Do Instagram para as livrarias


Lançamento do selo Fábrica 231, selo de entretenimento da Rocco, nasceu a partir de um perfil do Instagram

Com apenas 25 anos, o carioca Pedro Henrique começou a rascunhar pequenas mensagens em cartões enquanto estudava. Assim nasceu a página Um Cartão, que reúne sentimentos do cotidiano em artes simples e diretas no Instagram. O passatempo conquistou mais de 650 mil seguidores na rede e cerca de 20 milhões de curtidas. Cresceu tanto, que começou a ganhar vida para além dela e virou livro. Um cartão [Fábrica231/Rocco; 192 pp; R$ 24,50] chega às livrarias em formato de cartões serrilhados que podem ser lidos como uma grande coleção de tiradas ou destacados para serem compartilhados de forma avulsa. Neste mês, o autor tem uma agenda de lançamentos pelo Brasil. Inicia nesta quinta-feira [5], na FNAC do BH Shopping [Rodovia BR-356, 3049, Belvedere, Belo Horizonte/MG], às 20h. De lá, o autor segue para Porto Alegre, Brasília, Recife, Fortaleza, Salvador, São Paulo, Rio de Janeiro e Curitiba.

PublishNews | 04/11/2015

Instagram para leitores


Instagram, a rede social de compartilhamento de fotos, já ultrapassou a marca dos 100 milhões de usuários. E, da mesma forma que aconteceram com os blogueiros e os vlogueiros, as editoras passaram a enxergar nos instagramers um novo nicho editorial. As editoras Terceiro Nome e Madalena se associaram e preparam para abril o lançamento do livro Rever, que reúne 211 imagens postadas pela artista plástica Gabriela Machado [@gabmachado] no seu perfil na rede social. Mas não é só isso. A Rocco acaba de comprar os direitos de dois livros da sensação Joe Wicks [@thebodycoach], que usa a rede social para dar dicas de emagrecimento. Com quase 200 mil seguidores, Wicks faz um plano de emagrecimento para ser cumprido em 90 dias. O seu perfil no Instagram é repleto de fotos de “antes e depois” de pessoas que aderiram ao seu método. O livro sai pelo selo Bicicleta Amarela, o novo selo de bem-estar da editora. Mas nem só de fotografias vive o mercado editorial. A Record, V&R e Intrínseca bateram o martelo e fecharam negócios na última semana. A Intrínseca comprou o juvenil Amy Chelsea Stacie Dee, previsto para ser publicado só em 2017. O livro conta a história de uma garota de 16 anos sequestrada junto com seu primo. Libertada depois de seis anos, ela está traumatizada, mas percebe que precisa encarar o passado para construir um futuro. Ainda dentro do universo infantojuvenil, a V&R comprou Every last promise, de Kristin Halbrook. O pano de fundo do livro também uma história de violência. Kayla, a protagonista, presencia uma agressão sexual contra uma colega e tem que decidir entre manter o silêncio e denunciar o agressor. No Goodreads, Every last promise, recebeu 31 reviews. Já a Record apostou forte no novo romance de Michelle Cuevas e comprou os direitos de Confessions of na imaginary friend em pre-empt. O negócio foi intermediado pela Agência Riff.

Por Leonardo Neto | PublishNews | 30/03/2015

Pra começar


Milhões de livros vendidos e poucas pessoas na sessão de autógrafos, incluindo parentes e funcionários [constrangidos] da editora. No estande ao lado, centenas de jovens e adolescentes disputam um clique para eternizar o encontro com a nova sensação das letras. Desconhecido até pouco tempo atrás, vende mais livros em um mês do que muitos “imortais” em vários anos.

A cena ocorrida num evento recente ilustra que o segmento literário mudou. Quem vai colar os caquinhos do velho mundo? Não podemos controlar as mudanças, mas temos a chance de decidir qual será a nossa reação a elas. Amar os livros pressupõe um apetite insaciável por conhecimento e refletir sobre as transformações deve sempre fazer parte do cardápio.

Somos o povo que passa mais tempo online nas redes sociais. 69% dos brasileiros concordam que a publicidade online os motivou a procurar informação extra sobre o produto/marca oferecido. Projeção da PricewaterhouseCoopers aponta que em 2018 o lucro das editoras com livros digitais será superior ao da venda de livros impressos. O faturamento do e-commerce no Brasil deve crescer 20% neste ano, atingindo 43 bilhões de reais.

Os sinais estão por toda a parte e não podem ser ignorados. O desafio que proponho neste espaço é abrangente e vale para diversas áreas da vida, inclusive para a corporativa. Em vez de discutir ou tentar mudar as paisagens, podemos ajustar o foco. O cenário às vezes permanece inalterado, porém passamos a vislumbrar possibilidades antes escondidas.

Essa visão ampla traduz de forma quase poética o que é marketing, palavra que ainda provoca confusão e muxoxos de desprezo. “Aquele livro ruim só fez sucesso graças ao marketing.” “Se não fosse aquele marqueteiro, jamais a Sicrana teria vencido as eleições.

Em tempos de reducionismo alçado a sinônimo de erudição nas redes sociais, é preciso lembrar: marketing não é sinônimo de propaganda enganosa e usa a verdade como um de seus principais ingredientes. Não confundam Joseph Goebbels com Philip Kotler. #pfvr

Sob o gigante guarda-chuva do marketing digital, vamos conversar sobre Facebook, Twitter, Instagram e blogs literários, entre outros temas. Numa seara em que as verdades podem durar apenas algumas horas, o único requisito para o papo é a disposição de refletir. Como diz o adágio, “toda banda larga é inútil, se a mente for estreita”.

