Amazon e Google em rota de colisão em 2013


Publicidade online, varejo para dispositivos móveis e computação em nuvem estão entre suas áreas rivais

Google vs. AmazonSÃO FRANCISCO | Quando o CEO Jeff Bezos, da Amazon, recebeu a notícia de um projeto do Google de digitalizar e escanear catálogos de produtos, uma década atrás, as sementes de uma crescente rivalidade estavam sendo plantadas.

A notícia foi uma “chamada de despertar” para Bezos, um dos primeiros investidores no Google. Ele a viu como um alerta de que o serviço de busca na web poderia avançar sobre seu império de varejo online, de acordo com um ex-executivo da Amazon.

Ele percebeu que o escaneamento de catálogos era interessante para o Google, mas a verdadeira vitória para o Google seria a de conseguir que todos os livros fossem escaneados e digitalizados” para depois vender edições eletrônicas, disse o ex-executivo.

Assim começou uma rivalidade que vai ganhar força em 2013, à medida que as áreas rivais das duas empresas crescem, abrangendo a publicidade online e de varejo para dispositivos móveis e computação em nuvem.

Isso poderia pôr fim às últimas áreas remanescentes de cooperação entre as duas empresas. Um exemplo: a decisão da Amazon de usar uma versão simplificada do sistema Android, do Google, em seu novo tablet Kindle Fire, conjugada aos ambiciosos planos do Google para sua unidade de dispositivos móveis da Motorola, só vão provocar mais tensão.

O confronto marca a mais recente frente em uma guerra da indústria de tecnologia em que muitos combatentes estão se espalhando por territórios uns dos outros. À espreita nas sombras do Google e Amazon está o Facebook, com o seu próprio serviço de busca e ambições de publicidade.

A Amazon quer ser o lugar único onde você compra tudo. O Google quer ser o lugar único onde você encontra tudo, e onde a compra de coisas é uma consequência”, disse Chi-Chien Hua, sócio da empresa de capital de risco Kleiner Perkins Caufield & Byers. “Assim, quando se juntam esses fatos, acho que vamos ver uma colisão natural.

Ambas as empresas têm muito em jogo.

A capitalização de mercado do Google, de 235 bilhões de dólares, é aproximadamente o dobro da da Amazon, em grande parte porque o Google obtém enormes lucros líquidos. Segundo a projeção dos analistas, esse lucro será de 13,2 bilhões dólares este ano, com base em uma enorme margem de lucro de 32 por cento, de acordo com a Thomson Reuters I/B/E/S. Quanto à Amazon, a previsão é que vá reportar uma pequena perda este ano.

Acionistas da Amazon têm sido pacientes, já que a empresa tem investido visando ao crescimento, mas ela vai ter que começar a produzir fortes lucros em algum momento — algo mais provável se crescer em áreas de maior margem, como a publicidade. O preço da ação da Google, por sua vez, é vulnerável aos sinais de desaceleração da margem de crescimento.

Não muito tempo depois de Bezos ter se inteirado dos planos do Google para os livros, a Amazon começou a digitalizar obras e a oferecer trechos para pesquisa. Seu e-reader Kindle, lançado alguns anos depois, deve muito de sua inspiração à notícia do catálogo, disse o executivo.

Agora, a Amazon está impulsionando seus esforços de publicidade online, ameaçando atrair usuários e receita do principal site de buscas do Google.

O negócio incipiente de anúncios da Amazon ainda é uma fração do administrado pelo Google. A Robert W. Baird & Co. estima que a Amazon está no caminho certo para gerar cerca de 500 milhões de dólares em receitas de publicidade anual – um valor pequeno, dado que registrou 48 bilhões de dólares de receita total em 2011. Já no Google, 96 por cento dos 38 bilhões em vendas em 2011 vieram de publicidade.

Reuters | Publicado originalmente do LINK | 25 de dezembro de 2012, às 15h51

Apple compra empresa especializada em HTML5


Aquisição sugere que a fabricante está interessada em ampliar a exibição de conteúdos em diversos dispositivos

A Apple comprou a Particle, uma consultoria especializada em aplicações web e projetos de marketing que usam HTML5. A compra foi finalizada em setembro deste ano por um valor não divulgado e começa a dar pistas sobre os planos da empresa da maçã.

Segundo o site GigaOm, a nova aquisição sugere que a dona do iPad e iPhone está buscando novas maneiras – dentro da linguagem HTML5 – de exibir conteúdos em uma variedade de dispositivos, uma vez que a Particle é especialista no assunto.

No site da consultoria, eles afirmam que têm trabalhado para levar aplicações leves, baseadas em HTML5, para set top boxes, consoles de videogames e até sistemas operacionais como Chrome OS e Android.

