Manuscritos com 600 anos agora acessíveis na internet


Tratam-se de registos da história da Igreja Católica, cobiçados pelo mundo inteiro, como as cartas de São Pedro, o Evangelho segundo São Lucas e o documento original do Pai Nosso.

A divulgação online deste património da humanidade está a cargo da empresa japonesa NTTData. Luciano Ammenti, diretor dos sistemas informáticos da biblioteca do Vaticano, que se encontra em Tokyo a acompanhar o processo explicou: «Queremos fazer algo fora do comum, com o objetivo de salvar e pôr à disposição de todos património que não é só da biblioteca, mas de toda a humanidade. Um património que deve ser defendido e difundido, composto principalmente por manuscritos cristãos».

Devido à fragilidade dos documentos, perspetiva-se que durante mais de cinco séculos não tenham sido consultados para cima de 20 por cento dos registos. Agora, graças ao acordo com a empresa japonesa que investiu 18 milhões de euros no projeto, dentro de quatro anos vão estar digitalizados três mil manuscritos da biblioteca vaticana entre os quais o Codex Vaticanus, uma das mais antigas Bíblias conhecidas, manuscrita em grego e datada do século IV.

«A digitalização prossegue com bastante velocidade, só o trabalho de catalogação é que decorre mais lento» adiantou Ammenti. Além do software disponibilizado que permite múltiplas funções de navegação, a digitalização passa pelo Fits, um formato ultilizado pela Nasa para guardar dados e imagens. Mais do que a consulta pública através de computadores, tablets ou telefones inteligentes, será possível descarregar imagens, um serviço que deverá ser pago, para suportar o investimento na digitalização.

Por Fátima Missionária | 01/03/2015