Leitor digital à prova d’água pode só valer a pena se você lê na piscina


Um dos benefícios de um leitor de livros digitais é poder levar as suas leituras em um só dispositivo para todo lugar. Mas usar um aparelho assim na beira da piscina causa um certo receio por causa da água.

Lançado por R$ 799, o Aura H2O, da Kobo, tenta resolver isso e livra o usuário de preocupações com respingos ou mergulhos acidentais rasos. É o primeiro à prova d’água dessa categoria.

O aparelho pode ficar submerso por até 30 minutos numa profundidade de 1 m, desde que a tampa de vedação, na parte debaixo do aparelho, esteja fechada. Ela protege a entrada micro USB e o espaço para um cartão de memória microSD de até 32 Gbytes.

Aura H2O, que tem tela de 6,8 polegadas e boa resolução | Foto: Anderson Leonardo/Folhapress

Aura H2O, que tem tela de 6,8 polegadas e boa resolução | Foto: Anderson Leonardo/Folhapress

Ao detectar líquidos em sua tela, o aparelho exibe uma mensagem recomendando secá-la rapidamente. Isso porque a resposta do e-reader aos comandos por toque pode ficar comprometida, o que é normal enquanto ele está molhado

Mas a compra do e-reader, um dos mais caros vendidos no país, só se justifica se essa característica realmente influenciar forma como você lê seus livros.

O novo leitor eletrônico da canadense Kobo herda do modelo Aura HD a tela de 6,8 polegadas, que tem boa resolução. Mas o Aura H2O é ainda mais largo que a média e segurá-lo com uma só mão pode não ser confortável.

Apesar de não possuir ajuste automático de luz, presente no rival Kindle Voyage [e-reader “premium” da Amazon vendido nos EUA por US$ 199, ou cerca de R$650], o Aura H2O permite aumentar ou diminuir o brilho da tela deslizando o dedo pelo seu canto esquerdo, o que é prático.

Como usuário de Kindle, prefiro a interface mais informativa e elegante dos e-readers da Kobo. Opções mais avançadas de personalização tipográfica [como peso e nitidez] também são um atrativo dos modelos, que têm até uma fonte específica para disléxicos.

Não há versão com 3G: o Aura H2O só se conecta à internet por wi-fi. Em compensação, ele suporta uma gama de arquivos bem maior que os Kindles [veja na ficha técnica abaixo], e sua bateria pode durar até dois meses, segundo a Kobo.

Seu baixo poder de processamento, no entanto, pode dificultar a execução de alguns formatos de arquivos. Foi dificílimo, por exemplo, ler um arquivo em PDF durante os testes. Mas, se você usar o e-reader majoritariamente com os livros comprados na loja on-line, não terá problemas.

KOBO AURA H2O
TELA 6,8 polegadas, carta e-ink HD [1430 pixels x 1080 pixels]
PROCESSADOR 1 GHz
ARMAZENAMENTO 4 Gbytes [expansível com cartão microSD de até 32 Gbytes]
FORMATOS SUPORTADOS EPUB, EPUB3, PDF, MOBI, JPEG, GIF, PNG, TIFF, TXT, HTML, XHTML, RTF, CBZ e CRM
CONEXÕES Wi-fi e micro USB
DIMENSÕES 17,9 cm x 12,9 cm x 0,97 cm
PESO 233 g
ONDE ptbr.kobo.com/koboaurah2o
QUANTO R$ 799

POR ANDERSON LEONARDO | COLABORAÇÃO PARA A FOLHA | 17/03/2015, às 02h00

Microsoft planeja app “Xbox Reading” para o Windows 8


A Microsoft está investindo cada vez mais em sua divisão de entretenimento, que além dos consoles, já conta com o Xbox Video e o Xbox Music, que também estão disponíveis para Windows 8. Ao que tudo indica, o próximo passo da empresa é desenvolver um aplicativo para leitura de livros.

O rumor da criação do “Xbox Reading” vem de um anúncio de vagas de trabalho na Microsoft, que procura um designer para construir um “aplicativo de leitura interativa no Windows, incorporando livros, revistas e quadrinhos”. O novo contratado se uniria à mesma equipe responsável pela criação do Xbox Music e Video.

Vale lembrar que o Windows 8 já possui um aplicativo de leitura, chamado Reader. Caso a expectativa se confirme, o app deve ser completamente redesenhado e modernizado, além de ganhar a marca Xbox, que designa os produtos de entretenimento da Microsoft.

O app atual suporta formatos como PDF, XPS e TIFF, ou seja, ele não é muito diferente de um Adobe Reader. Com o redesenho, quem sabe, a empresa pode passar a comercializar livros digitalmente para leitura em tablets ou até mesmo em smartphones.

Não se sabe, no entanto, se o aplicativo ganharia versões para o Xbox 360 e o One, por questões de usabilidade, mas é possível que sim, para manter a coerência da marca. Tanto o Xbox Music quanto o Video possuem suas versões para console.

Além disso, a equipe de desenvolvimento do Office também estaria criando um “Office Reader” para o Windows 8, que possibilitaria o consumo de diferentes tipos de conteúdo. São focos diferentes, e times diferentes. Nenhum dos dois foi anunciado oficialmente, mas o Office Reader já tem seu lançamento esperado para este ano, segundo o site The Verge.

Olhar Digital | 10/02/14