Um novo mercado editorial está nascendo


Ednei Procópio

Por Ednei Procópio

Desde seu advento, a internet está causando uma revolução no modo como os consumidores modernos lêem os livros, com reflexos em toda a cadeia produtiva que este produto envolve. E o eBook, o livro digital, já não é o único entre os efeitos desta mudança na cadeia de valor do mercado editorial.

Se delimitarmos, como parâmetro, somente a última década, todos os profissionais da cadeia produtiva do livro [dentre eles, os escritores, revisores, tradutores, pesquisadores, preparadores de textos, editores, publishers, gráficos, distribuidores, livreiros, bibliotecários e até jornalistas] foram, de certo modo, pegos de surpresa por uma disruptura imposta pela era digital.

Uma visão, digamos, negativa, com relação a esta mudança brusca no modo como produzimos, comercializamos e vendemos os livros é, dentre todos os efeitos, aquela que causa maior ansiedade: a mudança profissional. O ponto central de que trato neste artigo. Mas um lado positivo desta disruptura cultural, social e econômica, tão difícil de visualizar de modo amplo, por estarmos nela inseridos, seria exatamente a oportunidade de inovação profissional.

Enquanto a indústria editorial tradicional se esforça por compreender melhor o incipiente mercado digital, o profissional atualmente avesso a este cenário vai buscando entender de que modo pode mover-se de um lugar a outro. E uma hora ele inevitavelmente percebe que, em vez de reduzir sua atuação, até mesmo o livro inserido em um contexto digital pode expandir, maximizar e exponencializar seu campo de visão.

Nenhum profissional do mercado tradicional que já tenha trabalhado com linotipo, por exemplo, além de todos os demais métodos tradicionais, pode ser considerado um profissional ultrapassado. Pelo contrário, os profissionais que tiveram a oportunidade de publicar, comercializar e divulgar os livros impressos, podem apresentar atrativos e dispor de um diferencial frente aos que atualmente só enxergam o mundo digital e aos que aos seus efeitos estão mais negativamente expostos, por não compreenderem o funcionamento do tradicional mas, principalmente por não aceitarem que o velho e o novo mundo sejam na verdade o mesmo mercado que se renova.

Aos que agora estão saindo das universidades, o cenário que se apresenta é o de transição. Estamos no limiar, no nascedouro de novos postos, estamos testemunhando o nascimento de um novo profissional. Polivalente, antenado, conectado ao mundo. Trabalho é o que não falta em um mundo híbrido de produtos físicos [feito de átomos] e de produtos digitais [feitos de bits]. Do ponto de vista de uma editora, por exemplo, as oportunidades para o profissional do livro na era digital, e seus ganhos, vão desde a preparação de textos para narrativas hipertextuais até a produção, conversão ou digitalização de obras.

Talvez nem seja o caso de apenas digitalizar um currículo. O livro digital em si não tende a eliminar postos de trabalho formal, para quem já tem experiência com o mercado editorial tradicional, o importante agora é oxigenar as ideias para expandir as oportunidades.

E não importa em que lugar da cadeia produtiva do livro este profissional de mudança queira inserir-se; com o advento da internet [a causa maior] e do livro digital [não o único de seus efeitos], um novo mercado editorial está nascendo.

POR EDNEI PROCÓPIO

Dia 17 você tem um encontro com os anjos!


ANJOS NA LITERATURA
REALIDADE E FICÇÃO

Os autores Leandro Schulai [O Vale dos Anjos] e Rogério Bin [Os Anjos São Reais?]
ministam palestra conjunta, na qual abordarão o tema “anjos”.

A maioria de nós acredita em Anjos. Alguns na forma mais real da palavra, outros numa forma mais abstrata. Desde crianças, ouvimos falar no tal Anjo da Guarda. Àquele “serzinho” que nos socorria nas horas mais perigosas, protegendo-nos do perigo e que nos induz sempre às boas ações.

