Obras que lembram antigas novelas de rádio superam vendas de eBooks


O mercado editorial tem sido bom para Jeffery Deaver. Nos últimos 26 anos, Deaver, um advogado que se tornou escritor de obras de mistério, publicou 35 romances, dos quais foram vendidos 40 milhões de exemplares globalmente.

No entanto, sua obra mais recente, “The Starling Project” [O projeto estorninho], uma história de mistério ambientada em vários países e protagonizada por um investigador de crimes de guerra, não está disponível em livrarias nem será impressa.

A história foi concebida, escrita e produzida como um drama original em áudio para a produtora e loja de audiolivros Audible. Se os leitores de Deaver quiserem saber a história, terão de ouvi-la.

Meus fãs são muito fiéis“, disse o autor. “Se souberem que fiz isso e que se trata de uma história de mistério, acho que vão se interessar.

Lançado em meados de novembro, “The Starling Project” vai testar a aceitação de uma forma de arte emergente que mescla o charme imersivo de antigas novelas radiofônicas com a tecnologia digital. Ele também é o sinal mais recente de que os audiolivros estão ganhando um espaço próprio.

A Audible já produziu cerca de 30 obras originais, que variam de uma série de mistério sobre uma conspiração que deixa a Índia e o Paquistão à beira de uma guerra nuclear a contos originais ambientados no universo das novelas de vampiros de Charlaine Harris.

Nesse campo cheio de oportunidades, não é preciso disputar o olhar das pessoas“, disse Donald Katz, diretor-executivo da Audible. “Para nós, esse é o momento de parar de buscar conteúdo que possa gerar áudios fantásticos e partir para a definição de qual será a base estética dessa nova mídia.

Alguns evitam o termo “audiolivro” e classificam seu conteúdo como “entretenimento em áudio” ou “filmes para os ouvidos”. “The Starling Project” dura pouco mais de quatro horas e conta com 29 atores em 80 personagens.

É compreensível que os autores estejam ansiosos para marcar presença nessa mídia. Nos oito primeiros meses deste ano, as vendas de audiolivros digitais tiveram alta de até 28% em relação ao mesmo período do ano passado, ultrapassando amplamente o crescimento de 6% dos e-books, segundo a Associação de Editoras Americanas. Por sua vez, as vendas de obras impressas de capa dura nos gêneros de ficção adulta e não ficção tiveram uma queda de quase 2%.

As editoras de audiolivros lançaram quase 36 mil títulos em 2013, sendo que em 2010 o número foi de apenas 6.200, segundo a Associação de Editoras de Áudio. Com mais de 170 mil obras, incluindo 18 mil produzidas neste ano, a Audible domina esse mercado.

Deaver disse que quando a Audible lhe propôs que escrevesse uma história original a ser lançada em áudio, ele ficou intimidado. “Era como escrever uma peça não visual“, comparou. Ele havia colaborado em duas outras obras originais em áudio para a Audible, com mais de dez escritores, porém nunca havia escrito algo do início ao fim.

A trama do novo audiolivro acompanha um militar da inteligência reformado, Harold Middleton, que é recrutado para impedir um plano sombrio de assassinato em massa chamado “The Starling Project”. A ação transcorre no México, em Washington, em Londres, em Marselha e na região central da África. Deaver, porém, rapidamente se viu em dificuldades e descobriu que seria útil indicar localizações geográficas por meio de diálogos. Em uma cena, por exemplo, ele optou pelo anúncio de um comissário de bordo dando boas-vindas aos passageiros na França.

Deaver disse esperar que o projeto o ajude a conquistar um novo público de ouvintes.

Há muitas alternativas fracas de leitura por aí, e os autores estão dispostos a enfrentar uma concorrência acirrada com produtos como [os jogos] Assassin’s Creed, Minecraft e Angry Birds“, afirmou ele. “Essa é uma maneira mais fácil de as pessoas terem acesso a boas narrativas.

POR ALEXANDRA ALTER | DO ‘NEW YORK TIMES’ | Folha de S. Paulo | 13/12/2014, às 3h00