Trechos literários enviados por WhatsApp no DF


Paulo Santos | Criador do ‘Leitura de Bolso’

Um projeto criado no Distrito Federal busca incentivar o consumo de literatura nos minutos livres do dia a dia por meio da tela do celular. O “Leitura de Bolso” envia todos os dias, via WhatsApp, textos curtos que podem ser lidos no transporte público, no sinal vermelho ou na fila do banco. O serviço é gratuito, e o cadastro pode ser feito pela internet.

A ideia surgiu após uma pesquisa da Fecomércio que revelou que, no ano passado, 7 em cada 10 brasileiros não leram um livro sequer. “Vimos essa notícia e ficamos espantados, nos perguntando qual era o motivo disso. Tentamos achar algum jeito de trazer a literatura para mais perto das pessoas“, diz o publicitário Paulo Santos, de 28 anos.

Depois de algumas semanas quebrando a cabeça, ele e o amigo Julian Vilela acharam a solução: textos curtos e de fácil acesso. “São textos rápidos, para ler em até cinco minutos. É um tempinho que a gente sempre tem disponível. Acho que os livros ‘assustam’ muita gente pelo tamanho“, diz o publicitário.

Temporadas

O conteúdo da “primeira temporada” do Leitura de Bolso fica a cargo do engenheiro e cronista brasiliense Roberto Klotz. O autor ofereceu, sem custos, as 46 crônicas do livro “Quase pisei”, suficientes para dois meses de projeto – os textos serão enviados apenas em dias úteis.

A cada manhã, os inscritos vão receber uma das crônicas e algumas imagens relacionadas ao tema. No início, pensamos em narrar os textos, mas o consumo ficaria condicionado ao fone de ouvido. Por enquanto, vamos com texto e imagem“, diz Santos.

Para as próximas temporadas, a dupla estuda parcerias com ilustradores, fotógrafos e outros artistas.
Vimos essa notícia e ficamos espantados, nos perguntando qual era o motivo disso. Tentamos achar algum jeito de trazer a literatura para mais perto das pessoas”

Com a promessa de manter o serviço gratuito e sem propagandas, a dupla reduziu ao máximo os custos do projeto, que entra no ar com “investimento zero”. O site foi produzido pelos próprios publicitários, e as primeiras mensagens serão enviadas de um aparelho celular que estava “encostado”.

Até agora, gastamos mais tempo que dinheiro. Patrocínio, propaganda, spam estão fora de cogitação“, diz Santos.

Sem barreiras

Antes mesmo do lançamento, o projeto dá sinais de sucesso. “A gente escolheu o WhatsApp porque é um dos meios mais democráticos, e parece que deu certo. Esperávamos entrar no ar com 200, 300 pessoas, mas até esta terça [24] já temos 1,3 mil inscritos.

O envio pelo aplicativo de mensagens também evitou a barreira geográfica. O cadastro pode ser feito de qualquer lugar do mundo, desde que o número de telefone esteja vinculado a uma conta do WhatsApp. O texto é enviado pelo número oficial do projeto, que pode ser armazenado nos contatos do celular: [61] 9619-6842.

G1 | 27/11/2015