Na desinência da palavra, anjo, do latim angelus e do grego ángelos, quer dizer mensageiro, segundo a tradição judaico-cristã, a mais divulgada no ocidente, conforme relatos bíblicos, são criaturas espirituais, servos e atuam como ajudantes ou mensageiros de Deus.

Na iconografia comum, os anjos geralmente têm asas como as aves, uma auréola e tem uma beleza delicada, emanando forte brilho. Por vezes são representados como uma criança, por sua inocência e virtude. Os relatos bíblicos contam que os anjos muitas vezes foram autores de fenômenos milagrosos e a crença nesta tradição é que uma de suas missões é ajudar a humanidade em seu processo de aproximação a Deus.

Os anjos são ainda figuras importantes em muitas outras tradições religiosas do passado e do presente e o nome de “anjo” é dado amiúde indistintamente a todas as classes de seres celestes.

Partindo desse princípio, a cultura popular em vários países do mundo deu origem a um copioso folclore sobre os anjos e os autores abordam essa temática de formas diferentes.

Nesta edição do Clube de Leitura Livros, Leandro Schulai, autor da saga “O Vale dos Anjos” traz o anjo no formato do guerreiro, em busca de seu amor que ficou em outra vida. Enquanto que Rogério Bin, autor de “Os Anjos são Reais?” fará alusão aos anjos como observadores dos terráqueos. Duas visões diferentes, moderadas pelo jornalista Sérgio Pereira Couto, que vão fazer você repensar sobre anjos.

Se você acreditar neles, é claro!

Clube de Leitura Livrus | A literatura lida e revista com a sua participação.

Livro sobre agricultura camponesa na AL sai em eBook


O livro Agriculturas campesinas en Latinoamerica: propuestas y desafios, produzido no âmbito do Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales, está disponível para download gratuito.

A publicação tem participação de professores da Universidade Estadual Paulista [Unesp], do campus de Presidente Prudente.

Antonio Thomaz Júnior escreveu o artigo Movimiento territorial del trabajo en el campo y de la clase trabajadora, no qual aborda as mudanças que têm ocorrido no âmbito do trabalho no campo desde a década de 1980.

O movimento de territorialização, desterritorialização e reterritorialização de trabalho no Brasil, portanto, sua própria dinâmica geográfica, nos permite compreender a realidade das famílias trabalhadoras camponesas, dos incontáveis contingentes de trabalhadores e trabalhadoras saídos dos centros urbanos, que carregam formações e conteúdos socioculturais distintos, mas que especificam o conflito de classes e criam/constroem em seu interior os territórios de resistência“, disse Thomas Júnior.

O pesquisador coordena o Projeto Temático “Mapeamento e análise do território do agro-hidronegócio canavieiro no Pontal do Paranapanema – São Paulo – Brasil: relações de trabalho, conflitos e formas de uso da terra e da água, e a saúde ambiental”, apoiado pela FAPESP.

No artigo Cuando la agricultura familiar es campesina, Bernardo Mançano Fernandes destaca a importância estratégica da agricultura camponesa para garantir a soberania alimentar e analisa como a produção teórica no setor é influenciada e influencia as políticas de desenvolvimento territorial no campo.

O livro pode ser lido clicando aqui!

Redação Bonde.com.br | Agência FAPESP | 16/01/2015

Literatura gaúcha ganha página no Facebook


Já está  no Facebook a página Literatura RS, que publica conteúdo próprio e compartilha links e informações sobre a literatura gaúcha e o mercado editorial do Rio Grande do Sul. A iniciativa foi criada pelo jornalista Vitor Diel, assessor de imprensa dedicado ao mercado literário, e pode ser acessada no link www.facebook.com/literaturars.

