Faturamento com venda de eBook cresce 225% no Brasil


Ainda que as editoras brasileiras digam que as vendas de e-books não sejam suficientes para cobrir o investimento que elas têm feito ao longo dos últimos anos na produção e conversão de livros, o crescimento do setor vai de vento em popa. De acordo com dados da pesquisa Produção e Venda do Setor Editorial, feita pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas [Fipe] por encomenda da Câmara Brasileira do Livro e do Sindicato Nacional de Editores, e apresentada ontem em São Paulo, o faturamento do mercado editorial brasileiro com os e-books saltou de R$ 3,8 milhões em 2012 para R$ 12,7 milhões em 2013, ano base do levantamento.

Uma informação deve ser levada em consideração ao analisarmos esses números. A pesquisa, no geral, é uma estimativa feita a partir dos dados fornecidos por uma amostra – neste ano, composta por 217 editoras, que representam 72% do mercado. No caso da questão relacionada ao livro digital, que aparece apenas pela segunda vez de forma mais aprofundada no questionário, nenhuma inferência foi feita. Portanto, os números estão restritos ao universo das editoras que, entre essas 217, já estão no mundo digital. Ou seja, os valores podem ser ainda maiores.

Foram produzidos 30.683 títulos digitais em 2013 – 26.054 e-books e 4.629 aplicativos. Em 2012, esses números foram, respectivamente, 7.470 e 194. Em unidades vendidas, o salto também foi significativo – de 235.315 para 889.146. O segmento de obras gerais foi o que mais se beneficiou com a novidade tecnológica – ele faturou R$ 9,2 milhões no ano passado e foi seguido pelas editoras de livros científicos, técnicos e profissionais [CTP], com R$ 2,6 milhões; didáticos, com R$ 601 mil; e religiosos, com 287 mil.

Já o desenvolvimento do mercado de livro impresso deixa a desejar pelo segundo ano consecutivo. As editoras registraram faturamento de R$ 5,3 bilhões em 2013, um crescimento de 7,52% em comparação ao ano anterior. No entanto, descontada a inflação do período, de 5,91%, o crescimento real é de apenas 1,52%. Isso, considerando as vendas para o mercado e para o Governo. Quando descontamos o polpudo mercado governamental, que no ano passado representou R$ 1,4 bi, o crescimento real foi nulo.

Se em 2013 o Governo foi responsável por garantir esse crescimento mínimo, em 2012, quando foi registrada queda de 3,04% em relação a 2011, ele foi um dos vilões. Isso mostra como o setor ainda é dependente dessas compras de livros didáticos, para alunos, e literários, para bibliotecas. Vale lembrar que os programas são sazonais e contemplam, a cada ano, diferentes séries. Por isso, os valores podem variar tanto e levar o mercado a ter um ano mais tranquilo aqui e outro mais apertado ali.

O preço médio do livro teve queda de 4% em 2013, já descontada a inflação. “Isso não quer dizer que o livro que custava R$ 29 passou a custar R$ 24. É que os editores começaram a se adaptar e produzir livros que custassem mais barato, usando papel e capas diferenciadas“, explica Karine Pansa, presidente da Câmara Brasileira do Livro. Não se trata, porém, de um índice de preços. Para se chegar ao valor, os pesquisadores analisam o faturamento dos subsetores editoriais e os exemplares vendidos.

E o mercado está extremamente competitivo. Como nunca se viu“, completa Sônia Machado Jardim, presidente do Sindicato Nacional de Livros. Ela contou, ainda, que as editoras estão caminhando para adotar o modelo americano de precificação, com faixas de preço claras. Ainda sobre a questão do preço, ela disse: “Milagre não se faz. De onde isso está saindo? A concorrência está muito grande, o valor do dólar em 2013 impactou o faturamento das editoras – papel, adiantamento de direitos autorais são pagos em dólar. O que podemos fazer para reverter esse quadro é vender mais exemplares.

E a pesquisa divulgada agora mostra que em 2013 foram vendidos mais exemplares – 479,7 milhões ante os 434,9 milhões de 2012. No total, o mercado comprou 279,6 milhões de exemplares e o Governo, 200 milhões.

Foram produzidos, em 2013, 62.235 livros – 21.085 títulos em primeira edição e 41.150 foram reimpressos. O segmento de obras gerais foi o que teve o melhor desempenho, o que pode ser um indicativo de que as pessoas estão lendo mais por vontade própria, e não por indicação da escola, da faculdade ou da igreja. “Uma pesquisa que não mostra crescimento é preocupante, mas o que me deixa esperançosa é o bom desempenho de obras gerais“, diz Sônia.

O segmento registrou aumento de 6% nos exemplares vendidos e de cerca de 3% no faturamento. A queda nos preços pode ter contribuído para isso. É o mercado quem compra mais – foram 121 milhões de exemplares ante os 28 milhões adquiridos pelo governo. Os livros religiosos, que vinham em crise nos últimos anos, foram responsáveis pelo aumento de cerca de 12% no faturamento das editoras do setor. E, neste caso, a visita do papa Francisco ao País e a realização da Jornada Mundial da Juventude podem ter sido responsáveis pela recuperação do setor. A pior queda, de cerca de 5%, foi no segmento de livros didáticos, e as editoras se preocupam em perder mais espaço para os sistemas de ensino.

Outro dado interessante: em 2012, foram editados 51.905 títulos de autores brasileiros e 5.862 de autores estrangeiros. Em 2013, os números são, respectivamente, 56.372 e 5.862. A livraria continua sendo o principal canal de comercialização de livros para as editoras e concentram 50% do mercado em número de exemplares. Em faturamento, elas também encabeçam a lista, com 61,4% de participação.

Há alguns anos o mercado vem se mostrando estagnado e não há muita esperança para 2014, um ano de Copa do Mundo e eleição.

msn.com | 22/07/2014