É importante lembrar que mesmo uma pequena aquisição para a Apple pode significar um grande lançamento. A compra da SoundJam, por exemplo, deu origem ao iTunes, a Chomp virou a App Store, a Fingerworks ajudou a criar o iOS, e o Siri se tornou o sistema de inteligência artificial do iPhone.

Será que vem uma nova Apple TV por aí?

Sobre a Particle

A consultoria foi criada em 2008 e um de seus financiadores foi o cantor e ator Justin Timberlake. Além de interpretar Sean Parker no filme “A Rede Social”, Timberlake se envolveu de verdade em investimentos no setor de tecnologia, incluindo uma participação na Specific Media, empresa que comprou a rede social MySpace em junho do ano passado. Entre os clientes da Particle estão Google, Sony e Motorola, além de Cisco, Barnes & Noble e Zynga.

Publicado originalmente e clipado à partir de OLHAR DIGITAL | 17 de Outubro de 2012, às 18:30h

Amazon esquenta guerra dos tablets com novo Kindle


A Amazon.com Inc. está aumentando a pressão sobre os preços na guerra dos tablets ao lançar um novo aparelho apoiado por publicidade que custará menos que modelos semelhantes, disseram pessoas envolvidas nas discussões.

O tablet fará parte de uma série de novos aparelhos que devem chegar ao mercado com a esperança de atrair consumidores, numa época em que o aperto na economia ameaça as vendas da crucial temporada de fim de ano.

Nesta quarta-feira, a Nokia Corp. deve apresentar em Nova York sua primeira linha de smartphones com o novo sistema operacional Windows 8, da Microsoft. No mesmo dia, também em Nova York, a Motorola Mobility deve fazer seu primeiro grande lançamento de um telefone desde que foi adquirida pela Google Inc.

E, na quinta-feira, a Amazon fará um evento para a mídia em Santa Monica, na Califórnia, onde se espera que ela lance uma nova versão do tablet Kindle Fire.

Essas empresas estão tentando passar à frente da rival Apple Inc., que em 12 de setembro deve revelar um novo iPhone.

A Apple também está trabalhando com seus fornecedores em uma versão menor do iPad que será semelhante em tamanho ao Kindle Fire atual, disseram pessoas a par do assunto. A Microsoft, por sua vez, informou que vai começar a vender seu novo tablet Surface nos próximos meses.

Há uma enxurrada de concorrentes no mercado de tablets“, diz o analista independente Jeff Kagan. “O pessoal de marketing tem de descobrir como diferenciar seus aparelhos, seja no preço ou nas funções. Provavelmente levará alguns anos para chegarmos lá.

O modelo mais barato e apoiado por anúncios da Amazon, juntamente com outros aparelhos desenvolvidos por fabricantes de eletrônicos, podem colocar pressão sobre a Apple — que se tornou a empresa mais valiosa do mundo por estabelecer preços altos para seus aparelhos, entre outras coisas.

Uma porta-voz da Apple não quis comentar.

A Amazon entrou no mercado de eletrônicos inicialmente em 2007, quando lançou a primeira linha Kindle de leitores de livros digitais.

Desde então, a empresa, que tem sede em Seattle, reduziu o preço do Kindle significativamente. O aparelho custava originalmente US$ 399 nos Estados Unidos e logo caiu para US$ 299, numa versão posterior.

No ano passado, a Amazon lançou uma nova série de leitores Kindle com preços entre US$ 109 e US$ 189, e as pessoas dispostas a receber anúncios poderiam comprar os mesmos modelos por US$ 30 a US$ 50. A publicidade aparece na forma de protetores de tela e de banners na parte inferior de certas imagens.

A Amazon entrou para a arena do tablet em novembro do ano passado, quando lançou seu Kindle Fire, vendido por US$ 199 nos EUA. O preço do aparelho, que tem uma tela de sete polegadas, foi definido de forma agressiva em relação ao iPad, da Apple, cujo preço mínimo é de US$ 499.

Na quinta-feira, a Amazon disse que havia vendido todos os Kindle Fire que produziu, prometendo “um roteiro emocionante pela frente.

Não está claro quanto o Kindle Fire da Amazon faturou. A empresa não divulga dados específicos de vendas.

O novo tablet da Amazon apoiado por anúncios seria vendido com um desconto em relação aos tablets sem subsídio de publicidade, disseram pessoas envolvidas nas discussões sobre o produto. O preço exato e quais anunciantes estão envolvidos não foram revelados.

O novo tablet exibiria um anúncio depois de o usuário “acordar” o aparelho, disse uma pessoa informada sobre o assunto.

A Amazon já comentou que algumas versões do novo tablet teriam acesso à Internet apenas através de redes Wi-Fi, disse uma pessoa informada sobre o produto.

