Defasado, Alfa [da Positivo] encalha mesmo com 50% de desconto


Positivo Alfa

Positivo Alfa

Lançado em 2010 e sem atualização desde então, semana passada o Alfa, eReader da Positivo, estava em promoção com destaque no site da Livraria Cultura. Mesmo assim, as vendas devem ter sido muito fracas. Segundo o blog Radar Online, “uma grande rede varejista de livros registrou vendas de apenas 2.000 unidades”. Como o aparelho está defasado, até por este preço está muito caro – com mais alguns trocados, é possível levar um Kindle 3. E isso que a Amazon ainda nem chegou ao Brasil oficialmente. Apesar da nota completa da Veja ter apenas 260 caracteres, ela comete dois erros consideráveis:

1] A Positivo não “criou” o Alfa, ele é um eReader whitelabel, comprado de uma fábrica na Ásia e personalizado com firmware em português. Existiu também uma versão espanhola do aparelho, igual ao Alfa mas com outra marca;

2] Ele não foi “criado” em setembro de 2011, mas em agosto de 2010. Foi lançado durante a Bienal do Livro de SP e as vendas começaram naqueles dias, na Livraria Cultura.

Por Eduardo Melo | 27 agosto 2012 | Publicado originalmente em Revolução eBook | Fonte: Radar on-line – Lauro Jardim – VEJA.com

Descontos agressivos no Positivo Alfa: o que eles significam?


Positivo Alfa

Positivo Alfa

Em 2010 a Positivo lançou por aqui o Alfa, e-reader nacional com conectividade Wi-Fi e tela sensível a toques, coisa que nem Nook, nem Kindle tinham à época. Mesmo com o salgado preço de R$ 799, a escassez de concorrentes presentes oficialmente no país e os estoques limitad0s levaram o produto a esgotar rapidamente. Um ano e meio depois, dá para achá-lo por R$ 299. Encalhou? Estão desovando estoque? O que acontece com o Alfa?

A promoção do dia no Groupon é o Alfa por R$ 299, um descontão de 63% no preço sugerido pela Positivo — a oferta, aliás, é da própria. Mesmo fora do site de compras coletivas é possível encontrar com relativa facilidade o Alfa com 50% de desconto; ele já apareceu por R$ 399 em alguns Dealzmodos recentes. Essa queda vertiginosa no preço abre brechas para teorias diversas. Teria o Alfa encalhado?

Faz um ano e meio que o Alfa estreou por aqui e tanto tempo provavelmente tem algum impacto no preço que, sejamos honestos, já era bem salgado em 2010. De lá para cá o Kindle da Amazon, por exemplo, ganhou uma nova atualização que trouxe novos membros para a família [Keyboard, Basic e Touch] e, ultrapassou a simbólica barreira dos US$ 100 — a versão básica sai nos EUA por US$ 79 e a Touch, modelo intermediário, começa em US$ 99.

A R$ 299 ou mesmo R$ 399, o Alfa alcança a um preço interessante, realista. O Kindle Touch 3G, que só semana passada começou a ser despachado para cá, chega à porta da sua casa por salgados R$ 751 [versão 3G sem anúncios, preço original US$ 189], como apurou o ZTOP. A gente entende que aqui as dificuldades e custos de produção devam ser bem maiores do que nos EUA e a ideia de subsidiar o valor do aparelho para recuperar depois na venda de livros, muito mais arriscada, mas ao mesmo tempo é duro pagar tão caro em um aparelho que só serve para ler. A estratégia da Amazon, de vender o Kindle barato para ser comprado no impulso e sem muita enrolação, parece ser o único caminho que funciona para esse nicho. Por R$ 799, compensa mais juntar uns trocados e pegar um tablet de uma vez.

Se está encalhado ou não, se é desova para a chegada de um modelo ou o fim da linha, o que importa é essa talvez seja a chance que muitos estavam esperando para ter seu primeiro e-reader. Falta pouco menos de 10h para a promoção no Groupon ser finalizada, então, corra!

