Biblioteca Digital agora é lei no DF


Eliana Pedrosa [PPS]

Eliana Pedrosa [PPS]

Foi publicada nesta segunda-feira [01] no Diário Oficial do Distrito Federal a Lei 5420/2014, que institui a Biblioteca Digital da Rede Pública de Ensino do DF. De autoria da deputada Eliana Pedrosa [PPS], a proposta determina a criação e compartilhamento de conteúdo digital por meio de sítio próprio na internet e também em redes sociais. O projeto fora vetado pelo governador Agnelo Queiroz, mas o veto foi derrubado pelos deputados distritais.

A biblioteca digital tem como objetivo apoiar os professores no aprimoramento de suas aulas e possibilitar um novo formato de estudo para alunos. Para isto, receberá conteúdo de vídeos e textos com aulas teóricas e práticas, orientação de estudos, exercícios, estudos de casos, experiências de sucesso e muito mais.

Com a biblioteca digital, se um aluno perder a aula, ele poderá acessar esse espaço e rever tudo que se passou naquele dia ou outros anteriores, bem como antecipar estudos. Os pais também terão acesso e poderão acompanhar o que se está dando em sala de aula e ajudar seus filhos nos estudos em casa.

Os professores poderão conhecer e estudar como a mesma aula é dada por outros colegas, aperfeiçoando-a ou mesmo discutindo metodologias educacionais com profissionais da mesma disciplina de qualquer região do DF. Tudo isto observando a proposta pedagógica da rede pública de ensino.

Por ser um espaço democrático, criado para aqueles que buscam uma educação de qualidade, a biblioteca digital possibilitará a publicação de livros cujos autores sejam profissionais ou alunos da rede pública. Além disso, servirá de espaço para professores e orientadores trocarem conhecimento sobre aulas, aperfeiçoamento dos profissionais de educação e discussão de diversos temas relacionados à educação.

Por ser um ambiente moderno, pensada com o objetivo de facilitar o acesso ao conhecimento e apoiar professores e alunos em seu cotidiano a biblioteca digital, terá interação com as redes sociais e será adaptada para deficientes visuais e auditivos. De acordo com Eliana Pedrosa, a iniciativa facilita a propagação do conhecimento e será um instrumento fabuloso para uma educação de mais qualidade. “O mundo hoje pode ser quase todo encontrado na internet. Disponibilizar, de forma organizada e didática, o conteúdo disciplinar pela biblioteca digital é o primeiro passo para a quebra de paradigmas na forma de ensinar e aprender”, afirmou.

A gestão da nova biblioteca ficará sob a responsabilidade da Secretaria de Educação, que definirá regras para postagem e moderação de conteúdo. A alimentação será feita por professores, ativos e inativos, profissionais da carreira assistência à educação, alunos e pais ou responsáveis de alunos da rede pública. Além disso, o gestor poderá autorizar outros grupos ou pessoas nesta tarefa.

Correio de Santa Maria – 01/12/2014

Estudo afirma que livros digitais estão em 95% das bibliotecas dos EUA


Em 2013, percentual de bibliotecas adeptas ao ebook era de 89%.Média de publicações digitais por estabelecimento é de 20.244.

Livros digitais, os chamados ebooks, estão presentes em 95% das bibliotecas públicas dos Estados Unidos, de acordo com uma pesquisa anual sobre o tema feita pela publicação especializada “Journal Library”.

O estudo acompanha a expansão dos livros digitais desde 2010 e na edição de 2014 captou um aumento na quantidade de bibliotecas adeptas às versões digitais. Entre 2013 e 2012, 89% desses estabelecimentos disponibilizavam ebooks. Quando a pesquisa começou a ser feita, o índice de aceitação era de 72%.

Em média, as bibliotecas norte-americanas possuem em seu acervo 20.244 livros digitais. Esse número, no entanto, é puxado para cima por grandes instituições. Aquelas que declaram não oferecer ebooks não o fazem por falta de recursos. No entanto, um exemplo da mudança dos ares nos EUA foi a abertura em 2013 de uma biblioteca em San Antonio [Texas] totalmente dedicada a livros virtuais.

Os livros digitais podem ser lidos em leitores digitais especializados como o Sony Reader, o Nook, da livraria Barnes & Noble, e o Kobo, vendido no Brasil pela Livraria Cultura, e o Kindle, da Amazon. Também são consideradas plataformas destinadas à leitura virtual o iPad, da Apple, e os tablets que rodam o sistema operacional Android, do Google.

Os empréstimo digitais variam conforme o sistema utilizado. Alguns necessitam da criação de uma conta pessoal do usuário que deve ser pareada à da biblioteca para que o ebook seja transferido de uma estante para outra via cabo USB. Outros permitem com alguns cliques a cessão de um livro de um lugar para outro, que automaticamente exibe a publicação assim que ocorre uma sincronização.

Publicado originalmente em Portal G1 | 01/12/2014, às 09h06