A Copa e os eBooks


Kobo analisou os hábitos de leitura de cinco países fanáticos pelo futebol

Para investigar o “Efeito Copa”, a Kobo olhou para os hábitos de leitura de cinco países fanáticos pelo futebol: Brasil, Inglaterra, Itália, Alemanha, e Holanda ao longo do último mês. A empresa garante que houve aumento nas vendas de e-books relacionados ao universo do futebol, embora não divulgue os números. Entre os brasileiros, a série A grande história dos mundiais [e-Galaxia], de Max Gehringer, uma espécie de almanaque das Copas, foi campeã de vendas. Na disputa homem-a-homem, o livro A Copa como ela é [Companhia das Letras], de Jamil Chade, e Quando é dia de futebol [Companhia das Letras], de Carlos Drummond de Andrade, fizeram bonito.  O resultado é fruto de uma curadoria feita pela equipe da Kobo no Brasil. “Não esperávamos crescimento durante a Copa, então fizemos uma seleção de e-books sobre futebol para a home e deu certo”, conta Camila Cabete, Senior Publisher Relations Manager da Kobo no Brasil e colunista do PublishNews.

Na Inglaterra, as biografias ganharam destaque. Na Itália os leitores demonstraram sua paixão pelo futebol e compraram livros que exaltam a beleza do esporte. Já os alemães também elegeram um almanaque sobre as Copas como o seu livro favorito e os holandeses estão preocupados com o lado escuro da força do futebol e ficaram com livros que falam sobre a máfia dos cartolas do esporte. Uma coisa, no entanto foi comum a todos os países. As vendas semanais de e-books sobre futebol quase dobrou na primeira semana do campeonato e de lá para cá, foram caindo semana a semana. A saída prematura das seleções da Itália e Inglaterra, ainda na fase de grupos, colaborou muito para a queda nas vendas nesses países, mas no geral, um olhar para as estatísticas de vendas de e-books sobre futebol durante a Copa do Mundo demonstrou que esportes e leitura se fundem em campo.

Por Leonardo Neto | PublishNews | 11/07/2014