Amazon, Apple, Barnes & Noble Alegrai-vos: e-Books agora US $ 1 bilhão


Em 2002, as vendas de livros eletrônicos estavam em reles 7.000 mil dólares. Os consumidores tiveram poucas maneiras convenientes para lê-los. Sony e-reader e dispositivos LCD como o robusto Rocket Book eram os únicos playres. O Kindle e o Nook eram uma visão distante para a Amazon e Barnes & Noble, e o iPad não passava de um sonho na mente de Steve Jobs.

Avançando para 2010: e-books estão destinados a passar vendas de US $ 1 bilhão.

De acordo com um relatório divulgado hoje pela Forrester Research, as vendas de livros digitais EUA dispararam 220% entre o total do ano passado de US $ 301 milhões, amparado por um enorme aumento de leitores eletrônicos para 10,3 milhões, ante 3,7 milhões em 2009. Além disso, a Forrester estima-vendas do livro e vai triplicar até 2015, e que mais de 29 milhões de e-leitores terão sido vendidos.

Com tais sinais positivos para a indústria, não é nenhuma maravilha livreiros e editores estão correndo para a era digital. Imprimir livros ainda compõem a grande maioria das receitas da indústria – cerca de US $ 23 bilhões em 2009. Mas esse número está em declínio, enquanto as vendas do e-book saltaram pontos percentuais, duplo e triplo dígitos a cada ano desde 2002.

Amazon Kindle fez sua a peça central de seus negócios, e valeu a pena. Forrester afirma que 50% dos e-books no mês passado foram adquiridos através da loja do Kindle. Agora, Barnes & Noble espera que o Nook irá reviver os seus lucros. A empresa recentemente lançou o Nookcolor, e deu sinais de grande porte que está pensando em mudar radicalmente seu modelo de negócio para ter a “vantagem de obrigar oportunidades digitais.”

Com efeito, e-books ainda têm um espaço enorme para crescimento. Segundo a Forrester, apenas 7% dos adultos online nos os EUA que lêem livros lidos e-books. Esse número deverá dobrar em 2011.

POR AUSTIN CARR | Publicado originalmente em FastCompany | 8/11/2010

Mercado de e-books chega a quase US$ 1 bi em 2010


Até o final de 2010, consumidores terão comprado US$ 966 milhões em livros eletrônicos, segundo relatório da Forrester. “Quando você chega a influência de US$ 1 bilhão, as pessoas têm que te levar a sério“, brinca James McQuivey, representante da consultoria.

O estudo mostrado pela empresa ainda mostra que a estimativa é que esse número cresça para até US$ 3 bilhões em 2015.

Ainda há muito o que crescer, já que apenas 7% dos adultos que estão on-line e leem livros procuram as obras eletrônicas. Apesar disso, o relatório destaca que esses 7% são valiosos: eles leem mais livros e gastam mais dinheiro nesse mercado.

Um fato inesperado é que quase metade dos leitores de livros eletrônicos ainda não têm um dispositivo específico para a leitura das obras, os e-readers.

Folha.com | TEC | 08/11/2010 – 15h22

Primeiro leitor de livros com tinta eletrônica colorida é lançado na China


Aparelho será vendido no mercado chinês por cerca de R$ 750.
Tecnologia e-ink oferece leitura mais confortável que as telas de LCD.

Leitor colorido da Hanvon deverá custar cerca de US$ 450 na China. Foto: Divulgação/Hanvon

A companhia chinesa Hanvon Technology vai lançar o primeiro leitor de e-books com tela de tinta eletrônica colorida. O produto deverá custar, no mercado chinês, cerca de US$ 450, o equivalente a R$ 750.

O anúncio oficial deve acontecer nesta terça-feira durante a FPD International, evento em Tóquio, no Japão, que reúne fabricantes de telas para televisores, computadores, celulares e eletrônicos em geral.

O produto vai usar uma versão avançada – e em cores – da mesma tecnologia presente em leitores de livros eletrônicos como o Kindle, da Amazon, e o Alfa, da brasileira Positivo.

Diferentemente de displays de cristal líquido [LCD], como o utilizado no iPad, a tela de e-ink não emite, e sim reflete a luz. Isso faz com que a leitura seja mais confortável, já que a imagem gerada pela tela se assemelha à impressa em um papel, como em um livro comum. Por necessitarem de energia elétrica apenas para trocar as páginas, e não para sustentar a exibição da imagem durante a leitura, aparelhos que utilizam essa tecnologia também têm duração maior da bateria.

Em outubro, a livraria americana Barnes and Noble anunciou o lançamento de um leitor digital colorido para o mercado americano. O produto, no entanto, usa tela de LCD iluminada por LEDs. A Amazon, líder no setor de e-readers, ainda não vende leitores com tela colorida.

Portal G1 | 08/11/2010 08h44