Kindle Fire tem componentes de Texas Instruments, Samsung e LG


O Kindle Fire, tablet da Amazon, utiliza componentes da Texas Instruments, da Samsung, da LG e da Hynix Semiconductor, de acordo com a empresa iFixit, que abriu o dispositivo na terça-feira [15].

A Amazon pretende vender pelo menos 5 milhões de unidades do Fire no último trimestre deste ano. O número pode não ser tão alto quanto o do iPad, líder do mercado, mas é o suficiente para atrair a atenção de investidores. “Três a cinco milhões de unidades por trimestre pode ser significativo para certos fabricantes de componentes”, disse Brad Gastwirth, da empresa de pesquisa ABR Investment Strategy.

De acordo com a iFixit, o processador principal é um Texas Instruments OMAP 4430. A Samsung forneceu o chip de 8 Gbytes de memória flash, e a Hynix fez o componente de RAM DDR2 [512 Mbytes] para o dispositivo. A tela do tablet é da LG.

As especificações e os componentes são parecidos com os do BlackBerry PlayBook, da Research in Motion, o que levou analistas a especular que os dispositivos têm os mesmos componentes.

Ainda segundo a iFixit, eles têm os mesmos componentes básicos –placa mãe, bateria, display e processador. O case abre-se como o do PlayBook, mas o Fire tem um layout interno completamente diferente, com uma bateria menor e orientações diferentes para seus componentes.

FOLHA.COM | DE SÃO PAULO | COM REUTERS | 16/11/2011 – 18h47

Ler livros em um tablet


Testamos o Kobo, o aplicativo de leitura para o PlayBook. As diferenças entre um tablet e um eReader.

Uma das grandes perguntas do momento: Um tablet é a mesma coisa que um eReader? A resposta é: Não.

Os livros digitais, como o Amazon Kindle ou o Papyre da Grammata, foram pensados para o conceito de leitura aplicada aos livros de papel e não para serem reprodutores multimídia ou navegadores web e de redes sociais. A tecnologia por trás dos eReaders – dispositivos que usam tinta digital – está composta por um polímero em formato de pequenas bolinhas que, por condução elétrica, forma as palavras e as ilustrações de um livro digital. Isto possibilita que o aparelho gaste muito pouca energia, e por não ser retroiluminado, não cansa tanto a vista durante a leitura e sua autonomia é de semanas e não horas como em um tablet.

A Amazon já lançou também o seu próprio tablet, o Kindle Fire de 7 polegadas, e porque ele não usa tinta eletrônica na tela, ele não cumpre com as normas de um eReader.

Mas como é a experiência de ler em um tablet? Usemos o PlayBook de exemplo.

A BlackBerry achou que o fato do seu tablet possuir uma tela de 7 polegadas era uma boa oportunidade para oferecer uma loja com um aplicativo para comprar livros e, assim, levar um e-book para dentro do PlayBook. Para isso escolheu a Kobo, uma livraria virtual que tem mais de 2 milhões de títulos em vários idiomas [a Kobo também vende um e-Book de baixo custo].

O aplicativo da Kobo não vem pré-instalado no PlayBook, portanto é preciso fazer o download – gratuito – dele na loja AppWord. Quando estiver em funcionamento no nosso tablet, teremos que abrir uma conta na Kobo para gerar nosso usuário e, assim, podermos ir às compras. Ainda não há grande variedade de títulos em português na área de novidades, mas é possível conseguir clássicos. Se, por exemplo, você estiver buscando a saga da famosa série de televisão “Game of Thrones”, de George R. R. Martin, só encontrará no idioma de Shakespeare.

De qualquer forma o Kobo não é muito viável se estamos famintos por best sellers recentes traduzidos ao português. Pelo PlayBook também é possível ter acesso a 184 livros [em inglês] gratuitamente. Entre eles há bons títulos como ‘Alice no País das Maravilhas’, ‘A Arte da Guerra’, ‘A lenda do Cavaleiro Sem-Cabeça’, ‘Drácula’, entre tantos outros.

O aplicativo de leitura inclui o e-shop para a compra de títulos [rondam os US$ 9,59] e nossa biblioteca, onde se você vai organizando os livros baixados. Quando estivermos na biblioteca, podemos escolher os títulos simplesmente tocando a tela com o dedo, e o livro se abrirá. Nos momentos de leitura, o mais cômodo será colocar o tablet na posição vertical e, em seguida, baixar o brilho da tela [dentro do próprio aplicativo] para que se ajuste melhor aos olhos. 25% menos que o brilho máximo é o tom mais similar ao do papel e consome menos bateria.

