O que muda na nova planilha de metadados da Kobo?


Se você é responsável pelos envios de e-books às lojas, deve ter recebido, recentemente, um e-mail da Kobo avisando que, a partir de 1º de fevereiro [2015], os uploads via FTP que utilizam a planilha XLS/XLSX devem ser feitos a partir do novo template, a versão 4 da planilha de metadados e que, atenção, após essa data, a versão anterior da planilha de dados não será mais aceita.

Isso vale apenas para parceiros que não utilizam Onix ou distribuidora, gente honesta, como você e eu, leitor.

Nessa nova planilha da Kobo é possível observar algumas diferenças [e diferenciais, na minha opinião] em relação às demais lojas e suas plataformas e/ou planilhas. Alguns pontos são bastante interessantes e me chamaram a atenção. Vamos aos principais pontos:

Novas colunas e observações

  • Publishing Status
    Ficou mais fácil habilitar e suspender a venda de um livro: antes, o único caminho era via e-mail [ainda assim, é bom mandar o e-mail de aviso para garantir, se for algo urgente].
  • Main Character [brand]
    Nesta coluna declara-se o nome do/a[s] protagonista[s]. Não é um campo obrigatório, mas pode ser bastante útil em alguns casos de protagonistas famosos como Peter Pan, Pinóquio ou Philip Marlowe…
  • Awards
    Aqui é possível listar os prêmios e indicações a prêmios do livro em questão.
  • Review Quotes
    Nesse campo, podemos inserir frases específicas de resenhas.
    Em ambos os casos, essas informações [citações e prêmios] precisavam vir na sinopse do livro, podendo torná-la mais longa do que gostaríamos e sem o devido destaque.
  • Announcement Date
    Admito que fiquei um pouco confuso com esse campo porque ele trabalha em conjunto com os dois anteriores [e já nossos conhecidos] Publication Date e OnSale Date. Pelo que entendi, diz respeito ao dia em que a pré-venda vai aparecer para os clientes. Então, ficamos assim: Publication Date: data de publicação do livro; Onsale Date: data em que o livro vai, efetivamente ser entregue às bibliotecas virtuais dos compradores; e Announcement Date, quando o e-book vai aparecer nas vitrines da Kobo.
  • Audience Age Range – From e Audience Age Range – To
    Agora é possível especificar uma faixa etária mais maleável e personalizada no lugar de ter que se ajustar aos 12-15 ou 13+… Apesar de não se tratar de uma novidade [esse campo já faz parte do cadastro de outras lojas], não era possível especificar isso na Kobo até esse novo template.
  • Audience type
    Outra novidade para estreitar ainda mais o caminho entre o que o leitor busca e o livro “certo”. Neste campo, podemos preencher com um número, de acordo com a imagem abaixo:

Clique para ampliar

  • BONUS TRACK: Social Sharing
    [não é nova, mas merece ser comentada]

Captura de tela de 2015-02-05 18:47:59

Habilitando essa opção você permite que o leitor compartilhe pequenos trechos [até 600 caracteres] do que está lendo, o que, por si só, é um passo ao encontro da tal leitura social compartilhada [além de ser um jeito de salvar trechos legais fora do livro]. Fora isso, é uma tremenda ferramenta marketing direcionado [e pouco usada, pelo que vejo].

Com usuários compartilhando trechos de seus livros aos seus amigos em redes sociais, ou seja, pessoas com quem esses usuários têm alguma afinidade, é possível que se atinja públicos próximos e mais específicos.

Funciona também, além disso, como ferramenta para reclamação. No geral, devolver e-books comprados não é uma tarefa exatamente intuitiva em muitas lojas. Eu, Hermida, leitor, pessoalmente, devolvo bastante, principalmente por conta de edições irritantemente poluídas por erros gráficos, links que não funcionam etc.

Apesar de ser possível devolver um e-book até 7 dias após a compra, sabemos que a maioria das empresas só te dá atenção quando as reclamações chegam em suas páginas nas redes sociais, e seu desaforo está lá, público, pra todo cliente em potencial, certo? Pois bem, fica a ideia para pressionar as editoras a entregarem um produto, pelo menos, razoável: compartilhar trechos truncados de uma conversão “não muito apurada” [eufemismo]. Deixando claro que, antes de apelar para isso, devemos sempre tentar o caminho tradicional.

Conclusão

Novamente, a Kobo está dando um passo diferente das demais lojas do ramo. Os novos campos mostram que a ideia é promover conteúdo relevante, num tipo de marketing mais específico, no sentido de ajudar o leitor a esbarrar com um livro não porque ele está custando R$1,99, mas porque aquele conteúdo é de seu interesse.

Ainda é cedo para dizer como isso vai se apresentar na loja da Kobo, afinal, ganhamos [editores e autores independentes] espaço para acrescentar detalhes diferenciais, embora não saibamos como isso será exibido.

Antonio HermidaPublicado originalmente em COLOFÃO | 11 de fevereiro de 2015

Antonio Hermida cursou Análise de Sistemas [UNESA], Letras – Português-Latim [UFF] e Letras – Português-Literaturas [UFF]. Começou a trabalhar com e-books em 2009, na editora Zahar e, em 2011, passou a atuar como Gerente de Produção para Livros Digitais na Simplíssimo Livros, onde também ministrava cursos [Produzindo E-Books com Software Livre] e prestava consultorias para criação de departamentos digitais em editoras e agências. Atualmente, coordena o departamento de Mídias Digitais da editora Cosac Naify e escreve mensalmente para o blog da editora. Entre outras coisas, é entusiasta de Open Source e tem Kurt Vonnegut como guru.