eBooks e convergência são temas da Bienal do Livro de SP


Evento começa nesta quinta-feira com a realização do 5º Congresso Internacional do Livro Digital com o tema “Cultura em Convergência”

Em 2007, a Amazon lançou a primeira edição do e-reader Kindle. Agora, sete anos depois, a empresa anuncia um serviço de assinatura para e-book e audiobook. Tanto no Brasil como internacionalmente, observou-se uma resposta positiva ao modelo. Segundo pesquisa realizada pela BookStats, a venda de livros digitais superou os impressos, gerando US$ 7,54 bilhões às editoras norte-americanas em 2013. Assim, diante da incerteza sobre o futuro dos livros tradicionais, um dos maiores eventos brasileiros do segmento decidiu apostar no tema.

Na sexta-feira, 22, inicia-se a 23ª Bienal Internacional do Livro, que, neste ano, está trabalhando diretamente com o público por meio das redes sociais e peloblog do evento. A aproximação resultou em mais de 10 mil ingressos vendidos até o momento, em comparação aos 2,6 mil da edição anterior, o que corresponde ao recorde de vendas antecipadas. Para evidenciar ainda mais o tema, a Câmara Brasileira do Livro, responsável pela Bienal, promove um dia antes, na quinta-feira, 21, o 5º Congresso Internacional do Livro Digital.

O tema deste ano é “Cultura em Convergência”, e será abordado nos dias 21 e 22 de agosto, no Auditório Elis Regina. A quinta edição do evento conta com a participação de Jason Merkoski, o primeiro evangelista de tecnologia da Amazon; Oren Teicher, presidente da American Booksellers Association [ABA]; Jose Borghino, diretor de política da International Publishers Association [IPA]; Stephen King, presidente do grupo Daisy de Londres; Olaf Eigenbrodt, diretor da Biblioteca Universitária de Hamburgo, na Alemanha; Pedro Luis Puntoni, professor da Universidade de São Paulo e coordenador do Núcleo de Cultura Digital do Cebrap; Danilo Venticinque, editor de cultura da Revista Época; entre outros.

Tradicionalmente, o Congresso acontece no primeiro semestre, mas desta vez vai anteceder a Bienal e se extender durante o evento. Além do espaço para discussão e apresentação de cases de sucesso, também serão premiados trabalhos científicos sobre o livro digital. Os três vencedores receberão um valor em dinheiro e, dependendo do tema do trabalho, serão avaliados em fast track para publicação na Revista de Gestão da USP. O primeiro colocado vai apresentar seu projeto no dia 22, às 16h30, na plenária do Congresso.

O Congresso do Livro Digital surgiu há cinco anos como parte das metas de trabalho da Câmara, com a missão de discutir o futuro do impresso e do mundo digital. Susanna Florisse, diretora da Câmara Brasileira do Livro, afirma que a ideia é debater os novos formatos, modelos de negócios e novas formas de bibliotecas. Serão abordadas as diversas possibilidades do autor, ilustrador e editor ao trabalhar com o conteúdo no impresso, aplicativo, nuvem, etc. Ou seja, toda a cadeia de produção, desde o autor até o leitor.

Apesar da presença cada vez mais forte do livro digital, Susanna acredita que o impresso não vai morrer, embora alguns realmente desapareçam do mercado ou diminuam a tiragem. Para ela, haverá um mix, em que o digital vai complementar o impresso. Os livros didáticos, por exemplo, devem manter o formato tradicional, mas com conteúdo reduzido. “Bibliotecas digitais é um modelo de negócio que faz todo o sentido. As editoras precisam sair da zona de conforto, acompanhar tendências. Em um País com tamanha dimensão geográfica, o mais óbvio seria diminuir custos com papel e com frete. Além disso, estamos vivendo a realidade de uma geração totalmente digital. As pessoas não tem mais tempo, os costumes mudaram, os hábitos mudaram”, afirma a diretora da Câmara.

Em contrapartida, a Bienal atrai um grande número de visitantes em todas as edições. Neste ano, já foram vendidos mais de 10 mil ingressos antecipados. Porém, Susanna explica que o motivo não são os livros impressos em si. Afinal, eles podem ser adquiridos pelas internet e, muitas vezes, a um preço mais acessível. “Cada vez mais as editoras vão se tornar prestadoras de serviço. A Bienal chama muita atenção, não necessariamente para venda de livros, mas para uma questão cultural.Os visitantes querem ir pelo aspecto cultural, para assistir a palestras, debates, premiação, etc”.

Com o processo da digitalização, o conteúdo também se torna mais acessível, aumentando o risco de cair na rede. Entretanto, a diretora não enxerga o problema como o maior desafio do livro impresso. Para ela, as tradições é que podem representar a principal barreira para a consolidação da leitura. “O livro sempre teve que concorrer com a pirataria. Mas, talvez o seu maior concorrente seja ter uma sociedade que prefira ter dois celulares, dois carros ou roupas de marca, em vez de um livro”.

A abertura do 5º Congresso Internacional do Livro Digital acontece na quinta-feira, 21, às 9h. As inscrições podem ser feitas pelo próprio site oficial do evento. Já a Bienal, vai até o dia 31 de agosto e também está com venda de ingressos abertas nos pontos de venda físicos e pela internet.

POR POR ERIKA NISHIDA | enishida@grupomm.com.br | Publicado originalmente em wwwproXXIma.com.br | 20/08/2014, às 19:06

5º Congresso Internacional CBL do Livro Digital traz o tema Conteúdo em Convergência


Com o tema Conteúdo em Convergência, o 5º Congresso Internacional CBL do Livro Digital, acontece dias 21 e 22 de agosto, no Auditório Elis Regina, antecedendo a 23ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo [22 a 31 de agosto]. Este ano, o evento coloca em pauta a convergência dos meios de comunicação que influencia diretamente o setor literário, do livro físico ao e-book.

Entre os principais destaques do evento, estão confirmados nomes como o de Jason Merkoski, o primeiro evangelista de tecnologia da Amazon, que na palestra de abertura, falará sobre seu livro Burning the page – a revolução dos livros digitais e o conteúdo em convergência. Oren Teicher, presidente da American Booksellers Association [ABA], participará de um painel sobre modelo de negócios para livrarias independentes no universo digital, com Jean-Marie Ozanne, diretor da Livraria Folies D´Encre, França, tendo como moderador o livreiro e editor José Luiz Tahan, da Realejo Livros.

Jose Borghino, diretor de política da International Publishers Association [IPA] e Stephen King, presidente do grupo Daisy de Londres colocarão em pauta o ePUB3, a nova versão de publicações digitais que traz mais recursos para o e-book – na mesa “ePub 3 e a revolução no mercado”. Como mediador, Pedro Milliet da Fundação Dorina Nowill.

Convergência entre mídias digitais e físicas nas bibliotecas será abordado por Olaf Eigenbrodt, diretor da Biblioteca Universitária de Hamburgo, na Alemanha, Julia Bergmann, consultora e especialista em bibliotecas digitais, também da Alemanha, tendo como moderador Pedro Luis Puntoni, professor da Universidade de São Paulo e coordenador do Núcleo de Cultura Digital do Cebrap.

Para falar sobre novos modelos de negócios no universo do livro digital da Espanha, José Luiz Verdes, CEO da Manuscritics, Carme Fenoll, responsável pelo Serviço de Bibliotecas da Calaluña e Rosa Sala Rose, CEO da Digital Tangible. O moderador deste painel será Danilo Venticinque, editor de cultura da Revista Época.

Prêmios para Trabalhos Científicos

Com o objetivo de promover e premiar trabalhos conceituais, o Congresso seguiu a tradição de avaliar trabalhos científicos e acadêmicos relativos ao livro digital. Este ano, as inscrições vieram de várias cidades do país, como Belo Horizonte, Brasília, Florianópolis, São Paulo, entre outras. Foram selecionados cinco trabalhos, que serão apresentados dia 21 de agosto, na Sala Jacarandá Paulista, Hotel Holiday Inn, das 14h às 18h. Serão premiados três vencedores que, além de valor em dinheiro, poderão receber, dependendo do tema do trabalho, avaliação em fast track para publicação na REGE – Revista de Gestão da USP. O 1º colocado apresentará seu trabalho dia 22/8, às 16h30, na plenária do Congresso.

Cases de sucesso

Empresas e profissionais do mercado do livro digital apresentarão seus cases de sucesso, dentro de temas que envolvem o livro digital: bibliotecas, perfil do novo profissional, como emprestar e-books, acessibilidade da leitura, educação no mundo digital.

