Positivo anuncia joint venture com BGH e fábrica na Argentina


SÃO PAULO – A Positivo Informática anunciou nesta manhã uma joint venture com a argentina BGH. O acordo é o pontapé inicial para o processo de internacionalização da fabricante brasileira, com a entrada nos mercados da Argentina e do Uruguai.

A joint venture visa a fabricação de desktops, notebooks, all-in-ones, e-books e tablets nos dois países. Segundo a Positivo, a BGH “atua no mercado argentino há mais de 90 anos, possui amplo conhecimento e forte atuação nos mercados de Varejo e Governo e oferece avançada tecnologia em sistemas de informação, de telecomunicações e de climatização”.

Para criar a joint venture, a Positivo comprou 50% da Informática Fueguina, controlada da BGH. A administração da empresa será compartilhada entre BGH e Positivo.

O acordo prevê ainda a construção de uma fábrica na Província da Terra do Fogo, Antártida e Ilhas do Atlântico Sul, na Argentina. Os produtos fabricados serão comercializados com uma marca que será composta pela junção das marcas Positivo e BGH, com a possibilidade de uso de outras marcas pela nova empresa.

O investimento inicial estimado será de US$ 8 milhões, sendo que a Positivo aportará US$ 4 milhões. O início de operação está previsto para meados de fevereiro de 2011, a depender de aprovações do governo.

Por Téo Takar | Valor Econômico | 06/12/2010

Bibliotecas recebem telecentros digitais


Bibliotecas públicas municipais implantadas e modernizadas pelo Ministério da Cultura entre 2008 e 2009, através do Programa Mais Cultura, recebem, nos próximos 60 dias, Telecentros Comunitários do Ministério das Comunicações. Em um primeiro momento serão contempladas 486 bibliotecas. Em breve será divulgada nova lista de bibliotecas a serem contempladas.

Das 486 bibliotecas contempladas, 286 foram implantadas pelo Programa Mais Cultura entre 2008 e 2009. As outras 200 bibliotecas foram contempladas no Edital Mais Cultura de Modernização de Bibliotecas Públicas Municipais, destinado a municípios com 20 mil habitantes.

O Telecentro Comunitário é composto por 11 computadores conectados à internet banda larga. O envio dos telecentros digitais faz parte de uma parceria entre os ministérios da Cultura e das Comunicações que já apoiou outras 410 bibliotecas modernizadas pelo Programa Mais Cultura em 2009.

Pesquisa da Fundação Getúlio Vargas [FGV], encomendada pelo MinC, revelou que apenas 45% dos estabelecimentos possuem computador com internet. E, do total, somente 29% oferecem o serviço ao usuário. “Para nós, do Ministério da Cultura, a biblioteca tem de ser um centro cultural dinâmico, espaço para todos os suportes de leitura”, afirma o diretor de Livro, Leitura e Literatura do Ministério da Cultura, Fabiano dos Santos Piúba.

A iniciativa faz parte do programa de Inclusão Digital do Governo Federal, que vem realizando um grande esforço para diminuir o número de brasileiros sem acesso à internet. Até o momento foram instalados mais de 7 mil telecentros no país. Carlos Paiva, coordenador-geral de Acompanhamento de Projetos Especiais do Ministério das Comunicações, destaca a parceria dos dois ministérios como exemplo de “otimização das políticas públicas”. Para ele, a instalação dos telecentros nas bibliotecas é “de uma importância sem precedentes, pois possibilita ao leitor geral e ao usuário do local a introdução desta tecnologia”. Paiva diz que a prioridade do Ministério das Comunicações é o atendimento às bibliotecas do Programa Mais Cultura. Mas, além destas, o ministério cadastrou, em junho, 1.250 bibliotecas, que também serão contempladas.

Desde 2007, quando foi criado, o Programa Mais Cultura já implantou 1,2 mil bibliotecas e modernizou outras 1 mil.

MinC | 06/12/2010

Pessoas trocam livros por redes sociais antes de dormir


Os britânicos estão substituindo a leitura de livros antes de dormir pelo acesso aos seus perfis em redes sociais. Segundo uma pesquisa encomendada pela empresa “Travelodge”, 72% dos britânicos conferem as atualizações de seus amigos no Facebook antes de dormir.

O levantamento, que ouviu 6 mil pessoas, também revelou que 18% desses usuários enviam, diariamente, um tuíte de “boa noite” para seus seguidores. O tempo médio gasto pelos britânicos nas redes sociais enquanto estão na cama é de 16 minutos.

A pesquisa também descobriu que os britânicos fazem suas compras semanais pela internet enquanto estão na cama. Um em cada 10 adultos resolve alguma conta pendente e 35% acompanham as últimas fofocas de celebridades antes de dormir.