Além disso, a Amazon está testando seu próprio smartphone para fazer frente ao iPhone da Apple, e pode lançá-lo ainda este ano, disseram em julho executivos de fornecedores de peças da Amazon que não quiseram ser identificados.

No fim do segundo trimestre, o Kindle Fire da Amazon tinha apenas 4,2% do mercado mundial de tablets em termos de vendas de unidades, em comparação com 70% do iPad, segundo a empresa de pesquisa IHS Inc.

A Amazon informou na semana passada que o Fire tem 22% do mercado de tablets dos EUA.

O Kindle ainda não foi lançado no Brasil, embora seja possível obter conteúdo em português no aparelho.

Por Greg Bensinger | Publicado originalmente e clipado à partir de The Wall Street Journal | 04/09/2012

Livro digital conquista confiança do mercado


Grandes livrarias e editoras acreditam que os e-books ganharão espaço no mercado nacional em 2012 e 2013

As apostas nos livros digitais estão em alta. Grandes livrarias e editoras acreditam que os e-books ganharão espaço no mercado nacional em 2012 e 2013. As projeções mais otimistas os colocam como responsáveis por 10% do faturamento das vendas do setor em 2014. O índice em 2011 foi 0,025%. A esperança está depositada na chegada de gigantes internacionais e na produção doméstica de tablets, que poderá baratear os aparelhos.

Segundo a Câmara Brasileira do Livro [CBL], há cerca de 10 mil títulos em formato digital no País. Desses, 5.235 foram lançados em 2011, conforme pesquisa da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas da Universidade de São Paulo [Fipe/USP]. “A maior produção ocorreu no último período. Então, também deve haver um número significativo em 2012”, diz a presidente da CBL, Karine Pansa, que não arrisca projeções. A receita com vendas de e-books foi de R$ 868 mil.

O diretor-presidente da Saraiva, Marcílio Pousada, considera o e-book um negócio importante para a empresa, cujo acervo digital é de 10 mil títulos em português e 240 mil em inglês. “Estamos nos preparando com força, inclusive vendendo tablets. Também desenvolvemos um software de leitura”, diz Pousada, que espera fechar o ano com a oferta de 16 mil títulos nacionais.

A ideia de oferecer aparelhos de leitura para impulsionar a venda de conteúdo deu certo com a Amazon, nos Estados Unidos. Desde que o Kindle, e-reader da empresa, foi lançado, em 2007, os e-books vêm ganhando mercado. Em 2011, tinham 15%, ante 6% em 2010, conforme a Association of American Publishers.

Agora, a Amazon pretende entrar no Brasil. O início das operações está previsto para o último trimestre deste ano, mas já existem negociações com empresas locais, como as distribuidoras de e-books Xeriph, que reúne cerca de 200 editoras, e DLD, formada por sete. Comenta-se, porém, que há dificuldades para fechar acordos com a multinacional, que se recusaria a aceitar peculiaridades do mercado nacional, como a divisão de receitas. A companhia foi procurada pela reportagem, mas não se pronunciou.

Outras livrarias

Outras grandes livrarias virtuais também devem aportar no País. A Google eBookstore, a iBookstore [da Apple], a Barnes & Noble e a Kobo, por exemplo, negociam com a Xeriph, de acordo com o CEO da empresa, Francisco Paladino. “Ainda neste semestre, deveremos ter dois contratos em operação e três assinados.” Segundo ele, o catálogo da Xeriph tem 10 mil livros e deve alcançar 12 mil até o fim de 2012.

As esperanças também recaem sobre a fabricação de tablets no País, estimulada com incentivos fiscais e iniciada em 2011, por Samsung, Motorola, Semp Toshiba, Positivo e Aix. A estrela do setor é a Foxccon, que produz iPads em Jundiaí [SP] . O governo espera que os preços caiam 40%. Para o especialista em livros digitais Ednei Procópio, da CBL, porém, a popularização dos tablets não dependerá das grandes companhias. “Elas sempre vão lançar equipamentos de grife. Mas haverá quem faça modelos mais acessíveis.”

POR TIAGO CISNEIROS e VANESSA BELTRÃO | Especial para o Estadão | 12/08/2012

Iba é lançada com seis mil eBooks


O mercado de publicações digitais ganhou ontem um concorrente de peso com o lançamento da Iba, loja do grupo Abril para jornais, revistas e livros. A plataforma, que desde o ano passado funcionava em versão experimental, foi ao ar oficialmente com oferta de 25 títulos de revista do grupo, 19 jornais e seis mil e-books de 170 editoras brasileiras, o que a coloca entre as três maiores lojas de livros eletrônicos do país – a Gato Sabido tinha cerca de 7,3 mil títulos em janeiro e a Saraiva, em torno de seis mil.

