Google mostra uma biblioteca navegável


Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

Já imaginou poder passear por prateleiras de livros de forma virtual? É o que o Google pretende com a WebGL Bookcase. Ela é uma experiência diferente de biblioteca virtual, que permite ao usuário, com o uso do navegador Chrome, navegar por prateleiras repletas de livros e, com poucos cliques, começar a ler a obra em sua versão digital. É como se essa prateleira estivesse na sala da sua casa, só que contendo uma enorme quantidade de títulos literários. Clique aqui e confira a experiência.

The Next Web | Por Jacqueline Lafloufa | Blue Bus | 19/10/2011

A pergunta agora é: Os e-readers vão sobreviver?


Conferência PublishersLaunch debate a atual situação do livro digital e reúne editores de diversos países

Discutir se há um futuro para o livro impresso é coisa do passado. Editores viraram o disco e agora se perguntam que tipo de aparelho as pessoas vão escolher para ler livros digitais: e-readers ou tablets? “Não é uma questão de ter um e-reader ou um tablet, mas de poder sincronizar todos os seus aparelhos”, melhor respondeu Riccardo Cavallero, da Mondadori. O assunto foi levantado na manhã desta segunda-feira, dia 10, em Frankfurt, nos dois primeiros painéis da Conferência PublishersLaunch, organizada pelo consultor e colunista do PublishNews Mike Shatzkin e por Michael Calder, responsável pelo boletim Publishers Lunch. A empresa AT Kearney apresentou números relacionados à utilização de e-readers e tablets nos principais países. De todos os países consultados, apenas no Reino Unido os tablets superam os leitores de livro eletrônicos [3.4% contra 2.6%]. Nos Estados Unidos, a relação é equilibrada, com os tablets tendo entre 8% e 9% de penetração e os e-readers, entre 9% e 10%. Com relação ao número de e-books disponíveis, o Brasil, único país da América Latina consultado, está na lanterna, com 6 mil títulos. Os mais avançados são Estados Unidos [1 milhão], Reino Unido [400 mil], Alemanha e França [80 mil cada], China [60 mil], Japão [50 mil], Austrália [35 mil], Itália [20 mil] e Espanha [15 mil].

Por Maria Fernanda Rodrigues | PublishNews | 10/10/2011