Kindle Unlimited começa hoje


O serviço de subscrição da Amazon brasileira começa com 700 mil títulos, dez mil deles em português

A Amazon brasileira inicia nesta quinta-feira [11] a operar o Kindle Unlimited, o seu serviço de subscrição de livros. O modelo está em operação nos EUA desde julho deste ano. Ao todo, são oferecidos 700 mil títulos, a grande maioria deles em outras línguas. O catálogo em português é composto por dez mil títulos de editoras como Gente, Globo, LeYa, PandaBooks, Universo dos Livros, Vergara & Riba [V&R] e Zahar. Não aderiram ao serviço grandes editoras como as que compõem o pool DLD [L&PM, Novo Conceito, Objetiva, Planeta, Record, Rocco e Sextante], a Companhia das Letras, a Intrínseca e a Ediouro. A varejista não dá detalhes da negociação com as editoras, mas, pelo que apurou o PublishNews, não foi uma lida fácil. Editores ficaram relutantes pela proposta feita pela Amazon. Em alguns casos, a gigante de Jeff Bezos ofereceu um fee fixo pelo catálogo, independente da quantidade de vezes que cada obra fosse acessada. Não se sabe, no entanto, se esse é o único modelo e nem se foi o aceito pelas editoras que passam a fazer parte do serviço.

Alex Szapiro, country manager da Amazon no Brasil, recebeu o PublishNews para falar sobre o Kindle Unlimited na tarde da última quarta-feira. “Por questões contratuais, não podemos dar detalhes da negociação com as editoras. O que podemos dizer é que, como aconteceu nos EUA, a tendência é que esse catálogo cresça”, disse o executivo. “Grandes editoras resolveram não entrar nesse momento, mas o que a gente tem escutado é que elas preferem esperar um pouco mais. As negociações são contínuas”, disse. Szapiro lembra que, também nos EUA, a adesão ao Kindle Unlimited foi paulatina. “Na nossa visão, esse programa vai evoluir. Hoje temos na nossa loja, cerca de 43 mil títulos em português, ou seja, um quarto dos livros da Amazon.com.br estão no Kindle Unlimited. Quando lançamos a loja, há dois anos, o catálogo era de 13 mil títulos e evoluiu para 43 mil em 2014. A gente acredita que essa mesma evolução vai acontecer com o Kindle Unlimited”, completou o country manager.

O serviço

O Kindle Unlimited sai a R$ 19,90 [nos EUA, o serviço é oferecido a US$ 9,90 ou algo em torno de R$ 26]. Para identificar os títulos participantes do serviço, os usuários verão na tela de compra o ícone do Kindle Unlimited e um botão “Leia de Graça” na parte superior direita, onde normalmente fica o botão “Compre agora com um clique”. Ao clicar no “Leia de Graça”, o livro será automaticamente baixado para os dispositivos do usuários [o aparelho Kindle ou os apps de leitura Kindle]. Cada usuário poderá ficar com até dez livros por vez. Para pegar o 11º título ele precisa “devolver” um livro que já esteja na sua lista. Os trinta primeiros dias do Kindle Unlimited são gratuitos. Entre os títulos disponíveis estão os das séries Harry Potter [Pottermore], A guerra dos tronos [LeYa] e Diário de um banana [V&R].

Por Leonardo Neto | PublishNews | 11/12/2014

No digital antes do impresso


De olho nos cinéfilos, Planeta antecipa e-book

A história de lançar e-book antes mesmo da chegada dos livros físicos às livrarias tem dado certo. Depois da LeYa usar a estratégia para o lançamento de O cavaleiro dos sete reinos, agora é a Planeta que antecipa a chegada de O grande herói . O livro já está à venda na Amazon e deverá chegar às demais lojas digitais ainda hoje. É que o livro inspirou o filme homônimo que concorre ao Oscar durante o feriado de Carnaval e a editora está de olho nos foliões cinéfilos…

Por Leonardo Neto | PublishNews | 28/02/2014

Editora aposta no lançamento de títulos em eBook antes mesmo da chegada dos livros físicos às livrarias