A estreia acontece num momento em que a concorrência promete se acirrar – e muito – com os desembarques da Amazon e do Google eBooks no Brasil, previstos para este ano, e do surgimento de outras plataformas nacionais – Mundo Positivo, Buqui e Travessa são alguns dos concorrentes que surgiram nos últimos meses. “Queremos estar entre as grandes do mercado de e-books”, diz Ricardo Garrido, diretor de operações da Iba. A loja recebeu até agora investimento de R$ 10 milhões e, nos próximos cinco anos, deve consumir um total de R$ 60 milhões, segundo o executivo.

Estão disponíveis os aplicativos de leitura da Iba para PC e iPad e, em breve, será lançado um para Android. “Estamos apostando no crescimento dos tablets e também na base já instalada de PCs no Brasil”, afirma Garrido. Segundo ele, a Iba estima que haverá nove milhões de tablets em uso no país nos próximos cinco anos, contra menos de um milhão existente hoje. Foi fechada parceria para que os tablets da Motorola e da Samsung – o Xoom e o Galaxy Tab – já cheguem às mãos do consumidor brasileiro com o aplicativo da Iba instalado. O mesmo acordo com feito com a HP para PCs.

Para atrair usuários, a Iba oferece gratuitamente cinco revistas, um jornal diário e mais dez livros – todos em domínio público – para quem se cadastrar até o dia 16 de abril. Ontem, segundo Garrido, três mil usuários haviam se cadastrado em menos de 24 horas. Hoje pela manhã, o aplicativo da loja para iPad era o terceiro mais baixado na App Store. A Iba permite, além da compra avulsa de exemplares, a assinatura dos jornais e revistas.

Garrido afirma esperar para os próximos meses um forte crescimento na base de e-books nacionais. “As editoras aceleraram muito a produção de e-books e acreditamos que haverá um aumento gigantesco na oferta nos próximos meses”, afirma. A Iba também deve fechar em breve acordos para a venda de títulos estrangeiros, segundo ele.

Em relação aos acordos comerciais com as editoras, Garrido afirma que os contratos variam conforme o porte e o tipo de publicação das editoras. Eles também preveem certos níveis de desconto nos preços dos livros para o consumidor final. “Mas nossa postura não é de pressionar as editoras, acreditamos numa boa convivência, como sempre foi no mundo impresso”, diz o executivo.

É uma referência sutil à Amazon, conhecida por sua prática agressiva de descontos [especialmente nos Estados Unidos], que ao longo do tempo passou a ser vista como vilã pelo mercado editorial – mas, certamente, não pelos leitores, que conseguem comprar livros por preços menores. A companhia americana planeja iniciar operações no Brasil ainda neste primeiro semestre.

Ao contrário do que se imagina, a distribuição digital não é tão barata, porque os volumes de venda são baixos no Brasil”, diz Garrido. “À medida que o volume crescer, haverá espaço para reduções maiores de preço, mas não é algo que vai acontecer no curto prazo”, avalia.

Em tempo: iba, em tupi-guarani, significa árvore, uma referência ao símbolo da Abril.

Por Roberta Campassi | PublishNews | 07/03/2012

A tecnologia e os eBooks no Brasil


Preço dos dispositivos e custo de produção são barreiras para a leitura digital, mas 2012 promete mudanças

O Brasil não é um exemplo mundial quando o assunto são os livros digitais. A estimativa é de que estamos três anos atrás de grandes mercados como o norte-americano. Entretanto, 2012 promete ser o ano em que as coisas realmente irão acontecer, e por isso apresentamos aqui um apanhado sobre a tecnologia – tanto de aparelhos como de formatos – utilizada no Brasil.

Formatos

Até o momento, o formato mais utilizado para e-books no Brasil é o PDF, o que é uma lástima. Como todos sabem, o PDF não é um formato de documento indicado para livros digitais, pois se lido em um dispositivo móvel nota-se grande desconforto, uma vez que não é possível redimensionar o texto, mudar a diagramação ou ainda trocar a cor do fundo.

Há também algumas lojas e editoras que oferecem outros formatos, como o Mobi e até o antigo PRC. Entretanto, o ePub vem crescendo exponencialmente nas livrarias on-line. As editoras começaram a perceber que o formato mais indicado para e-books é o ePub, tratado como um padrão nos EUA e na Europa.

