“A leitura digital vai desaparecer”, afirma Andrew Wylie


Andrew Wylie: "La lectura digital va a desaparecer y la edición en papel crecerá"

Andrew Wylie: “La lectura digital va a desaparecer y la edición en papel crecerá”

Andrew Wylie, o chacal da indústria editorial se converteu em um inesperado defensor da literatura de qualidade. Há 30 anos, quando a sua agência revolucionou a sonolenta indústria da representação de escritores, o mundo da cultura o acusou de ser um mero comerciante. À medida que seus escritores começaram a cobrar adiantamentos milionários e a converterem-se em estrelas globais, traduzidos para dezenas de idiomas, ele começou a ser encarado de outra forma. Ele se fez famoso pela dureza de suas técnicas de negociação e pela sua falta de escrúpulos na hora de roubar autores de outras agências. Hoje tem mais de mil clientes como Philip Roth, Orhan Pamuk, Salman Rushdie e os herdeiros de Roberto Bolaño, John Updike e Witold Gombrowicz. Nos últimos anos, encampou uma campanha contra a Amazon que acusa de ter arruinado o mercado editorial, de maltratar os escritores e subestimar os leitores. Famoso por sua língua afiada e o sarcasmo constante, Wylie conversou com o La Nacion durante a Feira do Livro de Buenos Aires.

Por Hernán Iglesias Illa | La Nacion | 06/05/2014

Anúncios