Concurso de blogs estimula estudantes a compartilhar hábito de leitura


Salamanca [Espanha] – Um dos principais desafios atuais em todos os sistemas educacionais do mundo é encontrar uma maneira de estimular o hábito da leitura entre os jovens. Um projeto da Organização dos Estados Ibero-Americanos para a Educação, a Ciência e a Cultura [OEI] e da Fundação SM buscou unir o livro à internet, principal meio de comunicação entre os jovens. E o resultado surpreendeu os organizadores: mais de 800 alunos entre e 12 e 15 anos participaram da iniciativa ¿Qué estás leyendo? [O que estás lendo?], que incentivou os participantes a compartilhar informações sobre livros e outras plataformas de leitura.

Os participantes usaram diferentes ferramentas – imagens, texto e vídeos – para compartilhar dicas de obras que estão lendo ou que recomendam que sejam lidas. O concurso recebeu de março a agosto de 2012 a inscrição de mais de 800 jovens de 16 países – a maioria de língua espanhola. O país com a maior participação foi o Uruguai, com 224 blogs criados. A experiência foi apresentada durante reunião preparatória do Congresso das Línguas na Educação e na Cultura, em Salamanca, na Espanha.

A coordenadora do projeto, Inés Miret, avalia que o saldo foi muito positivo. Segunda ela, essa primeira edição do projeto funcionou como um piloto e na próxima etapa o objetivo é ampliar a participação, incluindo estudantes brasileiros. Até o fim do ano, será escolhido o melhor blog de cada país por um grupo de jurados que está sendo montado. Inés aposta que muitas páginas já têm um formato mais consolidado e deverão continuar funcionando depois do fim do concurso. Houve grande interação entres os blogueiros, que compartilhavam dicas e conteúdos.

Inés destaca que a internet, muitas vezes vista como inimiga pelas escolas, pode ser grande impulsionadora do hábito de leitura. “É interessante ver um recurso desse tipo, que aporta coisas diferentes para que as experiências sejam diferentes. A experiência literária sempre fez parte da educação, mas é interessante ver o que acontece quando transcendemos o âmbito da sala de aula ou da escola e o encontro entre leitores se dá por afinidade e não por proximidade física”, aponta Inés.

Além da experiência dos blogs, outros projetos de estímulo à leitura foram apresentado aos representantes dos países íbero-americanos. Na Costa Rica, o Ministério da Educação produziu uma campanha de televisão em que atletas, cantores, atores e músicos apresentavam seus livros preferidos e convidavam o público a “ler com eles”. O ministro da Educação, Leonardo Garnier, sugeriu que outros países façam isso, convocando os ídolos locais.

*A repórter viajou a convite da Fundação SM, uma das entidades organizadoras do Congresso

Amanda Cieglinski | Agência Brasil | 05/09/2012 | Edição: Graça Adjuto

A amizade entre Kobo e Livraria Cultura


A coluna biblioteca da Raquel mostra mais indícios de uma parceria entre Kobo e Livraria Cultura. Raquel Cozer falou ontem em sua coluna “Hoje perguntei a Pedro Herz, dono da Cultura, por que os endereços [da Kobo] estão em nome da livraria desde o dia 21 se, como ele reiterou, ainda não há acordo. Ele só riu: “É que somos amigos.” Ela informa também que, segundo Camila Cabete, a Kobo será agressiva na política de preços do e-reader, que serão os mais baixos possíveis para formar mercado consumidor de e-books.

Por Raquel Cozer | Folha Online | 05/09/2012

Amazon lançará nova arma em guerra de tablets


A Amazon deve lançar um novo tablet nesta quinta-feira [6], a mais recente empreitada numa guerra pelo controle do acesso à internet por meio de dispositivos móveis.

A Amazon deve anunciar pelo menos uma nova versão de seu Kindle Fire, com tela de sete polegadas, numa coletiva de imprensa perto de Los Angeles. Um tablet maior também pode ser apresentado, além de uma nova versão do popular e-reader Kindle.

O fator decisivo na expectativa pelo novo Kindle Fire pode ser quão baixo será seu preço“, disse a analista So Young Lee, do SunTrust Robinson Humphrey.

A Amazon está disposta a lucrar pouco ou nada vendendo tablets e e-readers, pois deseja conseguir o maior número de consumidores possível, para então vender conteúdo digital com altas margens de lucro, como e-books, vídeos, jogos, aplicativos e música, para uma base de consumidores mais conectada e engajada.

De maneira mais ampla, a Amazon está disputando com a Apple, com o Google e com outros gigantes do setor tecnológico por uma entrada no mercado de tablets, de rápida expansão, já que esses aparelhos estão rapidamente se tornando a ferramenta preferencial de acesso à internet. Como maior rede de comércio virtual do mundo, é essencial para a Amazon conquistar uma forte presença nesse setor.