Por Rodrigo Ghedin | Gizmodo Brasil | 02/04/2012

Conheça alguns e-Readers com Ednei Procópio


Entrevista concedida ao curador do CBLD, Rafael Martins Trombetta, no evento preparatório ocorrido na Fnac da Paulista em agosto de 2011.

Nele o editor Ednei Procópio explica alguns detalhes e da sua opinião sobre os e-Readers a venda na referida loja. Logo após aconteceu o bate-papo com o editor do portal Yahoo Brasil, Michel Blanco.

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

Notebook e tablet roubam espaço do netbook


Notebooks e tablets devem ser os equipamentos mais procurados pelos brasileiros nas vendas de final de ano, na opinião de varejistas e fabricantes.

Mas veremos uma competição entre esses equipamentos pelo bolso do mesmo consumidor“, diz Marcílio Pousada, presidente da Livraria Saraiva.

O Walmart espera forte demanda especialmente pelos tablets de baixo custo, entre R$ 700 e R$ 900. No entanto, a rede reforçou as negociações por equipamentos ainda mais baratos e espera ter produtos a partir de R$ 399.

A Positivo Informática aposta no crescimento das vendas dos computadores, de seu tablet, o Ypy, e principalmente das máquinas portáteis. Segundo Hélio Rotenberg, presidente da companhia, hoje 86% daqueles que pretendem investir em um computador novo miram os notebooks.

A Dell espera crescimento tanto nas vendas de computadores mais baratos como dos notebooks ultrafinos -desejo de consumo das classes A e B.

Enquanto vê nos tablets e smartphones as grandes estrelas do Natal, com crescimento de até 60% nas vendas, a Fnac aponta declínio nos desktops e nos netbooks.

A demanda pelos computadores portáteis de baixo poder de processamento e longa duração de bateria deve cair à metade na comparação com 2010.

Para o ano, segundo a IDC, devem ser vendidos pelo menos 450 mil tablets no mercado nacional.

Folha de S. Paulo | 26/11/2011

Tablet da Positivo começa a ser distribuído para varejistas


O tablet da Positivo Informática já começou a ser distribuído para varejistas e deve ter impacto nas vendas da fabricante de computadores a partir da próxima semana, informou a companhia.

O produto, lançado oficialmente em 20 de setembro, estava prometido para a segunda quinzena de outubro e começou nesta semana a ser distribuído a varejistas, segundo informações da assessoria de imprensa da Positivo.

A maior fabricante de computadores do Brasil aposta em preços menores que os dos produtos concorrentes e na oferta de conteúdo nacional dedicado, tanto de aplicativos quanto de serviços.

O tablet Ypy 7, da Positivo Informática

O tablet da Positivo – batizado de Ypy – em versão com tela de 7 polegadas chega ao varejo com recursos de comunicação sem fio (Wi-Fi e 3G), ao preço sugerido de R$ 999 na versão mais barata.

Contudo, grandes vareistas como Extra, Ponto Frio, Magazine Luiza já anunciavam o produto a partir de R$ 899 em seus websites.

O Ypy deve apertar as margens da Positivo em meio à forte concorrência, mas pode ter futuro se os baixos preços forem mantidos e a empresa ganhar escala nesse mercado, segundo analistas.

DA REUTERS, EM SÃO PAULO | Publicado por Folha.com | 28/10/2011 – 17h42

Tecnologia brasileira presente em Frankfurt


Positivo e 3PD expõe seu produtos no Pavilhão de Educação da Feira do Livro

Uma outra forma de empresas de tecnologia voltada para o mercado editorial ou para o de educação participarem da Feira de Frankfurt sem ser com estande próprio é alugando um espaço na área dos Hot Spots, no Pavilhão 4, onde estão concentradas todas as editoras didáticas – e outras nem tanto, como a Nintendo. A Positivo, que já esteve em Frankfurt entre 2005 e 2008, e a estreante P3D vieram juntas este ano e estão experimentando divulgar seus produtos ali. A Positivo está expondo o e-Blocks, um produto desenvolvido por ela para o ensino de Matemática, Espanhol e Inglês e que já é usado em países como Angola e China. Já a P3D está divulgando seu software 3D interativo para ensino de Biologia, Geografia e Química, que pode ser experimentado em uma tela gigante no estande. A P3D também corre para preparar livros digitais interativos com a perspectiva de abertura de editais do governo. No iPad de Mervyn Lowe, o diretor da empresa, ele já mostra um livro de biologia que está sendo produzido.

