E a Distribuidora de Livros Digitais?


Quando as primeiras negociações começaram para a criação da Distribuidora de Livros Digitais, codinome DLD, nos idos de 2009, a ideia era unir o maior número de editoras sob o guarda-chuva de um agregador digital que as distribuiria com exclusividade. Dentro do melhor espírito “A união faz a força”, um dos maiores atrativos do consórcio era a possibilidade de se negociar em bloco com os varejistas que ameaçavam chegar ao Brasil, entre eles a todo-poderosa Amazon. Na época, editoras como Ediouro, Intrínseca e Companhia das Letras foram sondadas, mas a DLD acabou nascendo em março de 2010 com os seguintes sócios: Objetiva, Record, Sextante, Rocco, Planeta e L&PM. As operações começariam apenas em abril de 2011 e, em agosto de 2012, a editora ribeirão-pretana Novo Conceito se tornaria a sétima sócia do empreendimento.

A Companhia das Letras optou por navegar sozinha pelas águas digitais, mas acabou ganhando o importante apoio da Penguin, que adquiriu 45% de participação na editora paulistana em dezembro de 2011. O grupo inglês já vinha navegando pelos mares dos e-books por vários anos e tal experiência foi bastante útil para a Companhia das Letras. Hoje, a Companhia está entre as editoras que mais vendem livros digitais em qualquer um dos varejistas com atuação no Brasil.

A DLD, por sua vez, capitaneada pelo executivo Roberto Vaz Moreira, vem dedicando-se desde sua fundação a desenvolver uma boa plataforma tecnológica para distribuição de e-books e a negociar contratos em bloco com os varejistas digitais que surgiam. Particularmente neste processo de negociação estratégica, a editora Objetiva teve um papel fundamental na figura de seu diretor geral, o jornalista Robert Feith. Foi ele um dos principais responsáveis pelos excelentes resultados que a DLD obteve na extenuante negociação com a Amazon. Graças à estratégia encabeçada por Feith, a DLD e suas editoras conseguiram limitar radicalmente, por contrato, o desconto que a Amazon pode oferecer na sua loja sem que acordos pontuais sejam feitos. Fontes do mercado falam que o desconto não pode passar de 5% e basta olhar os descontos no site e constatar este número. Isto é um exemplo do que talvez tenha sido a melhor negociação que editores já tenham conseguido fazer com a empresa de Bezos mundo afora.

Mas agora surge a Penguin Random House Brasil unindo a Companhia das Letras e a Objetiva sob suas asas. A primeira possui uma estratégia digital de sucesso atuando de forma independente. A segunda não só faz parte da DLD como é em grande parte responsável pelo sucesso dela, tanto que o conselho da distribuidora é presidido por Robert Feith, que segue sendo fundamental para a estratégia da DLD. E é difícil imaginar que cada uma das empresas continue com estratégias de distribuição digital tão distintas.

A médio prazo, é bem provável que uma destas duas situações ocorra: [1] a Companhia das Letras passe a integrar a DLD; ou [2] a Objetiva saia do consórcio. Na primeira situação, a DLD sairia extremamente fortalecida e continuaria sendo um fornecedor com alto poder de negociação junto à Amazon, Kobo, Saraiva, Google etc. No segundo cenário, a DLD ficaria bastante enfraquecida, não apenas pela saída do excelente catálogo da Objetiva, mas por perder Robert Feith, um de seus maiores estrategistas.

Por Carlo Carrenho | Publicado originalmente e clipado à partir de Tipos Digitais | 20/03/2014