O uso do índice remissivo nos eBooks


Por Joana De Conti | Publicado originalmente em Colofão | 03/06/2014

No texto desta semana irei falar sobre um assunto quase sempre ignorado quando se analisa a produção de livros digitais: o índice remissivo. Trata-se de excelente exemplo de um recurso que funciona melhor no livro digital do que no impresso. Em ambos os casos, e por definição, o índice remissivo [que também pode ser chamado de índice onomástico ou alfabético] é uma lista de termos ou expressões importantes utilizadas ao longo de um livro. Tais termos são compilados ao final do livro e as páginas nas quais há alguma ocorrência são indicadas, como mostra a imagem abaixo.

O índice remissivo é uma ferramenta muito interessante na versão digital, pois é possível incluir um link em cada indicação de página. Este link, ao ser clicado, levará ao ponto do texto no qual o mesmo aparece, enquanto que no livro impresso é necessário folhear as páginas até encontrar a que foi indicada. E por qual razão se fala pouco sobre índice remissivo? Além de estar presente normalmente apenas em livros técnicos, históricos ou biográficos, os índices remissivos dão bastante trabalho para serem feitos! Ou seja, por preguiça, desleixo ou falta de tempo muitos e-books são produzidos sem os termos do índice remissivo estarem linkados.

Se você está lendo este artigo – um texto técnico de um site dedicado a um assunto específico – você provavelmente deve saber que o conteúdo de um livro digital geralmente é fluido e que a numeração das páginas se altera de acordo com o tamanho da fonte, a família da fonte, o tamanho das margens, etc. Se você chegou até este ponto do artigo também já deve saber – ou ter aprendido – que as ocorrências dos termos presentes em um índice remissivo são indicadas pelo número da página do livro impresso. O que nós podemos concluir somando estas duas informações? Que um índice remissivo sem links em um livro digital é quase inútil. Digo “quase” pois ele poderá ser usado como um guia de termos para busca; o leitor, nesse caso, terá que utilizar a ferramenta de pesquisa do seu aparelho de leitura para encontrar as ocorrências das expressões ali listadas.

Inserir links em cada ocorrência dos termos do seu índice remissivo – mantendo ou não as páginas do impresso como referência – evidencia que houve atenção e cuidado na produção do livro digital. É possível utilizar o REGEX para facilitar a inserção dos links, como tão bem nos ensinou o Josué de Oliveira neste texto aqui. Mas caso realmente não haja tempo no processo de produção para isso, considero recomendável substituir o título “índice remissivo” por ”termos para busca”, removendo a numeração das páginas. O leitor do seu e-book ficará menos confuso e certamente apreciará tal capricho.

Por Joana De Conti | Publicado originalmente em Colofão | 03/06/2014

Joana De Conti

Joana De Conti

Joana De Conti é formada em Ciências Sociais e mestre em Antropologia, mas abandonou a academia quando descobriu os livros digitais. Neófita no meio editorial, vai escrever aqui tanto sobre suas descobertas e aprendizados técnicos quanto sobre suas impressões acerca da relação entre o digital e o impresso dentro e fora das editoras. Joana trabalha atualmente no departamento de livros digitais da editora Rocco.