A nova estratégia da LeYa

Em menos de 24 horas depois de ser posto à venda, o livro O cavaleiro dos sete reinos, de George R. R. Martin alcançou o topo da lista de mais vendidos da Amazon brasileira. O curioso é que o título só chega às livrarias físicas no dia 10 de fevereiro. A LeYa, responsável pela publicação do livro no Brasil, resolveu colocar à venda os e-books antes mesmo da chegada do livro às prateleiras. De acordo com Pascoal Soto, diretor da editora no Brasil, essa foi uma estratégia nova para medir a aceitação dos livros publicados pela casa. “Há algum tempo, temos lançado as duas versões – física e digital – simultaneamente. Este ano, entretanto, estamos experimentando esse formato e podemos dizer que estamos muito satisfeitos”, comenta o diretor. No fechamento desta edição, o livro estava na quinta posição da lista da varejista on line. Outro livro da editora segue pelo mesmo caminho. Ditadura à brasileira, do historiador Marco Antonio Villa também só chega às prateleiras em fevereiro, mas já pode ser comprado no formato e-book. “A LeYa está gostando dessa ideia”, finaliza Pascoal.

Por Leonardo Neto | PublishNews | 27/01/2014

Resenhas literárias de amadores na internet atraem leitores e abrem filão para editoras


POR FERNANDA EZABELLA, DE LOS ANGELES e RAQUEL COZER, COLUNISTA DA FOLHA | Publicado originalmente e clipado à partir de Folha de S.Paulo | Caderno Ilustrada | 11/05/2013, às 03h05

Todo mês, 75 mil pessoas acessam os vídeos em que o paulista Danilo Leonardi, 26, comenta livros. A carioca Ana Grilo, 37, diz ler até 150 títulos por ano para seu blog de resenhas, escrito em inglês. O americano Donald Mitchell, 66, já publicou 4.475 resenhas na Amazon – por parte delas, levantou R$ 70 mil, doados para uma ONG beneficente.

Os três são personagens de um movimento que, nos últimos anos, chamou a atenção de editoras e virou negócio: o de críticas de livros feitas na internet por amadores, que, com linguagem mais simples, atraem milhares de leitores.

Com o aumento na venda de e-books, a expansão da autopublicação e a concorrência ferrenha entre editoras, textos escritos por hobby ou por até R$ 1.000 tornaram-se uma alternativa de divulgação capaz de atingir nichos e multiplicar vendas de livros.

Nos EUA, páginas como o Hollywood Book Reviews e o Pacific Book Review cobram de autores e editoras de R$ 250 a R$ 800 por textos a serem publicados em até 26 sites, incluindo seções de comentários de lojas virtuais.

Fonte: Editoria de Arte Folhapress

Fonte: Editoria de Arte Folhapress

Editoras estrangeiras passaram, em meados da década passada, a enviar livros para blogueiros resenharem, tal como já faziam com a imprensa. Em 2009, casas como Record e Planeta importaram a ideia, que logo ganhou jeitinho brasileiro: concursos tão disputados quanto vestibulares.

Nesse formato, as editoras criam formulários de inscrições e selecionam blogs após criteriosa avaliação da audiência e da qualidade dos texto. O “pagamento”, ressaltam editoras e blogueiros, são apenas os livros a serem avaliados, nunca dinheiro.

No fim do ano passado, 1.007 blogueiros concorreram a cem vagas de parceiros da LeYa. Na Companhia das Letras, foram 779 candidatos para 50 vagas no semestre.
autorregulamentação

Aqui e no exterior, editoras e autores investem em anúncios ou posts patrocinados em blogs, que com isso chegam a faturar R$ 2.000 por mês.

Mas, no geral, cobrar por resenhas pega mal, e a autorregulamentação dos blogueiros é implacável. O blog americano ChickLitGirls cobrava R$ 200 por uma “boa avaliação” até ser denunciado por uma escritora. O bate-boca subsequente levou à extinção da página, em 2012.

Para se manter com cobranças, só mesmo sendo rigoroso, como a Kirkus, tradicional publicação de resenhas que, em 2004, passou a oferecer serviço de marketing para autores autopublicados.

