Kindle na Vila e na Ponto Frio: faz sentido?


Livraria da VilaQuando todo mundo acha a que o Natal da Amazon passaria em branco, ou melhor, sem Kindles no Brasil, a gigante de Seattle tirou um coelho do gorro do Papai Noel aos 43 minutos do segundo tempo. Aliás, um coelho não, mas dois, pois o Kindle começou a ser vendido ontem na loja online do Ponto Frio e estará a partir de amanhã, 20/12, nas prateleiras físicas das sete lojas da Livraria da Vila. E a pergunta que não quer calar é: Faz sentido a Livraria da Vila a Ponto Frio comercializarem o e-reader da Amazon?

A ideia não é nova. Em maio deste ano, a Amazon fechou um acordo semelhante na Inglaterra com a Waterstones, maior rede de livrarias do país de Shakespeare. E ninguém entendeu nada por lá. Por que o maior livreiro do Reino Unido ajudaria seu maior concorrente iminente? A verdade é que não houve alma que conseguiu responder esta pergunta satisfatoriamente. No caso da Waterstones, o acordo prevê não apenas um lucro comercial na venda dos aparelhos, mas também um participação nas vendas de conteúdo digital da Amazon desde que feitas no wifi das livrarias da rede inglesa. Ainda assim, ninguém entendeu. O caso tem dado margem para teorias da conspiração interessantes. Uma delas é que a Amazon teria um acordo com o proprietário da Waterstones, o bilionário russo Alexander Mamut, para que o mesmo fosse um sócio ou parceiro da Amazon em sua futura entrada na Rússia. Como disse, é uma teoria da conspiração, que ouvi de jornalistas ingleses, mas, honestamente, é a única coisa que ouvi a respeito deste acordo que parece fazer algum sentido.

Mas e a Livraria da Vila? Não se divulgou muita coisa a respeito de seu negócio com a Amazon, mas parece ser improvável que o acordo envolva participação nas vendas de conteúdo digital, como no caso da Waterstones. E mesmo que envolvesse, não teria como ser algo relevante. Paradoxalmente, dos grupos livreiros brasileiros, a Livraria da Vila é o que possui a menor presença virtual e o e-commerce menos desenvolvido. Em seu site, não há sistema de busca no catálogo e apenas 24 produtos são passíveis de compra. O Kindle, por enquanto, não é um deles. A atualização também deixa a desejar: ao se clicar na área sobre a Livraria da Vila, acessa-se um texto de 2010. Portanto, é um paradoxo que a menos digital das livrarias brasileiras seja onde Kindle será vendido. No entanto, talvez a lógica do acordo com a Amazon esteja neste paradoxo. A verdade é que a Livraria da Vila perdeu a corrida das vendas online. Imaginar que a loja ainda lance um e-commerce fantástico, capaz de superar Saraiva, Cultura, Submarino e outros me parece um tanto fantasioso. A charmosa rede de livrarias parece fadada ao mundo analógico, e este pode ser um modelo de negócios. Assim como a Taschen continuará publicando seus livros por muitos anos, haverá livrarias vendendo tais obras e outros livros de papel que não desaparecerão tão cedo. A aposta da Livraria da Livraria, portanto, talvez esteja em se manter como uma livraria butique, de livros físicos de qualidade. E charme e elegância ela tem de sobra para isso.

Portanto, pensando desta forma, e praticamente desistindo da corrida digital, o que a Livraria da Livraria teria a perder vendendo Kindles? Se ela já está fora do jogo virtual, isto não deve afetar muito seu destino. Se o futuro não tiver espaço para livrarias físicas butiques como a da Vila, ela já está fora do mercado de qualquer jeito, com ou sem Amazon. E se o futuro tiver este espaço, a Amazon pode até ajudá-la quebrando livrarias físicas concorrentes, mas com outra proposta. Nesta situação, por que não vender Kindles, mostrar uma cara moderna além de charmosa, conquistar novos clientes e ainda embolsar uma grana? Consigo ver bastante sentido nisto. E a Amazon, claro, está rindo à toa, pois conseguiu um caminho para chegar aos grandes leitores, que são, via de regra, assíduos frequentadores de livrarias como a da Vila.

Já a Ponto Frio, eu não vejo nenhuma lógica. Mais uma vez, a ideia de se vender Kindles em grandes varejistas físicos não é nova. Nos EUA, o aparelho esteve à venda em redes como a Wal-Mart e a Target, mas ambas as redes desistiram de oferecer o aparelho quando se deram conta de que estavam ajudando um concorrente em potencial, especialmente com a venda do modelo Fire do Kindle. Explica-se: este modelo é um verdadeiro tablet, e como tal permite ótima navegação na internet e compras na loja da Amazon. Ou seja, se tornou um verdadeiro cavalo de Tróia amazônico dentro dos varejistas concorrentes.

