Para popularizar armazenamento em nuvem, Amazon lança serviço de US$ 0,01 por Gbyte


A Amazon Web Services, braço de computação em nuvem da varejista americana, lançou nesta terça-feira [21] um novo serviço de armazenamento de dados com preços a partir de US$ 0,01.

O serviço custará US$ 0,01 por gigabyte armazenado e é voltado para arquivos de backup, que não são acessados com frequência pelas empresas.

No Brasil, onde a Amazon Web Services iniciou operação há seis meses, o produto será disponibilizado, em um primeiro momento, somente para os atuais clientes da empresa.

Em visita a São Paulo, o chefe mundial de tecnologia da Amazon, Werner Vogels, afirmou que o novo serviço faz parte da estratégia da companhia de oferecer produtos cada vez mais baratos, para permitir que a tecnologia esteja acessível a empresas de todos os tamanhos.

Já fizemos 20 reduções nos preços dos nossos serviços nos últimos anos”, disse Vogels. “Nosso objetivo é ser a opção mais barata do mercado.

O executivo não quis comentar sobre o início das atividades de varejo da Amazon no Brasil.

OPORTUNIDADE

A computação em nuvem permite que empresas e pessoas físicas guardem seus arquivos digitais em servidores de companhias como a Amazon, dispensando-as de comprar seus próprios equipamentos.

Segundo o executivo da empresa norte-americana, a operação da Amazon Web Services na América Latina já conquistou “dezenas de milhares” de clientes corporativos desde o início das atividades, em dezembro. Metade deles está no Brasil.

Entre as empresas atendidas pela companhia no país estão Terra, Pão de Açúcar, Peixe Urbano, Gol e Anhanguera.

A economia do Brasil vive um ‘boom’ e há oportunidades grandes em setores como o financeiro e de telecomunicação, que precisam armazenar muitos dados por causa das exigências regulatórias“, afirmou Vogels.

A companhia também quer atrair as empresas de pequeno e médio porte que, muitas vezes, não têm capital para investir em infraestrutura de TI. “[O armazenamento em nuvem] é um modelo ideal para elas“, disse o executivo.

Apesar de permitir que pessoas físicas comprem o serviço de nuvem, por meio de seu site, a Amazon Web Services tem como foco os clientes corporativos, explica José Nilo Cruz Martins, diretor-geral da empresa no Brasil.

Com operações em oito regiões no mundo, a companhia já armazena em seus centros de dados cerca de 1 trilhão de arquivos, segundo dados de junho.

Sem detalhar números, Vogels disse que os negócios da nuvem podem chegar ao mesmo tamanho da atividade de varejo da Amazon, cujo faturamento anual é de cerca de US$ 40 bilhões.

POR MARIANNA ARAGÃO, DE SÃO PAULO | Publicado originalmente em Folha de S.Paulo | 21/08/2012 – 18h52

Mercado editorial ganhará rede social


A BookMachine, do Reino Unido, promete dar impulso ao networking entre profissionais da área

O site Publishing Perspectives publicou ontem um artigo sobre a criação de uma nova mídia social voltada para profissionais do mercado editorial, onde os usuários poderão colocar exemplos de seus trabalhos e projetos. O objetivo é juntar pessoas com diferentes habilidades a demandas de projetos, e não apenas conectar indivíduos que já trabalharam juntos, como é o caso da rede Linkedin. Os fundadores do BookMachine.me contaram ao site que, como todas as boas ideias, a da criação da plataforma surgiu em um pub, e buscará replicar o tipo de ligação que pessoas fazem em eventos sociais. Será que, além dos livros, o networking do mercado editorial também será digitalizado no futuro?

Por Iona Teixeira Stevens | PublishNews | 21/08/2012

Mundo Cristão lançará 60 eBooks em 2013


A Editora Mundo Cristão expande seu catálogo digital, publicando até o final do ano 52 títulos e, de acordo com o planejamento da editora, mais 60 novos e-books em 2013. Em nota, a Mundo Cristão afirma que os e-books da editora podem ser encontrados nas livrarias virtuais com preços até 25% abaixo do valor de um exemplar impresso. O livro mais barato da MC é O peregrino, que pode ser adquirido como aplicativo por U$ 0,99 na Apple Store e o título mais caro é Bonhoeffer, um livro de 640 páginas e com álbum de fotos, que pode ser adquirido por R$ 39,90. A mesma obra, na versão impressa, sai por R$ 59,90.