Conheça abaixo a programação completa do evento.

21 de agosto, 5ª feira

9h – Abertura Oficial

9h30 – Palestra: “Burning the page” A revolução dos livros digitais e o conteúdo em convergência – Jason Merkoski – autor do Livro “Burning the Page”, gerente de desenvolvimento e de produto, foi o primeiro evangelista de tecnologia da Amazon – Estados Unidos.

11h – Painel: Em busca de um modelo de negócios para as livrarias independentes no universo digital – Oren Teicher – Presidente da ABA [American Booksellers Association] – Estados Unidos e Jean Marie Ozanne, diretor da Livraria Folies D’encre – França. Moderador: José Luiz Tahan – Livreiro e editor – Realejo Livros.

12h30 – Palestra: O BNDES e o novo Procult: incentivo à inovação no setor editorial – Luciane Gorgulho – chefe do departamento de Economia da Cultura do BNDES [Banco Nacional de Desenvolvimento Social] – Brasil.

14h às 18h – apresentação dos Trabalhos Científicos – local: Sala Jacarandá Paulista – mezanino do Hotel Holiday Inn.

14h30 – Painel: ePub3 e a revolução da acessibilidade no mercado – José Borghino,- diretor de política da IPA [International Publishers Association] e Stephen King, Presidente do grupo DAISY – Inglaterra. Moderador: Pedro Milliet – Fundação Dorina Nowill – Brasil.

16h30 – Painel: Convergência entre mídias digitais e físicas nas bibliotecas – Olaf Eigenbrodt, diretor da Biblioteca Estadual e Universitária de Hamburgo, Alemanha e Julia Bergman, consultora e especialista em bibliotecas digitais, também da Alemanha. Moderador: Prof. Pedro Luis Puntoni, professor da Universidade de São Paulo e coordenador do Núcleo de Cultura Digital do Cebrap.

22 de agosto, 6ª feira

14h – Palestra: O Livro Digital na Educação e Cultura

15h – Palestra: O livro digital e suas consequências jurídicas – Dr. Carlos Fernando Mathias, ex-Ministro do STJ e Dr. Manoel J. Pereira dos Santos, professor da FGV. Moderador: Gilberto Mariot

16h30 – Apresentação do Trabalho Científico vencedor – 1º colocado

17h – Painel: Compartilhando experiências sobre o universo do livro digital – José Luiz Verdes, CEO da Manuscritics, Espanha; Carme Fenoll, Bibliotecária-chefe do Serviço de Bibliotecas da Calaluña, Espanha e Rosa Sala Rose, CEO da Digital Tangible, também da Espanha. Moderador: Danilo Venticinque [Revista Época]

18h –Considerações finais e encerramento

* Programação sujeita a alterações

Serviço

5º Congresso Internacional CBL do Livro Digital
21 e 22 de agosto de 2014
Auditório Elis Regina
Av. Olavo Fontoura, 1209 – ao lado do Pavilhão do Parque Anhembi
São Paulo
Informações: digital@cbl.org.br / 55 11 3069 1300

Apresentação dos Trabalhos Científicos
21 de agosto, das 14h às 17h
Local: Hotel Holiday Inn – Sala Jacarandá Paulista
Professor Milton Rodrigues, 100

Apresentação dos Cases
24, 26, 27 e 28 de agosto, das 16h30 às 20h30
Local: Auditório da Escola do Livro / 23ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo

Inscrições abertas
As inscrições podem ser feitas no site oficial do evento: http://www.congressodolivrodigital.com.br

CBL Panorama Editorial – 12 de agosto de 2014

Bibliotecas digitais é tema de conferência


Evento internacional será promovido pela Fundação Getúlio Vargas

Nos dias 20 e 21 de agosto a Fundação Getúlio Vargas promove em sua sede, no Rio de Janeiro, a conferência internacional Os desafios das bibliotecas digitais. O evento congregará palestrantes do Brasil, EUA, Áustria, Reino Unido e Espanha para a discussão de aspectos desafiadores do tema como: gestão, tecnologia e informação digital nas bibliotecas universitárias. As inscrições são gratuitas e será entregue certificado de participação na conferência. Para mais informações, clique aqui ou ligue para [21] 3799-5920.

PublishNews | 06/08/2014

Nuvem de Livros lança versão de software com mais recursos técnicos


A biblioteca digital Nuvem de Livros, a maior do Brasil e que oferece acesso a cerca de 12 mil conteúdos, lançou uma versão mais atraente e com mais recursos tecnológicos, que será usada igualmente no serviço em espanhol, com previsão de lançamento para outubro.

A nova versão é mais robusta tecnologicamente, além de ser mais atraente, lógica e racional“, disse nesta quarta-feira à Agência Efe uma fonte do Grupo Gol, produtor e distribuidor de conteúdos multimídia de educação, que desenvolveu e opera uma biblioteca virtual online que já conta com cerca de 1,3 milhão de clientes no país.

De acordo com a fonte, a versão 2.0 da Nuvem de Livros conta com uma estrutura de metadatos mais complexa e rica, permitindo agilizar e melhorar as opções de busca e identificação de conteúdos.

Também apresenta um novo leitor [na tela] e um novo editor desenvolvidos pelo Grupo Gol no Brasil“, afirmou a fonte.

Além dos aproximadamente 12 mil livros, áudios, vídeos, conteúdos para reforço escolar, conteúdos interativos, jogos, cursos, reportagens e entrevistas oferecidos por esta multiplataforma, a nova versão inclui cursos de formação profissional certificados pelo Centro de Integração Empresa-Escola [CIEE].

Os conteúdos da biblioteca digital, pensada originalmente para escolas públicas e famílias, podem ser acessados a partir de qualquer plataforma com conexão à internet. O aplicativo pode ser baixado em aparelhos com sistema operacional iOS, Android ou diretamente no computador.

Apesar de ser oferecida aos clientes desde a primeira semana de julho, a versão 2.0 foi apresentada oficialmente no último fim de semana pelo presidente do Grupo Gol, Jonas Suassuna, na Festa Literária Internacional de Paraty [Flip].

O Grupo Gol também opera a Nuvem do Jornaleiro, uma plataforma digital que permite aos usuários de telefones celulares, tablets ou internautas acessar o conteúdo de 200 meios de comunicação, incluindo notícias da Agência Efe, sem baixar os arquivos nos aparelhos.

Ambas as iniciativas contam com parceria da operadora Vivo, subsidiária da espanhola Telefônica no Brasil.

Rio de Janeiro | Publicado originalmente por Yahoo | 06/08/2014 | Da Agência EFE

Quando os livros se encontram com os games


A Feira de Frankfurt organiza para agosto mais uma edição do seu StoryDrive, iniciativa que promove o diálogo da indústria do livro com a dos games. Entre os dias 13 e 17, dez representantes de editoras internacionais e agências literárias poderão visitar a GamesCom, feira de jogos interativos realizadas na cidade alemã de Colônia. A ideia é aproximar e colocar na mesma mesa de negociação editoras e representantes de setores de licenciamento e merchandising de games. Para mais informações, entrar em contato com Susanne Tenzler-Heusler pelo e-mailstenzler@book-fair.com.

PublishNews | 25/07/2014

Empréstimo de eBooks: A Revolução na Palma da Mão


Quem quiser conhecer de perto, ao vivo e em cores, os resultados obtidos até aqui nos projetos pilotos pioneiros de empréstimos de eBooks, realizados pela Árvore e seus parceiros, o Congresso de Leitura do Brasil, o COLE, será uma ótima oportunidade. Galeno Amorim, CEO da Árvore, vai apresentar, na primeira sessão especial Perspectivas da Leitura no Brasil, o painel “Empréstimo de eBooks: A Revolução na Palma da Mão”. Será no dia 22/07 [terça-feira], das 15 às 16h30, no Auditório II do Centro de Convenções da Unicamp, em Campinas [SP]. Leia mais.

COLE | 07/2014 

Early Bird na Digital Book World


Até dia 30 de junho, interessados em participar da conferência que acontece em Nova York terão desconto

Até o dia 30 de junho, quem estiver interessado em participar da Digital Book World, a conferência capitaneada pelo colunista do PublishNews Mike Shatzkin, terá descontos na inscrição. A conferência traz, a cada edição, o que há de mais inovador em estratégias de publicação digital e, na última edição, levou à Nova York mais de 1500 profissionais de todos os segmentos envolvidos na cadeia do livro digital. Para conferir preços e se inscrever, clique aqui.