Quando quisermos marcar uma página como favorita, podemos fazer uma “DogEar” [dobrar a orelha superior do livro] de forma virtual, e teremos uma lista de páginas destacadas que poderemos consultar a partir do menu de “DogEars”.

Cada vez que interrompermos a leitura, o livro ganhará automaticamente um marcador virtual, para mostrar onde paramos. Quando retomarmos, o e-Book abrirá diretamente nessa última página marcada.

O PlayBook oferece uma boa sensação durante a leitura, porque o dispositivo não é pesado e não cansa as mãos nem a vista [com o brilho reduzido], embora se sinta a ausência de uma maior quantidade de livros em português.

Se você é fluente em inglês ou bilíngue e tem um PlayBook, o aplicativo da Kobo é superindicado, já que de cara temos quase 200 livros grátis e de ótima qualidade para baixar. E também podemos dar uma volta pelo e-shop para ver se encontramos algum lançamento que ainda não foi publicado no nosso idioma.

Se você quer saber mais sobre este tablet, visite-nos em http://br.blackberry.com/playbook-tablet.

Publicado originalmente em MSN TECNOLOGIA | 30/10/2011 16:31

Amazon reestrutura site antes de lançar novo tablet


A Amazon está lançando uma grande reformulação de seu site à medida que se prepara para oferecer um novo tablet de US$ 250 cuja meta é rivalizar com o iPad, da Apple.

As mudanças na loja on-line da Amazon mostram claramente que o site está sendo aperfeiçoado para o uso em tablets, disse Sarah Perez, do blog de tecnologia TechCrunch. O blog afirmou ter visto um protótipo do novo aparelho da varejista.

A nova página terá uma grande barra de pesquisa e maior destaque para músicas, livros eletrônicos, jogos e aplicativos do Amazon Appstore, para o sistema operacional Android, do Google, disse o blog.

A Amazon começou a desenvolver o novo formato do site no final de agosto, afirmou a porta-voz da empresa Sally Fouts, por e-mail, no domingo.

Continuamos a disponibilizar o novo design para clientes adicionais, mas não posso especular sobre quando ele estará disponível para todos“, disse Fouts.

O tablet que a Amazon está desenvolvendo possui tela retroiluminada de 7 polegadas – menor que a do iPad e de tamanho semelhante ao do PlayBook, da Research in Motion – afirmou o TechCrunch.

O tablet da Amazon é voltado à reprodução de música e de vídeos na internet.

DA REUTERS, EM NOVA YORK | Publicado em português por Folha.com | TEC | 05/09/2011 – 14h40

Amazon lança aplicativo que permite ler livros na nuvem


EUA: A Amazon lançou nesta quarta-feira o Kindle Cloud Reader, um aplicativo que permite ler livros eletrônicos desde o navegador web de diferentes dispositivos, tanto online como sem conexão à internet e sem necessidade de downloads nem instalações.

O aplicativo, baseado na linguagem HTML5, permite aos usuários acessar mediante seu navegador instantaneamente os catálogos de literatura eletrônica da Amazon, que disponibiliza 950 mil livros.

A ferramenta já está disponível a partir desta quarta-feira para Safari – com uma versão especial para o tablet iPad – e para Chrome, enquanto os usuários de Internet Explorer, Firefox, BlackBerry Playbook e outros navegadores de dispositivos móveis terão que esperar mais alguns meses para utilizar o aplicativo.

O Kindle Cloud Reader se sincroniza automaticamente com a livraria do Kindle, mostra a última página lida em outro dispositivo e as notas do leitor e permite também destacar os livros favoritos.

A Amazon informou em uma nota de imprensa que com a ferramenta será possível acessar de forma automática e sem necessidade de se conectar à internet o último livro que o leitor tenha consultado, assim como escolher aqueles volumes que queira ler ‘offline’.

O Kindle Cloud Reader também permite ao leitor personalizar o aspecto do texto e integra uma versão melhorada de acesso à loja do Kindle.

