Desacordo Google


FOTO: Carlos Osorio/AP

Os planos do Google de criar a maior biblioteca online do mundo, repleta de títulos raros, esgotados e órfãos [aqueles cujos detentores de direitos autorais são desconhecidos ou inacessíveis] sofreram duro golpe nesta semana, quando um juiz federal dos EUA rejeitou o acordo que previa que o Google pagasse US$ 125 milhões a autores e editoras pelo direito de colocar esses acervos na internet.

Para Denny Chin, o juiz, o acordo era “injusto, inadequado e irracional”. Ele sugeriu que o trato avançaria se valesse só para autores e donos de direitos autorais que aceitassem os termos. Isso não resolve, porém, casos de livros órfãos.

Por Redação Link | 27 de março de 2011 | 19h57

Com vendas pífias, editoras hesitam


É que nem festa de chefe, definiu certa vez um editor ao falar da entrada de sua empresa no mercado digital: você não morre de vontade de ir, mas também não pode faltar. Foi com essa sensação que as editoras nacionais deram, em 2009, os primeiros passos rumo ao eletrônico. De repente, todo mundo era novato. Ninguém sabia formatar um e-book, então os arquivos tinham de ser enviados para reformatação na Ásia, de onde voltavam sem acentos e sem pedaços do texto. Direitos autorais eram outros 500. Lançar velhas obras no novo formato? Só refazendo todos os contratos com os autores.

De lá para cá, parte razoável das editoras ganhou know-how, mas a comercialização de e-books segue pífia. Até o mês passado, por exemplo, a Sextante tinha vendido 100 mil cópias impressas de O Aleph, de Paulo Coelho, ante cerca de 100 digitais. Sem retorno, as casas hesitam em investir. Para se ter noção, na Livraria Saraiva estão à venda 2.500 e-books nacionais, ante 204 mil importados. A Companhia das Letras, que tem 20 títulos eletrônicos [de um catálogo de 5 mil obras], só apostou na área ao fechar acordo com a Penguin americana, pelo qual livros em parceria teriam de sair nos dois formatos. Um dos resultados dessa parceria, O Amante de Lady Chatterley, é o 10º e-book mais comprado na Cultura – que, como a Saraiva, não dá números dessas vendas [o motivo você pode imaginar]. Quase todo o resto da lista é de desanimar o leitor mais voraz: Como Lidar com Pessoas Difíceis, O Monge e o Executivo e por aí vai. Como acontece com os livros em papel, autoajuda e acadêmicos estão entre os mais procurados no País. E empresários, afinal, investem mesmo é no que vende.

Por Raquel Cozer | Redação Link | 27 de março de 2011 | Raquel é repórter e colunista do Sabático e assina o blog A biblioteca de Raquel no Estadão.com