Por Maria Fernanda Rodrigues | PublishNews | 14/10/2011

Positivo lança tablet com sistema operacional em português


E promete ter, a partir de outubro, o melhor conteúdo digital nacional

Chega ao mercado em outubro o primeiro tablet desenvolvido por brasileiros a partir de pesquisas feitas com os próprios brasileiros. A Positivo Informática apresentou ontem o Positivo Ypy 7 e o Positivo Ypy 10, em versões Wi-Fi e Wi-Fi+3G, e o ecossistema Mundo Positivo, com revistas e jornais nacionais, livros, filmes, jogos e aplicativos.

Estudamos o comportamento do consumidor durante 20 meses para chegar a um produto 100% voltado ao brasileiro. Até o nome Positivo Ypy, que quer dizer primeiro em tupi-guarani, foi inspirado na língua dos primeiros habitantes do nosso país. Junto com o ecossistema Mundo Positivo, ele vai contar com o melhor conteúdo nacional à disposição do consumidor”, destaca Hélio Bruck Rotenberg, presidente da Positivo Informática.

O Ypy 7 começa a ser vendido na segunda quinzena de outubro com preços a partir de R$ 999. O segundo modelo chega para o Natal. A empresa ainda estuda acordos com as telefônicas.

Segundo o fabricante, o principal diferencial de hardware do Positivo Ypy é sua tela capacitiva multitoque de alta resolução e formato 4:3, ideal para o leitura de conteúdos digitais, especialmente livros, revistas e jornais, além de páginas da web. O teclado virtual também é totalmente em português, com teclas “ponto br” e cedilha. O produto conta ainda com sensor de movimentos [acelerômetro], que pode ser usado em jogos, e saída HDMI para que seja ligado à TV de LCD, além de suporte para uso de sites com Adobe Flash.

O Positivo Ypy 7 tem 7 polegadas, com 420g e 11,8mm de espessura, e conta com a maior resolução de tela entre os produtos de 7 polegadas disponíveis no mercado, de 1024×768, além de câmera frontal para videoconferências. O sistema operacional é o Android 2.3.4, a versão mais adequada para telas de 7 polegadas. A bateria é de longa duração, com autonomia de até nove horas em uso constante.

Especificações

O Positivo Ypy 10, com tela de 9,7 polegadas, também é fino e leve. Com 700g e a mesma espessura do Ypy 7, ele vem com sistema operacional Android 3.2, o Honeycomb, e formato de tela 4:3, câmera frontal e traseira e GPS com bússola digital. A bateria tem autonomia de até oito horas em uso.

O sistema operacional Android também foi customizado e está totalmente em português. A Positivo também criou uma organização diferenciada com seus aplicativos, dividindo-os em seções. O Ypy traz o exclusivo botão Redes Sociais, que oferece uma área especial para acesso rápido ao Facebook, Twitter e Orkut.

Mundo Positivo

Mundo Positivo conta com lojas próprias de revistas, jornais, livros, músicas, jogos e aplicativos, muitos deles sem custo. Ele pode ser acessado de qualquer computador. Com uma única conta, o usuário pode consumir, comprar, organizar e transferir conteúdos e aplicativos em PCs de qualquer marca, além de tablets ou e-readers da Positivo Informática. As lojas entram no ar simultaneamente à chegada do Positivo Ypy ao mercado.

