Amazon Publishing: de fan fiction a conferência de autores


Editora lança nova série de biografias, chamada Icons

O braço editorial da Amazon começou discretamente, e muitas pessoas não acreditavam que a iniciativa iria vingar no começo. Mas, aos poucos, a Amazon Publishing vem ganhando espaço. Primeiro com a série Kindle Singles, série de e-books com entrevistas, que lançou inclusive um e-book em português. Depois ganhou destaque por ser a editora que mais publica traduções nos Estados Unidos, com o Amazon Crossing, e o Kindle Worlds, ligando os mundos do fan fiction e da autopublicação. Agora, a Amazon Publishing está lançando uma série de biografias curtas, chamada Icons, de “figuras canônicas”, escritas por “autores célebres”. A editora planeja lançar dez títulos, um a cada dois meses. O primeiro e-book da série é uma biografia sobre Jesus, escrito por Jay Parini, que será lançada em dezembro de 2013. Outro selo da Amazon Publishing, a Thomas & Mercer, que publica thrillers, organizou um conferência no final do mês, em Seattle, com os autores do selo, para conhecer os executivos da empresa, participar de workshops e passear. É a primeira vez que a Amazon realiza uma conferência desse tipo, mas o Bookseller afirma que pode virar um evento anual. Nada mal para uma editora que sofria boicote um ano atrás.

Por Iona Teixeira Stevens | PublishNews | 15/08/2013

Amazon lança plataforma para vender textos amadores do tipo “fan fiction”


A Amazon anunciou nesta sexta-feira (24) que vai lançar uma ferramenta para a comercialização de “fan fiction”, termo que designa material literário criado por fãs de obras que se baseiam nelas para criarem novas narrativas, por meio da sua loja de livros eletrônicos para Kindle.

O sistema se chama Kindle Worlds e, inicialmente, permitirá vertentes somente das séries “Gossip Girl”, “Pretty Little Liars” e “The Vampire Diaries”, as três da Warner Bros, com quem a Amazon cerrou uma parceria.

Ainda não há uma data definida para o lançamento.

Os autores da “fan fiction” distribuída por tal ferramenta seriam remunerados proporcionalmente à vendagem de suas obras.

Um exemplo de “fan fiction” seria um final alternativo para um romance.

“Provavelmente não há um autor ou um fã que nunca fantasiou sobre poder escrever sobre seu seriado favorito. O fato de você poder ganhar royalties por isso torna isso ainda melhor”, escreveu Trish Milburn, uma autora de narrativas do tipo.

A Amazon diz que outras obras licenciadas para a criação do tipo de conteúdo estão “a caminho”.

Publicado originalmente e clipado à partir de Folha de S.Paulo | TEC | 24/05/2013, às 18h28