PublishNews | 18/06/2014

“A Revolução dos eBooks”, por Ednei Procópio


POR EDNEI PROCÓPIO

Hoje, terça-feira, dia 25, às 18h30, estarei lançando [simultaneamente em versão impressa e digital] o meu terceiro livro sobre os eBooks. Será na Livraria Martins Fontes da Avenida Paulista, aqui em São Paulo, e tenho o prazer convidar os colegas que acompanham este blog.

Na ocasião, ministrarei uma palestra sobre assunto onde tratarei dos dois eixos centrais que considero importante para a boa manutenção do mercado editorial brasileiro. O primeiro seria o eixo econômico, aquele que viabiliza e sustenta toda a cadeira produtiva do livro. E o segunda eixo é o político que, inevitavelmente, precede o primeiro quando se trata de políticas públicas voltadas ao livro em especial as bibliotecas públicas digitais, os livros digitais didáticos, etc…

Nos meus primeiros dois livros, eu já havia tratado e, de certo modo, refletido toda uma revolução tecnológica prevista por inúmeros especialistas como Michael Hart, Don Tapscott, Chris Anderson e Tim Berners-Lee, líderes que aprecio e cujas ideias projetaram as mídias digitais ao mainstream.

Costumo sempre reafirmar em minhas palestras, cursos e entrevistas que esta revolução tecnológica não só, finalmente, alcançou o mundo dos livros como também transformou profundamente a realidade de seu mercado criando novos horizontes, possibilidades e, claro, desafios. E a questão central agora são exatamente os desafios. O mercado editorial, mesmo com sua consagrada manufatura de produção cultural, alcançou níveis alarmantes de riscos em seu histórico modelo de negócios.

Modelo de negócios para os livros digitais é, portanto, neste meu novo livro, a preocupação central. Nele, faço uma análise profunda do futuro mercantil dos livros frente a uma iminente revolução causada pelo advento da Internet. Em “A Revolução dos eBooks” busco desmistificar os livros digitais usando conceitos básicos que ajudarão profissionais a desbravarem o que considero como um cenário único de oportunidades.

Nos vemos lá! Eddie

Semana do Livro Digital


De 2 a 8 de março, decorre a edição deste ano do evento Read an E-Book Week, uma iniciativa de promoção dos livros em formato digital, lançada em 2004 pela escritora canadiana Rita Y. Toews. Esta semana internacional dedicada à leitura de ebooks tem vindo a reunir à sua volta autores, editoras, livrarias digitais, fabricantes de ereaders e inúmeros leitores, naquilo que se pode considerar um verdadeiro festival de celebração da leitura na Era Digital. Durante uma semana, autores e editoras oferecem milhares de livros grátis ou com grandes descontos, com o objetivo de encorajar os amantes dos livros a descobrirem e experimentarem a leitura de ebooks. Quem se interessar pela origem deste evento, poderá ficar a conhecer a história nesta entrevista que a mentora do projeto deu há cerca de quatro anos.

Por Victor Domingos

O presente e o futuro da educação digital


Confira os principais destaques da Contec, conferência da Feira de Frankfurt que aconteceu ontem em São Paulo

Fotógrafo | Daniel Vorley

Fotógrafo | Daniel Vorley

A Contec – conferência realizada pela Feira de Frankfurt no Brasil – terminou ontem [18/02], em São Paulo, com uma certeza: a educação digital é uma necessidade e o caminho agora é aprender a lidar com ela. Nas palestras que ocuparam o SESC Vila Mariana durante todo o dia de ontem, foram discutidos temas aprendizado interativo, as ferramentas que estão revolucionando as formas de ensinar, as dificuldades para garantir e ampliar o acesso a este novo mundo digital, os diversos modelos de aprendizagem, a geração do compartilhamento, os jogos na escola e o acompanhamento dos alunos neste novo tempo.

Em sua avaliação final, Marifé Boix García, vice-presidente da Feira do Livro de Frankfurt, comentou: “Sabemos que os resultados na escola dependem da interação das crianças com os professores. A tecnologia poder facilitar o aprendizado e ajudar a ganhar maior atenção dos alunos, mas para estar pelo menos na mesma altura é indispensável que os educadores dominem as ferramentas tecnológicas”.

Um dos pontos altos da conferência foi o painel [R]Evolução do conteúdo: as últimas novidades em aprendizado interativo apresentado por Michael Ross, vice-presidente sênior e gerente geral da Britannica Digital Learning, divisão de educação de Encycloepaedia Britannica. Ele foi taxativo: “Estamos todos preocupados em ensinar e aprender, mas a forma e o meio estão mudando rapidamente. Todos queremos uma cidadania educativa e para isso é preciso estar aberto às mudanças. Os estudantes de hoje são os nativos digitais e todos os que têm mais de 25 anos podem ser considerados imigrantes nesse mundo. As editoras, as escolas, pais e professores precisam se adaptar a essas mudanças. De alguma maneira vamos manter o pé no passado, mas precisamos eliminar a exclusão digital”.

Com mediação do diretor do PublishNews, Carlo Carrenho, a mesa O “novo” sempre quer dizer “melhor”  discutiu o papel do livro digital e das novas tecnologias na educação. Heather Crossley, editora do selo Ladybird da editora britânica Penguin Heather explicou que a empresa quer fornecer conteúdos para todas as idades: “No coração de tudo o que a gente faz está a vontade de contar histórias. Se a criança não lê, não consegue aproveitar o seu potencial completo, não pode aproveitar o que a vida tem a lhe oferecer. Tanto o livro físico quanto o digital trazem experiências para as crianças”. Udi Chatow, gerente de desenvolvimento de negócios mundiais em educação da HP,  expôs o ponto de vista da divisão de educação da empresa, um modelo híbrido, que combina as melhores possibilidades do modelo impresso aos aplicativos e outras tecnologias digitais. “Muitas vezes imprimir ainda é a melhor solução. Sabemos que os leitores leem mais rapidamente e a compreensão é melhor através de materiais impressos, preferidos pela maioria dos estudantes”. Colin Lovrinovic, gerente internacional de vendas da editora alemã Bastei Lübbe, disse que estão tentando entender o que os leitores estão procurando hoje: “Pegamos o mesmo livro e fazemos versões em e-books, apps e áudio”. Para Dolores Prades, editora da revista nacional Emília, temos um longo caminho pela frente: “ainda não há bibliotecas em muitas cidades, mas é positivo que a tecnologia esteja sendo inserida nas escolas públicas”.

No painel Sinais do Futuro… Hoje: inovação em educação uma perspectiva internacional, a jornalista e empreendedora Ana Penido, da Inspirade, acredita no ensino híbrido: “Mas para isso é necessária a formação de professores, apostamos na mediação deles. A curadoria do professor ganha ainda mais importância em um mundo de grande oferta de informações”.  O  jornalista André Gravatá, coautor do livro A volta ao mundo em 13 escolas  ressaltou a importância da participação dos professores: “Percebi que a gente acaba preocupado com a curadoria e esquece a cuidadoria, que é melhor técnica para realmente transformar a educação

A mesa O acesso é tudo também teve a mediação de Carrenho e nela foram discutidos a importância de estar atento às transformações e de buscar conteúdos interessantes e novas formas de compartilhar o conteúdo. Participaram da palestra o editor argentino e colunista do PublishNews Octavio Kulesz, o espanhol David Sánchez, da 24symbols e o brasileiro Flavio Aguiar, da Widbook. Juntos, eles concluíram que essa parece ser a fórmula para que os editores e provedores de mídia consigam facilitar o acesso aos conteúdos digitais de qualidade na educação.

A diretora do Center for Teaching through Children’s Book, Junko Yokota e consultor internacional de projetos literários britânico Neil Hoskins participaram do painel Qual é o limite? Quando o acesso digital se torna uma distração. A partir de exemplos práticos interativos de livros digitais, Juno reforçou como as imagens, animações e possibilidades interativas dos livros digitais aprofundam a compreensão da informação. Já Neil sugeriu um modelo híbrido de livro impresso com um livreto que serve como guia anexo em forma de aplicativo.

O painel Que os jogos se iniciem: a Gamificação na educação teve participação de Carminha Branco, diretora editorial da Editora Saraiva. Para ela,  “hoje revisitamos as estratégias do lúdico, através de nova roupagem, com apelo maior. Nem salvação, nem placebo. Os jogos são importantes na aprendizagem, combinam força e o lado da emoção“.  Para o co-fundador do Kiduca, Jorge Proença, “os jogos desenvolvem habilidades e representam uma das atividades favoritas das crianças, com retorno entusiástico e positivo”.