As críticas no site podem custar mais de R$ 1.000 a autores e editoras interessados, e nem sempre são positivas. Quem contratou o serviço pode ler antes e abortar a missão caso a avaliação seja ruim. O dinheiro não é devolvido.

POR FERNANDA EZABELLA, DE LOS ANGELES e RAQUEL COZER, COLUNISTA DA FOLHA | Publicado originalmente e clipado à partir de Folha de S.Paulo | Caderno Ilustrada | 11/05/2013, às 03h05

2012: O ano das mulheres e dos eBooks


O ano de 2012 será lembrado no mercado editorial pelos romances “pornô soft” para mulheres, com “50 tons de cinza” [Intrínseca] à frente, e também pela chegada das gigantes dos ebooks [Amazon, Google e Apple] ao Brasil. Enquanto o subgênero inaugurado pela britânica E.L. James se revelou um enorme sucesso de público [apesar do nariz torcido da crítica], trazendo na esteira diversos seguidores — que ora repetem a fórmula consagrada, ora apelam para a paródia —, a história dos livros digitais ainda contém mais dúvidas do que certezas.

Cinquenta tons de cinza

Cinquenta tons de cinza

Os livros “50 tons de cinza”, “50 tons mais escuros” e “50 tons de liberdade” narram a relação entre a ingênua e inocente Anastasia Steele e o dominador Christian Grey. Lançado em julho, o primeiro título vendeu 1,13 milhão de exemplares no país. Somados, os três venderam 2,37 milhões de cópias. Na mesma linha de romance com apimentadas cenas de sexo e sadomasoquismo, os livros “Toda sua” e “Profundamente sua” [Editora Paralela], de Sylvia Day, alcançaram a marca de 120 mil exemplares vendidos. O último livro da série, “Para sempre sua”, tem previsão de lançamento para maio de 2013. Outros exemplos de títulos que apostaram no “pornô soft” são “Luxúria” [Leya], de Eve Berlin, e “Falsa submissão” [Record], de Laura Reese. E para beliscar uma fatia desse mercado houve quem apostasse inclusive na paródia, como “50 tons do Sr. Darcy” [Bertrand Brasil], de Emma Thomas.

Entre os ebooks, E.L. James também foi sucesso com 53 mil edições comercializadas. Isso num mercado que só agora começa a amadurecer: na primeira semana de dezembro, a Livraria Cultura lançou o ereader Kobo, o Google iniciou sua operação de livros digitais e a Amazon, finalmente, estreou. Além delas, a Apple já tinha começado a vender ebooks na sua iBookStore em outubro.

Kindle

Kindle

No entanto, nem tudo foi festa para os leitores. Os ereaders caros e o preço das edições digitais decepcionaram. O Kobo sai por R$ 399, enquanto o Kindle, da Amazon, só é oferecido no modelo mais simples, por R$ 299. Nos Estados Unidos, o mesmo aparelho custa US$ 69. Como só está com a operação digital no Brasil, a Amazon fez parcerias para vender o seu ereader em lojas físicas e virtuais nacionais: com a Livraria da Vila, em São Paulo, e o site PontoFrio.com.

No caso dos ebooks, o desconto em relação à edição de papel fica, em média, entre 20% e 30%. Os leitores esperavam preços mais atraentes. Os descontos foram um ponto de atrito das editoras com a Amazon — a loja queria preços mais agressivos, as editoras não aceitaram. Porém, o impacto que os ebooks provocarão nos negócios e na própria vendagem de livros físicos só será sentido ao longo de 2013.

Por Leonardo Cazes | Globo.com | 28/12/2012

Catálogo digital de editoras mais que dobrou em 2012


Empresas agora buscam lançar simultaneamente em papel e e-book; mercado oferece 15 mil títulos nacionais

Levantamento da Folha com 12 das maiores casas do país mostra reação à estreia de lojas virtuais estrangeiras

O ano que está acabando vai entrar para a história como aquele em que as grandes editoras brasileiras enfim descobriram o livro digital.

