eBooks brasileiros em pauta na PublishersLaunch


Sérgio Machado, da Record, foi o representante brasileiro no painel que reuniu editores da Itália, Alemanha, China e Estados Unidos

Sérgio machado

A possibilidade de crescimento do mercado brasileiro de livro digital está na mira de editores internacionais e a organização da Conferência PublishersLaunch escolheu Sérgio Machado, presidente do Grupo Record, uma das editoras que integram a distribuidora de livros digitais DLD, para contar o que o Brasil anda fazendo nesse sentido. O painel, realizado nesta segunda-feira, dia 10, em Frankfurt, contou ainda com a participação de Riccardo Cavallero, da Mondadori [Itália]; Kris Kliemann, da Wiley [Estados Unidos]; Michale Justus, da S. Fischer Verlag [Alemanha].

Para Machado, em três anos os e-books devem ter 10% de market share no Brasil. Mas isso só vai acontecer se houver um número razoável de e-books, e-readers baratos e se a compra for fácil. Depois disso, ele acredita, o crescimento será muito rápido.

Entre os assuntos abordados estava o interesse da Amazon pelo país, e ele contou que a empresa não pretende concorrer na venda de livros impressos. “Ela entendeu que pode ser um pesadelo distribuir livros no Brasil”, completou. Por outro lado, sabe-se que Amazon já está conversando com a DLD, editoras e livrarias para conhecer o mercado e organizar sua estratégia. E que também está procurando um profissional para representá-la em São Paulo.

Por fim, Sérgio Machado disse que o exemplo da Barnes & Noble, rede de livrarias que se aventurou pelo mundo digital e criou o seu próprio e-reader, é de grande valia e pode ser muito útil se quisermos chegar logo no mesmo nível dos outros países. E chegou a fazer previsões: “Cedo ou tarde, um player local vai fazer um acordo com a Barnes & Noble para usar a tecnologia dela e acelerar o processo para poder concorrer com a Amazon”.

Por Maria Fernanda Rodrigues | PublishNews | 11/10/2011