A sessão interativa Alimento para o pensamento e modelos de aprendizado híbridos teve a participação de Udi Chatow, especialista em educação da HP,  e  Hamilton Terni Costa, diretor, AN Consulting, Brasil. Os dois concordaram que é importante escolher a tecnologia certa para cada situação para conseguir engajar os alunos no aprendizado. O modelo híbrido é o melhor dos mundos.

No painel Tendências na Educação. A sociedade muda rapidamente, e a educação?, a doutora  Lucia Dellagnelo, coordenadora da Educação do Tec Project, Brasil, enfatizou que, na verdade, estamos buscando novas soluções para velhos desafios intrínsecos ao processo de  aprendizagem Segundo ela, a Internet trouxe muitas transformações e desafios para o setor educacional, mas faz uma ressalva : “Se compararmos com outros instituições, a escola não sofreu tantas mudanças, mas temos que pensar em um novo ecossistema  em que pesquisadores, desenvolvedores de tecnologia e professores trabalhem dentro da escola. O acesso rápido à informação e à inovação mudaram, mas o  processo de aprendizagem pode ser realizado em qualquer momento e em qualquer lugar”.

Avaliando o sucesso do aluno – O que significa ser um estudante bem sucedido no século 21? Para responder essa pergunta e aprofundar o tema foram convidados a polonesa Jolanta Galecka, especialista em Marketing Online, Young Digital Planet; Sean Kilachand, co-fundador da startup brasileira EduSynch  e Claudio Sassaki, cofundador da Geekie, Brasil. Eles falaram sobre as novas plataformas que podem ajudar na avaliação dos alunos. Aprender é um processo bem complexo e que depende de diferentes sentidos. Testes de múltipla escolha não dão essas respostas”, disse Jolanta.

Encerrando a programação da Contec em São Paulo, o painel A geração do compartilhamento: aprendizado e mídia social contou com a participação do chefe de pesquisa da Edmodo, Vibhu Mittal, e de Brasiliana Passarelli, da Escola do Futuro da Universidade de São Paulo [USP].   Brasiliana discorreu sobre a revolução trazida pela internet, “com ambiente multimídia e narrativas não lineares, normais para os nativos digitais mas não para os imigrantes digitais. Quando criamos conteúdo para tablets em escolas, não basta apenas pensar no conteúdo, mas também em uma logística de por quanto tempo os alunos vão acessar o conteúdo e de que forma

A Contec terá uma nova edição na próxima quinta-feira [20/02], na cidade gaúcha de Canoas. Informações e inscrições pelo site da Contec.

PublishNews | 19/02/2014 | Com informações da assessoria de imprensa

Biblioteca do Senac faz troca de DVD por livro em Rio Claro [SP]


A biblioteca do Senac Rio Claro [SP] realizará a 1ª Feira de DVD por Livro de 3 de fevereiro a 20 de março. O objetivo é ampliar o acervo de filmes, desenhos e documentários para empréstimo aos usuários da própria unidade. A biblioteca atende alunos, docentes e público externo.

São 164 livros disponíveis para a troca por DVDs originais e em bom estado de funcionamento, que podem ser de suspense, romance, ficção, drama e documentários. Obras de conteúdo erótico, religioso ou cópias não serão aceitas.

A Feira de Trocas de DVD por Livro será aberta para todos os alunos dos cursos do Senac Rio Claro e também para a comunidade, que poderá fazer a troca durante o período do evento.

A feira vai funcionar de segunda-feira a sexta feira das 8h às21h e aos sábados das 8h às 14h. A biblioteca do Senac Rio Claro fica na Avenida Dois, 720, Centro. Mais informações pelo site ou pelo telefone [19] 2112-3400.

G1 – 02/02/14

Palestra aborda o novo mercado editorial


Encontro promovido pela Livrus ocorre no dia 8 de fevereiro

A Livrus promove a palestra “O autor e o novo mercado editorial” especialmente para escritores que desejam saber mais sobre os novos meios de edição de obras. Abordando a produção, a comercialização, a divulgação e os direitos autorais e outros temas ligados ao universo editorial, a palestra será gratuita, com vagas limitadas, e acontece no dia 8/02, no auditório da Livraria Martins Fontes Paulista [Avenida Paulista, 509, Bela Vista, São Paulo/SP]. Os autores interessados devem inscrever-se até o dia 7/02 pelo telefone 11 3101-3286.

PublishNews | 31/01/2014

Direto da EDUPUB


Por Greg Bateman | Publicado originalmente em Publishnews| 14/11/2013

Tive o prazer de ser convidado ao EDUPUB, uma conferência global que aconteceu na semana passada em Boston para debater o futuro do conteúdo acadêmico. Com 100 outros participantes, discuti como as editoras brasileiras estão lidando com o coquetel de frutas para programas como o PNLD. Enquanto isso, empresas de tecnologia incluindo Google e Adobe deram suas visões sobre convergência digital. Aqui está o resultado da conferência:

Guerra de browsers, redux. Hoje, com o ePub3, as editoras estão sofrendo uma “guerra de browsers” de novo. Dependendo do aparelho, sistema operacional e versão, arquivos com layout fixo e e-books interativos podem aparecer diferentes. Até agora, o ePub3 tem sido um anti-padrão, onde cada aparelho leitor ou app leitora exige um arquivo um pouco diferente.

ePub3 para educação. Enquanto incontáveis startups educativas e grandes editoras ao redor do mundo introduziram padrões proprietários, havia um consenso geral de que o ePub3 deveria ser o padrão a ser usado. Ao mesmo tempo, a conferência concordou que o padrão ePub3 precisa de algumas grandes melhorias para alcançar seus objetivos educativos.

Matemática Complexa é complexa. Até com a existência de MathML como um meio para expressar equações complexas, o Google aparentemente desistiu de dar suporte total ao padrão, deixando pouco claro qual seria o futuro digital da Matemática. Na realidade, as editoras técnicas como O’Reilly desenvolveram uma estranha mistura alternativa de modo que, no pior dos casos, uma imagem de grade da equação aparece no lugar de um vetor gráfico.

Os Apps de e-book estão mortos. Todos concordam que apps de e-books personalizados estão se extinguindo rapidamente. Toda a funcionalidade que uma editora quer programar: objetos de aprendizado avançado, comunicação de duas vias e avaliação de estudantes agora foram acrescentadas ao padrão ePub3. Além do mais, alguns participantes estão desenvolvendo widgets abertos (open-source) assim os e-books interativos podem, em pouco tempo, se tornar um caso de drag-and-drop. Isso poderia permitir às editoras que foquem seus esforços (e orçamentos) na pedagogia do conteúdo em vez de passar meses programando apps personalizados.

Foco no Autor. Anteriormente, a Inkling e outras startups focadas em educação tinham modelos de negócio limitadores com compartilhamento de renda e forte controle sobre a distribuição final. No entanto, parece que a nova tendência de e-books gerais são como um suco de laranja, enquanto que os e-books educativos são como um coquetel de frutas.

Quando falamos de e-books gerais, há essencialmente um sabor: ePub2, perfeito para Harry Potter, ‘50 tons de cinza’ e ‘7 Hábitos’.

No entanto, até agora, o mundo editorial educativo está longe de convergir em um único padrão – cada contribuinte parece estar acrescentando sua própria fruta exótica em um coquetel pouco apetitoso. Sabores incompatíveis como Custom Apps, HTML5, Adobe DPS, Epub3, PDF, iBooks Author, Flash, estão sendo jogados na batedeira.

A direção agora é desenvolver ferramentas de autoria robustas para e-books educacionais – que fornecem uma alternativa, fácil de acessar, à oferta padrão do Adobe Creative Cloud. Estas ferramentas permitirão que a indústria cresça com muito mais rapidez e chegue a um acordo sobre a fruta certa para a educação.

Quer saber mais sobre a conferência EDUPUB e tendências entre livros educativos? Escreva para mim: greg@hondana.com.br

Greg Bateman

Greg Bateman

Por Greg Bateman | Publicado originalmente em Publishnews| 14/11/2013

Greg Bateman, expert em tecnologia e empreendedor do negócio de e-books, é conhecido pelo seu envolvimento na criação de produtos extremamente bem-sucedidos, como os smartphones da Samsung e o Kindle, da Amazon. Na Vook, ele desenvolveu uma eficiente cadeia de produção de centenas de e-books por semana. Greg, que nasceu nos Estados Unidos, viveu nove anos no exterior, onde intermediou várias parcerias envolvendo Coreia, China, Japão e EUA. Hoje mora no Brasil, em São Paulo. Ele é pesquisador visitante da Universidade de Tóquio, tem duas graduações pela Universidade da Califórnia em Berkeley [engenharia elétrica/ciência da computação e literatura japonesa] e um MBA pela Columbia Business School.

