Amazon remove livro por ter muitos hifens


Para a gigante do comércio eletrônico, pontuação excessiva teve ‘impacto significativo’ na legibilidade de romance em sua plataforma

RIO — O excesso de pontuação pode prejudicar um livro? Segundo a Amazon, a resposta é: sim. O romance “High moor 2: Moonstruck”, do britânico Graeme Reynolds foi removido do Kindle Store da Amazon porque seu autor usou muitos hifens. A informação é do “The Guardian”.

O escritor lançou seu livro na plataforma em 2013, depois de desembolsar cerca de mil libras para que uma equipe de editores editasse a sua obra. Mesmo recebendo mais de 100 resenhas positivas, a Amazon avisou por email, em dezembro, que iria retirar o produto de sua obra. Segundo a gigante do comércio eletrônico, um leitor havia reclamado que algumas das palavras da obra estariam “hifenadas”.

O hífen “tem um impacto significativo na legibilidade do seu livro”, escreveram os representantes da Amazon. Reynolds respondeu argumentando que o uso do hífen para juntar duas palavras era “perfeitamente válido” na língua inglesa, mas não obteve sucesso. “Problemas na qualidade do seu livro afetam negativamente a experiência de leitura, por isso retiramos seu livro das vendas até que estes problemas sejam corrigidos”, respondeu a Amazon, acrescentando que “Assim que as palavras hifenadas forem corrigidas, por favor republique seu livro e o coloque disponível para a venda”.

Na verdade, seria cômico se isto não estivesse me causando prejuízo, com um dos meus livros mais vendidos indisponível às vésperas de uma das épocas mais concorridas do ano”, reclamou Reynolds em seu blog. “Qual é o próximo passo? Vamos começar a ser penalizados por usar palavras com mais de duas sílabas? O ponto e vírgula também está a caminho da extinção? A JK Rowling também vai ter de retirar o ‘Harry Potter and the Half-Blood Prince’ [Harry Potter e o Enigma do Príncipe] até resolver o seu problema de título com hífen?”.

A reclamação produziu resultado: depois do post no seu blog viralizar, o livro voltou a ficar disponível na Amazon.

Publicado originalmente em O GLOBO | Atualizado 18/12/2014, às 19:46 | © 1996 – 2014. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A.

Tocalivros completa um mês de operação


Com apenas um mês de operação, a Tocalivros já está comemorando os resultados alcançados. Foram mais de 3.500 downloads do app da empresa, além de 15 audiolivros em produção com data de término prevista para o início de janeiro. A capacidade de produção está sendo ampliada, com a contratação de mais narradores e artistas, além de novos estúdios parceiros. Até março de 2015, a Tocalivros promete o lançamento de novas funcionalidades para o aplicativo.

PublishNews | 18/12/2014

Kobo Arc 7HD chega ao Brasil


Kobo Arc 7HD chega ao Brasil

Kobo Arc 7HD chega ao Brasil

Acaba de chegar ao Brasil o Android Kobo Arc 7HD. Disponível nas lojas e também no site da Livraria Cultura, o tablet possibilita acesso a um grande catálogo de e-books das lojas da Kobo e da Cultura. O dispositivo vem com uma tela de altíssima definição e com rápida resposta, ideal para a leitura de conteúdo em cores. Ele traz, ainda, o “modo de leitura”, funcionalidade que interrompe momentaneamente todas as notificações de e-mail, aplicativos e redes sociais, ajustando a luz da tela e estendendo a duração da bateria. Ainda é possível assistir vídeos, baixar jogos, interagir nas redes sociais e acessar o Google Play™, que oferece mais de 1 milhão de aplicativos e jogos. De acordo com o diretor geral da Kobo no Brasil, Samuel Vissotto, a prioridade é fazer com que mais pessoas leiam mais livros. “O Kobo Arc 7HD traz para os leitores uma experiência fascinante de leitura, numa tela colorida de altíssima definição“, reforça. Para obter mais informações, acesse www.kobo.com.

PublishNews | 18/12/2014

Amazon disputa com Wattpad os escritores de fanfic


O Wattpad tem seu lado sério como uma plataforma próspera de escrita original, com fluxo pequeno, mas constante de autores encontrando sucessos e conquistando as seis maiores editoras do mundo. O site já atraiu a atenção de 40 milhões de usuários ao redor do globo. Nenhuma surpresa que a Amazon decidiu querer um pedaço desse bolo. A varejista lançou recentemente sua própria plataforma de leitura social e escrita, a Kindle WriteOn, que atualmente funciona somente para convidados, ainda no etapa beta. Na primeira impressão, parece muito com o Wattpad. Mas o WriteOn está fazendo um jogo claro para escritores de ficção com ambições de publicar seus livros. Ele se intitula como um “laboratório de histórias”, no qual “você pode obter suporte e feedback durante todas as fases do processo criativo”. Enquanto os comentários dos leitores do Wattpad tendem a ser curtos e doces, os do WriteOn são críticas mais profundas. Com 150 milhões de contas, a Amazon espera que o WriteOn siga o mesmo sucesso do seu Kindle Direct Publishing Direct [KDP], plataforma para autores independentes, só que adicionando um elemento social a esse fenômeno editorial.

Por Victoria James | The Guardian | 18/12/2014

Macmillan faz acordo com Amazon, nos EUA


Nos EUA, Macmillan fechou acordo de longo prazo com a Amazon, incluindo o contrato dentro do modelo agência. Mas em seu blog, o presidente da Macmilann John Sargent criticou a incapacidade de se resolver “um dos grandes problemas no mercado digital”, ou seja, que a Amazon detenha a expressiva parcela de 64% das vendas de livros digitais da editora nos EUA. Sargent revelou ainda que a empresa planeja testar um modelo de assinatura nas próximas semanas, apesar de ter sido historicamente contrária ao modelo de subscrição. É que a editora notou que precisava de abrir “canais mais amplos com nossos leitores”. Macmillan é a terceira editora a tornar público um acordo com a Amazon. Antes dela, fecharam Simon & Schuster ] e Hachette.

Por Sarah Shaffi | The Bookseller | 18/12/2014