Quadrinhos no Amazon Kindle Comic Creator


Hoje gostaria de tocar num tema muito específico: a produção de histórias em quadrinhos no formato digital para a Amazon a partir do programa Kindle Comic Creator.

Voltado exclusivamente para esse tipo de narrativa, a ferramenta da varejista norte-americana pode ser muito útil para editoras que queiram lançar seus quadrinhos em versões adaptadas para as plataformas Kindle. Quadrinistas independentes podem se beneficiar da mesma maneira.

A primeira coisa a ser dita é que o programa é muito simples de usar, e seus recursos mais interessantes se apresentam ao usuário de modo intuitivo. Os resultados valem a pena, pois a plataforma Kindle promove um tipo de leitura muito próprio e confortável.

Vamos ao programa:

etapa-1

Para começar [após baixar o programa, naturalmente], clicamos em “Criar um novo livro”. O que surge em seguida é a tela abaixo, onde definimos o idioma da HQ.

etapa-2

A segunda pergunta – “Gostaria de criar painéis Kindle?” – é essencial. Não à toa, o “Sim” vem marcado automaticamente. Numa HQ tradicional, as opções padrão são as mais indicadas. Veremos o que são os painéis mais à frente.

Em seguida, entram os metadados, onde devemos informar o nome da publicação e autor1. Editora é opcional. Um arquivo para a capa é requerido, assim como o endereço onde o projeto será salvo. Se você quiser salvar numa pasta diferente do padrão dado pelo programa, certifique-se de que ela está vazia. Após isso, clicamos em “Começar a adicionar páginas”.

etapa-3 [metadados]

Chegou o momento de adicionar as páginas de nossa HQ. O Comic Creator aceita diversos formatos, como informa seu manual. Em nosso exemplo, usaremos arquivos .jpg como base. Uma caixa de diálogo permite selecionar o documento e abri-lo. Após isso, o programa demora algum tempo processando tudo e importando o conteúdo. A imagem abaixo mostra as páginas já adicionadas.

etapa-4-2 [páginas escolhidas]

Muito bem, temos ás páginas de nossa HQ separadas, então o que é que falta? Aí é que entra o recurso dos Painéis Kindle. Na prática, funciona da seguinte forma: o leitor pode ampliar cada quadrinho individualmente e, efetuando o movimento de passagem de página sobre a tela, poderá lê-los em sequência mantendo essa visualização. Essa é a particularidade da plataforma.

Só que, para isso, é necessário que os quadrinhos sejam devidamente identificados. Clicando com o botão direito dentro de uma das páginas abertas, surge a opção “Novo Painel do Kindle”, que permite identificar manualmente os quadrinhos de uma página, de modo que os aplicativos Kindle possam ampliá-los quando abrirem o arquivo.

etapa-5 [painéis criados manuamente]

Repare no número que aparece no canto superior esquerdo dos quadrinhos já identificados, marcando a sequência com que se abrirão, ampliados, para o leitor.

O processo de identificar os quadrinhos é simples, mas tende a ser demorado. Um outro recurso pode reduzir sensivelmente o tempo gasto nessa atividade: a detecção automática de painés. O Comic Creator analisa as imagens e, em HQs simples, onde os quadrinhos são quadrados ou retangulares, consegue demarcá-los automaticamente. Para ativar a detecção automática, você deve clicar com o botão direito dentro da página e escolher a opção “Detectar Painéis”, podendo escolher se deseja que o programa os detecte apenas numa página ou em todo o livro.

etapa-7 [painéis automaticamente detectados]Painéis detectados automaticamente.

Importante: permitir que o programa detecte automaticamente os quadrinhos apagará as suas próprias marcações manuais.

Em se tratando de histórias em quadrinhos de estrutura simples, sem grandes complexidades visuais e pouca ligação entre os quadrinhos, a detecção automática será de grande ajuda. Mas atenção: ainda é necessário analisar página a página para conferir que os quadrinhos estão corretamente identificados. Por vezes as bordas não estão explicitamente desenhadas, ou há quadrinhos muito pequenos, e o programa comete erros e os deixa passar. Esse olhar posterior à detecção automática serve para ajustar o que ainda precisar de ajustes.

Isso feito, o trabalho está quase pronto. É necessário observar também o nome dado às páginas da HQ. O mais indicado para evitar erros é seguir a ordem numérica das mesmas: Página 1, Página 2, Página 3 etc.

Isso resolvido, basta exportar o arquivo em Criar > Construir e pré-visualizar. Se você já tem o programa Kindle Previewer instalado, a HQ será aberta nele. O arquivo pode ser testado aí e também nos demais aplicativos da loja, bem como nos eReaders Kindle.

pronto

Uma observação. Há HQs mais experimentais, em que os limites dos quadrinhos não são nítidos. Em casos assim, o próprio programa não recomenda o uso dos painéis Kindle, pois estes só funcionam a partir de duas formas geométricas básicas: quadrado e retângulo. Outro caso possível é o de narrativas em que os desenhos ocupam duas páginas. Em histórias assim, pode ser o caso de criar um projeto no Kindle Comic Creator com visualização em páginas duplas, onde sempre se verão duas páginas juntas. Assim, desenhos particularmente grandes serão corretamente visualizados.

Mas tudo na vida tem seu revés: esse tipo de visualização só é permitido num modo de produção que não aceita os Painéis Kindle. O leitor consegue ampliar a imagem como um todo, e assim não deixa de ler o que se diz nos balões de diálogo, mas não os quadrinhos individualmente.

Na tela dos metadados, você deve desmarcar a opção dos painéis e, mais abaixo, marcar “Desbloqueado”.

Após juntar as páginas, você aciona Configurações de página > Configurar todas as ilustrações em página dupla.

páginas duplas

Espero que esse breve descrição do Kindle Comic Creator seja útil para quem deseja se aventurar nesse formato.

Por Josué de Oliveira | Pubicado originalmentem em COLOFÃO | 4 de novembro de 2015

Josué de Oliveira

Josué de Oliveira

Josué de Oliveira tem 24 anos e trabalha com e-books há pouco mais de três. Integra a equipe de digitais da editora Intrínseca, lidando diretamente com a produção dos mesmos, da conversão à finalização. É formado em Estudos de Mídia pela Universidade Federal Fluminense. Gosta de ler, escrever, ver filmes esquisitos e curte bandas que ninguém conhece. Tem alguns contos publicados em antologias e um romance policial que, segundo rumores, um dia ficará pronto.

Anúncios