A coluna E-Gringo discute a fundo o negócio e o lado técnico dos e-books a partir de uma perspectiva global. Às quartas-feiras, quinzenalmente, ela vai apresentar plataformas e tendências do mundo todo e, claro, do Brasil. Para enviar comentários, escreva para greg@hondana.com.br .

Oficina de eBooks com Ednei Procópio na Fliporto 2013


Ednei Procópio

A Fliporto 2013 promove em novembro a oficina gratuita sobre eBooks, livros digitais que podem ser lidos em equipamentos eletrônicos. A oficina será ministrada pelo especialista em eBooks, Ednei Procópio, que volta ao evento a pedidos do público. As inscrições poderão ser feitas no site www.fliporto.net.

As aulas acontecerão entre os dias 15 e 17 de novembro, das 10h às 12h, dentro da programação da E-Porto Party. Dividido em módulos, a oficina contará com aulas intensas para que os participantes fiquem prontos para contar suas próprias histórias. A programação inclui o que é um livro digital? A história dos livros digitais no Brasil e no mundo, cadeia produtiva antes e depois dos eBooks, hardwares, softwares, formatos, conversão, digitalização, produção, catálogo, conteúdo e gestão dos direitos autorais.

CONTEÚDO DA OFICINA

  • O que é um Livro Digital
  • A História dos Livros Digitais no Brasil e no Mundo
  • A Cadeia Produtiva do Livro Antes e Depois dos eBooks
  • A Questão dos Hardwares [smartphones, tablets, e-readers, etc.]
  • A Questão dos Softwares [Android, iOS, Windows Phone, etc.]
  • A Questão dos Formatos [PDF, ePub, HTML5 e o livro-aplicativo ou enhanced books]
  • A Questão da Conversão, Digitalização e Produção dos eBooks
  • A Gestão de Catálogo e Conteúdo [Publicação, comercialização e distribuição dos livros digitais.]
  • A Gestão dos Direitos Autorais

QUEM PODE SE BENEFICIAR DO CURSO

O curso se destina a todos os interessados em livros eletrônicos; profissionais da cadeia produtiva da indústria editorial brasileira, desde os que atuam na produção e na área editorial quanto os profissionais que atuam nas vendas, comercialização e marketing dos livros. Incluindo profissionais que atuam dentro das editoras, das livrarias, distribuidoras, bibliotecas etc.

SOBRE EDNEI PROCÓPIO

Ednei Procópio tem 37 anos, é empresário e um dos maiores especialistas em livros digitais no Brasil, atuando na área desde 1998. Como editor e sócio-fundador de selos editoriais ajudou na publicação, comercialização e divulgação de mais de mil títulos em versão impressa sob demanda, ebook e audiobook. Em 2005, Procópio publicou “Construindo uma biblioteca digital“, e em 2010 lançou “O livro na era digital“. Ednei Procópio fundou a startup LIVRUS (www.livrus.com.br), cujo escritório está sediado em São Paulo. A Livrus Negócios Editoriais é uma empresa de comunicação especializada, que tem como objetivo levar autores e suas obras à era digital.

Oficina de eBooks com Ednei Procópio na Fliporto 2013


Ednei Procópio

Uma boa notícia para os amantes dos livros eletrônicos. A Fliporto promove em novembro a oficina gratuita sobre eBooks, livros digitais que podem ser lidos em equipamentos eletrônicos. A oficina será ministrada pelo especialista em eBooks, Ednei Procópio, que volta ao evento a pedidos do público. As inscrições poderão ser feitas no site http://www.fliporto.net.

As aulas acontecerão entre os dias 15 e 17 de novembro, das 10h às 12h, dentro da programação da E-Porto Party. Dividido em nove módulos, a oficina contará com aulas intensas e laboratórios para que os participantes fiquem prontos para contar suas próprias histórias. A programação inclui os temas, o que é um livro digital? A história dos livros digitais no Brasil e no mundo, cadeia produtiva antes e depois dos eBooks, hardwares, softwares, formatos, conversão, digitalização, produção, catálogo, conteúdo e gestão dos direitos autorais.

CONTEÚDO DA OFICINA

  • O que é um Livro Digital
  • A História dos Livros Digitais no Brasil e no Mundo
  • A Cadeia Produtiva do Livro Antes e Depois dos eBooks
  • A Questão dos Hardwares [smartphones, tablets, e-readers, etc.]
  • A Questão dos Softwares [Android, iOS, Windows Phone, etc.]
  • A Questão dos Formatos [PDF, ePub, HTML5 e o livro-aplicativo ou enhanced books]
  • A Questão da Conversão, Digitalização e Produção dos eBooks
  • A Gestão de Catálogo e Conteúdo [Publicação, comercialização e distribuição dos livros digitais.]
  • A Gestão dos Direitos Autorais

QUEM PODE SE BENEFICIAR DO CURSO

O curso se destina a todos os interessados em livros eletrônicos; profissionais da cadeia produtiva da indústria editorial brasileira, desde os que atuam na produção e na área editorial quanto os profissionais que atuam nas vendas, comercialização e marketing dos livros. Incluindo profissionais que atuam dentro das editoras, das livrarias, distribuidoras, bibliotecas etc.

SOBRE EDNEI PROCÓPIO

Ednei Procópio, 37 anos, é empresário e um dos maiores especialistas em livros digitais no Brasil, atuando na área desde 1998. Como editor e sócio-fundador de selos editoriais ajudou na publicação, comercialização e divulgação de mais de mil títulos em versão impressa sob demanda, ebook e audiobook. Em 2005, Procópio publicou Construindo uma biblioteca digital, e em 2010 lançou O livro na era digital. Ednei Procópio fundou a startup LIVRUS (www.livrus.com.br), cujo escritório está sediado em São Paulo. A Livrus Negócios Editoriais é uma empresa de comunicação especializada, que tem como objetivo levar autores e suas obras à era digital.

Vendas online, territorialidade e pirataria


Russ Grandinetti, Vice-Presidente de Conteúdo do Kindle, falou na conferência Publishers Launch

Fotógrafo PublishNew

Fotógrafo PublishNew

Em 2012, a conferência Publishers Launch Frankfurt, que antecede a feira de livros todos os anos, teve um foco na ‘descobertabilidade’ e na velha briga do impresso versus digital. Apesar de ainda importantes, este ano os apresentadores da conferência mostraram ter superado um pouco esses temas. Em 2013, a Publishers Launch Frankfurt deu destaque para vendas online e restrições da indústria, seja de território ou de DRM.

Comércio eletrônico

Quando o assunto é vendas online, a Amazon, hélas, mais uma vez desponta como grande mercado. Os insights de Russ Grandinetti, VP de Conteúdo do Kindle, na manhã desta terça-feira, foram portanto o grande destaque neste dia pré-FBF.

Para Grandinetti, a forma de vender livros está mudando fundamentalmente: “Uma editora que não pensa num plano de ação para seu autor que comece pelo digital está fazendo um desserviço a este autor”. Os dados confirmam a preocupação de Grandinetti. Com informações da Bowker, ele mostrou que, nos EUA, a porcentagem da venda de livros físicos e digitais pulou de 27% a 42% entre 2010 e 2012. No Reino Unido, ela passou de 26% para 37% no mesmo período.

Não existe mais a ideia de que o livro digital vai acabar com o impresso. Segundo o VP, os usuários do Kindle compram mais livros em geral, inclusive físicos. “Por muito tempo tivemos essa ideia de que esse mercado tinha um tamanho fixo”, disse Grandinetti, mostrando que as vendas de livros físicos na Amazon também subiram, mesmo depois da chegada do e-reader.

Porém, o crescimento das vendas de livros físico não é nem de perto tão acentuado quanto as dos e-books, que em alguns poucos anos superaram a dos impressos. Para Grandinetti, esse é o caminho que outros mercados seguirão também, a diferença é apenas temporal. Em um dos raros momentos em que profissionais da Amazon apresentam dados sobre tendência de vendas [ou qualquer outro tipo de informações], o VP mostrou que os dados iniciais das vendas do Kindle na Amazon, comparadas às vendas de livros físicos da loja na Alemanha e no Japão seguem o mesmo padrão que o dos EUA e Reino Unido. Ele alerta: “Não tem nada que indique que outros países não seguirão o mesmo padrão dos EUA e Reino Unido”.

