Custo de produção de tablet da Amazon é quase igual a seu preço


Para cada tablet Kindle Fire que vende, a Amazon recebe praticamente o mesmo valor que gastou para produzi-lo, estimou a consultoria IHS iSuppli, ressaltando a agressividade com a qual a empresa tenta controlar o custo de um dispositivo que encabeça a sua incursão no mercado de tablets.

O Fire, de US$ 199, é vendido por menos da metade do preço do iPad mais barato da Apple e tem o objetivo de ser uma “máquina de vendas” para músicas, vídeos e livros vendidos pela Amazon na internet.

O custo total de componentes do aparelho totaliza US$ 185,60. Somado ao custo de montagem, o preço sobe para US$ 201,70, estimou a IHS iSuppli.

Kindle Fire, tablet da Amazon, exibido em coletiva de imprensa em Nova York | Mark Lennihan - 28.set.2011/Associated Press

O aparelho da Amazon obteve análises positivas por seu preço atrativo e pela conexão com a bem-sucedida rede da companhia de varejo. Mas o aparelho não tem grandes recursos -faltam-lhe uma câmera, um microfone e outros atrativos típicos– e é considerado menos versátil que o iPad e que tablets rivais como o Galaxy Tab, da Samsung.

Analistas esperam que de 4 milhões a 6 milhões de aparelhos sejam vendidos durante o trimestre dos feriados de fim de ano.

DA REUTERS | Publicado originalmente por FOLHA.COM, TEC | 18/11/2011 – 20h55

Futuro digital


A Barnes & Noble, que tem a maior rede de livrarias nos Estados Unidos, prevê que sua venda de e-books vai passar de US$ 250 milhões em 2010 para mais de US$ 2 bilhões em 2015, de acordo com uma apresentação feita por William Lynch, o principal executivo da empresa, na semana passada, durante reunião com investidores. Já a venda de livros físicos deverá cair de US$ 3,6 bilhões, no ano passado, para US$ 2,8 bilhões em 2015. A B&N projeta que o mercado total de livros físicos nos Estados Unidos vai encolher um terço nos próximos anos – de US$ 21 bilhões em 2010 para US$ 14 bilhões em 2015 –, enquanto a área de livros digitais crescerá 7 vezes e chegará a US$ 7 bilhões no mesmo período.

Publishers Weekly | 18/11/2011

Biblioteca Digital Pedro de Angelis


Países assinam documento para disponibilizar acervo de Pedro de Angelis na internet

A Fundação Biblioteca Nacional [FBN] assinou no dia 15 um memorando de entendimento com a Biblioteca Nacional da Argentina para criar a Biblioteca Digital Pedro de Angelis, que disponibilizará na internet o acervo do historiador e colecionador italiano. Segundo a FBN, a coleção de 255 itens inclui mapas, jornais editados por Angelis e outros documentos. O acordo já tinha a assinatura da Biblioteca Nacional do Uruguai e foi oficializado durante a viagem da ministra da Cultura Ana de Hollanda à Argentina, nesta semana. O acervo de Angelis está em parte no Brasil por ter sido adquirido por Dom Pedro II.  Galeno Amorim, presidente da FBN, comentou: “Se um dia este acervo saiu da Argentina, esta é a ocasião para devolvê-lo. Fundamental para que os historiadores, os pesquisadores e estudantes tenham acesso de onde quiserem – uma vez que é pela internet.

PublishNews | 18/11/2011