Livro digital conquista confiança do mercado


Grandes livrarias e editoras acreditam que os e-books ganharão espaço no mercado nacional em 2012 e 2013

As apostas nos livros digitais estão em alta. Grandes livrarias e editoras acreditam que os e-books ganharão espaço no mercado nacional em 2012 e 2013. As projeções mais otimistas os colocam como responsáveis por 10% do faturamento das vendas do setor em 2014. O índice em 2011 foi 0,025%. A esperança está depositada na chegada de gigantes internacionais e na produção doméstica de tablets, que poderá baratear os aparelhos.

Segundo a Câmara Brasileira do Livro [CBL], há cerca de 10 mil títulos em formato digital no País. Desses, 5.235 foram lançados em 2011, conforme pesquisa da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas da Universidade de São Paulo [Fipe/USP]. “A maior produção ocorreu no último período. Então, também deve haver um número significativo em 2012”, diz a presidente da CBL, Karine Pansa, que não arrisca projeções. A receita com vendas de e-books foi de R$ 868 mil.

O diretor-presidente da Saraiva, Marcílio Pousada, considera o e-book um negócio importante para a empresa, cujo acervo digital é de 10 mil títulos em português e 240 mil em inglês. “Estamos nos preparando com força, inclusive vendendo tablets. Também desenvolvemos um software de leitura”, diz Pousada, que espera fechar o ano com a oferta de 16 mil títulos nacionais.

A ideia de oferecer aparelhos de leitura para impulsionar a venda de conteúdo deu certo com a Amazon, nos Estados Unidos. Desde que o Kindle, e-reader da empresa, foi lançado, em 2007, os e-books vêm ganhando mercado. Em 2011, tinham 15%, ante 6% em 2010, conforme a Association of American Publishers.

Agora, a Amazon pretende entrar no Brasil. O início das operações está previsto para o último trimestre deste ano, mas já existem negociações com empresas locais, como as distribuidoras de e-books Xeriph, que reúne cerca de 200 editoras, e DLD, formada por sete. Comenta-se, porém, que há dificuldades para fechar acordos com a multinacional, que se recusaria a aceitar peculiaridades do mercado nacional, como a divisão de receitas. A companhia foi procurada pela reportagem, mas não se pronunciou.

Outras livrarias

Outras grandes livrarias virtuais também devem aportar no País. A Google eBookstore, a iBookstore [da Apple], a Barnes & Noble e a Kobo, por exemplo, negociam com a Xeriph, de acordo com o CEO da empresa, Francisco Paladino. “Ainda neste semestre, deveremos ter dois contratos em operação e três assinados.” Segundo ele, o catálogo da Xeriph tem 10 mil livros e deve alcançar 12 mil até o fim de 2012.

As esperanças também recaem sobre a fabricação de tablets no País, estimulada com incentivos fiscais e iniciada em 2011, por Samsung, Motorola, Semp Toshiba, Positivo e Aix. A estrela do setor é a Foxccon, que produz iPads em Jundiaí [SP] . O governo espera que os preços caiam 40%. Para o especialista em livros digitais Ednei Procópio, da CBL, porém, a popularização dos tablets não dependerá das grandes companhias. “Elas sempre vão lançar equipamentos de grife. Mas haverá quem faça modelos mais acessíveis.”

POR TIAGO CISNEIROS e VANESSA BELTRÃO | Especial para o Estadão | 12/08/2012

O que a Amazon sacou


Por Greg Bateman | Publicado originalmente em Publishnews| 04/04/2012

Sede da E-Ink em Cambridge, Massachusetts, EUA, ano de 2006 – a alguns minutos de caminhada da Universidade de Harvard e do MIT. Russ Wilcox, fundador da empresa, faz um discurso já familiar. Ele diz que o iPod e o mp3 revolucionaram a indústria da música. Para o vídeo, foi o DVD e o streaming na internet. Por que, ele pergunta, a indústria editorial não passou por uma revolução desde a criação da imprensa?

Certamente, não foi por falta de tentativas. Outro dia, Ednei Procópio, fundador da Livrus, em São Paulo, me mostrou com orgulho sua coleção de leitores de livros eletrônicos desde 1998. Minha aventura com os e-books começou em 2006, quando trabalhei no lançamento do Sony Reader, na sede da Sony, em Tóquio. Juntos, engenheiros e executivos da empresa havíamos refletido sobre as lições aprendidas com o fracassado lançamento do Sony Librie em 2004. Excelente aparelho, nenhum conteúdo. O novo Sony Reader era um produto bonito – uma obra de arte eletrônica – e confortável para segurar tanto com a mão direita quanto com a esquerda. Ele ostentava uma tela nítida e legível sob a luz do sol. Dezenas de milhares de e-books estavam prontos na ocasião do lançamento. Mas, embora estivesse tão à frente em vários sentidos, o Sony Reader não impressionou os leitores. O que estava faltando?

No fim de 2006, depois de comer uma tigela de noodles apimentado e bolinhos chineses fritos, eu me encontrava na tão [mal] falada linha de produção da Foxconn China. Saindo fresquinho da fábrica estava o protótipo da Lab126 do Kindle. Era grande, pesado e, francamente, não tinha uma aparência muito legal. O aparelho nos lembrava o Commodore 64 com um estojo de couro que parecia ser o resultado do trabalho manual de um escoteiro mirim. Eu não saquei a ideia. Como é que a primeira incursão própria da Amazon no mercado de eletrônicos poderia ter sucesso com essa criança feia?

Tudo fez sentido quando eu liguei o aparelho pela primeira vez algumas semanas mais tarde no laboratório da E-Ink. Após 30 segundos, o aparelho acorda e diz “Oi, Greg. Nós recomendamos estes 3 livros para você”. Um click e outros poucos 30 segundos depois, O código da Vinci magicamente aparece na tela. Tamanhos de fonte ajustáveis, marcador de página. Nenhum cadastro maluco, nem complicações com DRM, nem a necessidade de configurar a rede sem fio. Somente a pura experiência de leitura, sem interrupções. Aha!

O resto, claro, é história. Porque a Amazon “sacou” – uma experiência que vai da descoberta de conteúdo à compra do livro sem obstáculos –, leitores de todo o mundo estão lendo 40% mais títulos do que antes. Com o Kindle, aconteceu a primeira revolução real na indústria desde a criação de Gutenberg. Quem escreverá o próximo capítulo da nossa saga editorial digital?

Greg Bateman

Greg Bateman

Por Greg Bateman | Publicado originalmente em Publishnews| 04/04/2012

Greg Bateman, expert em tecnologia e empreendedor do negócio de e-books, é conhecido pelo seu envolvimento na criação de produtos extremamente bem-sucedidos, como os smartphones da Samsung e o Kindle, da Amazon. Na Vook, ele desenvolveu uma eficiente cadeia de produção de centenas de e-books por semana. Greg, que nasceu nos Estados Unidos, viveu nove anos no exterior, onde intermediou várias parcerias envolvendo Coreia, China, Japão e EUA. Hoje mora no Brasil, em São Paulo. Ele é pesquisador visitante da Universidade de Tóquio, tem duas graduações pela Universidade da Califórnia em Berkeley [engenharia elétrica/ciência da computação e literatura japonesa] e um MBA pela Columbia Business School.

A coluna E-Gringo discute a fundo o negócio e o lado técnico dos e-books a partir de uma perspectiva global. Às quartas-feiras, quinzenalmente, ela vai apresentar plataformas e tendências do mundo todo e, claro, do Brasil. Para enviar comentários, escreva para greg@hondana.com.br .