G1 | 06/12/2010

Google lança maior livraria digital da internet com 3 milhões de títulos


O gigante da internet Google lançou nesta segunda-feira [6] o Google eBooks, a maior livraria digital da rede com mais de três milhões de títulos disponíveis e com a qual a companhia espera concorrer com a Amazon pelo domínio do mercado dos livros eletrônicos.

Após meses de atraso, o ambicioso projeto finalmente foi lançado nesta segunda-feira nos EUA com um nome diferente do que se especulava até agora [Google Editions], mas sem alterar a filosofia prevista.

Projetamos o Google eBooks para que seja aberto. A maioria dos dispositivos com um navegador moderno são compatíveis com o Google eBooks, desde portáteis a netbooks, de tablets a smartphones“, comentou no blog da companhia Abraham Murray, chefe do departamento Google Books.

Esta plataforma digital é um serviço na nuvem, por isso que está hospedado nas bases de dados da empresa tecnológica e é acessível desde a internet através de uma conta de usuário do Google.

O Google eBooks conta com um leitor de livros digitais no site e oferece acesso à maior livraria existente na rede que combina exemplares digitalizados pelo Google desde 2004 junto a milhares de obras à venda.

No total, Murray indicou que há mais de 3 milhões de livros disponíveis através do Google eBooks, desde clássicos da literatura a “best-sellers” atuais.

O extenso catálogo, chamado de Google eBookstore, estreou na web dando preferência aos livros mais vendidos do momento, assim como às novas obras que chegaram ao mercado, com títulos como “The Confession” de John Grisham e o relato autobiográfico de George W. Bush, “Decision Points”.

A maioria das obras está disponível atualmente em inglês.Além do acesso mediante um endereço de internet, o Google anunciou que sua livraria contará com aplicações específicas para Android e Apple e que está negociando com editoras para lançar este serviço em outros países em 2011.

Muitos livros oferecerão a opção de selecionar o tipo de letra, tamanho, modo de leitura para dia e noite e entrelinhas”, disse Murray.

O Google eBooks memorizará a página na qual a pessoa parou de ler e voltará a ela quando o usuário se conectar novamente, independente do dispositivo que ele utiliza.

A obras poderão ser compradas a partir do Google eBookstore ou de livrarias associadas ao Google.

A aposta do gigante da internet é disputar o domínio do setor dos e-books com a Amazon, que domina 65% do mercado graças, em grande medida, às vendas de seu leitor Kindle.

Por Fernando Mexía | EFE | 06/12/2010

Google lança loja de livros eletrônicos com mais de 3 milhões de obras gratuitas


O Google lançou oficialmente nesta segunda-feira [6] sua loja de livros eletrônicos, a Google eBookstore. São mais de 3 milhões de obras gratuitas já disponíveis aos usuários, além das pagas.

A loja é compatível com navegadores de internet convencionais e com aparelhos Android, iPhone, iPad e iPad touch, além dos e-readers da Sony e o Nook. Assim, é possível usar diversos aparelhos para ler os livros.

Desenhamos o Google eBooks para que ser aberto. A maioria dos dispositivos com navegador moderno é compatível com Google eBooks, desde portáteis a netbooks, de tablets a smartphones“, comentou no blog da companhia Abraham Murray, chefe do departamento Google Books.

Google eBooks conta com um leitor no site de livros digitais e oferece o acesso a maior livraria existente na rede que combina exemplares digitalizados pelo Google desde 2004 junto de “centenas de milhares” de obras à venda.

Além do acesso pelo endereço da internet, o Google anunciou que sua livraria contará com aplicações específicas para Android e Apple, o que “tornará possível comprar e ler pelo mesmo aplicativo“. “Muitos livros oferecerão a opção de selecionar o tipo de letra, tamanho, modo de leitura para dia e noite e o entrelinhas“, disse Murray.

Google eBooks memorizará a página na qual parou de ler e voltará a ela quando o usuário volte a se conectar, sem importar o dispositivo a partir do qual o faça.

LIVROS

O Google fez uma parceria com editoras e autoras para colocar os livros à disposição dos usuários. Estão na loja bestsellers e clássicos, o que inclui obras que estão em domínio público.

O usuário pode navegar pela página de New Arrivals, a procura das obras mais recentes adicionadas à loja, ou pelo Free Classics, com obras gratuitas.

Estão disponíveis títulos gratuitos e pagos, mas apenas os usuários residentes nos Estados Unidos podem comprar livros por enquanto, segundo a empresa.

Folha.com | TEC | 06/12/2010 – 13h52 | Com agências de notícia