Mercado global

Outra mudança fundamental é a territorialidade do mercado. As vendas da Amazon mostram que e-books em inglês vendem globalmente. Na Índia, por exemplo, elas mais que dobraram nos últimos anos.

Paralelamente, e-books estrangeiros também vendem globalmente: as vendas de livros estrangeiros na Amazon americana dobraram anualmente desde 2009. E nesse ponto Grandinetti mostrou uma sombra de autocrítica: “Nesse aspecto, acho que nosso catálogo tem muito a crescer ainda”. 77% dos e-books em espanhol estão disponíveis na loja americana, mas apenas 51% dos títulos em alemão, 25% dos italianos e apenas 5% dos títulos em francês estão lá também.

A questão da territorialidade foi enfatizada no painel seguinte, onde Rebecca Smart, CEO do grupo Osprey, enfatizou que, apesar de ser ainda pequena, todos os direitos da sua editora são globais, e comenta o atraso ainda das editoras nesse aspecto: “A indústria ainda é muito ligada na abordagem territorial”.

Concorrência

Assim como falou no Brasil, em sua visita à Bienal de São Paulo do ano passado, Grandinetti voltou a enfatizar que a concorrência do livro digital é outra. “Os consumidores não estão comparando livros. Eles estão comparando formas de entretenimento”. O livro entrou no hall dos games e aplicativos, filmes e televisão. E como ajudar o livro a se manter na jogada? “É sexta a noite, daqui a duas horas você vai dormir e está procurando um entretenimento. Você tem a opção entre Angry Birds e esse livro”, falou Grandinetti, mostrando um slide de um e-book da Amazon que custava US$16. “Eu acho que nesse caso a pessoa escolheria Angry Birds”.

Pirataria

Para Russ, ter o livro no formato digital a um preço que o consumidor queira pagar é, além de evitar perdas de vendas, uma maneira de lidar com a pirataria. Pode parecer contraintuitivo, mas seu argumento é reforçado pelos dados sobre e-books. Dos mil autores mais vendidos e em estoque, a porcentagem daqueles que possuem pelo menos um título no Kindle é de 98% nos EUA. Para o Reino Unido esse número é de 95%, seguido da Alemanha, com 89%. Seguem França [71%], Japão [64%], Itália [53%] e, por último, Espanha. Não é à toa, para Grandinetti, que na Espanha, onde apenas 46% dos mil autores mais vendidos tem pelo menos um livro no Kindle, o país esteja enfrentando problemas de pirataria.

Outro participante que concordou com Grandinetti é o novo CEO da HarperCollins, Charlie Redmayne. No ano passado ele participou da Publishers Launch como CEO da Pottermore e este ano voltou para falar sobre os novos desafios da HarperCollins. Redmayne contou que, da sua experiência com a Pottermore, “aprendemos que tirar o DRM dos livros não aumenta a pirataria; é não disponibilizar o livro a um preço que o consumidor queira pagar que aumenta a pirataria”.

Por Iona Teixeira Stevens | PublishNews | 08/10/2013

O Futuro do Livro é o Livro


O Futuro do Livro é o Livro

O Futuro do Livro é o Livro

A Editora Fiocruz está com inscrições abertas para o seminário ‘O Futuro do Livro É o Livro’. O encontro ocorrerá de 6 a 8 de novembro na Academia Brasileira de Letras [ABL]. O evento é gratuito e a ficha de inscrição, com vagas limitadas, está disponível aqui. Na conferência de abertura, o presidente da Fundação Biblioteca Nacional, Renato Lessa, abordará a formação de autores e leitores no âmbito da valorização da cultura do livro. Novas tecnologias, acesso livre, a produção coletiva do conhecimento e o livro como bem cultural são outros temas que estarão em destaque durante o seminário. Confira a programação completaaqui. Ao final do seminário, serão emitidos certificados aos participantes e haverá coquetel de lançamento de livros.

PublishNews | 03/10/2013

Curso aborda marketing em redes sociais


Universidade do Livro“Marketing em redes sociais para editoras” é o tema do curso que a Universidade do Livro [Praça da Sé, 108, Centro, São Paulo] promoverá nos dias 29 e 30 de outubro, das 18h às 21h30. O curso busca apresentar esse novo tipo de marketing e como ele pode se tornar ferramenta fundamental para as editoras. Serão abordados temas como introdução ao Marketing Social para as editoras; conhecendo as redes sociais e porque utilizá-las; estratégias e planejamento de marketing para as redes sociais; trabalhando com blogueiros, ferramentas e dicas para utilizar nas redes sociais, entre outras abordagens. As aulas serão ministradas por Sibeli Bergman Masotti, co-fundadora da Capítulo Sete, empresa especializada em serviços digitais para editoras.

PublishNews | 01/10/2013

Feira de Frankfurt enfrenta o auge do livro eletrônico


Berlim | O auge do livro eletrônico e a concorrência que as editoras tradicionais enfrentam perante o comércio na internet será um dos eixos da Feira do Livro de Frankfurt, que começa no próximo dia 9 de outubro e que tem nesta edição o Brasil como país convidado.

O diretor da Feira, Jürgen Boos, apresentou nesta sexta-feira em Berlim as principais novidades desta edição, na qual são esperados mais de sete mil expositores de quase uma centena de países, que continua sendo o principal ponto de encontro do mundo editorial.

A feira, explicou Boos, não quis permanecer alheia aos principais desafios do setor, que discutirá em Frankfurt a pujança de empresas como a Amazon, o futuro das bibliotecas atuais e o risco de ‘saturação’ dos potenciais leitores perante a em massa oferta de conhecimentos.

É um desafio e ao mesmo tempo uma oportunidade‘, disse Boos, que destacou a ‘relativa boa evolução‘ do setor do livro em nível global.

Também terão um espaço destacado em Frankfurt as inovações das editoras mais jovens, o crescente fenômeno da autoedição e a aposta de empresas de fora do setor nos livros como complemento de suas outras atividades.

Um exemplo claro, disse Boos, seria o do Angry Birds, popular jogo para dispositivos móveis que se traduziu em dezenas de produtos com o desenho animado de seus furiosos pássaros e que finalmente chegou ao mundo literário.

O Brasil, como país convidado, será representado por 90 autores e pelo vice-presidente Michel Temer na feira.

Após ressaltar o esforço realizado para traduzir muitos escritores cujos livros só estavam em português, Boos destacou a plataforma que a feira representará para criar uma rede de contatos entre o mundo editorial e a pujante literatura brasileira.

No total, serão apresentados 260 títulos relacionados com o Brasil, entre eles 117 livros de literatura brasileira traduzidos para o alemão com ajuda de um fundo especial.

A literatura infantil e juvenil e o ‘livro valioso’, com desenhos e materiais exclusivos, voltarão também a ter espaço próprio e destacado em uma feira cada vez mais internacional, apontou seu diretor.

Além do Brasil, Boos ressaltou o vigor do mercado editorial em outras potências emergentes como China e Indonésia, com uma grande presença na feira, mas também participação de países como o Afeganistão e Coreia do Norte.

Por EFE | Portal G1 | 27/09/2013

Digital Book World completa 5 anos


Conferência será em janeiro, em Nova York

O Digital Book World [DBW] vai promover, entre os dias 13 e 15 e janeiro de 2014 ,sua 5ª Conferência DBW, realizada em parceria com o Publishers Launch Conferences, em Nova York. É a maior conferência dedicada exclusivamente ao negócio editorial digital, e reunirá cerca de 50 expositores e mais de 100 palestrantes. Entre os destaques da conferência deste ano está Brad Stone, escritor da Bloomberg Businessweek e especialista na Amazon e Vale do Silício, e Tim O’Reilly, fundador e CEO da O’Reilly Media. Inscrições até o dia 7 de outubro terão preço especial. Para saber mais sobre a programação, clique aqui.

PublishNews | 24/09/2013

TEDx: escola de SP receberá evento para debater tecnologia e educação


Não adianta usar o tablet para um ditado”, diz Rubem Saldanha. A frase resume o pensamento do gerente de educação da Intel Brasil e um dos palestrantes do TEDx Dante Alighieri School, que irá ocorrer em 25 de outubro, às 15 horas, na sede do colégio paulista. Saldanha trabalha com jovens cientistas estimulando a produção de conhecimento e é defensor da inovação e da inclusão de novas tecnologias ao currículo escolar, mas é crítico: segundo ele, não há resultados eficazes sem um processo pedagógico bem delineado. Ou seja, não basta colocar um tablet ou computador na sala de aula, é preciso planejar o uso desses dispositivos e explorar suas potencialidades.

