Anel eletrônico permite a leitura de livros a cegos sem o braile


Um aparelho eletrónico que permite a leitura de um livro comum a deficientes visuais, sem recorrer ao uso braille, através de um sistema que faz a leitura em voz alta e em tempo real dos textos. O utilizador pode ainda optar por um sistema de tradução.

Este é um produto desenvolvido por pesquisadores do MIT [Massachusetts Institute of Technology], que pretende revolucionar a forma como as pessoas que não conseguem ver, ou que têm visão reduzida, leem textos.

Basta seguir o texto com o dedo indicador [aconselhado para colocar o ‘fingereader’], para que o aparelho reproduza em voz alta cada palavra seguida. Sempre que inicia uma nova frase ou um novo parágrafo, o aparelho emite sinais de vibração, que alertam o utilizador. Caso este se afaste da linha de texto, é emitido um sinal para que o leitor volte atrás e se coloque novamente em linha com o que está a ler.

O aparelho tem uma pequena câmara que faz a análise dos elementos escritos do texto, fazendo a sua leitura em tempo real, sejam impressos ou em e-book, como o Kindle.

Uma das ferramentas adicionais do anel de leitura é a possibilidade de tradução de textos.

Dinheiro Vivo | 26/03/2015

Livro permite que leitor sinta as emoções dos personagens fisicamente


A partir de um projeto chamado “Ficção Sensorial”, os pesquisadores do MIT [Massachusetts Institute of Technology], nos EUA, criaram um protótipo de livro que permite que o leitor sinta fisicamente sensações relacionadas às emoções dos personagens da história.

Funciona assim: o leitor veste uma espécie de colete que possui vários controles e começa a ler o livro. A capa deste possui uma série de mecanismos – em sua maioria, luzes – que são acionados de acordo com a página em questão. Desta forma, o colete e o livro trabalham em conjunto.

Toda vez que o leitor vira a página, o livro se programa para começar a transmitir as sensações daquela parte da história em particular. Por exemplo: se o protagonista está assustado, o colete faz uma leve pressão no leitor, de forma que ele sinta um ‘aperto no peito’. Ou, se o personagem estiver triste, as luzes do livro se ajustam para refletir tal emoção.

O livro escolhido para ser utilizado como o primeiro protótipo foi ‘The Girl Was Plugged In’, ficção científica da autora Alice Sheldon [sob o pseudônimo de James Tiptree Jr.], publicado pela primeira vez em 1973.

Publicado originalmente em Revista Época | 30/01/14