Foi um longo percurso desde 2009, quando a Zahar se tornou a pioneira entre as grandes no segmento -àquela altura só com títulos em PDF, formato simples que hoje as empresas rejeitam.

Com a iminência da estreia das lojas da Amazon, do Google e da Apple, concretizada neste mês, as editoras trataram de multiplicar seus catálogos digitais em 2012.

A Saraiva, que em dezembro de 2011 vendia 6.500 e-books nacionais, agora oferece 15 mil, média similar à de suas novas concorrentes.

A Folha consultou 12 das maiores editoras do país sobre a evolução de seus catálogos. Sete delas [Globo, Sextante, LeYa, Companhia das Letras, Intrínseca, Objetiva e Novo Conceito] mais que dobraram seu número de títulos digitais em 2012 -a Companhia triplicou, de 200 para 600.

A Zahar, que começou antes, é a editora com maior parcela de títulos convertida, 547 de um total de 849 [64%]. A LeYa vem em seguida, com 150 de seus 280 títulos [54%].

Será mais difícil para casas de catálogo rechonchudo como a Record, que, apesar do bom número bruto – 388 obras em e-books -, só converteu 5% dos 7.500 que compõem seu portfólio.

Outra novidade foi que em 2012 as editoras passaram a lançar títulos nos dois formatos sempre que o contrato permite, em vez de reservar o digital para casos isolados.

O faturamento com o digital não costuma passar de 2% do total, mas há exceções. Com só um quarto de seu catálogo convertido [293 de 1.200 títulos], a Objetiva diz que os e-books já rendem 4% de seu faturamento total.

Esse número foi impulsionado por obras como “O Poder do Hábito”, de Charles Duhigg. Em dez semanas, foram 1.435 e-books -número que não faria feio nem se se referisse a livros impressos.

No mesmo período, o título teve 13.958 cópias vendidas na versão em papel. Ou seja, a comercialização do e-book equivaleu a mais de 10% da impressa, um caso raro.

O desafio agora é lidar com preços. Na estreia da Amazon no Brasil, predominaram entre os mais vendidos editoras independentes, com e-books a menos de R$ 5 – a KBR pôs todos a R$ 1,99. A maioria dos e-books das grandes editoras custa de R$ 20 a R$ 30.

Editoria de Arte Folhapress

RAQUEL COZER, COLUNISTA DA FOLHA | QUARTA-FEIRA, 26 DE DEZEMBRO DE 2012, às 09H08

Livraria virtual da Apple já tem mais de mil livros em português


Nenhum anúncio oficial foi feito ainda, mas a Apple começou a vender títulos em português, de editoras brasileiras, na iBookstore, sua loja virtual de livros para tablets e celulares.

Um levantamento feito pela Folha mostra que mais de mil livros em português já estão disponíveis no acervo da loja. Os preços são em dólares, mas é possível comprar com cartão de crédito brasileiro.

Segundo a Folha apurou, os e-books de selos brasileiros começaram a entrar na iBookstore no começo do mês. São títulos como “Cinquenta Tons de Cinza”, da Intrínseca, o livro de ficção mais vendido no país atualmente. Ele aparece por US$ 12,99 [cerca de R$ 26] -o mesmo e-book na loja da Livraria Cultura, por exemplo, sai um pouco mais barato [R$ 24,90].

"50 Tons de Cinza", eBook em português à venda na iBookstore

“50 Tons de Cinza”, eBook em português à venda na iBookstore

A Intrínseca tem cerca de cem títulos na loja, enquanto a Leya conta com mais de 60 e-books. Outras editores presentes na iBookstore brasileira são: Arqueiro, com cerca de 50 títulos, incluindo “O Código Da Vinci”, de Dan Brown; Novo Conceito, com cerca de 60 títulos, incluindo os best-sellers de Nicholas Sparks “Um Porto Seguro” e “A Escolha”; Record, com cerca de 300 títulos, incluindo “A Queda”, de Diogo Mainardi; Objetiva, com cerca de 200 títulos; LP&M, com cerca de 300 títulos; e Simplíssimo, com cerca de 70 títulos.

A Apple havia previsto a estreia da livraria digital para abril deste ano, mas o projeto atrasou alguns meses por questões tributárias.

