Bíblia de Gutenberg é digitalizada


Fewer than 50 copies of Gutenberg's Bible survive today, and the Bodleian's copy is one of only seven complete examples in the British Isles

Fewer than 50 copies of Gutenberg’s Bible survive today, and the Bodleian’s copy is one of only seven complete examples in the British Isles

Bíblias antigas e textos bíblicos das bibliotecas Bodleian [da universidade de Oxford] e do Vaticano foram digitalizados e disponibilizados para o público pela primeira vez. O primeiro livro impresso da Europa, a Bíblia de 1455 de Gutenberg, é um dos textos agora acessíveis no site do projeto liderado por Oxford e a cidade do Vaticano. O projeto, de 2 milhões de libras, vai digitalizar 1,5 milhão de páginas nos próximos 3 anos. Uma seleção de livros hebraicos e gregos também serão contemplados no projeto, que prevê também a digitalização de obras de Homero, Sófocles, Platão e Hipócrates, em uma fase mais avançada do projeto.

The Hebrew Kennicott Bible owes its name to the English Hebraist Benjamin Kennicott, who was the librarian of the Radcliffe Library in Oxford

The Hebrew Kennicott Bible owes its name to the English Hebraist Benjamin Kennicott, who was the librarian of the Radcliffe Library in Oxford

BBC | 03/12/2013

Noruega está digitalizando todos os livros noruegueses


A Biblioteca Nacional da Noruega está planejando digitalizar todos os livros até os anos 2020. Sim. Todos. Os. Livros. Em norueguês, pelo menos. Centenas de milhares. Todos os livros da biblioteca. Se por acaso você estiver na Noruega [visto pelo IP do computador], você poderá acessar todas as obras do século 20, inclusive as sob copyright. Obras sem copyright estarão disponíveis para download.

Por Alexis C. Madrigal | The Atlantic | 03/12/2013

Uma biblioteca pública sem livros impressos


A primeira biblioteca pública totalmente digital dos EUA foi aberta recentemente no condado de Bexar County, no estado do Texas. Agora, todos os 1,7 milhões de habitantes da região podem acessar gratuitamente o acervo com cerca de 10 mil obras. Melhor, para ter acesso aos livros não é necessário se locomover até o prédio físico da biblioteca, basta acessar a internet.

O projeto Bibliotech foi desenvolvido pelo juiz Nelson Wolff, um amante da literatura e colecionador de obras raras, também responsável por levar ao condado uma biblioteca com livros impressos de US$ 38 milhões na década de 1990. A nova empreitada custou apenas US$ 2,4 milhões. “Eu olho hoje para aquela biblioteca e fico orgulhoso, mas penso: o que vamos fazer com ela?”, disse Wolff sobre sua antiga obra, em entrevista ao site CNet.

O prédio físico da Bibliotech se localiza na cidade de San Antonio. Para funcionar durante 8 horas diárias, a biblioteca tem apenas duas funcionárias, as jovens Ashley Eklof e Catarina Velasquez. “Nós podemos focar nas necessidades da comunidade e não temos que lidar com os processos físicos dos livros”, explicou Ashley.

Condições de uso

Para ter acesso ao acervo, os moradores do condado podem se registrar online e baixar os títulos em seus próprios tablets e computadores. Caso a pessoa não tenha acesso à internet ou precise de leitores, pode se dirigir à sede física da biblioteca.

Estão à disposição da população 800 e-readers, sendo 200 especiais para crianças, 48 computadores, 10 laptops e 40 tablets. Os leitores podem ser emprestados por duas semanas e eles já vão carregados com as obras escolhidas. Caso não sejam devolvidos no prazo, o usuário recebe multa diária de US$ 1 até o 14º dia. A partir de então, o aparelho é dado como perdido e a multa de US$ 150 é adicionada à conta.

A duração do empréstimo dos livros digitais é de 14 dias, mesmo que baixados no leitor próprio do usuário. A partir desse período, a obra é excluída do software utilizado para a distribuição e leitura.

Observatório da Imprensa | 03/12/13