Os “livros aplicativo”, geralmente desenvolvidos para iPad, são até o momento uma exceção no mercado. Além de o comércio de tablets não estar em seu auge no Brasil, o custo para a produção de um livro interativo ainda é muito alto no país. Com preços que variam de R$ 14 mil a R$ 30 mil [entre US$ 8 mil e US$ 17 mil], apenas grandes editoras se aventuram nesse caminho. É o caso da Globo Livros, comReinações de Narizinho, de Monteiro Lobato, e da Melhoramentos, com O menino da terra, de Ziraldo. Mesmo assim, esse acervo interativo deve crescer em 2012.

Aparelhos de leitura

Para que o livro digital se popularize, é necessário que existam dispositivos para a leitura digital de fácil acesso – tanto econômico quanto tecnológico. E esse, infelizmente, também não é o caso por aqui. A interface mais utilizada para a leitura de e-books no Brasil é o tradicional PC, seja desktop ou notebook. De acordo com dados da FGV, eram 60 milhões de computadores em uso em 2011, e serão 100 milhões em 2012. O principal local de acesso à internet é a lan house [31%], seguido da própria casa [27%] e da casa de parente de amigos, com 25%. Ao todo, 87% dos brasileiros já estão conectados.

Os smartphones são a segunda fonte de leitura digital, seguidos por tablets e, por último, os e-readers. Essa diferença em relação a outros países está no custo. O preço dos computadores caiu bastante nos últimos três anos e muitas famílias puderam adquirir um. Entretanto, tablets e e-readers possuem preços assustadoramente altos e ficam fora de alcance de grande parte da população.

Já encontramos vários modelos de tablets por aqui. Além do popular iPad, empresas como Motorola, Samsung, RIM, ZTE e Asus oferecem seus aparelhos para venda. Empresas brasileiras também possuem aparelhos próprios, como o Positivo Ypy e o Multilaser Elite, mas alguns deles são produtos importados da China que apenas levam a marca brasileira.

Quando falamos de e-readers, a situação fica péssima. São apenas alguns modelos disponíveis, que perdem feio em qualidade para os melhores e mais baratos disponíveis nos Estados Unidos. São aproximadamente seis aparelhos de tinta eletrônica, e alguns são tão fracos que não merecem a compra. Além do Positivo Alfa, brasileiro, temos oficialmente dois modelos da iRiver, o Story e o Cover Story. Um dos primeiros a chegar ao mercado foi o Cool-ER, da falecida Interead, que é vendido até hoje por aqui. A Amazon estuda vender o Kindle diretamente no Brasil por R$199 [US$ 115] quando abrir sua loja no país, o primeiro aparelho que seria vendido a menos de US$200 por aqui.

Muitos impostos

O grande vilão dos preços são os impostos. No Brasil, a taxa de importação para aparelhos eletrônicos chega a até 60%. E, mesmo quando os aparelhos são fabricados no Brasil, como é o caso da Samsung – e, futuramente, da Apple –, impostos sobre componentes e outros itens acabam encarecendo demais os aparelhos. Temos no Brasil os preços mais altos do mundo em relação aos produtos da Apple, por exemplo. Enquanto o modelo mais simples do iPad custa US$ 499 nos Estados Unidos, o mesmo é vendido no Brasil por R$ 1.629 [cerca de US$ 943].

A situação dos e-readers é ainda pior. A baixa demanda e os altos impostos fazem com que um aparelho de leitura fabricado no Brasil – o Positivo Alfa – seja disponibilizado a R$ 799 [aproximadamente US$ 462], enquanto um Kindle – de qualidade superior – pode ser adquirido por US$ 79 nos Estados Unidos. Uma diferença gritante.

A Lei 12.507, de 11 de outubro de 2011, prevê a desoneração fiscal sobre a fabricação de tablets no país. Mais de uma dezena de empresas já está habilitada para utilizar o benefício, embora os efeitos reais sobre os preços ao consumidor ainda não tenham sido sentidos.

Em 2012

Neste ano, é esperado que bons ventos tragam crescimento no mercado tecnológico em geral. Mais tablets serão adquiridos e a possível entrada de empresas como Amazon, Google e Kobo no segmento de livros digitais promete esquentar bastante o mercado.

Por Stella Dauer | Publicado originalmente em Revolução Ebook

Stella Dauer é designer e eBook evangelist da Simplíssimo, além de editora doRevolução E-book. Stella é especialista em gadgets, trabalha com livros desde 2006 e pesquisa e divulga o livro digital desde 2009 | stella@simplissimo.com.br – @stelladauer

Vendido a US$ 199, tablet da Amazon custa US$ 210 para fabricar


Os custos de fabricação do novo tablet da Amazon.com, o Kindle Fire, serão de US$ 209,63, afirmou a consultoria IHS iSuppli nesta sexta-feira, mostrando como a gigante do comércio eletrônico está tendo um prejuízo financeiro inicial para fazer com que o aparelho chegue ao maior número possível de consumidores.