Dezenas de conteúdos do Mundo Positivo já vêm pré-embarcados no Ypy, incluindo músicas e vídeos de artistas brasileiros como Ivete Sangalo, Paula Fernandes, Mariana Aydar, Zeca Pagodinho e Seu Jorge. No tablet da Positivo Informática, o usuário também acessa toda a oferta de conteúdo e serviços Google: Android Market, Maps, YouTube, Gtalk e Orkut. Pelo Android Market, é possível baixar mais de 200 mil aplicativos das mais diversas categorias.

Aqui, você confere imagens e um vídeo sobre os produtos.

PublishNews | 21/09/2011

Inclusão digital através dos tablets


Desde que o iPad foi apresentado por Steve Jobs, eu o vi como um dispositivo que poderia fazer a diferença para milhões de pessoas. Não exatamante para mim, pois ainda não achei necessário entrar nesse mundo. E nem com aquele papo marqueteiro de “mágico e revolucionário”, já que os profissionais de mídia e publicidade são os mais adeptos à novidade. Mas sim, como uma ferramenta de inclusão digital.

De um modo geral, donos de iPad já tiveram algum contato com produtos da Apple, como Macs, iPhones ou iPods e conhecem a filosofia da fabricante, que une simplicidade, intuitividade e beleza. Junto ao grande público leigo, goste-se ou não do tablet, a percepção é que o dispositivo é um extra ao PC ou ao smartphone; ainda não vi nenhum formador de opinião atestar que o produto pode substituir tudo isso. No Brasil não é muito diferente, com o agravante de se enxergá-lo como um brinquedo de luxo, voltado para pessoas mais preocupadas com status que produtividade.

Depois do período de 6 meses de “experimentação”, onde o iPad reinou sozinho com absoluto sucesso no mercado, outras fabricantes passaram a apostar no conceito. Uma imensa tela, sensível ao toque, rodando um sistema operacional móvel, que é bem mais fácil de usar que o dos PCs convencionais. A grande verdade é que a concorrência demorou a se mexer porque ela mesma não apostava no sucesso de uma nova e desconhecida categoria de produto. Durante todo o ano de 2010, o iPad provou que não é apenas uma febre: empresas e veículos de comunicação passaram a apostar na novidade, fornecendo aplicativos do iPhone adaptados à telona. E a demanda só cresce.

Há 2 públicos negligenciados, de imenso potencial e que podem se beneficiar com os tablets mais que qualquer outro: crianças e idosos.

Por menor e mais simples que um laptop ou netbook seja, ele roda um sistema operacional que dá mais trabalho que um sistema móvel. Boot longo, instalações complicadas, excesso de menus, alertas pop-up esquisitos, antivírus, antispyware, desfragmentação, limpeza de disco, etc etc etc. Vamos combinar: só nerd faz essas coisas e ainda sente prazer…

Já um tablet exige uma linha de aprendizado bastante enxuta, não se tornando empecilho para crianças, jovens e idosos. Eles podem se tornar uma ferramenta educacional valiosíssima, ainda mais numa época em que tudo que é digital colabora como motivador para o aprendizado. Para os idosos, uma maneira de manter contato com a família e amigos, além de uma ferramenta de leitura e pesquisa.

Um vídeo no YouTube ficou famoso, mostrando uma senhora de 99 anos, com visão limitada, interagindo com um iPad e mostrando como ele se tornou precioso:

Veja o vídeo.

No Brasil a história ganha novo contorno. Assim como nos demais países emergentes, o primeiro contato das pessoas com o mundo digital se dá através de plataformas móveis ao invés de fixas. O Brasil é um país geograficamente gigante e cheio de reveses topológicos. No momento, discute-se as novas medidas de inclusão da população à banda larga. Há alguns anos, os PCs e laptops ganharam incentivos fiscais que os tornaram mais baratos, ajudando a popularizá-los, mas atualmente, o que é um PC desconectado?

O tablet entra aqui como um curinga. Minimalista, simplificado, e ainda por cima pode acessar a internet por banda larga fixa [através do wifi] ou móvel [através da tecnologia 3G]. Tecnicamente é perfeito para promover a inclusão digital, mas esbarra no preço. O “custo Brasil” envolve custos altos com pessoal, infraestrutura e até status, mas uma política renúncia fiscal ajudaria bastante.

