Biblioteca Nacional de Portugal apresenta serviço de digitalização sob demanda


Biblioteca Nacional de Portugal [BNP] apresentou ontem, 18 de Setembro, um serviço de digitalização a pedido. O programa EOD – eBooks on Demand, destina-se a preservar e divulgar livros completos que estão no domínio público. São disponibilizados em formato PDF.

BNP tem em acervo digital constituído por várias obras do seu Fundo Geral, publicadas entre 1700 e 1850.

Características dos Ebooks EOD

•    O livro eletrónico EOD é uma versão digital de um livro, entregue num único ficheiro PDF.

•    Para acesso e leitura não é necessário instalar nenhum outro software.

•    Contém texto reconhecido automaticamente: é possível pesquisar por palavra, copiar e colar o texto integral eletrónico ou ilustrações.

•    Pode imprimir todo o livro ou um conjunto selecionado de páginas, sempre que quiser.

•    Complementarmente ao pedido de digitalização, também é possível encomendar a reimpressão do livro digitalizado, encadernado em capa mole [exemplos na imagem acima].

Mais informações aqui.

eBook Portugal | 19 de Setembro de 2012

Biblioteca digital reúne 136 mil itens


As Bibliotecas Nacionais de Brasil, Chile, Colômbia, Espanha e Panamá lançaram ontem a Biblioteca Digital do Patrimônio Ibero-Americano [BDPI], que reúne seus acervos em um único portal da web. São quase 136 mil itens, como fotografias, desenhos, partituras, gravações e monografias, entre outros. O projeto foi apresentado durante a 23.ª Assembleia da Associação de Bibliotecas Nacionais da Região Ibero-Americana [ABINIA], que teve início na Biblioteca Nacional da Espanha (BNE) na segunda e segue até sexta-feira. O portal, desenvolvido pela BNE, permitirá buscas por assunto e também no conteúdo dos documentos.

O Estado de S. Paulo | 19 de setembro de 2012, às 3h 09 | EFE

Vendas de eBooks estouram no Reino Unido


Livros digitais de ficção crescem 188% no primeiro semestre

Parece que a Barnes & Noble escolheu a hora certa para lançar seu leitor digital, o Nook, no Reino Unido. A Publishers Association publicou ontem estatísticas mostrando que o setor digital no Reino Unido está em forte expansão. As vendas de e-books de ficção aumentaram 188% em valor, na primeira metade do ano, em relação ao mesmo período no ano passado. Também apresentaram forte crescimento os setores de livros digitais infantis, que cresceu 171%, e de não-ficção, que aumentou 128%. Mas nem todos estão em festa na terra da rainha, o jornal The Guardian mostrou que a guerra de preços de e-books está levando varejistas a venderem títulos com até 97% de desconto e preocupando autores.

Por Iona Teixeira Stevens | PublishNews | 19/09/2012

Apple e editoras propõem acordo antitruste à União Europeia


BRUXELAS, 19 Set [Reuters] | A Apple e quatro grandes editoras sugeriram permitir que grupos de varejo como a Amazon vendam livros com descontos, em um esforço para pôr fim a uma investigação antitruste da União Europeia, anunciou a Comissão Europeia nesta quarta-feira.

As autoridades regulatórias estão investigando os acordos de preços de livros entre Apple e Simon & Schuster, HarperCollins [unidade da News Corp], Hachette Livre [unidade do grupo francês Lagardere], Verlagsgruppe Georg von Holtzbrinck, que controla a Macmillan na Alemanha, e o grupo Penguin, da Pearson.

Por um período de dois anos, as quatro editoras não restringirão, limitarão ou bloquearão a capacidade das empresas vendedoras de livros eletrônicos para estabelecer, alterar ou reduzir preços de varejo de livros eletrônicos e/ou oferecer descontos e promoções“, anunciou a Comissão Europeia em seu diário oficial, detalhando a oferta em consideração.

A Comissão afirmou que as editoras e a Apple também ofereceram uma suspensão dos contratos de favorecimento mútuo entre elas por cinco anos. Esse tipo de contrato proíbe editoras de fazer acordos com grupos rivais de varejo para vender livros a preços inferiores aos determinados pela Apple.

A organização de fiscalização da Comissão Europeia informou que as propostas ficarão abertas a comentários públicos por um mês e, caso a resposta seja positiva, a investigação será encerrada.

As editoras HarperCollins, Simon & Schuster e Hachette chegaram a acordo com o governo norte-americano em abril por meio de propostas semelhantes.

De acordo com analistas do UBS, os livros eletrônicos respondem por 30 por cento das vendas de livros nos EUA e por 20 por cento no Reino Unido, mas ainda não são significativos em outros mercados.

Por Foo Yun Chee | quarta-feira, 19 de setembro de 2012 10:32 BRT | © Thomson Reuters 2012 All rights reserved.