Livros de cabeceira dos usuários das redes sociais


‘Harry Potter’ é o livro de cabeceira favorito dos usuários do Facebook

Vocês já devem ter visto em algum momento no Facebook uma corrente em que as pessoas listavam seus livros preferidos e instigavam uma lista de amigos a fazer o mesmo.

Era um texto mais ou menos assim: “Não pense muito. 10 livros que você leu e que sempre estarão com você. Liste os primeiros dez livros que você lembrar em menos de quinze minutos. Marque quinze amigos, eu inclusive, afinal quero saber que livros meus amigos escolheram.” Basicamente, isso, com uma ou outra variação.

Ou seja, não são os livros que as pessoas julgam mais importantes, mas sim os que leu, gostou e ficarão em sua cabeceira.

Baseado nesta corrente, o Facebook decidiu colher durante a segunda quinzena de agosto todas as postagens que citassem os termos “10 livros” ou “dez livros” e compilar os resultados. Neste período cerca de 130 mil pessoas fizeram essa listagem.

A liderança coube à série de livros “Harry Potter”, de J. K. Rowling. A saga do jovem bruxo foi citada por 21% das pessoas que fizeram as listas no período da pesquisa.

A Bíblia, livro com maior número de impressões na história, ficou em sexto lugar.

Veja a lista dos 10 mais, com a respectiva porcentagem de presença:

10 livros mais citados no Facebook

A equipe do Facebook Data Science, que fez a compilação, deixou alguns poréns importantes. A grande maioria das postagens são de língua inglesa [quase 80% das postagens coletadas vieram dos Estados Unidos, do Reino Unido e da Índia, todas com o inglês como língua oficial], a proporção de mulheres participantes é mais de três vezes maior do que de homens e a idade média foi de 37 anos.

Apenas um livro de um brasileiro aparece na lista dos 100 mais citados. Trata-se de ‘O Alquimista’, de Paulo Coelho, que ficou com o 20º lugar, presente em 4% das listas.

Caso você queira saber quais são os 100 livros mais citados e outros detalhes da pesquisa, é só clicar aqui.

PS: Participei de uma corrente dessas no longínquo ano de 2010. E eram 15 livros, na época. Vejam os que eu escolhi:

1 – O Primo Basílio, Eça de Queirós
2 – Memórias Póstumas de Brás Cubas, Machado de Assis
3 – A Laranja Mecânica, Anthony Burgess
4 – O Urso e o Dragão, Tom Clancy
5 – A Sangue Frio, Truman Capote
6 – Vidas Secas, Graciliano Ramos
7 – Notícia de Um Sequestro, Gabriel Garcia Márquez
8 – Germinal, Émile Zola
9 – Misto Quente, Charles Bukowski
10 – Dom Quixote de La Mancha, Miguel de Cervantes
11 – Febre de Bola, Nick Hornby
12 – Morte e Vida Severina, João Cabral de Melo Neto
13 – A Metamorfose, Franz Kafka
14 – O Cortiço, Aluísio Azevedo
15 – Os Irmãos Karamazov, Fiodor Dostoiévski

Por Ygor Salles | Publicado originalmente no Blog Hashtag, da Folha de S.Paulo | 10/09/14 19:29

Barnes & Noble reduz perdas e avalia cisão


A Barnes & Noble vai continuar a explorar alternativas de desmembramento para sua divisão de leitores eletrônicos Nook, apesar de os prejuízos associados a ela terem diminuído no trimestre mais recente. O prejuízo líquido total da varejista caiu 67%, para US$ 28,4 milhões, ou US$ 0,56 por ação, no trimestre encerrado em 2 de agosto, puxado principalmente por cortes de custos promovidos na divisão Nook.Em junho a empresa anunciou planos de desmembrar sua divisão Nook. No entanto, não informou quando essa operação ocorrerá nem confirmou se realmente a levará a cabo. A cisão está no prelo desde pelo menos 2012, quando a Microsoft comprou uma fatia de 17,6% na Nook, por US$ 300 milhões, e as cláusulas do negócio previam que a divisão seria desmembrada como empresa independente dentro de cinco anos.

Por Jennifer Bissel, do Financial Times | Valor Econômico | 10/09/2014, às 05h00