Novo CEO da Xeriph terá olhar de negócios e não de sonhos


Carlos Eduardo “Duda” Ernanny, controlador da distribuidora digital, passa o bastão da direção executiva a Francisco Paladino.

Francisco Paladino

Francisco Paladino

Desde o final de junho, a distribuidora de livros digitais Xeriph possui um novo CEO. Trata-se do carioca Francisco Paladino, um executivo experiente e com passagens em empresas como a Winsizing Informática e a Castrol Brasil. Carlos Eduardo Ernanny, atual controlador da empresa que acumulava a função de CEO às atividades de principal acionista, deixou o cargo executivo para se dedicar apenas à aquisição de conteúdo e ao relacionamento com editoras e livrarias.

A gente diversificou e abriu muitas frentes na Xeriph, começamos a atuar em projetos de educação, de bibliotecas, a realizar parcerias com operadoras como a Claro e a negociar com empresas estrangeiras como Amazon, Kobo, Google e Apple”, explicou Ernanny, que é conhecido como Duda no mercado. “Eu não conseguia mais acompanhar tudo sozinho, pois não sou um business manager. Então decidimos profissionalizar a empresa trazendo alguém mais velho, experiente, que pudesse olhar todas as nossas frentes não como sonhos mas como negócios”, complementou.

A Xeriph possui atualmente um catálogo de 10 mil livros distribuídos de 185 editoras. Há outras 40 editoras com contratos assinados e em processo de integração. E é este catálogo que será o foco das atenções de Duda Ernanny a partir de agora. “Vou me concentrar agora na área comercial da distribuidora Xeriph, com enfoque na aquisição de conteúdo e no relacionamento com o mercado. É uma volta às origens e estou fora de outros projetos não relacionados a isso. Também não preciso mais dedicar horas preciosas a planejamento fiscal, tributário e análise jurídica de contratos”, comentou Duda. Segundo ele, o catálogo ao qual ele vai se dedicar já vem crescendo no ritmo de 500 novos títulos por mês.

Para o novo CEO, Francisco Paladino, foram dois os principais pontos que o atraíram para a Xeriph. “Por toda minha vida sempre fui ligado a TI, mas também sempre fui muito interessado em produtos ligados à informação e este foi um dos apelos importantes para minha ida para a Xeriph”, explicou. “Outro fator foi a Xeriph ser uma empresa inserida em um mercado muito interessante, com produtos em linha com o que há de mais atual no mundo, que é o mercado do livro digital. Trata-se de um produto irreversível, o mundo todo vai passar a usar”, complementou.

Paladino faz um uníssono com Duda Ernanny sobre os motivos de sua contratação. “A Xeriph precisava de um choque de gestão, ela foi super bem desenvolvidade pelo Duda Ernanny, e sentiram, em certo momento, que precisavam de um profissional mais em gestão”, explicou.

Eu entrei na Xeriph com o objetivo inicial de fazer uma reestruturação funcional em toda a empresa, com revisão de contratos, enquadramento tributário, focando principalmente a parte organizacional”, acrescentou.

Paladino é otimista quando ao futuro do livro digital no Brasil. “Como perspectiva para o futuro, eu vejo um crescimento muito grande. As livrarias vão dar um pulo já no segundo semestre deste ano, tanto em volume de receita como de vendas”, profetizou o executivo. “É um negócio que ainda não tem volume suficiente no Brasil, mas vai explodir, não tenho dúvidas disso.

Por Carlo Carrenho e Iona T. Stevens | PublishNews | 02/08/2012