Lista de mais vendidos digitais: o desafio está lançado


Camila Cabete explica as dificuldades em se criar uma lista dos e-books mais vendidos

Muita gente se pergunta o motivo de não termos uma lista de mais vendidos de livros digitais. Entre os desafios, está no fato de as lojas terem que mostrar os números. Ninguém quer dar o primeiro passo, por vários motivos. Entre eles o de se referirem a números baixos comparados ao impresso. Mas os números são baixos por outro motivo que não a falta de venda e tentarei explicar o quanto uma lista de mais vendidos digital é complexa.

Imagine-se entrando na Livraria Cultura do Conjunto Nacional, na Paulista. A minha livraria favorita e com um acervo gigante! O que vai comprar lá? Você será influenciado por uma série de coisas. A bancada dos lançamentos, das sugestões, das promoções etc. Por maior que seja “a loja”, você tem um limitador físico. Conclusão: você vai comprar o que estiver lá na loja e te chamar a atenção.

Agora entre na loja da Kobo, por exemplo. Você vai ter as “bancadas virtuais” lógico, mas vamos supor que você compre um livro que a bancada te apresentou. Aí o diabinho dos metadados ao colocar o livro no carrinho, te sugeriu mais outro, só que não somente levando em consideração os lançamentos, mas a categoria, o autor, a série etc. Agora imagine isso numa loja digital sem o limitador físico, com estoque infinito.

Agora, imagine o seguinte: cada loja tem uma vizinhança e um perfil de cliente. Assim como nas lojas físicas, no digital isso se repete. Se você clicar nos mais vendidos nas lojas de e-books vai tomar um susto, pois além de poucos best-sellers, você vai ver livros que nunca ouviu falar. A lista de cada loja difere nos títulos… Coisas que não acontece muito com as listas dos impressos das lojas físicas. Resumindo, o que mais vende na Kobo é diferente do que mais vende na Apple e assim por diante.

Toda esta encenação foi para dizer que a lista de mais vendidos das lojas tem a cauda longa a ser considerada. Nas lojas digitais vende-se muito mais cauda longa do que best-seller. Temos uma lista infindável de livros que num mês vendeu somente um exemplar. Por isso a quantidade dos best-sellers parece tão inferior ao físico, e na verdade é mesmo. Mas no total de vendas esta realidade não se aplica. Olha que louco! Diante disso, como fazer uma lista de mais vendidos eficiente para o livro digital, levando em consideração todo o mercado com suas particularidades e mais a cauda longa? Hein, hein?!

Por Camila Cabete | Publicado originalmente em PublishNews | 01/09/2015

Camila Cabete

Camila Cabete

Camila Cabete [@camilacabete] tem formação clássica em História e foi responsável pelo setor editorial de uma editora técnica, a Ciência Moderna, por alguns anos. Entrou de cabeça no mundo digital ao se tornar responsável pelos setores editorial e comercial da primeira livraria digital do Brasil, a Gato Sabido, além de ser a responsável pelo pós-venda e suporte às editoras e livrarias da Xeriph, a primeira distribuidora de conteúdo digital do Brasil. Foi uma das fundadoras da Caki Books, editora cross-mídia que publica livros em todos os formatos possíveis e imagináveis. Hoje é a Brazil Senior Publisher Relations Manager da Kobo Inc. e possui uma start-up: a Zo Editorial [@ZoEditorial], que se especializa em consultoria para autores e editoras, sempre com foco no digital. Camila vive em um paraíso chamado Camboinhas, com seus gatos pretos Lilica e Bilbo.

O LinkedIn da Camila pode ser acessado aqui.

Sua coluna é um diário de bordo de quem vive 100% do digital no mercado editorial brasileiro. Quinzenalmente, às quintas-feiras, são publicadas novidades, explicações e informações sobre o dia-a-dia do digital, críticas, novos negócios e produtos.