoras não sentiram pressa em aderir aos livros digitais. O reflexo disso se verificou no ano seguinte, em abril de 2011, quando havia somente de dois e três mil e-books em português, segundo os números fornecidos pelas livrarias.

Passados agora dois anos da “chegada” do e-book ao Brasil, a situação mudou definitivamente. O volume de livros digitais em português mais que triplicou nos últimos meses.

Os dados obtidos mostram o cenário real sobre os e-books no Brasil. Em 20 de janeiro de 2012, a livraria brasileira com a maior oferta de e-books era a Gato Sabido, com 7.292 títulos em português. A Xeriph [distribuidora de e-books e empresa “irmã” da Gato Sabido] reúne mais títulos que a Saraiva, a maior rede de livrarias do país. O leitor irá notar que a Livraria Cultura não aparece no gráfico. Muitos títulos em português apareciam misturados aos estrangeiros, e essa segmentação incorreta não permitiu contar com precisão a oferta em português.

É importante ressaltar que a maioria dos títulos disponíveis na Amazon não está disponível nas demais livrarias. Ao que parece, ainda são bem poucas as editoras que oferecem conteúdo na Amazon, e os títulos em geral são de domínio público ou publicados diretamente por autores.

Analisando a oferta de e-books pelas dez editoras que mais publicam em formato digital e comparando a distribuição entre as livrarias, salta aos olhos a discrepância. Os catálogos diferem, às vezes radicalmente, de livraria para livraria. Algumas editoras aparentam dar exclusividade a uma livraria, outras até estão presentes em todas, mas restringem a oferta de títulos nesta ou naquela.

Considerando que a Amazon possui um catálogo de e-books diferenciado das outras livrarias, e que as livrarias brasileiras não oferecem as mesmas obras entre si [haja visto os desvios na oferta de títulos das editoras em cada livraria], é possível afirmar que há pelo menos 11 mil e-books em português disponíveis. Talvez um pouco mais, mas seguramente 11 mil e-books.

As dez maiores editoras brasileiras em oferta de e-books somam, juntas, 4.086 e-books. Representam, portanto, mais de 1/3 dos e-books em português disponíveis. Se ampliarmos o quadro e considerarmos as 30 editoras que mais oferecem e-books, elas respondem por metade dos títulos em português.

Por Eduardo Melo | Publicado originalmente em PublishNews | 10/02/2012

Eduardo Melo é diretor do site Revolução Ebook e fundador da Simplíssimo Livros. Trabalha com e-books desde 2007, quando fundou a ONG Editora Plus. Também é graduado em História e mestre em Letras. E-mail: eduardo@simplissimo.com.br

Travessa inicia venda de eBooks


A Livraria da Travessa iniciou nesta semana a venda de e-books por meio de sua loja virtual. A rede livreira do Rio de Janeiro entrou no segmento sem fazer alarde, uma vez que a operação com livros eletrônicos está em fase inicial e requer atenção do ponto de vista técnico. Por enquanto, a varejista oferece títulos fornecidos pela agregadora digital Xeriph, que conta com um catálogo de seis mil e-books, o maior do país. A Travessa opera, além da loja virtual, sete lojas físicas, todas na capital fluminense. Ao começar a vender e-books, a empresa se une ao grupo de livrarias tradicionais que já colocou o pé no mercado de publicações digitais. Saraiva, Cultura, Curitiba e Leitura são algumas das grandes redes que já vendem e-books. A Travessa passa a concorrer também com lojas como Gato Sabido e Submarino, que já nasceram on-line. entre outros.

Por Roberta Campassi | PublishNews | 13/01/2012

Acaiaca inaugura plataforma digital


Até o fim de março, distribuidora pretende oferecer o acervo de e-books brasileiros para varejistas nacionais e internacionais

Depois de 46 anos atuando como distribuidora de livros físicos, a Acaiaca inaugurou em dezembro sua plataforma para distribuir e-books. Foi uma espécie de “soft-opening”, com um total de 300 títulos eletrônicos incluídos. Agora, o número chega a 600 e deve passar para pelo menos três mil até o fim de março, porção que engloba os e-books mais relevantes do acervo existente no país, calculado em dez mil títulos – só para comparação, a empresa trabalha com 70 mil títulos ativos no mercado de livros físicos.

O objetivo da Acaiaca Digital é atender as principais plataformas nacionais e internacionais de varejo. Por enquanto, foi fechado um acordo de distribuição com a Amazon, varejista on-line americana. Outros estão em processo de negociação, afirma José Henrique Guimarães, presidente da empresa, sem dar detalhes.

O plano de entrar no mercado digital começou há três anos, quando o empresário vislumbrou que as novas tecnologias eletrônicas causariam mudanças radicais na cadeia do livro. O primeiro mês da Acaiaca Digital reforçou a percepção de que as transformações serão aceleradas. “Estou bastante surpreso com a recepção do mercado”, afirma Guimarães. “2012 será um grande ano para o mercado digital no Brasil e a expansão será rápida nos próximos três anos”, diz.

Guimarães chama atenção para o fato de que mais editoras estão dispostas a publicar seus best-sellers e seus títulos novos na versão digital, o que deve ser um incentivo para a leitura de e-books. Além da maior oferta de títulos, o executivo também prevê uma redução no preço das publicações eletrônicas e o surgimento de tablets mais acessíveis.

Entre os serviços prestados pela Acaiaca Digital, estão armazenagem, conversão e distribuição de e-books, gerenciamento das vendas e pagamentos. Para o futuro, há planos de oferecer impressão sob demanda. “No Brasil, ainda se pensa em impressão sob demanda como um serviço para tiragens pequenas. Mas é, na verdade, a possibilidade de as editoras trabalharem com estoque zero”, afirma.

A Acaiaca Digital vai disputar o mercado com outras distribuidoras de publicações eletrônicas já estabelecidas, como a Xeriph, a DLD e a Singular. A distribuidora do grupo Abril, Iba, também deve entrar em operação este ano.

Por Roberta Campassi | Publicado originalmente em PublishNews | 05/01/2012