É bem verdade que o modelo Kindle à venda na Ponto Frio está longe disso. Além disso, neste momento, vendendo apenas e-books, a Amazon ainda não compete com o varejo físico brasileiro. Mas apesar de a empresa de Jeff Bezos se gabar de nunca revelar planos futuros, não é novidade para ninguém que eles vão trazer a loja inteira para cá. Os candidatos a vagas de Coordenador de Transportes e Gerente de Imóveis que a Amazon tem oferecido que o digam. Ou seja, a Ponto Frio parece estar apenas ajudando quem será seu maior concorrente em alguns meses. E se a Amazon conseguir trazer sua mentalidade centrada no cliente e de ótimo atendimento – e entrega! – para o Brasil, a Ponto Frio vai ter de melhorar bastante para manter seus clientes. Por isso, ao vender Kindles, a Ponto Frio parece ter entrado em uma fria.

Atualização I
Vale lembrar que a relação entre Amazon e Livraria da Vila é completamente diferente daquela entre Kobo e Livraria Cultura. O primeiro caso, pelo menos por enquanto, é apenas uma relação comercial. Já o modelo de negócios da Kobo, aplicado não só no Brasil com a Cultura, mas também em outros países, é uma verdadeira parceira da empresa nipo-canadense com uma rede de livrarias local. No caso da Kobo com a Cultura, há acordos de exclusividade e de cooperação mútua nos mais diversos sentidos.

Atualização II
Kindles já estão à venda na Livraria da Vila da Fradique Coutinho, em São Paulo, desde as 9h da manhã de 19/12, como mostra a foto abaixo. Por segurança, a empresa havia divulgado a data de 20/12 para começar a vender o aparelho, mas conseguiu realizar as primeiras vendas do mesmo um dia antes.

Por Carlo Carrenho | Publicado originalmente em Tipos Digitais | 19/12/2012

Kindle chega para o Natal em São Paulo, e para o Dia de Reis no resto do país


Livraria da Vila e Ponto Frio vendem Kindle

KindleO “Mistério dos Kindles” terminou. A Amazon colocou as fichas em um varejista de grande porte e uma livraria tradicional para competir com o leitor da Kobo: a Ponto Frio e a Livraria da Vila já estão vendendo os aparelhos da 4ª geração do Kindle, sem 3G e sem touch screen. O preço é o mesmo prometido no site da Amazon.com.br: R$ 299. Nos EUA, o mesmo modelo pode ser adquirido por US$ 69.

Neste ano que termina, no meio de toda a discussão sobre leitores digitais, muito se falou sobre a possibilidade de se alcançar leitores fora do eixo Rio-São Paulo, e é para Anindeua, cidade vizinha à capital paraense Belém, que a Ponto Frio despachou um de seus primeiros Kindles vendidos, para Vanessa Tourinho. Ela contou ao PublishNews que nunca usou o Kindle, nem seus aplicativos em outra plataforma, e que o preço foi decisivo na escolha do leitor digital.

A ampliação do público consumidor está em sintonia com a política do outro vendedor do Kindle. A Livraria da Vila, que nunca foi vista como grande entusiasta do e-commerce, entra na onda digital para buscar novos mercados, ajudar a formar novos leitores e trazer de volta os que perderam o hábito. Sobre o paradoxo de ter uma livraria ajudando o que todas as outras olham como o apocalipse livreiro, Samuel Seibel, presidente da rede da Vila, afirma que “essa discussão tem sido muito focada no ‘eliminatório’, na ideia de que uma plataforma vai prevalecer sobre a outra. A minha percepção é de que deve haver uma convivência entre as formas de leitura, precisamos criar mais leitores, as livrarias têm de ser centros culturais onde as pessoas tenham vontade de consumir. Talvez mais pessoas se sintam atraídas por esse jeito kide ler”.

A rede paulista, que conta com 6 lojas na capital e uma em Campinas, pode não conseguir levar o Kindle até o Pará por enquanto como a Ponto Frio, mas tem suas cartas na manga. O leitor digital é vendido fisicamente com exclusividade nas lojas da rede até o final de janeiro, e, pelo menos na filial da Fradique, quem comprar um Kindle tem 10% de desconto nas compras de livros físicos, o que ilustra bem a filosofia de coexistência de plataformas da livraria. De qualquer maneira, a Vila também está se preparando para vender conteúdo na loja. Seibel nos conta que a livraria está mudando o sistema para comercializar e-books. O acordo com a Amazon também não restringe a Livraria da Vila à venda apenas do Kindle, mas Samuel quer antes “sentir o que acontece, queremos ser uma livraria que oferece o produto, conserva e amplia seu público”.

O livreiro que declaradamente prefere o livro físico não descarta a possibilidade do livro digital ser uma ameaça, mas não acha que o problema seja uma única empresa [no caso, a Amazon], e sim a forma de leitura como um todo. “Se o público optar por um tipo de leitura que não inclua o livro físico, a ameaça existe sim, mas o que tenho visto é que não há uma eliminação, e sim uma criação de mercado, você divide o bolo com mais pessoas só que o bolo vai ficando maior”, nos conta o presidente.

Assim como o vice-presidente da Amazon David Naggar, que quer vender milhões de aparelhos, Seibel é otimista sobre as vendas do aparelho. “Estamos trabalhando com a expectativa de vender muitos”.

Por Carlo Carrenho e Iona Stevens | PublishNews | 19/12/2012