Conceito atual de plágio divide especialistas


Para o professor de teoria literária Alcir Pécora, achar que ‘copia e cola’ refresca métodos de criação é inocente

DJ e produtor conhecido por ‘samplings’ diz dar crédito a autores, que ‘agradecem por divulgação’

O que o ator e diretor Sylvester Stallone, os músicos Rihanna, Beyoncé, Lady Gaga, Coldplay e Lil Wayne, a TV Globo e o estúdio que produziu o filme “Kung Fu Panda” têm em comum?

Todos eles são autores de obras acusadas de plágio. E isso somente no ano de 2011.

Seria o fim da originalidade? Ou será que o processo criativo contemporâneo consiste justamente em citar obras já produzidas, como defende Kenneth Goldsmith no livro “Uncreative Writing”?

Alcir Pécora, professor de teoria literária da Unicamp, é partidário da primeira ideia.

Vejo que há um esgotamento da produção literária atual. Os grandes modelos de prosa dos romances estão muito esgotados“, avalia.

Para ele, o aumento na quantidade de obras que pegam “emprestado” trechos de outras é uma das marcas do século 21. “Nada parece muito fecundo hoje em dia, como era no século 18 ou 19.”

Hoje em dia, tudo é ‘ready-made’ [conceito criado por Duchamp no século 20 pelo qual objetos cotidianos são transformados em arte]“, afirma Pécora. “Ninguém mais parece uma fonte positiva.

O advogado Caio Mariano, especialista em direito autoral, enxerga uma mudança de comportamento na cadeia de produção da nova geração de autores. “Muitos artistas acabam infringindo direitos autorais, achando que podem ‘samplear’, por exemplo, sem pedir autorização dos titulares. Mas a lei é clara. Citações devem ser nominais“, diz.

Um dos principais nomes brasileiros para a cultura do “sampling” e dos “mashups”, o DJ e produtor João Brasil discorda de Mariano.

Nunca tive problema com isso, pois sempre dou crédito ao artista original e nunca vendi os mashups. Vários artistas já me agradeceram pela divulgação“, conta o DJ.

A posição de João Brasil está correta, de acordo com o advogado Thiago Mendes Ladeira, também especialista em direito autoral.

Ele afirma que é importante que os artistas defendam sua propriedade intelectual.

Se as obras não fossem protegidas pela lei de direitos autorais, qual seria o incentivo do autor para criar? E como ele lucraria com isso?“, questiona Ladeira.

O advogado atribui o aumento de casos de plágio à internet. “É como o aluno que usa o computador para copiar um trabalho de escola“, diz.

Embora a lei nº 9.610/98, que passa atualmente por projeto de atualização, não mencione a internet, Mariano não enxerga isso como um problema. “As regras do mundo off-line são as mesmas que aquelas do mundo on-line”, afirma.

Que há uma crise na produção cultural atual, não há dúvida. Mas achar que esse ‘copia e cola’ pode funcionar como base para um novo método de criação é muito inocente“, opina Pécora.

POR CAROL NOGUEIRA | PUBLICADO ORIGINALMENTE EM FOLHA DE S. PAULO | 24/11/2011