Empresas lideram inovação no mercado editorial


Osprey, Pottermore e Sourcebooks, entre outros, apresentam projetos inovadores

A conferência Publishers Launch apresentou ontem as empresas que estão renovando o mercado editorial internacional com seus projetos digitais. De aplicativos shakespearianos a plataforma digital que recria o mundo de Harry Potter, essas empresas estão reinventando os modelos de negócios e estão à frente da revolução digital, sempre com o foco no conteúdo e no leitor.

Sourcebooks é uma das maiores editoras americanas independentes, responsável pelo Shakespearience, um e-book que amplia e visa facilitar a leitura de Shakespeare e, futuramente, os e-books da coleção de livros infantis bestsellers personalizados Put me in the story. A CEO Dominique Raccah insistiu na necessidade de se focar no usuário e citou Steve Jobs, dizendo que as empresas devem começar com a experiência do consumidor e a partir daí trabalhar a tecnologia.

Outro produto que promete ter similares mundo afora é a novela digital lançada por Helmut Pesch para a editora alemã Bastei Lubbe. A série de thrillers Apocalypsis foi lançada no passado como uma web-série multimídia, uma nova forma de entretenimento que foi publicada também em inglês e chinês.

A tradicional editora inglesa Faber and Faber vem chamando atenção por seu novo canal de serviços para novos autores, sua comunidade virtual, cursos de escrita e outros eventos que ligam a comunidade. Stephen Page, Publisher e diretor da Faber and Faber, falou que está investindo em novos copyrights e investindo em distribuição direta ao consumidor.

O lema da Osprey, grupo editorial americano, é fazer livros para o público, e não encontrar público para os livros. A diretora Rebecca Smart explicou como inverteu o processo de publicação de livros com temas “crowdsourced” e como isso coloca o grupo em nichos de mercado difíceis de se atingir. Um dos resultados das sugestões dos 40 mil usuários do site é um livro sobre a força expedicionária brasileira na segunda guerra mundial. “Nós nunca publicaríamos um livro com esse título, mas os leitores pediram”, brinca Smart.

A última empresa a ser apresentada foi a Pottermore. A plataforma digital que recria o mundo de Harry Potter já nasceu um sucesso. O CEO Charlie Redmanye brincou sobre o lançamento do site: “Por lançamento eu quero dizer: nós colocamos o site no ar e demos um tweet”. Como tudo que envolve Harry Potter, os números são impressionantes. São 140 milhões de visitas, 20 mil novos usuários por dia e 158 milhões de novos feitiços e poções criados.

Por Iona Stevens | Clipado de PublishNews | 09/10/2012