Amazon assina contrato com as maiores editoras


Após cerca de três anos de negociações acirradas, a Amazon finalmente fechou acordo com as maiores editoras brasileiras para vender seus livros em formato digital, para leitura no Kindle. Na semana passada, a varejista americana assinou contrato com a DLD – empresa responsável pelos livros on-line da Record, Objetiva, Sextante, Rocco, Planeta, LPM, Novo Conceito e da canadense Harlequin. Além disso, está em negociações avançadas com a Companhia das Letras e a Globo Livros e mantém conversas com a Ediouro. A varejista americana também já tem em seu catálogo os livros da Melhoramentos, que edita as obras do escritor Ziraldo, segundo o Valor apurou.

Por Beth Koike | Valor Econômico | 27/11/2012 | © 2000 – 2012. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A.

Na China, 25 milhões de pessoas leem livros apenas no celular


Mobile reading may revive entire genres of literature, such as mid-length novels and poems, which have fallen out of favor.

Em entrevista ao China Economic Review, Gabrielle Coyne, CEO do grupo Penguin para a divisão Asia-Pacífico, disse que o negócio de livros em língua inglesa e parcerias com editoras chinesas cresceu 120% no ano passado. No total, segundo a revista, a China tem a maior produção de livros do mundo. […] Se a escala da publicação tradicional é vasta, a evolução da leitura eletrônica aparentemente reflete o que vem acontecendo nos Estados Unidos nesses aspectos. […] Clifford Coonan, correspondente do Irish Times em Pequim, reportou que “quase a metade dos chineses adultos leem livros em formatos diferentes e quase 25% dos leitores – umas 220 milhões de pessoas – leem por meio eletrônico. Dessas, quase 120 milhões de pessoas leem no celular. E quase 25 milhões leem livros exclusivamente no celular”.

Por Peter Osnos | The Atlantic | 27/11/2012