Era dos livros eletrônicos complica vida dos escritores


Sempre foi difícil para um autor estreante conseguir publicar numa grande editora. Mas a revolução digital tem tido um impacto exagerado na carreira dos escritores. Muitas edições digitais rendem menos para as editoras. E as grandes varejistas têm comprado menos títulos. O resultado é que as editoras que acalentaram gerações de escritores americanos passaram a fechar menos acordos com escritores estreantes. Da mesma maneira que a música barata na internet fez com que menos bandas conseguissem ganhar a vida fechando contratos com gravadoras, menos escritores conseguirão se sustentar, dizem editores e agentes. “Em termos de ganhar a vida como escritor, é melhor que você tenha outra fonte de renda“, diz Nan Talese. Em alguns casos, pequenas editoras estão fechando contratos com escritores promissores. Mas elas oferecem em média US$ 1 mil a US$ 5 mil de adiantamento, em comparação com US$ 50 mil a US$ 100 mil que as grandes editoras geralmente pagavam por um livro de estreia.

Valor Econômico | Por Jeffrey A. Trachtenberg | Publicado originalmente em The Wall Street Journal | 29/09/2010