Editora passa a oferecer seus títulos na plataforma digital de empréstimo de livros


Cengage entra na Minha Biblioteca

A Minha Biblioteca, consórcio formado pelas editoras Grupo A, Grupo Gen–Atlas, Manole e Saraiva para oferecer uma biblioteca digital a instituições de ensino superior, se associou, em janeiro à Pasta do Professor, que oferece conteúdos fracionados a esse mesmo público. Como consequência dessa união, a Minha Biblioteca passou a aceitar outras editoras fora do pool de sócios. A Cengage Learning é a primeira editora não sócia a fazer parte da Minha Biblioteca. Além dela, as outras 38 editoras participantes da Pasta do Professor poderão aderir à Minha Biblioteca. “Estamos dando prioridade às editoras que fazem parte da Pasta do Professor. A participação destas já está aprovada pelo conselho“, disse Richardt Rocha Feller, diretor executivo do consórcio, que não descarta que outras editoras poderão entrar na Minha Biblioteca. Com a chegada da Cengage, o catálogo da Minha Biblioteca alcança seis mil títulos.

POR LEONARDO NETO | PUBLISHNEWS | 22/09/2015

Pearson amplia Biblioteca Virtual


Serviço que disponibiliza livros digitais a universitários ganha novas editoras e ferramentas

Pearson lançou em abril a terceira versão da Biblioteca Virtual Universitária, expandindo os recursos e o número de editoras incluídos no serviço que dá aos alunos de ensino superior brasileiro acesso a livros digitais por meio de uma plataforma virtual.

Passam a compor o catálogo da biblioteca títulos das editoras Martins Fontes, Educs [da Universidade Caxias do Sul], Jaypee Brothers [multinacional especializada em livros médicos], Rideel e Companhia das Letras, que no ano passado vendeu 45% das ações para a Penguin, do grupo Pearson. Ao todo, são 13 editoras, incluindo a própria Pearson e outras como Manole, Contexto, IBPEX e Ática e Scipione [ambas da Abril Educação].

Lançada em 2005 com pouco mais de cem títulos, a Biblioteca Virtual agora soma 1,5 mil obras em 40 áreas do conhecimento. É o maior serviço desse tipo no Brasil, usado por pouco mais de cem instituições brasileiras de ensino superior que abarcam 2,2 milhões de alunos, segundo a Pearson. Para ter acesso à plataforma, as instituições pagam uma assinatura mensal por usuário, e estes têm acesso à leitura ilimitada dos textos digitalizados.

O concorrente mais conhecido da Biblioteca Virtual é a Minha Biblioteca, consórcio que foi formado em 2011 por Saraiva, Grupo A, Gen e Atlas, algumas das principais editoras acadêmicas nacionais, mas cujas operações ainda são tímidas perto do serviço da Pearson.

De acordo com Laércio Dona, diretor de negócios de ensino superior, idiomas e serviços educacionais da multinacional, a meta é ampliar o catálogo de títulos da em 30% até o fim de 2012. “Mas nosso objetivo não é aumentar tanto o número de editoras, porque com as que temos já conseguimos uma boa cobertura das várias áreas de conhecimento contempladas pelos cursos das instituições de ensino”, afirma.

A Biblioteca Virtual foi desenvolvida em parceria com a Digital Pages e, na sua versão 3.0, permite que os alunos façam comentários nos textos e compartilhem as anotações em redes sociais. O conteúdo também passa a estar disponível para acesso em tablets que operam no sistema Android [do Google] e iOS [da Apple]. Outra diferença é que os usuários agora podem imprimir parte das obras por meio do pagamento de uma licença, que remunera editora e autor.

A expectativa é que a demanda pelo serviço de biblioteca de livros digitais cresça significativamente graças a mudanças nas regras do Ministério da Educação. A Pearson também desenvolverá um serviço de biblioteca virtual para a educação básica, mas ainda sem data para estrear.

Por Roberta Campassi | PublishNews | 07/05/2012

Mais duas na Amazon


Dublinense e Manole fazem acordo com a varejista americana

A Dublinense e a Manole esperam ver em breve seus e-books à venda no site da Amazon. Elas acabam de fechar contrato com a gigante americana e se juntam a outras empresas brasileiras que já fizeram o mesmo – como a KBR, a Callis e a distribuidora Acaiaca, conforme informou a coluna Painel das Letras no fim de semana. A negociação já é válida para quando a loja virtual brasileira da Amazon for inaugurada no Brasil, ação projetada pela própria empresa para o segundo semestre.

Segundo Gustavo Faraon, publisher da Dublinense, que engloba também a Não Editora, as condições da Amazon – especialmente a questão de quanto da venda fica com a varejista e quanto com a editora – “são razoáveis, não são as piores do mercado brasileiro”. “Eles foram mais flexíveis do que eu esperava”, observa. A editora já vende e-books na Saraiva e por meio da distribuidora Xeriph – que desde a semana passada fornece livros digitais para a Cultura, entre outras lojas. A dúvida, segundo ele, é se a loja brasileira da Amazon abre mesmo no segundo semestre, já que a companhia americana se deparou com a resistência de grandes editoras brasileiras nas negociações.

Por Roberta Campassi | PublishNews | 26/04/2012