Kindle Fire, tablet da Amazon

O executivo-chefe da Amazon, Jeff Bezos, divulgou o Kindle Fire na quarta-feira com um preço menor que o esperado: US$ 199.

O lançamento motivou preocupações sobre uma guerra de preços no mercado de tablets de baixo custo, atualmente dominado por aparelhos que rodam o sistema operacional Android, do Google, de empresas como Samsung, Motorola Mobility e HTC.

O executivo-chefe da Amazon, Jeff Bezos, mostra novos dispositivos da empresa | Photo Justin Lane | Efe

A IHS iSuppli disse que os componentes empregados na fabricação do Kindle Fire custam US$ 191,65. Despesas de fabricação adicionais levam o custo total para 209,63 dólares.

De acordo com as estimativas da IHS iSuppli, a companhia pode perder pouco menos de US$ 10 em cada Fire vendido. Mas a Amazon está esperando que o aparelho estimule usuários a comprar mais produtos e serviços da empresa, compensando o prejuízo inicial.

“O real benefício do Kindle Fire para a Amazon não será nas vendas de hardware ou conteúdos digitais. Em vez disso, o Kindle Fire, e toda a demanda por conteúdo que ele estimula, servirá para promover as vendas de todos os tipos de bens físicos que compreendem a maioria dos negócios do Amazon”, disse a IHS iSuppli em comunicado.

DA REUTERS, EM SAN FRANCISCO | Publicado por Folha.com, TEC | 30/09/2011 – 19h29

Kindle pode forçar corte de preços em tablets Android


As companhias de tecnologia asiáticas sofreram pressão de corte de preços de seus computadores tablet depois que a Amazon.com lançou o Kindle Fire por US$ 199.

Empresas de Samsung Electronics à Sony, os grandes fabricantes asiáticos de tablets têm planos ambiciosos para enfrentar a Apple, cujo iPad é o aparelho de referência nesse mercado crescente.

Mas com produtos claramente parecidos e preços muito próximos aos US$ 499 dólares do iPad básico, nenhuma delas conseguiu capturar mercado significativo junto aos consumidores da Apple.

Até o momento, a Samsung vem sendo a candidata mais convincente a rival do iPad, e alguns analistas sugeriram que ela poderia perder sua segunda posição no mercado de tablets para o Fire.

A campanha de marketing dos tablets da companhia sul-coreana também vem enfrentando problemas nos últimos meses devido aos esforços judiciais da Apple para impedir a venda de tablets Samsung na Austrália, Estados Unidos e Alemanha, alegando violações de patentes e outras irregularidades.

O Kindle Fire, embora não disponha de muitos dos recursos mais avançados comuns em outros tablets, de câmeras a conexão 3G, pode representar o ponto final para muitos dos aparelhos concebidos em torno do sistema operacional Google Android.

“A escolha de preço é crucial para ganhar força no mercado de tablets. Os fabricantes rivais não conseguiram atrair consumidores porque acompanharam o preço do iPad sem acompanhar sua oferta de conteúdo”, disse Adam Leach, analista do grupo de pesquisa Ovum.

“O modelo de negócios da Amazon, que tem por base o varejo, permite que a companhia subsidie o aparelho sob a premissa de que seus usuários comprarão mais em seus sites, seja conteúdo digital, sejam produtos físicos.”

Galaxy Tab, da Samsung; Xoom, da Motorola Mobility; e muitos outros aparelhos da Acer e Asustek funcionam com o Android, que a Amazon também usa no Kindle Fire, combinado à sua loja on-line.

DA REUTERS, EM SEUL | Publicado por Folha.com | 29/09/2011 – 11h12

Amazon lança tablet para concorrer com iPad


A Amazon.com lançará um tablet neste ano para ampliar sua posição dominante como maior varejista da Internet, expandir seus serviços de comércio de aparelhos móveis e vender mais bens digitais, de acordo com analistas e investidores.

O tablet com tela de 9 polegadas baseado no Android, sistema operacional do Google, será lançado antes de outubro, reportou o Wall Street Journal nesta quarta-feira, citando fontes relacionadas ao assunto que não foram identificadas. Um porta-voz da Amazon não respondeu aos pedidos para comentar o tema.

Pelo menos 1,5 milhão de tablets com a marca da Amazon estão sendo montados para o terceiro trimestre e a meta total para 2011 é de 4,5 milhões a 5 milhões de unidades, disseram analistas do setor de hardware da Canaccord Genuity em uma recente nota a investidores.

O lançamento aumentará a competição entre Amazon e Apple, que fabrica o campeão de vendas iPad e também comercializa livros eletrônicos, músicas e vídeos pela loja iTunes.

