Avanço da leitura em celulares é discutido na Feira de Frankfurt


O avanço da leitura em aparelhos celulares foi um dos temas mais discutidos na Feira do Livro de Frankfurt deste ano, que termina neste domingo [12].

Uma pesquisa apresentada durante o evento pela empresa Publishing Technology mostrou que 43% entre 3.000 entrevistados nos Estados Unidos e Reino Unido leem livros nos seus celulares e, dentre estes leitores, dois terços estão lendo mais desta forma em 2014 do que liam em 2013. Mas, segundo a Unesco, o maior potencial para a leitura no celular não está nos países desenvolvidos, e sim nos países em desenvolvimento, especialmente na região da África subsaariana e no Oriente Médio, onde boa parte da população não tem acesso a livros tradicionais e encontra no celular um instrumento fundamental para acessar textos.

Existe um enorme potencial nesses países para empresas e governos desenvolverem a leitura pelo celular, porque existe uma demanda crescente e nenhuma saturação de oferta“, disse Mark West, coordenador dos programas de leitura móvel da Unesco, em uma palestra neste domingo pela manhã na Feira de Frankfurt.

Daniel Roland | AFP

Daniel Roland | AFP

Ele apresentou as principais conclusões do estudo “Reading in the Mobile Era” [“Leitura na Era Digital”], publicado em maio deste ano pela organização, que investigou a leitura de textos pelo celular com 4.000 pessoas em 16 países da África subsaariana.

Segundo a pesquisa, a mais extensa feita até hoje, 77% dos leitores pelo celular são homens, que têm uma taxa de escolaridade duas vezes maior do que as mulheres. Em compensação, as mulheres que usam a tecnologia leem em média duas vezes mais do que os homens. Em relação à habilidade de leitura, 47% consideram que seu nível é “iniciante”, 25% consideram-no “intermediário” e 28%, “avançado”. Do total, 55% leem mais agora que têm um aparelho celular do que liam antes.

De acordo com West, a Unesco vem trabalhando para aprimorar o World Reader, aplicativo que hoje é o mais usado para leitura no celular nos países em desenvolvimento —são 250 mil usuários por mês. O objetivo é melhorar o programa para que adultos possam encontrar com mais facilidade livros infantojuvenis. Segundo o estudo da Unesco, 33% das pessoas entrevistadas leem a partir do celular para crianças.

O World Reader oferece textos que já estão em domínio público e textos protegidos por direitos autorais que foram negociados com editoras. Ele pode ser usado mesmo nos modelos mais simples de celular. Mas, segundo West, o conteúdo oferecido precisa ser ampliado e melhorado, o que passa pela negociação com os detentores dos direitos autorais. “As pessoas querem ler os lançamentos, querem ler o ‘Harry Potter’, o, não apenas clássicos em domínio público“, diz.

Outras barreiras que precisam ser transpostas são a baixa qualidade das conexões à internet e principalmente o custo de acesso.

Segundo West, enquanto o gasto com acesso à internet tem um peso de 1% ou 2% na renda de um europeu, ele chega a representar mais de 10% da renda média de pessoas em países como Etiópia, Paquistão e Gana.

POR ROBERTA CAMPASSI | COLABORAÇÃO PARA A FOLHA, DE FRANKFURT | Publicado originalmente em Folha de S. Paulo | 12/10/2014

Anúncios