Levantamento revela trechos mais grifados pelos leitores em eBooks no país


Por Maurício Meireles | Publicado originalmente em O Globo | 13/06/2015, às 6:00

Autores independentes se destacam na lista; ‘A culpa é das estrelas’ é o mais marcado

John Green: campeão de grifos na Amazon | Tom Koene / Foto Divulgação

John Green: campeão de grifos na Amazon | Tom Koene / Foto Divulgação

RIO | John Green ainda se lembra bem: estava sentado num café perto de casa, nos Estados Unidos, pensando sobre a parte de “A culpa é das estrelas” [Intrínseca] que acabara de escrever. Gus, par romântico da protagonista, dizia a ela que há algo prazeroso e puro em declarações de amor. Depois de pensar, o autor emendou: “Estou apaixonado por você e não quero me negar o simples prazer de compartilhar algo verdadeiro. Estou apaixonado por você e sei que o amor é apenas um grito no vácuo, e que o esquecimento é inevitável, e que estamos todos condenados ao fim, e que haverá um dia em que tudo o que fizemos voltará ao pó, e sei que o sol vai engolir a única Terra que podemos chamar de nossa, e eu estou apaixonado por você.” Depois de “lutar” com esse parágrafo, John Green sentiu-se exausto, fechou o computador e voltou para casa.

Três anos depois de o romance ser lançado, o trecho acima tornou-se o mais grifado por usuários brasileiros do Kindle no e-book de “A culpa é das estrelas”. É o que mostra um levantamento exclusivo feito a pedido do GLOBO pela Amazon, a empresa que lidera o comércio de livros digitais no Brasil, sobre as passagens favoritas dos leitores nos 15 e-books mais vendidos no último ano.

A empresa também analisou algumas obras populares, mas que não apareceram entre os líderes de vendas do ano, como “Harry Potter e a pedra filosofal” [Rocco] e “Cinquenta tons mais escuros” [Intrínseca]. Se a leitura antes era uma atividade privada, o livro digital trouxe a possibilidade de espreitar o comportamento dos leitores — e é isso que a pesquisa mostra.

— Quando escrevi, esse trecho era consideravelmente maior e mais florido. Meu editor e eu cortamos muito durante a edição. Não imaginei que essa parte fosse se tornar tão popular, mas é um momento importante do livro — conta John Green. — Sempre achei interessante a ideia de que o som não pode viajar no vácuo, e muitas vezes nossos lamentos parecem não ser escutados. Por anos, eu costumava dizer meio de piada coisas como “Todo esforço é um grito no vácuo”. Não sei se ouvi ou li a frase em algum lugar, ou se veio de dentro de mim.

Tudo bem, John Green aparecer na lista não é surpresa alguma — afinal, seu livro é um best-seller internacional, e o Brasil não passou incólume a esse sucesso. Na pesquisa da Amazon, porém, a surpresa fica com a não ficção, a autoajuda e os autores independentes. Seis dos 15 livros da lista são de escritores autopublicados. A baiana Tatiana Amaral, por exemplo, aparece com dois livros da trilogia “Função CEO”: “A descoberta do amor”, o primeiro, é o quarto mais vendido; “A descoberta da verdade”, o segundo da série, é o sétimo.

FRASE AO CONTRÁRIO

Laurentino Gomes: frase de “1808” sobre “caixinha” de Dom João remete aos casos atuais de corrupção no país |  Camilla Maia

Laurentino Gomes: frase de “1808” sobre “caixinha” de Dom João remete aos casos atuais de corrupção no país | Camilla Maia

A história é quase a mesma de “Cinquenta tons de cinza”. Tatiana trabalhava como administradora numa empresa familiar de alimentos congelados, quando resolveu escrever um fan fiction sobre a saga “Crepúsculo” — que acabou servindo de ponto de partida para os romances. A série conta a história de Melissa, que vai trabalhar como secretária do CEO de uma empresa. Ele é casado, os dois se apaixonam, mas o poderosão não larga a mulher porque vive um “jogo” com ela — e quem ganhar fica com o dinheiro, as ações, tudo. A mulher do sujeito também é uma megera, que tenta até matar a secretária. A frase mais grifada mostra o momento em que o CEO pede a amante em casamento.

— Há muitos outros trechos que eu achei que iriam agradar mais às pessoas do que esse — reconhece Tatiana.

Outra surpresa aparece em “O pequeno príncipe”, sexto mais vendido no ano: a frase mais famosa do livro — “Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas” — só aparece em segundo lugar. A campeã de grifos é “Eis o meu segredo. É muito simples: só se vê bem com o coração. O essencial é invisível aos olhos.”

Em livros como o terceiro volume da série “Eternidade por um fio” [Arqueiro], de Ken Follett, e “1808” [Planeta], de Laurentino Gomes, é a política que ganha destaque. No primeiro, a frase mais marcada pelos leitores está no famoso discurso “Eu tenho um sonho”, de Martin Luther King. No best-seller de Laurentino, é a intrigante passagem “Outra herança da época de Dom João é a prática da ‘caixinha’ nas concorrências e nos pagamentos dos serviços públicos.”

— O discurso do Luther King foi um marco fundamental de nossa História. Nos forçou a confrontar a crueldade do ódio racial na sociedade. Desde então, não pudemos mais fingir que era uma questão menor, que desapareceria gradualmente — afirma Follett. — O discurso ainda é profundamente comovente de se ler ou escutar. As palavras usadas e o ritmo das frases expressam a paixão e a dignidade de uma grande causa.

Ken Follett: discurso de Martin Luther King faz sucesso em “Eternidade por um fio” | Divulgação/Tom Stoddart

Ken Follett: discurso de Martin Luther King faz sucesso em “Eternidade por um fio” | Divulgação/Tom Stoddart

— No meu caso, acredito que a explicação esteja relacionada ao atual momento político brasileiro — pondera o autor de “1808”. — Inúmeros leitores me escrevem nas redes sociais perguntando a origem da corrupção no Brasil. Fiz até um post no blog citando esse primeiro trecho, sobre a prática da “caixinha” no governo de Dom João VI. A repercussão foi enorme, mais de 300 mil acessos.

Fora do ranking, um dos trechos que mais atraíram a atenção dos leitores está em “Harry Potter e a pedra filosofal” [Rocco], de J.K. Rowling: a estranhíssima frase “Oãça rocu esme ojesed osamo tso rueso ortso moãn.” Leia de frente para um espelho para decifrá-la.

Por Maurício Meireles | Publicado originalmente em O Globo | 13/06/2015, às 6:00