Você pode falar em tablet, ou no que for, mas a questão mais importante é: qual o planejamento que o professor tem para utilizar a nova tecnologia?”, comenta. Ele cita exemplos interessantes, como o de um projeto desenvolvido entre duas turmas de oitavas séries de estados diferentes do Brasil, no qual as professoras sugeriram a leitura de um livro que falava sobre a vida de Santos Dumont. A partir daí, uma série de atividades foi desenvolvida entre as turmas: discussão via web, criação de um blog de escrita coletiva, visita de uma das turmas ao interior de Minas Gerais para conhecer o local onde nasceu o aviador, conexão via web com uma terceira turma, parisiense, que foi conhecer o campo francês onde Dumont tentou alçar voo. “A internet permitiu aos alunos estar onde não podiam, mas havia todo um projeto pedagógico dos professores por trás, que envolveu geografia, história, português e inglês para se comunicar”, diz Saldanha.

Sobre a capacitação dos professores para atuar com as novas tecnologias, o especialista acredita que o país já avançou, mas vê ainda muito o que melhorar. Segundo ele, fundamental é a capacitação dos professores estar vinculada a um plano de carreira, e cita que, no estado de São Paulo, isso já ocorre.

Bom exemplo em Indaiatuba

A cidade do interior paulista é o primeiro exemplo destacado pelo especialista em relação a projetos voltados à inserção de tecnologia. Ele ressalta que a continuidade é a chave do sucesso. “A pessoa que comanda a área de tecnologia [de Indaiatuba] é a mesma há 10 anos. Eu poderia te dar também o exemplo de Araucária, na grande Curitiba, mas que hoje já não é um trabalho tão perfeito porque não houve continuidade do programa”, diz. Ele explica mais sobre o sucesso do projeto paulista: um computador por aluno, mas com professores capacitados, planejamento de compra de tecnologias e avaliação dos resultados.

Aliás, a avaliação dos resultados é outro elemento destacado por Saldanha: “Tem de saber onde se chegou e onde se quer chegar, e temos de entender que o fato de processos falharem não significa que o modelo é falido”, comenta.

Atuando com jovens cientistas no seu dia a dia, Saldanha estimula-os à inovação porque acredita que ela seja o motor propulsor da economia. “Se uma pessoa não tem a capacidade de criar coisas novas, ela vai entrar na escola, universidade, se formar e procurar um emprego: é um dos milhões de ‘consumidores de emprego’. Agora, se você inova, busca soluções para os problemas locais, o passo seguinte é criar uma empresa para comercializar o que você criou. A partir desse momento, você passa a procurar gente para ser seu colaborador. Você deixa de ser uma porquinha na roda da economia para ser o motor propulsor dela”, explica.

TEDx

O TEDx é um evento no formato das famosas conferências Technology, Entertainment, Design [TED, na sigla em inglês]. Como o evento internacional, é uma conferência de 18 minutos, no máximo, em que os palestrantes são convidados a fazer a melhor palestra das suas vidas; a diferença é o caráter local, organizado de forma independente, mas tendo de seguir as normas do TED internacional.

Valdenice Minatel, coordenadora do departamento de tecnologia educacional do Colégio Dante Alighieri, explica que a ideia foi acalentada desde o ano passado. As inscrições ainda estão abertas, mas, segundo ela, deverão encerrar-se em final de setembro. O público máximo das palestras será de cem pessoas, devido à exigência do TEDx por ser uma primeira edição. Além de Rubem Saldanha, o seleto público poderá acompanhar a palestra de Iberê Thenório, criador do site de curiosidades Manual do Mundo, uma das mais esperadas pelos alunos segundo Valdenice, entre outras personalidades.

Publicado originalmente em Terra | 23/09/13

Editora Livrus marca presença no Congresso e Feira do Livro Digital 2013


PALESTRA | AUTOPUBLICAÇÃO NA ERA DIGITAL

ANOTE NA SUA AGENDA. É DIA 21, SÁBADO


No mês da primavera, a Editora Livrus traz oportunidades únicas para os nossos autores. São ações que irão contribuir para esclarecer a respeito do novo cenário editorial brasileiro. As ações são gratuitas e serão oportunidades únicas de conhecer de perto o futuro dos livros no Brasil e no mundo.

PALESTRA AUTOPUBLICAÇÃO NA ERA DIGITAL

A palestra Autopublicação na Era Digital foi especialmente criada para quem deseja saber mais sobre os novos meios de edição e abordará a produção, comercialização, Direitos Autorais e outros temas ligados ao universo dos livros.

SERVIÇO GRATUITO DE APOIO AO ESCRITOR

Esta iniciativa inédita no País disponibilizará um canal direto com o escritor com dúvidas relacionadas à sua carreira literária. A ação pretende contribuir de maneira decisiva, oferecendo um suporte que inclui itens como:

  • O registro do livro na Biblioteca Nacional;
  • A apresentação de textos originais nas editoras;
  • As questões que envolvem a publicação de impressos e digitais;
  • As opções de plataformas de edições independentes;
  • A comercialização e distribuição de títulos;
  • A divulgação e promoção de obras em diversos meios;
  • Os Direitos Autorais e Copyright;
  • Agenciamento Literário.

DIA 21, SÁBADO

PalestraAutopublicação na Era Digital
Onde: Na Sala Desenvolvedores e Tendências
Horário: Das 10h às 11h00

AçãoServiço Gratuito de Apoio ao Escritor
Onde: No Espaço de Expositores
Horário: Das 9h às 17h00

LocalColégio Santa Cruz
Endereço:Av. Arruda Botelho, 255 • Alto de Pinheiros • SP

Congresso do Livro Digital e Feira do Livro Didático no Colégio Santa Cruz


O Congresso do Livro Digital e Feira do Livro Didático no Colégio Santa Cruz de São Paulo, será realizado no sábado, 21 de setembro próximo.

Evento aberto ao público, possibilita que o colégio colabore com a discussão sobre os rumos da educação na era digital.

No Congresso, especialistas e profissionais da transição do material didático analógico para o digital, debaterão sobre as tendências deste tema e produzirão uma arena onde todos os envolvidos na cadeia de negócios do livro possam conversar diretamente entre si.

Alguns dos palestrantes como Marcelo Tas, Silvio Meira e Sergio Herz apresentaram recentemente seus trabalhos no 4º Congresso Internacional CBL do Livro Digital, com muito sucesso e retomarão os temas no ColégioSanta Cruz.

Já a Feira mostrará a abrangência da produção de conteúdo didático, do impresso ao digital, privilegiando toda publicação didática, desde os sistemas de ensino, passando pelos livros impressos, pelas empresas de desenvolvimento de conteúdo didático digital e pelos os ambientes e plataformas de ensino virtual.

Para ficar por dentro da programação e conhecer mais sobre o evento, acesse o site: http://www.feiradolivrodigital.com.br.

Rumos da literatura na era da internet


Seminário Múltiplos e Contemporâneos: a Literatura.com acontece no dia 11/09

Os escritores Mario Prata e Xico Sá são os palestrantes da segunda mesa do seminário Múltiplos e Contemporâneos: a literatura.com, que acontece no dia 11/09, no Centro Cultural Banco do Brasil [Rua Primeiro de Março, 66, Centro, Rio de Janeiro]. O evento, que discute os rumos da literatura na era da internet, foi aberto no dia 14 de agosto pelo Diretor do MetaLab da Universidade de Harvard, Matthew Battles. A proposta do encontro é apresentar ao grande público os desafios da literatura contemporânea diante das novas tecnologias. O evento se desenvolverá em cinco mesas, realizadas de agosto a dezembro, sempre às 18h30, com entrada franca.

PublishNews | 05/09/2013

Palestra | Autopublicação na era digital


AUTOPUBLICAÇÃO NA ERA DIGITAL

Como publicar, distribuir e divulgar seu livro

Muito se tem falado sobre tablets, e-readers, smartphones, aplicativos e plataformas de livros digitais. Mas como aproximar esses recursos tecnológicos dos produtores de conteúdo e colocá-los ao alcance de autores, editores e professores?

Pensando em desmistificar um assunto aparentemente complicado, será ministrado, durante o “Congresso do Livro Digital e Feira do Livro Didático 2013”, o workshop Autopublicação na Era Digital. A palestra foi especialmente criada para profissionais que desejam saber mais a respeito dos novos meios de edição e abordará a produção, a comercialização, os Direitos Autorais e outros temas ligados ao universo dos eBooks.