No mercado de tablets, a segunda maior competidora será a Amazon“, disse à Reuters Mark Gerber, diretor de pesquisas em tecnologia da Detwiler Fenton. “Nenhum dos outros tablets realmente decolou“.

O Xoom, da Motorola, e o PlayBook, da Research in Motion, têm enfrentado dificuldades parciais, pois estes tablets não são integrados a conteúdos de forma clara, explicou Gerber.

Diferentemente, o iPad é integrado ao iTunes, software pelo qual usuários podem comprar músicas, vídeos e livros digitais.

A Amazon já possui um grande acervo de conteúdo que usuários poderão acessar, incluindo os livros digitais do Kindle, downloads de músicas e vídeos para comprar, alugar ou assistir em tempo real pela Internet.

Por Alistair Barr e Bhanya Skariachan | Reuters | SAN FRANCISCO | quarta-feira, 13 de julho de 2011 19:54 BRT

Museu digital de HQs oferece download gratuito


Com a vinda de novos modelos de e-readers e tablets para o mercado, milhões de pessoas se tornaram adeptas da leitura de jornais e revistas digitais. Então, nada mais natural do que, além do jornalismo e da literatura, o mundo dos quadrinhos ganhasse seu espaço.

O Digital Comic Museum é um site que ofererce inúmeros títulos de HQs para que as pessoas possam fazer seu download gratuitamente e lerem pelo iPad, Motorola XOOM, Kindle, entre outros aparelhos.

Até agora a equipe catalogou mais de 10 mil revistas em quadrinhos, que vão desde histórias de super-heróis a cowboys e detetives. A maioria das primeiras edições são da década de 1930 e 1940, mas dá para achar algumas publicadas nos anos 1990.

Por oferecer conteúdo de graça, as revistas em quadrinhos digitalizadas são de domínio público, e para fazer o download é preciso criar uma conta no site.

É bom relembrar que a editora responsável por grandes ícones de super-heróis como Batman, Super-Homem e Lanterna Verde anunciou no fim de maio que vai começar a distribuir digitalmente, a partir de 31 de agosto, a edição nº1 de toda a sua linha.

A DC Comics vai passar por uma grande transformação ao trazer de volta a edição nº1 de seus super-heróis, recriando suas histórias voltadas para os dias atuais. A Liga da Justiça foi escolhida para ser o carro chefe do ambicioso projeto.

De acordo com o skattertech.com, será difícil prever se o plano da DC Comics vai dar certo, já que uma parte significativa do público gosta do formato impresso, principalmente pela possibilidade da revista se tornar um item de colecionador. Mas, para o site, pode ser a oportunidade que a editora precisava para ultrapassar a Marvel em vendas, ao focar na nova geração de leitores que estão mais do que inseridos no mundo digital.

Por Bárbara Gaia | Para o site TechTudo | Via: Vblog< | 15/06/2011

Uma biblioteca ao toque dos dedos


Um relatório da Association of American Publishers, entidade que reúne as 200 principais editoras dos Estados Unidos, publicado recentemente, trouxe uma informação já esperada pelo mercado editorial. A popularidade dos livros eletrônicos [e-books] nos EUA já é maior do que a dos livros de papel, em termos de vendas.

Os números de fevereiro deste ano mostram que a tendência é irreversível. Em relação a fevereiro de 2010, o crescimento no volume de vendas dos e-books foi de mais de 202%, gerando negócios da ordem de mais de US$ 90 milhões.

A popularização dos aparelhos e-readers [como o Kindle, da Amazon, o Reader, da Sony, o Nook, da Barnes & Noble, o e-reader, da Kobo e o Novel, da Pandigital] além dos tablets, com o iPad da Apple e o Xoom da Motorola, só para citar dois já disponíveis no Brasil, alavancou as vendas de livros eletrônicos. Ainda mais a partir do fim do ano passado, quando muitos ganharam ou adquiriram seus aparelhos no Natal.

Por aqui, os e-readers ainda são raros e caros. Mas há muitas alternativas interessantes para desfrutar de e-books em tablets e celulares.

Para ler no celular ou no tablet

Ótimos aplicativos para levar e ler seus e-books em qualquer lugar não faltam para os dois sistemas operacionais para dispositivos móveis mais difundidos na atualidade, o Android, do Google, e o iOS, da Apple.

A Amazon disponibiliza o Kindle para Android e para iOS [iPhone, iPad, iPod touch]. Esse app permite a compra, download e leitura dos livros com proteção digital de direitos autorais [DRM] adquiridos na Kindle Store, que dispõe de cerca de 900.000 títulos, entre eles muitos best sellers.

Lojas eletrônicas brasileiras, como a Saraiva e o Submarino também já oferecem a venda dos livros digitais.

