WhatsApp vira plataforma de leitura nas mãos de empreendedores digitais


Plataforma Leitura de Bolso conta com 9 mil usuários que recebem diariamente ‘pílulas’ de livros

Julian Vilela e Paulo Santos criaram o Leitura de Bolso que distribui conteúdos de livros via WhastApp | © Divulgação

Julian Vilela e Paulo Santos criaram o Leitura de Bolso que distribui conteúdos de livros via WhastApp | © Divulgação

A suspensão temporária dos serviços do WhatsApp da meia noite desta quinta-feira [17] até o início da tarde do mesmo dia foi suficiente para que o aplicativo de conversas instantâneas fosse um dos assuntos mais comentados do dia. Coincidência ou não, a agência de publicidade nova/sb publicou, nesta quinta, os resultados de uma pesquisa inédita que aponta que dos 7,5 mil entrevistados, 73% admite que utiliza o aplicativo diariamente e 79% desse universo disse recomendar o uso do WhatsApp para amigos e familiares. De olho nesse potencial e querendo driblar os assustadores índices de leitura no Brasil, os empreendedores brasilienses Paulo Santos e Julian Vilela resolveram criar uma nova forma de distribuição de livros. “Ficamos preocupados com o índice de leitura no Brasil e ficamos com esse problema na cabeça, pensando em o que gente podia fazer para amenizar esse número”, disse Paulo ao PublishNews. A resposta que os empreendedores deram à essa questão foi o Leitura de Bolso, uma plataforma de distribuição de livros via WhatsApp. “Muitas pessoas ainda se assustam com um livro de 300 páginas, mas não se dão conta que se lerem dez páginas por dia, ao final do mês, terão lido as 300 páginas do livro”, disse Paulo.

Funciona assim, o usuário se cadastra gratuitamente no Leitura de Bolso e passa a receber diariamente, pelo aplicativo, um trecho – que pode ser lido em cinco minutos — de um livro. Para início das operações, o Leitura de Bolso começou a distribuir para seus nove mil usuários o livro Quase pisei, do também brasiliense Roberto Klotz. Diariamente, os usuários recebem uma crônica do título.

No modelo atual, não há remuneração do autor, da mesma forma que não é cobrado dos usuários o acesso ao conteúdo, mas a dupla procura meios de monetizar o serviço. “Queremos divulgar o trabalho de novos escritores, que não tiveram ainda a chance de serem publicados. Em troca, nós damos aos escritores o acesso aos leitores”, explicou Paulo que disse que está aberto para parcerias com editoras que possam disponibilizar livros ou trechos de livros para a plataforma.

 

Por Leonardo Neto | PublishNews | 17/12/2015

Trechos literários enviados por WhatsApp no DF


Paulo Santos | Criador do ‘Leitura de Bolso’

Um projeto criado no Distrito Federal busca incentivar o consumo de literatura nos minutos livres do dia a dia por meio da tela do celular. O “Leitura de Bolso” envia todos os dias, via WhatsApp, textos curtos que podem ser lidos no transporte público, no sinal vermelho ou na fila do banco. O serviço é gratuito, e o cadastro pode ser feito pela internet.

A ideia surgiu após uma pesquisa da Fecomércio que revelou que, no ano passado, 7 em cada 10 brasileiros não leram um livro sequer. “Vimos essa notícia e ficamos espantados, nos perguntando qual era o motivo disso. Tentamos achar algum jeito de trazer a literatura para mais perto das pessoas“, diz o publicitário Paulo Santos, de 28 anos.

Depois de algumas semanas quebrando a cabeça, ele e o amigo Julian Vilela acharam a solução: textos curtos e de fácil acesso. “São textos rápidos, para ler em até cinco minutos. É um tempinho que a gente sempre tem disponível. Acho que os livros ‘assustam’ muita gente pelo tamanho“, diz o publicitário.

Temporadas

O conteúdo da “primeira temporada” do Leitura de Bolso fica a cargo do engenheiro e cronista brasiliense Roberto Klotz. O autor ofereceu, sem custos, as 46 crônicas do livro “Quase pisei”, suficientes para dois meses de projeto – os textos serão enviados apenas em dias úteis.

A cada manhã, os inscritos vão receber uma das crônicas e algumas imagens relacionadas ao tema. No início, pensamos em narrar os textos, mas o consumo ficaria condicionado ao fone de ouvido. Por enquanto, vamos com texto e imagem“, diz Santos.

Para as próximas temporadas, a dupla estuda parcerias com ilustradores, fotógrafos e outros artistas.
Vimos essa notícia e ficamos espantados, nos perguntando qual era o motivo disso. Tentamos achar algum jeito de trazer a literatura para mais perto das pessoas”

Com a promessa de manter o serviço gratuito e sem propagandas, a dupla reduziu ao máximo os custos do projeto, que entra no ar com “investimento zero”. O site foi produzido pelos próprios publicitários, e as primeiras mensagens serão enviadas de um aparelho celular que estava “encostado”.

Até agora, gastamos mais tempo que dinheiro. Patrocínio, propaganda, spam estão fora de cogitação“, diz Santos.

Sem barreiras

Antes mesmo do lançamento, o projeto dá sinais de sucesso. “A gente escolheu o WhatsApp porque é um dos meios mais democráticos, e parece que deu certo. Esperávamos entrar no ar com 200, 300 pessoas, mas até esta terça [24] já temos 1,3 mil inscritos.

O envio pelo aplicativo de mensagens também evitou a barreira geográfica. O cadastro pode ser feito de qualquer lugar do mundo, desde que o número de telefone esteja vinculado a uma conta do WhatsApp. O texto é enviado pelo número oficial do projeto, que pode ser armazenado nos contatos do celular: [61] 9619-6842.

G1 | 27/11/2015

Projeto Leitura de Bolso envia trechos literários diariamente via WhatsApp


Usuários podem se cadastrar gratuitamente no site. Textos começam a ser enviados nesta quarta e podem ser lidos em até 5 minutos

Já imaginou receber um texto literário em seu celular enquanto espera o ônibus, uma consulta médica ou procura algum conteúdo legal na internet? Essa é a proposta dos sócios Paulo Santos e Julian Vilela com o projeto Leitura de Bolso, que envia via WhatsApp textos que podem ser lidos em até 5 minutos. A ideia é oferecer diariamente trechos literários de qualidade para incentivar o hábito de leitura. Para participar é preciso acessar o site [http://leituradebolso.com] e cadastrar o seu telefone e um e-mail. Feito isso, você também deve salvar no seu celular o número enviado pelo projeto para começar a receber os textos.

Os textos começam a ser enviados nesta quarta,  gratuitamente, para os celulares cadastrados no site. Recursos multimídia como músicas, vídeos e imagens também fazem parte do conteúdo enviado aos usuários. A cada temporada, um autor será convidado a participar do projeto, com trabalhos inéditos ou não. O primeiro colaborador é Roberto Klotz, escritor brasiliense.

Segundo um dos idealizadores do Leitura de Bolso, Paulo Santos, o objetivo é democratizar a leitura e facilitar esse processo para as pessoas. Segundo dados da Fecomércio-RJ, 70% dos brasileiros não leram um único livro em 2014. Por enquanto, 400 pessoas se interessaram pelo projeto. Para o futuro, a meta é ter mais pessoas cadastradas.  “Também queremos mais parceiros para nos ajudar com os custos do Leitura de Bolso e trazer escritores renomados no país para lançarem obras inéditas“, contou Santos.

Por Carolina Mansur | Publicado originalmente em Estado de Minas | Caderno Divirta-se | 23/11/2015