Tendências digitais


Nos dois países onde os e-books já correspondem a pelo menos 20% do total de vendas do mercado editorial, EUA e Reino Unido, o crescimento do segmento tende à estagnação, enquanto localidades como França, Espanha e Alemanha, nas quais os digitais beiram os 5%, crescem em ritmo similar ao dos países de língua inglesa nos últimos anos. Essa é uma das constatações da pesquisa Global eBook, que será divulgada mundialmente na terça. O relatório foi feito em parceria com publicações internacionais sobre o mercado editorial (no Brasil, o parceiro foi o Publishnews) e estará disponível de graça no mês de outubro no site global-ebook.com.

// NETFLIX DOS LIVROS

Para o austríaco Ruediger Wischenbart, coordenador da pesquisa, um dos destaques do ano foi o crescimento de serviços de assinaturas de livros digitais por mês, similares ao Netflix (de filmes) e ao Spotify (de música), “dando pista clara de que esse é o próximo passo na transformação da cadeia do livro“.

A espanhola Telefônica anunciou anteontem a estreia do Nubico, pelo qual, mediante mensalidade de 8,99 euros (R$ 27), o usuário tem acesso a 3.000 títulos.

Outros serviços similares, o Oyster e o Scribd, ganharão em breve a adesão da HarperCollins, uma das maiores editoras do mundo, que colocará 1.400 títulos na primeira plataforma e 10 mil na segunda.

// NOVA FASE

As negociações com a Amazon foram as mais demoradas, mas as 33 editoras que distribuem e-books pela Digitaliza poderão, até o final do ano, vender pela loja. Dez delas, incluindo a Aleph, a Escrituras, a Matrix e a Vermelho Marinho, já terão títulos disponíveis no mês que vem.

Um motivo para a demora –as conversas com outras lojas, como a Apple e a Saraiva, foram concluídas há meses– foi que o grupo assinou a nova versão do contrato da Amazon, que trata também da venda de livros físicos, prevista para 2014. Editores dizem que tiveram de ceder mais do que gostariam, mas que “não dava para ficar de fora”.

Por Raquel Cozer [raquel.cozer@grupofolha.com.br] | Publicado originalmente em Folha de S. Paulo | PAINEL DAS LETRAS | 28/09/2013

Professores de Rondônia começam a receber tablets


Os 314 tablets recebidos pelo Instituto Federal de Rondônia começaram a ser entregues esta semana aos professores. A ação é referente ao Programa de Modernização da Rede Federal para uso de Tecnologias Educacionais [PMTE], realizada por meio do FNDE [Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação], e cada professor efetivo do IFRO terá um tablete para suas atividades de ensino. Os primeiros beneficiados foram os docentes do Câmpus Vilhena. Nesta sexta-feira [27], uma remessa de 64 aparelhos será distribuída em Porto Velho, sendo 48 para o Câmpus Calama e 16 para o Zona Norte. Nos próximos dias, a entrega e o cadastramento contemplarão os Câmpus Ariquemes, Cacoal, Colorado do Oeste e Ji-Paraná.

De acordo com o Diretor de Gestão de Tecnologia da Informação do IFRO, Jhordano Malacarne Bravim, esta é mais uma possibilidade de ampliação do acesso às tecnologias educacionais digitais, pelo seu baixo custo, facilidade de uso e de conectividade à infraestrutura de TI instalada nas unidades do Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica em Rondônia.

“Os professores podem usar os equipamentos portáteis para interagirem com os alunos com grande facilidade nas aulas, em sala ou em campo, usando materiais voltados para educação como vídeos, áudios e páginas Web que tratam do assunto abordado. Os equipamentos permitirão ainda que o professor tenha uma vasta biblioteca e acesso aos mais diversos periódicos de maneira rápida e em qualquer lugar sem o incomodo de transportar fisicamente vários livros e publicações”, enfatiza Jhordano.

Rondoniagora | 28/09/13