“Se tudo caiu, que tudo caia, pois tudo raia. E o mundo pode ser seu” – Marina Lima

Publicado originalmente em Publishnews | 09/01/2015

Apaixonado por livros e por Internet, Sérgio Pavarini atua na área editorial há mais de 15 anos. Jornalista e blogueiro, foi editor e gerente de marketing antes de abrir sua agência especializada em digital.
A Internet é sinônimo de transformação permanente. Este espaço aborda todos os meses temas como redes sociais, blogs literários e tudo relacionado ao admirável mundo novo digital e como eles podem influenciar na indústria do livro. A partir da sua experiência profissional, Sérgio Pavarini vai dar toques, dicas e contar histórias que vão enriquecer o repertório de quem lida com o marketing digital nas editoras ou livrarias.

Dupla usa o Instagram para fazer resenha de livros


‘Livrogram’, criado pelas amigas Denise Schnyder e Livia Piccolo, ganha cada vez mais fãs

Foto do Livrogram - Reprodução | Denise Schnyder

Foto do Livrogram – Reprodução | Denise Schnyder

RIO | Foi-se o tempo em que falar de literatura para o grande público era tarefa restrita a intelectuais. A produção de conteúdo para a internet só cresce e, na mesma onda, novos projetos literários em plataformas e redes sociais ganham cada vez mais seguidores.

Criado pelas amigas Denise Schnyder, 25 anos, e Livia Piccolo, 29, o Livrogram é um desses canais que vêm ganhando fãs na rede. Formadas em Artes Cênicas, as duas se conheceram trabalhando em um projeto e hoje, além de participarem do mesmo coletivo de teatro, compartilham o amor pela literatura com mais de 6 mil seguidores.

Tudo começou no fim de 2013, quando Denise leu um livro que adorou e resolveu postar no Instagram uma foto da capa acompanhada de pequena resenha para os amigos. Todo mundo curtiu a ideia e ela resolveu que faria todas as resenhas de livros que mereciam ser lidos pelas pessoas próximas. O perfil foi crescendo e muita gente começou a curtir, comentar e indicar leituras.

— Uma dessas pessoas era a Livia. Ela fazia comentários excelentes que me deixavam pensando por dias e tinha um gosto muito parecido com o meu — conta Denise, que fez uma página também no Facebook.

A paixão pelos livros veio cedo para as duas. Denise era disputada pelos amigos da escola para ler livros pelo telefone [para a desgraça de seu pai, que nunca entendia o motivo de a conta vir sempre tão alta], já Livia caiu de amores pela literatura na adolescência.

— Comecei a enxergar os livros como interlocutores poderosos. Neles eu passei a encontrar ideias e situações que eu não encontrava na vida, e isso começou a me instigar imensamente — conta Livia.

Com textos curtos postados semanalmente, a dupla fala sobre livros de forma leve, passando pelos mais variados títulos sem distinção de gênero.

MANEIRAS DE VIVER OS LIVROS

O objetivo é indicar literatura com foco em editoras e selos pequenos, atraindo jovens leitores interessados em ampliar seus universos de leitura.

— A vida é corrida demais e ler é uma atividade que parece não se encaixar nos dias de hoje, mas existem milhares de maneiras de viver a literatura — explica Denise.

O passo seguinte foi se juntarem a Diogo de Nazaré, namorado da Livia, para produzir vídeos para o YouTube no canal Livrogram, com entrevistas, leituras e cobertura de eventos independentes de literatura.

Por Carol Luck | Publicado originalmente em O Globo Online | 28/11/2014, às 6:00 | Carol Luck escreve na página Transcultura, publicada às sextas-feiras no Segundo Caderno.

De onde vêm os gênios da tecnologia?


Reinaldo Normand

Reinaldo Normand

O brasileiro Reinaldo Normand lançou o livro Vale do Silício, no qual revela como funciona a famosa região onde estão os maiores gênios do mundo – e onde foram criadas empresas como Google, Youtube, Whatsapp e Instagram. Ele, que fundou cinco empresas no Brasil, EUA e China, dentre elas o site sobre games Outer Space, viveu um tempo no Vale, localizado no Norte da Califórnia, nos Estados Unidos.

Deparei-me com algo fascinante e inesperado. É a cultura a grande mola propulsora da inovação no Vale do Silício. Ela é a grande responsável por criar o ecossistema de inovação que gera tantas empresas e produtos que mudaram o mundo“, diz Normand na introdução do livro, dividido em duas partes.

A primeira parte, Normand fala sobre a cultura do local. “Esse é um lugar onde se respeitam empreendedores e startups mais do que outros participantes do ecossistema, como consultores, executivos, pesquisadores e grandes empresas. Há um senso de otimismo no ar, como se tudo fosse possível, e as startups simbolizam a materialização do intangível“, diz.

Na segunda parte do livro, Normand ilustra como utilizar essa cultura. “Não tenho a pretensão de oferecer soluções mágicas, mas de mostrar com exemplos reais como pensar diferente“, diz Normand.

O livro está disponível para download clicando aqui.

A Tarde | 29/10/2014