Um tablet bem-sucedido é muito mais importante para a Amazon do que para o Google“, disse o analista Chad Bartley, do Pacific Crest Securities.

A Amazon é uma das principais vendedoras de livros físicos, CDs, DVDs e videogames. Mas esses produtos estão se tornando digitais, então a empresa está se apressando para se garantir em manter sua fatia desse mercado em evolução.

A Amazon tem de ter aparelhos que permitem que clientes comprem e consumam conteúdo digital“, disse Bartley.

DA REUTERS, EM SAN FRANCISCO| 05/09/2012 – 16h34

Site gratuito aposta em tradução de artigos para ajudar no ensino de línguas


Aprender idiomas de graça e ajudar a traduzir textos na internet é a proposta do matemático e empreendedor guatemalteco Luis von Ahn, criador do sistema Captcha e que lançou recentemente o site “Duolingo”.

Von Ahn, que aos 33 anos foi considerado uma das 50 pessoas mais influentes no mundo da tecnologia, apresentou a versão beta do portal no ano passado, mas “oDuolingo já está em funcionamento, disse em entrevista à Efe.

Imagem do vídeo de apresentação do site Duolingo, cuja ideia é ensinar idiomas por meio da tradução de textos

Imagem do vídeo de apresentação do site Duolingo, cuja ideia é ensinar idiomas por meio da tradução de textos

Segundo ele, meio milhão de pessoas no mundo todo já se somou a esta iniciativa, apoiada pelo ator Ashton Kutcher, que mostrou seu interesse no trabalho de Von Ahn em sua conta do Twitter.

O sistema avalia os estudantes por níveis a partir do zero e, assim, eles vão aprendendo de forma intuitiva com atividades e exercícios para escutar e falar, utilizando a plataforma digital.

O objetivo é ajudar a traduzir textos de internet para todos os idiomas do mundo, já que segundo o matemático mais de 50% dos conteúdos está em inglês e “se as pessoas não sabem a língua não podem entender“.

Por exemplo, na popular enciclopédia online alimentada pelos próprios usuários, a Wikipédia, a proporção de artigos que há em espanhol em relação ao inglês é de apenas 20%“, diz.

Queremos que as pessoas nos ajudem a fazê-lo, e traduzir textos da internet tem, além disso, o incentivo de aprender outro idioma“, diz.

Os usuários primeiro começam aprendendo palavras muito simples e pouco a pouco vão sendo dadas a eles frases de textos da internet que não foram traduzidos, por exemplo, o título de um artigo que contenha as palavras que foram aprendendo.

Se o usuário não conhece alguma palavra, o programa revela seu significado e dá pistas para que o estudante se lembre da próxima vez.

Diferentes alunos traduzem essa frase. Em seguida, veem como fizeram outros usuários e no final entre todos escolhem qual é a mais apropriada.

WIKIPÉDIA

Uma das páginas com a qual trabalham é a Wikipédia, onde vão fazendo as traduções dos artigos quando estão completos, mas o objetivo a longo prazo é se conectar a instituições educativas ou a alguns sites de notícias para traduzir seus conteúdos e aproximar ainda mais a internet do público que não fala inglês.

Por enquanto, o “Duolingo” já dispõe de inglês, espanhol, alemão, francês e em um mês haverá português, mas a intenção deste jovem empreendedor é continuar crescendo. Para isso, ele se propôs a incluir italiano e chinês até o final do ano.

Von Ahn também traçou outra meta, chegar a um milhão de usuários e depois que o site cresça por si só.

Nascido na Guatemala em 1979, o empreendedor chegou em 1996 aos Estados Unidos, onde desenvolveu carreira no campo da informática.

Formado em Ciências Informáticas em 2003 pela Universidade de Duke [Carolina do Norte] e doutor pela Universidade Carnegie Mellon em Pittsburgh [Pensilvânia] em 2005, Von Ahn foi incluído na lista dos dez novos rostos do pensamento ibero-americano da revista “Foreign Policy” em 2010.

O trabalho de Von Ahn se centra em desenvolver programas utilizando as capacidades humanas para resolver problemas que os computadores ainda não são capazes de solucionar.

É conhecido sobretudo por ser o criador do Captcha, uma aplicação de segurança informática, e sua segunda versão ReCaptcha, que foi comprada pelo Google em 2009.

O aplicativo utiliza letras e números distorcidos que o usuário tem que escrever corretamente em uma lacuna, incorporado por muitas páginas de internet para bloquear spam gerado automaticamente, além de ataques através da rede.

A revista “Popular Science” o nomeou um dos dez cientistas brilhantes de 2006, em 2007 a “Silicon.com” o considerou uma das 50 pessoas mais influentes na tecnologia e em 2008 a revista “Discover” incluiu seu nome entre os 50 cientistas mais destacados.

DA EFE, EM WASHINGTON | COLABORAÇÃO PARA A FOLHA | 05/09/2012 – 08h34