Na pauta da página, estão lançamentos de escritores e editoras gaúchas; editais de financiamento para projetos literários no Rio Grande do Sul; notícias sobre o mercado editorial, entrevistas exclusivas com escritores, editores, ilustradores e designers de livros; calendário de feiras, eventos e oficinas espalhadas pelo Estado; além da divulgação do trabalho de autores em literatura de ficção, quadrinhos, literatura infantil, pesquisas acadêmicas, poesia, crônica, livros-reportagem e outros gêneros. Autores gaúchos ou residentes no Rio Grande do Sul ainda não publicados também terão espaço, possibilitando a divulgação de novos talentos e sua aproximação com leitores e editores.

A página tem a intenção de concentrar informações sobre o sólido e diversificado mercado literário gaúcho, abordando tudo o que movimenta o livro e a leitura no Estado. Sugestões de pauta podem ser enviadas via inbox ou pelo e-mail vitor.diel@gmail.com.

Notícias do Blog do Galeno | Edição 381 | 16 a 22 de janeiro de 2015

Sorocaba, em São Paulo, já tem sua biblioteca digital para emprestar eBooks


Há cerca de dez dias, os leitores sorocabanos já contam com um serviço gratuito de empréstimo de e-books, por meio do site “Árvore” [www.arvoredelivros.com.br]. Essa novidade é uma parceria da Secretaria da Cultura [Secult] junto à Biblioteca Municipal “Jorge Guilherme Senger”.

A plataforma oferece mais de 1.000 títulos nas categorias ficção; infantojuvenil; biografia; clássicos, negócios e até mesmo pedagógicos, todos de livre domínio e que podem ser acessados em todas as plataformas digitais.

Para ter acesso ao sistema, o interessado deverá se cadastrar enviando nome, data de nascimento e e-mail de contato para o endereço atendimentobiblioteca@sorocaba.sp.gov.br. O cadastro será realizado pela biblioteca e o acesso será liberado após confirmação via e-mail indicado pelo usuário. Cada pessoa poderá emprestar até 3 “livros digitais” com permanência de 15 dias para uso.

Desde o início da parceria, cerca de 80 pessoas solicitaram inclusão no serviço.

A Biblioteca Digital funciona com o sistema de streaming e o usuário não precisa baixar o arquivo do eBook em seu dispositivo de leitura, bastando apenas carregá-lo na tela. Esse sistema oferece maior segurança contra atos de pirataria.

Com esta biblioteca digital damos mais um passo na facilitação do acesso da comunidade à leitura. Seja para diversão, trabalho ou estudo, o sorocabano encontrará centenas de títulos que podem ser lidos em qualquer lugar e a qualquer hora“, enfatizou a secretária da Cultura, Jaqueline Gomes da Silva.

Cruzeiro do Sul | 16/01/2015

O ano do livro para Zuckerberg


Parceria entre Facebook e 24symbols promete dar acesso gratuito e-books a 2/3 da população mundial que não está conectada à internet

Depois de declarar 2015, um ano de livros, o Facebook, fundado por Mark Zuckerberg, acaba de fechar parceria com a 24symbols, empresa de serviço de assinatura de e-books, para oferecer acesso gratuito à sua plataforma de leitura digital. A parceria foi fechada por meio da Internet.org , iniciativa liderada pelo Facebook cujo objetivo é tornar o acesso à internet economicamente acessível para os dois terços do mundo ainda não conectados. Os assinantes terão acesso a um conjunto de serviços básicos gratuitos através do app do Internet.org, que pode ser baixado pelo Google Play ou visitando a página do projeto na internet, por meio de um aparelho móvel. O primeiro passo dessa colaboração entre o Internet.org e a 24symbols foi dado na Colômbia e, de acordo com a 24symbols, muitos outros países, de diferentes línguas, farão a adesão ao projeto nos próximos meses. A 24symbols tem um catálogo de mais de 200 mil títulos em dez idiomas e atualmente presta serviços a mais de 650 mil usuários registrados em todo o mundo. Este acordo, segundo a empresa, vai aumentar consideravelmente o número de usuários da plataforma de leitura.

Por Leonardo Neto | PublishNews | 16/01/2015