Kindle de US$ 79 custa US$ 84 para ser produzido, diz análise


Uma análise recente da IHS iSuppli determinou que o modelo mais barato do Kindle, da Amazon, vendido por US$ 79, custa US$ 84,25 para ser produzido.

No resultado, a iSuppli concluiu que o custo de materiais do Kindle é de US 78,59, incluindo a tela de 6 polegadas com tecnologia e-ink, com preço de US$ 30,50. A empresa de pesquisas estima que os custos de produção ficam na casa dos US$ 5,66 por aparelho.

Kindle Touch, novo leitor de livros eletrônicos da Amazon | Shannon Stapleton /Reuters

Mesmo que a Amazon pague mais do que US$ 79 pelo Kindle, a empresa tem outros meios de fazer dinheiro com o aparelho. Esse modelo de Kindle inclui propagandas que são exibidas na tela de descanso e no rodapé da tela inicial do aparelho.

A empresa enxerga cada aparelho da família Kindle como uma forma de aumentar as vendas de livros digitais, músicas, jogos e aplicativos.

DA ASSOCIATED PRESS, EM SAN FRANCISCO | Publicado por Folha.com | 11/11/2011 – 17h20

Vendas digitais da DC giram em torno de 10% da tiragem impressa


Desde que a reformulação da DC Comics começou, em setembro, todos os lançamentos da editora são vendidos digitalmente no mesmo dia em que as revistas impressas são lançadas.

Apesar de as vendas das versões impressas de setembro e outubro terem sido divulgadas pela distribuidora Diamond, nada se falou da quantidade vendida por meio digital. O vice-presidente de vendas e marketing John Rood falou um pouco mais sobre o assunto em entrevista recente ao site Newsarama, apesar de ainda não ter falado em números concretos.

Segundo ele, as expectativas foram superadas e as vendas giraram em torno de 10% da tiragem da versão impressa. Em setembro, a DC Comics vendeu pouco mais de quatro milhões de revistas e, tomando por base esse número, as vendas digitais podem chegar a 400 mil.

Rood também voltou a afirmar que o objetivo das vendas digitais não é dividir o mercado, mas somar para atrair novos leitores e fazer a indústria crescer. “Não se pode falar de quadrinhos digitais como uma mídia que substituirá a tradicional. O que estamos vendo é uma adição, quase por completo“, afirmou.

Isso quer dizer que a maioria dos clientes do meio digital é formada por leitores que não costumam comprar revistas impressas.

Por Samir Naliato | Universo HQ | 11/11/2011