Comissão Europeia poderia aplicar multas milionárias a editoras


As cinco editoras que estão sendo investigadas a respeito do preço de seus e-books poderiam receber multas de muitos milhões de euros se for descoberto pela Comissão Europeia que elas implementaram práticas anticoncorrenciais. Hachette Livre, HarperCollins, Simon & Schuster, Penguin and Macmillan — as cinco editoras que criaram o modelo de “agência” – foram nomeadas pela Comissão Europeia na semana passada, quando o órgão formalmente iniciou uma investigação acerca da criação de preços fixos digitais com a ajuda da Apple. Muitas editoras suspeitam que a Amazon, que tanto de forma pública e privada rejeitou os acordos no modelo de agência, fez lobby com as autoridades responsáveis pela concorrência para que a investigação fosse aberta. Há casos antitruste similares que estão pendentes nos Estados Unidos, incluindo vários processos privados abertos por indivíduos que acreditam que pagaram demais pela compra de e-books.

Por M J Deschamps e Keith Nuthall | The Bookseller | 09/12/2011

Hábito de leitura cresce nos EUA e está cada vez mais eletrônico


O momento pode estar difícil para livrarias de bairro nos Estados Unidos, mas as pessoas estão lendo mais do que nunca, e os livros eletrônicos estão atendendo os amantes de livros que buscam de biografias de famosos a livros de ficção.

Só temos tido notícias boas este ano. Em geral, a leitura tem se tornado mais popular“, disse Chris Schluep, editor-sênior de livros da Amazon, maior vendedora de livros na internet dos EUA.

Agora é muito fácil comprar um livro“, disse Schluep. “Vemos que o hábito da leitura tem crescido em meio à população“.

Em maio, a Amazon anunciou que, entre 1º de abril e 19 de maio, vendeu 105 livros eletrônicos para o Kindle para cada 100 livros impressos.

O livro de não ficção mais vendido da temporada, tanto em papel quanto no formato eletrônico, é a biografia “Steve Jobs”, de Walter Isaacson, lançada em outubro.

Outro livro popular foi “Then Again”, da atriz Diane Keaton, no qual ela conta sua própria história vinculada aos diários de sua mãe.

"Steve Jobs", de Walter Isaacson, livro de não ficção mais vendido da temporada na Amazon

Schluep afirmou que 2011 é um ótimo ano para a literatura e que vê uma tendência de aumento na quantidade de livros literários, notando fortes ofertas de romancistas conhecidos ou novatos.

Ele também espera que mais pessoas publiquem seus próprios livros.

Isso é uma linha direta entre autor e leitor“, disse. “O mundo editorial está mudando, e eu não tenho controle sobre a direção para onde ele está indo. A tendência é que as pessoas tenham um maior controle.

Folha.com | TEC | DA REUTERS | 09/12/2011 – 18h44

Comissão aprova distribuição de didáticos em formato digital


A Comissão de Educação e Cultura aprovou na ultima quinta-feira, 8,  proposta que obriga o Ministério da Educação [MEC] a oferecer suas coleções de livros didáticos e paradidáticos, destinados a alunos e professores, também em formato digital.
A medida está prevista no Projeto de Lei 965/11, do deputado Romero Rodrigues [PSDB-PB].

A relatora, deputada Alice Portugal [PCdoB-BA], argumentou que a medida deverá permitir que os docentes e estudantes tenham acesso ao material distribuído pelo MEC a qualquer tempo e em qualquer lugar.

Hoje, com o advento de novos suportes de informação, os alunos podem ter acesso aos mais diferentes recursos multimídia e de informática. Nesse sentido, os programas de distribuição de livros didáticos podem e devem se adaptar a essa nova realidade”, argumentou.

Tramitação

A proposta, que tramita em caráter conclusivo, será analisada ainda pelas comissões de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Leia a íntegra da proposta PL-965/2011.

Agência Câmara | 09/12/2011