“Desvendando a adoção do Livro Digital”


Desvendando a adoção do Livro Digital – Uma Experiência Empírica utilizando um modelo em equações estruturais” foi o vencedor do trabalho científico no 2º Congresso Internacional CBL do Livro Digital, a apresentação aconteceu em uma sessão especial, e teve como objetivo estimular a divulgação de pesquisas e trabalhos inéditos empíricos ou conceituais.

Os seis melhores trabalhos foram apresentados durante o Congresso. Autora do trabalho classificado em segundo lugar, denominado “Desafios do Digital na democratização da divulgação científica no Brasil”, Nathalie Reis fala de sua satisfação: ”fiquei muito feliz e um pouco surpresa, pois a qualidade dos demais trabalhos também era muito boa. Podemos contribuir, inclusive através de parcerias, na ampliação da leitura no Brasil. Foi uma iniciativa muito interessante essa aproximação da indústria editorial brasileira, através da CBL, com a universidade. Há muito o que pesquisar sobre o livro digital no Brasil”. Primeiro e segundo lugares serão publicados pela Revista Rege da USP.

CBL | 30/07/2011

Entrada da Amazon na Itália estimula queda de preços


Itália: Horas antes de Ricardo Cavallero, gerente geral da Mondadori, embarcar para São Paulo – onde participou na quarta do Congresso Internacional do Livro Digital -, a gigante italiana assinou com a Amazon contrato para venda de 2.000 títulos para Kindle.

Há nove meses vendendo eBooks, a maior editora da Itália pretende lançar no formato outros 1.000 dos 10 mil títulos de seu catálogo até o fim do ano – quando a Amazon, no país desde novembro, deve iniciar a venda do Kindle. “Não houve razão para assinarmos o acordo antes de termos certeza de que eles entrariam no mercado italiano“, disse Cavallero à coluna.

Ciente das dificuldades da varejista de fechar contratos no Brasil, o gerente compara a situação aqui com a dos EUA em 2009. “A tendência é que as editoras batalhem pelo direito de definir os preços sem que ninguém possa mudá-los. O problema dessa típica reação de defesa da indústria é que, para que esse mercado dê certo, os preços precisam cair. Está provado que as pessoas gastam no máximo 10 dólares ou euros em compras pelo celular.

Hoje, a Mondadori dá descontos de 50% em todos os seus e-books. Quer reduzir ainda mais os preços até o fim do ano.

Por Raquel Cozer | O Estado de S.Paulo | 30/07/2011

O passado e o futuro


Sai Roger Chartier, entra Bob Stein. Com a mudança de agosto para outubro, a 1.ª Festa Literária Internacional de Cachoeira [Flica]perdeu o francês historiador do livro, mas garantiu o americano pioneiro em estudos sobre e-books. Em comum, os dois creem que o digital vai gerar um novo tipo de obra literária, mas Stein é mais radical. No Congresso do Livro Digital, ele mostrou não ver lugar para o impresso no futuro.

Por Raquel Cozer | O Estado de S.Paulo | 30/07/2011

As vendas por aqui


Na Cultura, 15 mil e-books foram vendidos este ano. Mauro Widman, coordenador da área na livraria, diz que as vendas dobram a cada dois ou três meses. A previsão é que, até dezembro, a comercialização de digitais chegue a 1% do faturamento da loja. Parece otimismo: ficaria em torno de R$ 3 milhões, se levado em conta o faturamento de 2010.

*

As editoras que mais vendem livros digitais na Cultura são a KBR, cujos títulos não passam de R$ 12, e a Zahar, devido aos preços e ao alto número de títulos no formato: 300.

*

Os e-books “made in Brazil” não chegam a 2% do total de títulos digitais oferecidos pela Cultura e pela Saraiva. Embora os importados dominem, suas vendas são menos expressivas. Cerca de 70% dos títulos no formato vendidos nas duas lojas são nacionais.

*

Segundo a Saraiva, há dez títulos nacionais cujas vendas em e-book já equivalem a mais de 5% das de papel no mesmo período.

Por Raquel Cozer | O Estado de S.Paulo | 30/07/2011

Enquanto isso, no Brasil…


Apesar de a Amazon ainda não ter chegado de fato ao Brasil, sua presença no País é significativa entre livrarias virtuais. Segundo o Google AdPlanner, que estima audiência de sites, a loja americana tem aqui mais visitantes únicos por mês [1,9 milhão] que a Cultura e a Fnac [com 1,2 milhão cada uma]. A Saraiva fica na frente das três, com 4,6 milhões.

Hoje, a Mondadori dá descontos de 50% em todos os seus e-books. Quer reduzir ainda mais os preços até o fim do ano.

Por Raquel Cozer | O Estado de S.Paulo | 30/07/2011

Prêmio dará R$ 30 mil para projetos de incentivo à leitura


Estão abertas até 10 de agosto as inscrições para o Prêmio Vivaleitura, que tem como objetivo incentivar a leitura no País. Essa é a sexta edição da premiação, que neste ano vai reconhecer pela primeira vez trabalhos desenvolvidos em ambientes virtuais como blogs ou redes sociais.

Podem se inscrever pessoas físicas, empresas, instituições e órgãos públicos em três diferentes categorias: bibliotecas, escolas e sociedade. Esta última inclui empresas, organizações não-governamentais [ONGs], pessoas físicas, universidades e instituições sociais. A lista dos 15 finalistas será divulgada em outubro e o resultado final, com o vencedor de cada categoria, em novembro. Cada um receberá um prêmio no valor de R$ 30 mil.

As inscrições podem ser feitas no site http://www.premiovivaleitura.org.br ou por carta registrada para o seguinte endereço: Caixa-Postal 71037-7 – CEP 03410-970 – São Paulo – SP. Mais informações na página do prêmio ou pelo telefone 0800 7700987.

O Vivaleitura é promovido pela Organização dos Estados Ibero-americanos para a Educação, a Ciência e a Cultura [OEI] e os ministérios da Cultura e da Educação, com patrocínio da Fundação Santillana e apoio do Conselho Nacional de Secretários de Educação [Consed] e da União dos Dirigentes Municipais de Educação [Undime].

Por Amanda Cieglinski | Agência Brasil | 30/07/2011 | Edição: João Carlos Rodrigues