A palestra será ministrada pelo editor Ednei Procópio, que é especialista em eBooks e autor de livros sobre o tema. Procópio é membro da Comissão do Livro Digital da Câmara Brasileira do Livro [CBL] e é CEO da Livrus Negócios Editorais, uma editora especializada em levar autores e obras para a Era Digital.

Congresso do Livro Digital e Feira do Livro Didático 2013

Anote na sua agenda

Palestra | Autopublicação na Era Digital • Como Publicar, Distribuir e Divulgar seu Livro
Onde | LIVRO DIGITAL 2013 • Feira do Livro Didático e Congresso do Livro Digital
Quando | Dia 21 de setembro de 2013, sábado
Horário | das 10h00 às 11h00
Local | Colégio Santa Cruz • Sala Desenvolvedores e Tendências
Endereço | Avenida Arruda Betelho, 255 • Alto de Pinheiros • SP

Clique aqui e veja como chegar

RSVP | Vagas gratuitas e limitadas, confirme sua presença
Cristiane Donizete | Publisher
Telefone: [11] 3104-42036
publisher@livrus.com.br
www.livrus.com.br

6º Colóquio de Bibliotecas Digitais será em setembro


Evento ocorrerá no dia 05 de setembro no Sesc Vila Mariana

No dia 05/09 o Sesc Vila Mariana [Rua Pelotas, 141, São Paulo] será palco do 6º Colóquio de Bibliotecas Digitais França  – Alemanha. O evento abordará temas como a estratégia documentária digital da Biblioteca nacional da França, a BnF, o empréstimo digital, a Biblioteca Pública de Munique como instituição em espaços físicos e digitais, as bibliotecas digitais da Universidade de São Paulo, e uma biblioteca digital inovadora a serviço da diplomacia cultural francesa. A programação terá início às 8h e segue até às 18h. A entrada é franca. As inscrições antecipadas podem ser feitas pelo telefone 11 3296-7051 ou através do e-mailbiblioteca@saopaulo.goethe.org.

PublishNews | 21/08/2013

O livro além do livro


Depois que a Internet, a mídia das mídias, transformou drasticamente as indústrias de telecomunicaçoes, entretenimento, música, jogos, cinema, e o modo como assistimos tevê, ouvimos rádio e lemos jornais e revistas, o artefato livro é a última fronteira na digitalizaçao dos meios de comunicação.

As oportunidades que podem ser exploradas ao redor de um novo universo que surge com a digitalização dos livros são inúmeras. Mas qual seria o segredo no entanto por trás do sucesso de alguns empreendimentos voltado aos eBooks? E a resposta é, antes de tudo, ter a compreensäo exata das ferramentas de distribuição digital dos novos tempos.

E como compreender, e romper, as barreiras e a urgência impostas pelos novos modelos de negócios da Era Digital? Atualizando-se em espaços criativos como os oferecidos pelo Congresso Internacional do Livro Digital [congressodolivrodigital.com.br], evento seminal promovido pela Câmara Brasileira do Livro [CBL].

Johannes Gutenberg [1398 – 1468], que aprimorou para o Ocidente a prensa de tipos móveis, e possibilitou com a sua invenção que a manufatura de um novo produto cultural fosse rapidamente popularizada, criando mais tarde toda uma cadeia de valor, certamente poderia estar entre os convidados das mesas e debates. Mas, como um bom empreendedor, gráfico, editor e ao mesmo tempo livreiro, o gênio alemão ficaria entusiasmado tanto com as inúmeras possibilidades de circulação dos livros, quanto pelas perspectivas de conversas em torno do tema se simplesmente acompanhasse as atividades do evento.

Com uma boa dose de senso crítico, e com a ajuda de novos métodos de curadoria de conteúdo, é possível hoje por exemplo ter um livro publicado simultaneamente para diversos hardwares [desktops, ultrabooks, tablets, e-readers, smartphones], sistemas operacionais [Windows Phone, iOS, Android] e formatos [ePub, PDF, MOBI, HTML5]. As novas agências editoriais que estão nascendo com o eBook, estão permitindo a publicação de obras baseado em novos modelos também precupados com a qualidade, acabamento, design e divulgação para obter audiência, acesso e consumo das obras.

Com a democrarização das tecnologias é possível hoje manter uma pequena agência editorial, enxuta, com um fluxo de caixa mínimo na casa dos cinquenta mil reais, mas com uma rede interessante por volta dez colaboradores externos, todos recebendo no regime de free lancers, entre eles copidesques, revisores, diagramadores, capistas, programadores, designers, etc.

Com uma equipe multidisciplinar, um investimento na casa dos três zeros, uma boa ideia, é possível até criar aplicativos, mashups, sites baseados em redes sociais e uma infinidade de canais para a venda, troca, circulação, distribuição e publicação dos livros eletrônicos. Que podem passar por plataformas integradas às redes de metadados, cloud computing, social e mobile commerce, e nas API’s das soluções robustas de empresas como Amazon, Adobe, Google, disponíveis se o empreendedor souber o que está buscando, e se procurar as soluções no lugar certo.

Mas qual é o lugar certo e para que lado empreender, se os desafios postos são na verdade gigantescos e a própria democratização das tecnologias criou paradoxalmente uma fila de startups concorrentes? A resposta está nas entrelinhas das conversas que podemos trocar e ouvir com pessoas interessadas no mesmo tema.

A Câmara Brasileira do Livro, uma das mais importantes e influentes entidades do livro na América do Sul, vem liderando e propiciando debates e conversas à respeito dos eBooks quando se propõe juntar, em dois dias do próximo inverno de São Paulo, a cidade da garoa, as cabeças pensantes de um novo mundo conectado. Os desenvolvedores que põem a mão na massa dentro dos mais adiantados players mundiais estarão presentes demonstrando seus cases para uma plateia de verdadeiros antenados, uma vez que o evento terá transmissão via streaming e através das mídias digitais.

O Congresso Internacional do Livro Digital em sua quarta edição, com o tema ‘O Livro Além do Livro’, se torna um espaço compartilhado de ideias e conversas que podem nos ajudar a pensar melhor nossas carreiras como escritores, como editoras, agregadores de conteúdo, sistemas middleware, livrarias online, estantes digitais, distribuidoras, etc. É uma opção bastante oportuna não só para os jovens e estudantes que buscam conhecimento de como turbinar e gerar novos networks, mas também para aqueles que pretendem empreender negócios com os eBooks e, claro, produzir bom conteúdo em forma de livros.

Nos vemos lá!

Por Ednei Procópio | Publicado originalmente em TI INSIDE | 29/03/2013, às 18:50

Feira de tecnologia mostra livros do século 11 com tecnologia do século 21


CeBITOs livros medievais de grande valor, que em geral são exibidos em caixas de vidro e só podem ser tocados com luvas, poderão ser consultados agora com tecnologia 3D graças a um sistema revelado nesta terça-feira na principal feira de tecnologia do mundo, na cidade alemã de Hanover.

Graças ao explorador interativo de livros em 3D, desenvolvido pelo Instituto Fraunhofer da Alemanha, os leitores podem ler os textos em latim e aproveitar as ilustrações coloridas elaboradas há vários séculos, mas de forma moderna.

Um visitante testa um visualizador de livros 3D no estande da no Fraunhofer na feira tecnológica Cebit, que acontece até este sábado [9] em Hannover, na Alemanha

Um visitante testa um visualizador de livros 3D no estande da no Fraunhofer na feira tecnológica Cebit, que acontece até este sábado [9] em Hannover, na Alemanha

O texto é escaneado e disponibilizado em uma tela plana. Os leitores, de pé e a poucos metros de distância da tela, mudam as páginas movimentando as mãos no ar para acionar os sensores das câmeras.

O Instituto Fraunhofer trabalha com a Biblioteca do Estado de Baviera na cidade de Munique para levar algumas de suas coleções antigas a um público mais amplo, explicou o diretor do projeto, Paul Chojecki.

Acredito que o livro mais antigo que foi digitalizado até agora tem pelo menos 1.000 anos“, disse.

O leitor, apenas com os movimentos das mãos, pode interagir com o livro em 360 graus e em 3D.

O passo seguinte seria melhorar o conteúdo digital. Podemos imaginar uma função de busca ou uma tradução simultânea se, por exemplo, você não fala latim“, disse.

A CeBIT, a maior feira mundial de alta tecnologia em Hanover, estará aberta até 9 de março.

DA AFP, EM HANNOVER | Clipado originalmente de Folha de S.Paulo – TEC | 05/03/2013 – 17h34