Livros eletrônicos sem proteção de direitos, em arquivos com a extensão .epub – comprados ou convertidos pelo próprio usuário – podem ser lidos em outros apps específicos.

Para o Android, as alternativas mais conhecidas são o Aldiko Book Reader, que tem versões gratuita e paga [R$ 4,71 no Android Market] e o Laputa Reader, gratuito, mas com funcionalidades adicionais mediante doação. O FBReader, também gratuito, lançado recentemente, vem ganhando elogios de quem instalou.

Para adicionar os livros nos celulares e tablets com Android, basta arrastar e soltar os arquivos ao cartão de memória. Os apps localizam e adicionam as obras à biblioteca.

O Laputa Reader para Android

No iOS, certamente o app mais conhecido é o iBooks, da própria Apple. É necessário fazer a sincronização dos arquivos em .epub via iTunes, direto ao iPhone, iPod touch ou iPad. O iBooks permite também a compra de obras pelo próprio dispositivo, através da iTunes store.

O iBooks, no iPad

Em todos esses apps, para ambos os sistemas operacionais, a apresentação dos livros é bem parecida, e bastante agradável. As obras ficam dispostas em prateleiras virtuais.

Uma vez aberto um livro, é possível pesquisar trechos ou palavras, adicionar “favoritos” a capítulos ou frases e marcar onde a leitura parou. Há ainda o efeito gráfico de virar a página, tal como num livro de papel.

Tanto as alternativas para Android quanto as existentes para o iOS permitem também que o usuário faça downloads de obras de domínio público, geralmente obras clássicas e de referência, gratuitamente, em vários sites, e pelos próprios aplicativos. São milhares de opções.

Quem também aderiu à onda do livro digital foi o poderoso Google. O Google Books já tem um app para Android e para iOS, que libera o acesso à biblioteca digital do usuário direto no tablet ou celular. Há muitas obras e trechos de obras gratuitos e pagos para download.

Por Daniel Gonzales | Publicado originalmente em O Estado de S. Paulo | 18 de abril de 2011 | 17h13

Pesquisa aponta US$ 200 como preço “promissor” para Tablets


Segundo uma pesquisa do Boston Consulting Group, tablets como o Apple iPad e o Motorola Xoom podem não se tornar produtos de massa caso seus preços não caiam acentuadamente.

A pesquisa, realizada em dezembro com 14 mil consumidores de 16 países, constatou que 53% preferiam os tablets de múltiplos propósitos, enquanto 13% preferiam leitores eletrônicos como o Amazon Kindle, o Sony Reader ou o Barnes & Noble Nook.

Mas o preço deve determinar quais aparelhos terão sucesso, mais que a funcionalidade ou a integração com lojas digitais como a App Store, da Apple, diz John Rose, diretor mundial da divisão de mídia da consultoria. De acordo com o estudo, o “preço convincente” seria de menos de US$ 200 [cerca de R$ 330].

A Apple, que deve anunciar hoje a segunda geração do iPad, vende os diversos modelos do aparelho por preços entre US$ 429 e US$ 829.

A cadeia de varejo norte-americana Best Buy realiza pré-vendas do Xoom 3G por US$ 800. “Se eu pudesse comprar o Motorola Xoom por US$ 250, pouco me importaria o que o iPad 2 faz“, pondera Rose.

“Isso prepara o terreno para uma grande batalha pela criação de valor, nos próximos 12 meses, entre os diferentes fabricantes de tablets, fornecedores de componentes e o setor de conteúdo.”

DO “FINANCIAL TIMES” | Tradução de PAULO MIGLIACCI | Folha de S.Paulo | 02/03/2011

Amazon planeja loja de aplicativos para Android


A Amazon.com planeja lançar uma loja de aplicativos para o sistema operacional Android, do Google, publicou o “Wall Street Journal”.

Com isso, a Amazon concorreria com lojas similares já existentes da Apple e do próprio Google.

Questionada por e-mail, a Amazon respondeu que “não fez nenhum anúncio“. Já o Google disse que não comentaria rumores.

A Amazon estaria oferecendo a desenvolvedores de aplicativos 70% da receita das vendas, segundo o jornal, citando documentos da companhia a esses profissionais.

Essa fatia de receita é a mesma que a Apple oferece aos desenvolvedores de aplicativos para sua plataforma.

A loja da Apple possui mais de 270 mil aplicativos, enquanto a do Google disponibiliza mais de 80 mil.

O Android está rapidamente ganhando popularidade como plataforma para smartphones, e já ameaça a Apple. O sistema é utilizado em aparelhos como o Droid, da Motorola, e Galaxy S, da Samsung.

Folha.com | Tec | DA REUTERS, EM SAN FRANCISCO | 08/10/2010 – 09h48