A presidente Dilma mostrou que á fã dos tablets, e mostrou-se disposta a popularizar o dispositivo. Resultado: o governo já estuda maneiras de diminuir custos e promover a fabricação em território nacional. E o ministro Paulo Bernardo, que esteve na Campus Party, disse que a medida está sendo avaliada, e que definirá detalhes como configurações mínimas e o preço máximo — ressaltando que deverão ter acesso à internet. A intenção é classificá-los como PCs e aproveitar a isenção de 9,75% de IPI, PIS e Cofins garantida a desktops e notebooks no programa “Computador para Todos”.

Os fabricantes aprovam a discussão, e empresas como a Positivo Informática [que já se mostrou disposta a entrar nesse segmento] poderão criar tablets a preços mais acessíveis.

Agora é torcer para que a idéia decole. Mais do que um modismo ou mero bem de consumo, dispositivos móveis conectados hoje são sinônimo de conhecimento, informação e interação.

Por Bia Kunze | Publicado originalmente em G1 | 24/01/2011

Positivo faz jogo na Bienal do Livro


Os visitantes que comparecerem ao estande da Editora Positivo [H40/I41] na Bienal do Livro de São Paulo [Av. Olavo Fontoura, 1.209 – Santana – São Paulo/SP] terão a oportunidade de testar como está o nível de conhecimento na Língua Portuguesa com o jogo “Aurélio na Ponta da Língua”. É um sistema interativo, com tecnologia Move Detection, que capta os movimentos do corpo. No jogo, baseado no Dicionário Aurélio, os participantes terão que decifar o significado das palavras. Aqueles que fizerem a melhor pontuação levam um exemplar do Minidicionário Aurélio.

PublishNews | 19/08/2010

Versão do Aurélio para o iPhone e iPod Touch é sucesso de vendas


Novo aplicativo conquista usuários do iTunes pela comodidade de ter sempre à mão o dicionário mais importante e popular da língua portuguesa

Que tal poder consultar a partir do seu iPhone ou iPod Touch, de qualquer lugar e sem necessidade de conexão à Internet, todo o conteúdo das mais 2 mil páginas do Novo Dicionário Aurélio? Os usuários dos dispositivos da Apple já têm essa opção. À venda no site iTunes, o aplicativo da Divisão de Tecnologia Educacional da Positivo informática, desenvolvido pela FingerTips, já ficou em destaque no ranking dos aplicativos pagos mais vendidos [Top Paid App] e vem recebendo ótima avaliação dos consumidores – nota 4+.

O Aurélio para iPhone e iPod Touch traz a versão completa do dicionário, com mais de 435 mil verbetes, definições e locuções, classe gramatical, etimologia e conjugação completa dos verbos. Com acesso total offline, sem necessidade de conexão à Internet, o aplicativo é atualizado para a nova ortografia e permite, além de consultar os verbetes, conhecer as regras que regem as mudanças. O usuário pode fazer consultas rápidas e pesquisa inteligente, buscando a palavra desejada inclusive em suas formas flexionadas, e ter acesso ao histórico recente de suas pesquisas, além da possibilidade de marcar os verbetes que deseja consultar outras vezes, em uma lista de Favoritos.

Além do Aurélio para iPhone e iPod Touch, a Positivo Informática, empresa do Grupo Positivo licenciada para editar a obra do Professor Aurélio Buarque de Holanda em versões eletrônicas, oferece também o CD-ROM do Novo Dicionário Aurélio versão 6.0 e o Corretor Aurélio, ambos já de acordo com a nova ortografia. O Aurélio – Dicionário de Língua Portuguesa para iPhone e iPod Touch está a venda no iTunes Apple Store por U$ 29,99. Para baixar o iTunes acesse http://www.apple.com/br/itunes/.

POSITIVO INFORMÁTICA | 13/7/2010