Anteriormente era possível encontrar apenas livros gratuitos e em inglês para download. Os livros ainda estão “escondidos” –na página principal da loja, os destaques ainda são títulos norte-americanos gratuitos. Só é possível encontrá-los usando o sistema de buscas da loja virtual ou clicando em sua lista de mais vendidos.

A Apple realiza amanhã nos EUA um evento para apresentar novos produtos. O principal destaque deve ser uma versão menor do iPad, que viria agora com tela de 7,85 polegadas – os modelos atuais têm tela de 9,7 polegadas.

Publicado originalmente em Folha de S.Paulo | TEC | 22/10/2012, às 19h05

Ciência Moderna cria distribuição digital própria


Há dois anos, a Ciência Moderna decidiu criar uma ferramenta própria para distribuir seus e-books, ao invés de usar o serviço dos chamados agregadores que já operam no Brasil – como a Xeriph ou, recentemente inaugurada, a Acaiaca Digital. Na semana passada, a editora carioca especializada em livros técnicos e científicos colocou no ar esse sistema, que permitirá disponibilizar os cerca de 110 livros eletrônicos que possui em catálogo para qualquer livraria que tenha uma operação de comércio eletrônico.

Já fechamos acordo com quatro pequenas redes para a venda de nossos e-books, e a ideia é negociar com vários outros nos próximos meses, grandes e pequenos”, afirma George Meireles, gerente da Ciência Moderna. Segundo ele, há por parte da editora uma preocupação em mostrar para os livreiros menores, especialmente, que a venda de livros digitais não é nenhum bicho de sete cabeças. “Muitos nos ligavam insistentemente querendo saber se o negócio de e-books estava restrito às empresas que dispõem de tecnologia. Queremos desmistificar a operação digital e mostrar que ela é muito simples.” Para isso, a casa elaborou um manual com as instruções para que os e-commerces consigam oferecer seus títulos.

A Ciência Moderna começou a vender e-books em março do ano passado em seu próprio site. Meireles explica que é uma característica da empresa ter o controle direto sobre as várias etapas do negócio do livro, por isso o investimento em gráficas próprias e, agora, num agregador.

No Brasil, há outros exemplos de editoras que controlam diretamente a distribuição de seus livros digitais. A multinacional Leya é uma delas. A multinacional Leya é uma delas. Já Objetiva, Record, Sextante, Rocco, Planeta e L&PM fazem o mesmo por meio da distribuidora DLD, da qual são sócias.

Por Roberta Campassi | PublishNews | 14/02/2012

WMF Martins Fontes lançará eBooks em 2012


Os primeiros serão títulos de J.R.R. Tolkien, seguidos de outras três obras

A editora paulista WMF Martins Fontes publicará seus primeiros e-books nos primeiros meses de 2012 para testar como seu catálogo funcionará no mundo digital. As primeiras obras em formato eletrônico serão do autor best-seller J.R.R. Tolkien: O Hobbit, O Silmarillion Os filhos de Húrin. Em seguida, serão lançados os e-books de As crônicas de Nárnia, de C. S. Lewis, em um único volume; Economia levada a sério, de Dean Baker, e Cavalo de guerra, de Michael Morpurgo, livro que inspirou o filme homônimo dirigido por Steven Spielberg e que estreia no Brasil dia 6 de janeiro. Segundo Jaime Carneiro, diretor comercial da WMF Martins Fontes, os títulos em formato digital custarão cerca de 30% menos do que as versões impressas. Na semana passada, a Intrínseca também anunciou o lançamento de seus 30 primeiros e-books e planos para digitalizar 95% do seu catálogo até marco do ano que vem. Em novembro, a LeYa informou divulgou que havia dado início à publicação de 40 títulos em formato eletrônico e que planejava ter 80% de seus livros transformados em e-book até o fim do ano. A Editora 34 também deu início à experiência de publicar obras digitais com o lançamento de contos separados ou 20 contos juntos, todos em e-book, do livro Nova antologia do conto russo.

Por Roberta Campassi | PublishNews | 20/12/2011