Agencia EFE | 10/08/2011

Mais uma forma de ler livro digital


Nos últimos dois anos, a Amazon criou e aprimorou seus aplicativos de leitura e os consumidores puderam escolher entre ler seus livros digitais no Kindle, iPad, iPhone, iPod Touch, PC, Mac, telefone com sistema operacional Android, tablets ou no BlackBerry. Hoje, a empresa apresenta mais uma opção de leitura. Trata-se do Kindle Cloud Reader, um aplicativo desenvolvido em HTML5 que permite que se leia usando apenas o browser. A leitura pode ser on-line ou off-line, e não é necessário fazer downloads ou instalações de aplicativos.

Independentemente do meio escolhido pelo usuário para ler seu livro, essa obra estará disponível em todos os seus aplicativos e sincronizada com a biblioteca de livros digitais dele. A última página lida, os grifos e as anotações também aparecerão sempre o que o livro for aberto. A nova ferramenta está disponível para Safari [iPad e desktop] e Chrome no site www.amazon.com/cloudreader.

Dorothy Nicholls, diretor da Amazon Kindle, disse em comunicado que a empresa integrou sua Kindle Store ao Cloud Reader. Com apenas um clique o cliente pode fazer sua compra e já começar a ler. A Amazon disse que em breve o Kindle Cloud Reader também estará rodando no Internet Explorer, Firefox, browser do BlackBerry PlayBook e outros.

Por MariaFernanda Rodrigues | PublishNews | 10/08/2011

Kobo lança eBookstore na Alemanha


A Kobo [eBookstore de origem canadense] chegou à Alemanha com um catálogo de 2,4 milhões de e-books, dos quais 80 mil títulos são em alemão.

A empresa está prometendo também que os seus e-readers estarão à venda em uma grande rede de lojas físicas de produtos eletrônicos a partir de agosto. A Kobo ainda desenvolveu Apps gratuitas em alemão para iPhone, iPad, iPod Touch e Android – e em breve chega também o app para PlayBook [o tablet Blackberry]. Ela também anunciou para breve o lançamento de suas lojas on-line na Espanha, França, Itália e Holanda. Essa ação coloca a Kobo à frente da Amazon no desenvolvimento do mercado digital na Europa.

A Kindle Store da Amazon.de foi lançada este ano, mas com apenas 25 mil títulos em alemão. “A comunidade leitora europeia está faminta por e-books”, comentou Michael Serbinis, CEO da Kobo.

Por Philip Jones | The Bookseller | 13/07/2011

Amazon lança tablet para concorrer com iPad


A Amazon.com lançará um tablet neste ano para ampliar sua posição dominante como maior varejista da Internet, expandir seus serviços de comércio de aparelhos móveis e vender mais bens digitais, de acordo com analistas e investidores.

O tablet com tela de 9 polegadas baseado no Android, sistema operacional do Google, será lançado antes de outubro, reportou o Wall Street Journal nesta quarta-feira, citando fontes relacionadas ao assunto que não foram identificadas. Um porta-voz da Amazon não respondeu aos pedidos para comentar o tema.

Pelo menos 1,5 milhão de tablets com a marca da Amazon estão sendo montados para o terceiro trimestre e a meta total para 2011 é de 4,5 milhões a 5 milhões de unidades, disseram analistas do setor de hardware da Canaccord Genuity em uma recente nota a investidores.

O lançamento aumentará a competição entre Amazon e Apple, que fabrica o campeão de vendas iPad e também comercializa livros eletrônicos, músicas e vídeos pela loja iTunes.

No mercado de tablets, a segunda maior competidora será a Amazon“, disse à Reuters Mark Gerber, diretor de pesquisas em tecnologia da Detwiler Fenton. “Nenhum dos outros tablets realmente decolou“.

O Xoom, da Motorola, e o PlayBook, da Research in Motion, têm enfrentado dificuldades parciais, pois estes tablets não são integrados a conteúdos de forma clara, explicou Gerber.

Diferentemente, o iPad é integrado ao iTunes, software pelo qual usuários podem comprar músicas, vídeos e livros digitais.

A Amazon já possui um grande acervo de conteúdo que usuários poderão acessar, incluindo os livros digitais do Kindle, downloads de músicas e vídeos para comprar, alugar ou assistir em tempo real pela Internet.

Por Alistair Barr e Bhanya Skariachan | Reuters | SAN FRANCISCO | quarta-feira, 13 de julho de 2011 19:54 BRT