PublishNews | 21/08/2012

Barnes & Noble lança Nook no Reino Unido


Aparelhos lançados serão o Nook Simple Touch e o Nook Simple Touch com GlowLight

O site Publishers Weekly informou ontem que a Barnes & Noble começa finalmente sua expansão internacional. O e-reader Nook será lançado no Reino Unido e comercializado pelo site www.nook.co.uk. Ainda não foram anunciadas parcerias com varejistas, mas devem incluir vendas de livros digitais e impressos. O site afirma também que os aparelhos lançados serão o Nook Simple Touch e o Nook Simple Touch com GlowLight e contarão com o vasto acervo de mais de 2.5 milhões de títulos, incluindo livros, jornais, revistas e aplicativos. Com a quantidade de títulos de livros digitais crescendo exponencialmente e com os planos de chegada dos e-readers Kobo e Kindle por aqui, esperamos que o próximo passo da ampliação internacional da Barnes & Noble seja o Brasil.

Por Iona Teixeira Stevens | PublishNews | 21/08/2012

Em 6 meses, catálogo de eBooks em português salta de 11 para 16 mil títulos


Em fevereiro de 2012, publicamos no Revolução eBook os resultados da pesquisa realizada pela Simplíssimo, analisando a situação dos eBooks no Brasil até então – quantos estavam à venda, em quais livrarias, publicados por quais editoras, etc. Seis meses depois, a pesquisa foi refeita, para avaliar o ritmo da evolução do mercado digital no Brasil. Para isso, foram pesquisados metodicamente todos os eBooks publicamente oferecidos nos sites das 3 principais livrarias de eBooks em português [em ordem alfabética, Amazon, Gato Sabido e Saraiva], nos dias 02 e 03 de agosto de 2012. O que verificamos? Uma aceleração consistente da oferta de livros digitais no Brasil.

Algumas previsões do início do ano ainda não se confirmaram – por exemplo, Amazon e Apple ainda não iniciaram oficialmente a venda de eBooks para o Brasil. Aparentemente, isso não impediu editoras e autores brasileiros de apostarem no formato digital. Pelo contrário, eles pisaram no acelerador, e para valer. A oferta total de eBooks em português [títulos únicos, sem repetições] já ultrapassa a marca dos 16 mil títulos. Parece pouco, mas é um grande progresso: em apenas seis meses, foram colocados à venda mais de 5 mil novos eBooks, quase 50% de tudo o que era oferecido até fevereiro de 2012.

Persistindo este ritmo de crescimento da oferta de eBooks, até o início de 2013 a marca dos 20 mil títulos únicos em português será ultrapassada. Este aumento na oferta já deu início a um círculo virtuoso para o formato digital. Semana passada, o presidente da Saraiva, Marcilio Pousada, informou que 30% das vendas online de 50 Tons de Cinza, foram da versão eBook do livro. É um best-seller que saiu em todos os jornais, mas existem outros exemplos, bem opostos. O mais destacado é o estrondoso sucesso de Bel Pesce, a jovem autora estreante que registrou mais de 350 mil downloads em 20 dias do seu eBook sobre empreendedorismo. São exemplos que demonstram o potencial de aceitação [e vendas] dos eBooks no Brasil. Se em 2011 as vendas de eBooks foram frustrantes, isso se deveu em boa parte à pífia oferta de títulos – até fevereiro de 2012, nenhuma livraria oferecia mais que 7 mil eBooks em seus sites.

Se por um lado o número total de eBooks aumentou, de forma rápida e consistente, por outro, nenhuma livraria foi capaz de concentrar sozinha esse crescimento, persistindo a situação verificada no início de 2012. No caso da Amazon, é ainda mais surpreendente, porque ela segue muito atrás das concorrentes brasileiras, mesmo estando em negociação com as editoras desde fins de 2011. Ao longo da semana, vamos aprofundar esta e outras questões aqui no Revolução eBook:

Terça: Amazon tem apenas 6 mil eBooks em português e segue atrás das livrarias brasileiras
Quarta: eBooks de Domínio Público são mais de 20% da oferta da Amazon
Quinta: 10 editoras oferecem 50% de todos os eBooks; 160 editoras vendem só 6%
Sexta: Conclusões: para onde caminhará o mercado nos próximos 6 meses

Para continuar por dentro das principais notícias do mercado de eBooks, assine o Boletim diário Revolução eBook.

Por Eduardo Melo | Revolução eBook | 21/08/2012